Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

univseritarios-billboard

Vizinhança da discórdia

Publicado por O Informador, 26.02.20

vizinhança.jpg

 

Ainda é bem cedo, enquanto o menino toma o pequeno-almoço descansado, enrolado no roupão e a ver as últimas publicações pelo Instagram, um barulho estranho e acima do normal faz-se sentir pela rua. De início parece ser somente alguém a falar mais alto logo pela manhã, mas o som adensasse, as vozes elevam-se, até que o menino percebe que a vizinha estridente debaixo e o vizinho porco do lado estão numa discussão bem acessa. Nomes e palavrões bem feios são proferidos, ameaças e gestos acompanham e a gritaria continua, as portas batem para se voltarem a abrir e tudo recomeçar em menos de um minuto.

Uma discussão acesa que já vinha a ser sentida há algum tempo pelo menino, sendo adiada até que o pontapé de saída aconteceu quando um portão se abriu, duas pessoas se olharam, a noite de ambos deve ter sido mal dormida e o choque aconteceu sem sabedoria para se conversar e resolver as coisas a bem, sem causar estranheza e ganhar um destaque pela imprensa do passa a palavra cá do sítio. 

Escrita livre

Publicado por O Informador, 25.02.20

escrita blog.jpg

 

Escrita livre perante um ecrã de computador é deixar que os dedos percorram o teclado sem que o pensamento esteja preparado para criar um novo texto com tema, conteúdos definidos e imagem pré-selecionada ou idealizada. Neste momento optei por deixar que o momento faça o artigo que estás a ler, sem destino e somente com o tema que a escrita livre, sem predicados e objetivos, tem. 

O que esperar quando nada se prepara e idealiza para entregar a quem está do outro lado enquanto leitor de um blog com publicações quase diárias? Enquanto autor - upa, que chique! - não posso aguardar pelas reações porque contínuo a escrever um texto sem sentido, onde o rumo é somente destinado à criação através da perceção de que não existe um pensamento elaborado para seguir com cada palavra. A intenção neste caso é escrever, entregar ao «publicar» algo para acrescentar às últimas atualizações do blog e seguir em frente. 

Se este texto te vai interessar enquanto visitante diário, semanal, mensal ou aos que foram apanhados na curva? Claro que não, mas quem é que consegue manter sempre ideias frescas para escrever, criar e dar de novo de forma constante sem que existam estes dias menos produtivos e onde a liberdade de expressão é somente deixar seguir cada palavra e nem pensar como o texto termina. 

Relógio corporal

Publicado por O Informador, 24.02.20

dormir.png

 

«Dormir faz bem e faz crescer», lá avança o ditado popular com longos anos. Voltei a dormir melhor nos últimos tempos e com um maior número de horas de descanso. Com isso constato agora que o corpo está tão habituado à rotina que com o aproximar das horas habituais do acordar, os sensores começam a ser ligados e a ficarem em alerta. 

Nem sempre me tenho de levantar pela mesma hora, por ter no trabalho horários rotativos e mesmo na folga posso ficar mais tempo a dormir, no entanto corpo e mente não entendem esse facto e todos os dias o momento de acordar é o mesmo. Com ou sem despertador o som começa a fazer-se sentir, os olhos abrem e percebo que em dias em que o telemóvel vai tocar para me acordar o consigo fazer instintivamente uns minutos antes. Nas folgas, sem horários a cumprir, aquela hora é sagrada e lá fico desperto como se tudo estivesse tão infiltrado numa rotina corporal que não consigo aguentar-me a dormir até mais tarde.

Pausas pessoais são pausas

Publicado por O Informador, 23.02.20

descanso.jpg

 

Dizem-me para contar e mostrar um pouco mais dos locais onde fico, quando vou de férias ou fim-de-semana, hospedado. Já o cheguei a fazer, no entanto neste momento não vejo que faça sentido estar a mostrar com alguma descrição os lugares onde pernoito e que me recebem por uns dias. 

Tiro fotografias, publico o que acho aceitável pelas redes sociais mas ficamos por ai, não gostando de entrar em pormenores sobre se aconselho certo local ou não. Primeiro porque escolho as estadias consoante as possibilidades dos meus bolsos, o que pode não agradar a quem procura grandes hotéis e locais paradisíacos, e depois porque vou para descansar, não estando propriamente atrás de uma avaliação para que outros possam conhecer certos lugares onde já estive. 

Um dia, quem sabe, poderei alterar as ideias sobre a partilha dos momentos de descanso aqui pelo blog, entretanto não esperem ver pelos próximos tempos grandes textos sobre dicas para ficar e visitar por existir uma fraca possibilidade disso acontecer em breve. Um dia será sempre um dia, e as possibilidades são sempre hipóteses, como tal não digo que não, mas para o meu bem estar pelos momentos de descanso não o irei fazer assim de forma tão espontânea. 

É Carnaval e tudo fica mal!

Publicado por O Informador, 22.02.20

carnaval.jpeg

 

O sábio e antigo ditado popular de que «é Carnaval e ninguém leva a mal» não faz de todo parte dos meus rascunhos nesta altura do ano.

Podem vestir as vossas farpelas e sair à rua para se divertirem com a encarnação de personagens animadas, matrafonas e vestidos de animais fofinhos, assumindo o que não são por uns dias, mas longe de mim, meus caros, longe de mim, principalmente se andarem com ideias onde a sujidade e o álcool em demasia são o grande forte para se desculparem dos vossos males por estes dias animalescos. 

Se existisse uma possibilidade onde pudesse escolher «saltar o Carnaval» podem querer que seria mesmo isso que faria. Por uns quatro dias ficaria congelado de bom grado para que não tivesse de assistir a tanta vergonha alheia de muitos que se revelam por esta altura, com muito desejo para se apresentarem como adorariam estar na vida sem coragem. 

Primeiras impressões

Publicado por O Informador, 21.02.20

pessoas.jpg

 

O primeiro impacto que tenho com alguém é bastante importante para definir como irei lidar com essa mesma pessoa nos próximos contactos. Gosto de dizer que é raro ficar errado quanto à opinião inicial e cada vez tenho mais a certeza que o meu sexto sentido perante os outros está cada vez mais apurado. 

Sou cauteloso para com quem conheço, não dando espaço e gostando de analisar logo nos primeiros tempos quem está do outro lado. Quem entrar logo pelos primeiros momentos com um discurso muito à vontade quando nem me conhece e se acham os macacos reis do Zoo, logo fico de nariz meio de esguelha para ter uma maior atenção daí em diante. As pessoas que não entram com calma comigo e perante as quais logo percebo que a minha forma de estar na vida, nas mais diversas situações, não encaixa com quem chega pouco ou nada conseguirão fazer para que mude de ideias, acabando por cortar o mal pela raiz. 

Se não me conhecem, não se estiquem como se fossem os meus melhores amigos, porque levam logo com uns pontos negativos na caderneta, o que irá fazer com que fiquem de fora na mesma e depois nem como suplentes conseguem entrar. Calma comigo nos primeiros tempos, porque primeiro tenho de avaliar e os anos têm revelado que não costumo errar após as primeiras impressões que tiro de cada um.

Frio ao Sol

Publicado por O Informador, 20.02.20

sol.png

 

Fevereiro chegou e prometeu umas ligeiras e subidas de temperatura. Na verdade o sol tem feito frente à chuva, só que o frio continua a arrasar com os nossos ossos e parece tardar em desaparecer. 

Durante estes últimos dias o sol tem brilhado bem alto e quando se acorda a vontade é abrir as portadas e ficar pela varada a aproveitar o que aparentemente parece uma manhã quente. No entanto quando saímos as portas a perceção é bem diferente. O frio faz-se sentir, abafando por completo os raios de sol que brilham mas que pouco conseguem fazer quando o corpo necessita de verdadeiro agasalho para que não viremos pedras de gelo. Está um frio de rachar numa luta desigual entre o sol que brilha bem forte e estas frentes frias que parecem tiradas de congeladores bem fortes.