Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Nini, de Ticas Graciosa

Cultura Editora

5C5CA66A-5532-42E5-A950-9CE15C597641.jpeg

Título: Nini

Autor: Ticas Graciosa

Editora: Cultura Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Março de 2024

Páginas: 224

ISBN: 978-989-577-011-3

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Quando Nini era criança, o pai, atormentado por um transtorno obsessivo, matou-lhe a mãe e suicidou-se — ou, como a mulher em que Nini se tornou viria a aprender, «morreu de suicídio».

Inspirado num único acontecimento real da vida da autora, justamente a morte dos pais, Nini é um romance que mergulha na construção literária de uma criança que cresce num ambiente preconceituoso e violento, e no esforço que faz para o compreender e superar ao longo da vida.

Um entusiasmante romance de estreia de Ticas Graciosa, que, com espantosa riqueza de imaginação e surpreendente habilidade, ficciona uma dor talvez há muito esquecida, mas que lhe tem imposto uma constante aprendizagem, quase uma luminosa missão para a vida: alertar.

E Nini? Terá ela compreendido, terá ela perdoado?

 

Opinião: Nini não é um romance que faça companhia ao leitor sem o questionar. Esta narrativa de estreia de Ticas Graciosa é um verdadeiro alerta sobre o peso que a saúde mental tem na sociedade, perante quem somos e quem nos rodeia representa. Esta é uma história onde a ficção se mistura com factos reais, de onde a autora partiu da sua própria história de vida pela perda dos seus pais, para criar uma realidade que tantas vezes é ignorada e negada por quem está mesmo em confronto com a mesma. Acrescentando ao debate da saúde mental oprimida pelos mais próximos pela vergonha, existem ainda aqui vários pontos de preconceito a serem comentados e revelados, como se tudo tivesse de ser abafado por seguir contra as normas da sociedade do politicamente correto. 

Em Nini acompanhamos a história de uma criança que desde cedo convive com contrastes sociais, onde se auto questiona sobre a instabilidade e dureza com que os pais se confrontam e como os mesmos são tratados pela restante família que parece ter tudo mas pouco gosta de partilhar. Numa estrutura familiar frágil e instável, onde os receios e o constante medo que algo aconteça existem, Nini é a criança que vai crescendo e que perde os pais por culpa de vários adultos que sempre tentam não dar valor ao drama de um casal que precisa de ajuda para sair do vazio com que se encontra e perante o qual não consegue pedir «socorro».

Páscoa de chuva, Páscoa abençoada!

Como se costuma dizer algo deste género mas nos casamentos, não é? «Boda molha, boda abençoada», no entanto e porque os nossos santinhos assim o quiseram, esta Páscoa de 2024 está a ser bem molhada, logo por aqui que tirei estes dias de férias e tenho ficado mais pausado, ajudando ao mesmo tempo para descansar, namorar e simplesmente existir sem ter muito que pensar, o que também é necessário quando se sente que corpo e mente estão a precisar de relax total após mais de seis meses sem paragens e com muito a acontecer. 

Férias, escrita e leitura...

Hoje e somente porque vim de férias e trouxe comigo o portátil novo que comprei para ver se ganho finalmente alento para começar a escrever, decidi também publicar algo novo por aqui, já que tenho andado bem ausente por estes lados e quero ver se volto a ganhar rotina no blog para não me ficar somente pelas redes sociais com as publicações habituais. 

Esta semana comecei a escrever um romance, sim, é verdade, tudo parecia que estava a seguir no bom caminho quando pensei que não, não será aquela história que quero continuar a desenrolar, estando neste momento a criar novas ideias para iniciar o processo de arrumação de algo novo que deverei iniciar em breve mas tudo com calma que não tenho ninguém a correr atrás para fazer as coisas com metas a atingir. 

Ao mesmo tempo que estou a iniciar este processo de escrita, mais criativo, comecei a ler uma narrativa que me foi enviada, mas não está publicada, e que só vos digo que com alguns ajustes e com uns acrescentos de forma a tornar tudo um pouco mais ficcional, aquela seria uma boa história com que muitos se iriam conseguir rever a dados momentos e que vos faria querer saber um pouco mais sobre o que vai sendo contado. Uma história bastante pessoal e que logo pelo início me deixou rendido, valendo se o seu autor assim alterar o seu pensamento, seguir com a ideia para a frente para ver a sua publicação acontecer.

O Caçador | Leslie Wolfe

Alma dos Livros

Título: O Caçador

Título Original: The Girl Hunter

Autor: Leslie Wolfe

Editora: Alma dos Livros

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Fevereiro de 2024

Páginas: 286

ISBN: 978-989-570-215-2

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Há sete meses perdi tudo.

A carreira de sucesso na televisão. A vida glamorosa e maravilhosa de uma celebridade. O marido amoroso e perfeito. Tudo o que eu mais amava me foi retirado.

Foi no dia em que o Caçador me levou.

De alguma forma, sobrevivi.

Enquanto me esquivo para não responder às perguntas que o agente da polícia me faz sobre o meu cativeiro, certos pensamentos sombrios agitam-se na minha mente.

Não os posso deixar descobrir quem matou o meu marido. Não lhes posso contar tudo aquilo que sofri. Além disso, há uma coisa que tenho absolutamente de fazer. Tenho de regressar, antes que seja demasiado tarde.

Da autora bestseller nº1 em Portugal surge um thriller psicológico intenso e brilhante.

Emaranhada na enigmática teia de um caso invulgar, a agente especial Tess Winnett encontra-se numa verdadeira corrida contra o tempo. Um possível assassino em série anda à solta nas profundezas florestais dos Everglades. Várias mulheres desapareceram da zona costeira de Miami sem deixar rasto.

Pistas sobre o destino daquelas mulheres? Possivelmente encerradas na mente torturada da única sobrevivente. Conseguirá ela lembrar-se do suficiente para ajudar a polícia a encontrar o responsável? Terá ela a chave para as salvar? Ou será somente a peça final de um puzzle perfeitamente aterrador?

O Caçador, de Leslie Wolfe, é um thriller fantástico que nos faz virar as páginas avidamente e que não consegue largar até chegar ao final.

 

Opinião: Uma mulher sequestrada que procura a fuga e posteriormente o seu encontro com a sua nova realidade é o mote para o início de O Caçador. Desaparecida há sete meses e encontrada com o corpo violentado, Kiana tem uma história macabra para contar e Tess, a agente do FBI que fica responsável pelo caso, que muito tem para procurar, no entanto quando a vítima não está disposta a colaborar o caso muda de figura e torna-se bem complexo. A equipa de Tess entra no caso na procura do homem que poderá estar por detrás de todo este e outros mistérios, já que esta mulher pode não ser a única a ter desaparecido e a sofrer nas mãos deste sequestrador em série. Tess encontra-se com o detetive Fradella e com o seu antigo parceiro de trabalho, Michowsky para juntos ou nem por isso, desvendarem mais um caso que perante os seus meandros acaba por levar Tess a realidades que não queria mais voltar sobre os demónios do seu passado. 

Confesso que O Caçador não foi dentro da série de Tess contada por Leslie Wolfe, o meu thriller preferido por sentir-me numa primeira fase baralhado perante quem me estava a contar as situações, indo arrumando os episódios com o avançar da leitura, no entanto a escrita de Leslie continua a ser brilhante e feita de forma a prender o leitor até uma fase final da história para que juntos se consiga desvendar o real mistério de cada situação que aparece na mesa de trabalho desta agente tão especial do FBI a que já nos habituamos.

Uma Noite na Livraria Morisaki | Satoshi Yagisawa

Editorial Presença

uma noite na livraria morisaki capa.jpg

Título: Uma Noite na Livraria Morisaki

Título Original: Zoku - Morisaki Shoten  No Hibi

Autor: Satoshi Yagisawa

Editora: Editorial Presença

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Feveiro de 2024

Páginas: 160

ISBN: 978-972-23-7292-3

Classificação: 5 em 5

 

Sinopse: Sim, devemos regressar onde fomos felizes.E à livraria Morisaki, lugar de histórias únicas, voltamos com Takako, para descobrir um dos romances japoneses mais mágicos do ano.

Estamos novamente em Tóquio, mais concretamente em Jimbocho, o bairro das livrarias, onde os leitores encontram o paraíso. Entre elas está a livraria Morisaki, um negócio familiar cuja especialidade é literatura japonesa contemporânea, há anos gerida por Satoru, e mais recentemente com a ajuda da mulher, Momoko. Além do casal, a sobrinha Takako é presença regular na Morisaki, e é ela quem vai tomar conta da livraria quando os tios seguem numa viagem romantic oferecida pela jovem, por ocasião do aniversário de casamento.

Como já tinha acontecido, Takako instala-se no primeiro andar da livraria e mergulha, instantaneamente, naquele ambiente mágico, onde os clientes são especiais e as pilhas de livros formam uma espécie de barreira contra as coisas menos boas do mundo. Takako está entusiasmada, como há muito não se sentia, mas… porque está o tio, Satoru, a agir de forma tão estranha? E quem é aquela mulher que continua a ver, repetidamente, no café ao lado da livraria?

Regressemos à livraria Morisaki, onde a beleza, a simplicidade e as surpresas estão longe, bem longe de acabar.

 

Opinião: Se tinha ficado rendido quando fiz a leitura de Os Meus Dias na Livraria Morisaki, posso agora dizer que com Uma Noite na Livraria Morisaki acabei por encontrar o bombom literário tão especial que ao longo de toda a leitura senti vontade de entrar naquele espaço, dar o braço a Takako, a sobrinha cuidadora de Satoru, o dono da livraria Morisaki, e da sua esposa, Momoko, e conhecer cada recanto desde espaço mágico e tão acolhedor.

Neste romance encontrei carinho e muita ternura numa mensagem de amor perante o cuidado e a preocupação que cada um tem de sentir para com o próximo e por quem sempre nos quer bem. Nesta história a jovem sobrinha ganha espaço dentro da livraria que tanto estima e que vem sendo passada entre gerações, conhecendo um pouco mais os clientes habituais, o que cada um procura entre as edições disponíveis e também podendo perceber que por vezes só precisamos de dar atenção a quem nos chega para tornar o dia de alguém bem melhor. Olhar para o seu próprio interior, encontrar a paz tão desejada, e poder depois transmitir aos outros o bem que existe para ser partilhado. Este livro é amor, aconchego e crescimento pessoal!

Inspira Expira Respira | André Oliveira

Manuscrito Editora

inspira expira respira.jpg

Título: Inspira Expira Respira

Autor: André Oliveira

Editora: Manuscrito Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Janeiro de 2024

Páginas: 200

ISBN: 978-989-9181-03-8

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: O teu brilho só incomoda as pessoas que te querem ver na escuridão.

Nunca vais incomodar o coração das pessoas que te querem bem. Nunca serás um peso indesejado na vida de quem te recebe de braços abertos. Nunca vais ser demasiado para a pessoa que te merece como és. A verdade é que o teu brilho só pode incomodar aqueles que nunca serão nada na tua vida.

André Oliveira, autor da página de sucesso Num Lugar ao Sol, escreveu um livro com 365+1 textos inspiradores para que nunca te falte a coragem para amar a vida. Sempre que precisares de colo, de uma mensagem de força ou apenas de inspiração para seguir o teu caminho, abre este livro. Todos os dias vais encontrar aqui as palavras de que precisas.

Não apresses o que tem de acontecer devagar. Tudo na vida tem o seu tempo certo e, se acreditares plenamente nisso, vai tudo correr bem.

 

Opinião: De Num Lugar ao Sol para as páginas de um livro. André Oliveira é o autor de um conjunto de textos, um para cada dia do ano, que agora foram canalizados da sua página on-line para as páginas de Inspira Expira Respira. Todos estes pequenos textos transmitem ao leitor um ponto de inspiração para se valorizar, olhar para si com o amor próprio que cada um merece ter na vida para que possa a partir daí separar o trigo do joio no momento certo, fazendo a sua própria análise sobre o que quer e o que lhe faz bem para seguir em frente com tranquilidade e a segurança necessária para caminhar na procura da felicidade.

 

Irmãs | Daisy Johnson

Euforia Editora

irmãs capa.jpg

Título: Irmãs

Título Original: Sisters

Autor: Daisy Johnson

Editora: Euforia

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Fevereiro de 2024

Páginas: 184

ISBN: 978-989-35291-3-3

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Nascidas com apenas dez meses de diferença, July e September não precisam de mais ninguém a não ser uma da outra. Depois de um grave incidente na escola, as adolescentes mudam-se com a mãe para uma casa de família perto da costa, há muito abandonada. Na sua nova e isolada vida, as irmãs parecem testar todos os limites da sua relação, numa série de encontros chocantes que vão pôr à prova a sua experiência partilhada e forçar revelações sobre o passado, o presente e o futuro das jovens.

Irmãs é uma história assombrosa sobre duas raparigas apanhadas numa poderosa teia emocional, que lutam para perceber onde acaba uma e começa a outra, num relato tenso, poderoso e profundamente comovente do amor fraterno e do que acontece quando duas irmãs têm de enfrentar os impulsos mais sombrios uma da outra.

 

Opinião: July e September são irmãs que nasceram com dez meses de diferença e que após sofrerem um grave problema são levadas pela mãe para outro local, tendo de recomeçar tudo de novo perante uma forte componente emocional retratada numa balança entre o perceber e saber onde termina o espaço de uma e começa o da outra. Esta é uma história contada em três partes, relatadas pelas suas três protagonistas, as irmãs e a própria mãe, numa mistura entre o presente e o passado de forma a baralhar o leitor sobre o poder que cada uma tem perante a outra. Se por um lado existe uma September, a irmã mais velha, como a autoritária que orienta o rumo da irmã e da própria mãe, por outro ponto encontramos uma July subserviente. A dado momento o leitor é notoriamente baralhado e fica sem saber quem é quem, se ambas existem e  fiquei com a perceção da dúvida sobre se estava a conseguir entender o que estava a ser contado ou se afinal tinha as ideias todas baralhadas sobre este relacionamento entre irmãs tão vincado que leva mesmo a pontos de alucinação. Esta é uma história sobre a sanidade mental em que o leitor coloca muito em causa sobre o que está perante os seus olhos sem ficar indiferente ao julgamento que vai fazendo sobre comportamentos obsessivos demonstrados ao longo do que vai sendo relatado. Se me senti baralhado com a narrativa de Irmãs? Bastante mesmo e tenho a confessar que ainda tenho dúvidas sobre como o final chegou e se chegou da forma como o entendi ou se tudo não passou de uma ilusão bem vincada. Uma leitura rápida, desconcertante e que me deixou tão baralhado que deveria voltar a ler do início para tentar apanhar alguma ponta solta que me tenha escapado.

 

O Recluso | Freida McFadden

Alma dos Livros

o recluso capa.jpg

Título: O Recluso

Título Original: The Inmate

Autor: Freida McFadden

Editora: Alma dos Livros

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Janeiro de 2024

Páginas: 320

ISBN: 978-989-570-196-4

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Há três regras capitais que Brooke deve seguir quando é contratada como técnica de enfermagem de um estabelecimento prisional masculino de segurança máxima: 1.ª Tratar todos os prisioneiros com respeito. 2.ª Não partilhar quaisquer informações pessoais. 3.ª Nunca desenvolver intimidade com nenhum dos reclusos.

O que ninguém na prisão sabe é que Brooke já quebrou as regras. Um dos reclusos mais perigosos é um ex-namorado seu: Shane Nelson, a estrela de futebol americano do tempo da escola e o autor de uma série de assassínios horríveis. Ele foi condenado a passar a vida atrás das grades. Ela foi quem testemunhou para que isso acontecesse. Shane sabe disso. E nunca se irá esquecer. 

 

Opinião: Brooke é contratada para ser uma das enfermeiras responsáveis de um estabelecimento prisional quando regressa para a sua cidade natal, onde cresceu e de onde saiu quando levou consigo um segredo bem guardado, um filho a ser gerado, Josh. Ao regressar às suas origens e de forma um pouco propositada, começa a mexer com o seu passado ao saber que um dos reclusos é o seu ex-namorado, Shane, que ajudou a colocar na prisão, isto ao mesmo tempo que se deixa conquistar por um dos seus antigos melhores amigos, Tim, que pode saber mais do que o esperado sobre o que levou a toda a reviravolta nas suas vidas. 

Quem Está Aí? | Teresa Driscoll

Editorial Presença

Título: Quem Está Aí?

Título Original: I Will Make You Pay

Autor: Teresa Driscoll

Editora: Editorial Presença

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Janeiro de 2024

Páginas: 336

ISBN: 978-972-23-737-0

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Todas as quartas-feiras, Alice recebe uma chamada. Todas as quartas-feiras, as ameaças adensam-se. E aquela voz distorcida torna-se o seu maior pesadelo.

É apenas mais uma quarta-feira na redação… até o telefone começar a tocar. A jornalista Alice Henderson atende uma chamada, e o que ouve, do outro lado da linha, é uma voz distorcida a fazer uma ameaça aterradora. Alice desliga e pensa que aquilo não passou de uma brincadeira de mau gosto, mas… na quarta-feira seguinte, volta a receber uma chamada, e desta vez é claro que a ameaça é destinada a si.

Alguém quer fazê-la sofrer, mas porquê? Quem está do outro lado? Os artigos de Alice no jornal local tornaram-na uma figura popular e reconhecida… Será o seu passado, e não o seu trabalho, que a está a pôr em risco? Alice não quer ceder ao medo que começa a tomar conta dela, mas quando a investigação da polícia não apresenta resultados, o namorado da jornalista insiste em contratar Matthew Hill, um investigador privado.

A cada quarta-feira, as ameaças adensam-se, e agora não é apenas Alice a visada, mas também a sua família. Enquanto a perseguição se torna cada vez mais feroz, e antes que as terríveis ameaças se tornem realidade, conseguirá Alice descobrir por que razão tudo isto lhe está a acontecer?

 

Opinião: Hoje é Quarta-feira e se recebesses uma chamada anónima com ameaças perante o teu futuro? Alice recebeu esta dita estranha chamada e mesmo que tivesse ficado com a pulga atrás da orelha, seguiu a sua vida, até que na Quarta-feira seguinte uma nova chamada de atenção lhe é feita com dados que a podem colocar em perigo. A partir daqui a jornalista começa a viver numa autêntica espiral de mistério onde o medo e a curiosidade se aliam uma vez que não sente que tenha feito algo para estar a ser colocada à prova, relembrando os seus últimos anos e também colocando o seu trabalho de investigação para o jornal local para que trabalha em causa por poder ter publicado algum artigo que não foi aceite por quem está por detrás do anonimato das ameaças.

O leitor é convidado a mexer no passado desta mulher, percebendo que a própria Alice não é quem mostra ser de início, tudo ao mesmo tempo que se vai acompanhando o passado da pessoa que está envolvida neste mistério, sem se conseguir perceber quem é "ele", existindo sempre a velha questão das suspeitas que o leitor vai tendo sobre quem possa ser, mistério só revelado mesmo perto do fim e que a autora consegue, sem necessitar de recorrer a muitas personagens ao longo da narrativa, surpreender por poder ser qualquer um dos mencionados ao longo da história de vida de Alice. Um passado com várias nuances, um presente de omissões e lutas, esta é a luta de uma mulher que de um dia para o outro se vê num ajuste de contas por algo que não pensava ser possível.

A Livraria Perdida, de Evie Woods

Singular Editora

a livraria perdida capa.jpg

Título: A Livraria Perdida

Título Original: The Lost Bookshop

Autor: Evie Woods

Editora: Singular Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Janeiro de 2024

Páginas: 368

ISBN: 978-989-789-036-9

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Numa rua tranquila de Dublin, uma livraria perdida está à espera de ser encontrada.

Opaline, Martha e Henry parecem não ter nada em comum além de terem sido, durante demasiado tempo, personagens secundárias nas suas próprias vidas. Opaline tem de fugir de Londres para não ser obrigada a casar-se, Martha parece inevitavelmente presa numa relação tóxica, e Henry está noivo de uma mulher que não ama.

É em Ha’penny Lane, uma pacata rua de Dublin, que os caminhos destas personagens se cruzam. Era ali que devia estar a livraria fundada por Opaline, onde Henry entrou uma noite, pouco depois de chegar à Irlanda… mas não só não está, como também não há registos capazes de provar que alguma vez tenha existido.

Seguindo o pouco que sabem sobre a incrível vida desta misteriosa mulher, Henry e Martha tudo farão para encontrar a livraria perdida e descobrir os seus segredos. Por entre os ramos de uma árvore que teima em crescer numa cave da capital irlandesa, páginas que sussurram, mistérios literários desvendados e livros que aparecem em prateleiras sem que alguém os tenha posto lá, as histórias destas três personagens que o destino põe à prova serão reveladas, mostrando que até a vida mais banal pode tornar-se tão fascinante como as que se encontram nas páginas dos melhores livros.

 

Opinião: Opaline encontra-se no início do século XX e Martha e Henry são dois desconhecidos nos dias correntes. O que têm estas três personagens em comum a ponto de deixarem o leitor agarrado à narrativa de A Livraria Perdida? Uma autêntica viagem pela literatura vista perante o olhar de três pessoas distintas e onde todos somos convidados a perceber que cada um é sempre fruto do que vai vivendo, ajudando o passado a moldar cada ser perante o presente.

Nesta história encontramos o passado com Opaline, uma mulher sonhadora que ambiciona ser uma comerciante de livros mas presa a nível familiar como forma de castração por estar a lutar pelo que os outros acreditam ser contra as normas da sociedade. Já nos tempos atuais Martha é a esposa em fuga de um marido sem escrúpulos e Henry é um noivo pouco confiante no seu futuro. Os dois cruzam-se quando Henry decide procurar um raro manuscrito numa livraria que parece não existir na rua Ha'penny Lane, na Irlanda, mesmo ao lado da casa onde Martha encontrou o seu refúgio quando procurou a libertação.