Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Apneia | Tânia Ganho

Casa das Letras

apneia.jpg

 

Título: Apneia

Autor: Tânia Ganho

Editora: Casa das Letras

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Julho de 2020

Páginas: 696

ISBN: 978-989-660-810-1

Classificação: 5 em 5

 

Sinopse: Quando Adriana ganha finalmente coragem para sair de casa com o filho de cinco anos, pondo fim ao casamento com Alessandro, mal pode imaginar que o marido, incapaz de aceitar o divórcio, tudo fará para a destruir - nem que para isso tenha de destruir o próprio filho.

Apneia é uma viagem ao mundo sórdido da violência conjugal e parental, através de um labirinto negro em que os limites da resistência psicológica são postos à prova, ameaçando desabar a qualquer instante, e dos meandros tortuosos de uma Justiça por vezes incompreensível, desumana e desfasada da realidade.

Escrito com uma sobriedade e frieza inquietantes, Apneia é um romance intenso, absorvente e perturbador, que ilustra com uma autenticidade desarmante o estado de guerra em que vivem milhares de famílias estilhaçadas, e com o qual, inevitavelmente, muitos leitores se vão identificar, encontrando nestas páginas ecos da sua própria experiência.

 

Opinião: O nome deste livro diz tudo, Apneia, cujo significado nos transporta para a suspensão da respiração. E foi assim mesmo que fiquei ao longo da leitura desta obra de Tânia Ganho. Conhecendo o sofrimento de Andreia, que luta pelo bem estar do filho, a narrativa criada deixa o leitor sem fôlego ao longo de cada capítulo onde tudo o que vai sendo descrito apela para que se entre na história e se ajudem a colocar os pontos nos iis, já que algo tem de ser feito para salvar vidas que sofrem e são facilmente manipuladas. 

Apneia retrata a vida de uma mulher que sobre de violência doméstica, até que decide sair de casa quando o filho, Alessandro tem cinco anos. A partir desse momento a custódia pelo menor e os limites entre o respeito entre uns e outros é debatida entre acusações e insultos, numa guerra parental que vai muito para além da violência que acaba por ser levada à justiça que tanta vez defende o poder e não a razão. Mostrando uma mãe lutadora pelo bem estar do filho, Apneia mostra a persuasão sem pausas de uma mulher que se anula pelo bem-estar do outro, entrando em suspenso consigo própria para definir o futuro do menor dentro dos parâmetros aceites pelo seu antigo e sempre presente ex-companheiro, Edoardo. 

Mostrando uma luta errada e desigual, onde o certo parece ser o errado e o que realmente está mal é visto como pontos positivos no futuro de uma criança pelas leis do tribunal, Apneia vai para além da violência conjugal que se alia com a alienação parental, chegando bem cedo a um descarrilar por abusos sexuais. Entre solidão, violência, abusos, mentira, injustiça, ingratidão e persuasão, a perseverança com que uma mãe luta pelo filho sozinha sem sentir que a verdade seja respeitada e defendida é um dos grandes pilares desta história que prende o leitor sem cansar. Nesta inspiração em casos reais a criança é vista como um alvo para abater o outro lado da batalha, num autêntico jogo de ping pong, do leva e trás e não com as melhores ideias a serem partilhadas e enviadas, existindo uma real contradição entre o bem e o mal entre as ideias de mãe e pai, deixando a criança confusa, sem capacidade inicial para perceber que o centro do vulcão onde se encontra a circular está prestes a explodir e que a vitima no futuro é só uma. 

São longas páginas, de capítulos pequenos mas de rápida leitura, sem cansar e repetir e com tudo excelentemente bem descrito, que a autora criou, deu o seu toque de sensibilidade e consegue assim ter o leitor preso para perceber se seria possível um ser humano ir tão longe para magoar o seu próprio filho como se nada estivesse a acontecer. A mágoa de uma mãe que parece ficar de pés e mãos atadas pelo medo que sempre a atormentou antes e durante este estado de tentativas de luta mas de grande letargia.

Com personagens centrais bem definidas e com presença, Apneia é de uma leitura intensa e que mostra de início ter a força para prender o leitor até ao final, sem dar tréguas, já que não existem momentos de cansaço para se pensar em fazer uma pequena pausa, estando este livro capacitado para mexer com as emoções e reações de quem o está a receber. 

Um livro que fica na memória tão facilmente por transportar o leitor por histórias reais, por vezes que são próximas e que mostram como os erros de adultos em determinados momentos conseguem alterar todo o crescimento de um menor que não conseguirá por vezes recuperar dos males que lhe são provocados quando tudo devia ser perfeito para se tornar ele próprio num bom e credível adulto de confiança. 

Apneia é um dos meus livros de 2020, pelas mais variadas razões, e por isso mesmo só lhe posso dar um aplaudo de recomendações!

 

 

Se ficaste curioso, encomenda já o teu exemplar de Apneia

apneia capa.jpg