Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Revista é Sempre Revista no Teatro Politeama

revista é sempre revista cartaz.jpg

A revista à portuguesa está de volta ao Teatro Politeama de Filipe La Féria em jeito de homenagem com o espetáculo Revista é Sempre Revista. Celebrando um dos principais géneros teatrais que tem ocupado a sala lisboeta, o produtor e encenador trás de volta ao Politeama a revista à portuguesa onde o humor, a crítica política e social, o canto e a dança se unem no palco onde as plumas e os brilhos desfilam ao longo de mais de duas horas de espetáculo onde personagens conhecidas do grande público de outros tempos se juntam a nomes sonantes protagonizados por um elenco de nomes conhecidos do grande público, principalmente de quem costuma assistir aos trabalhos levados a cena por Filipe La Féria. 

Anabela, FF, Paula Sá, Filipa Cardoso, Filipe de Albuquerque, João Frizza, Élia Gonzalez, Jonas Cardoso, Filipa Azevedo, Paulo Miguel Ferreira e Paula Ribas, ao lado de um grupo de dança, celebram o teatro nacional e as figuras que o têm marcado ao longo dos anos. A homenagem a Eunice Munõz e passando por momentos conhecidos de Vasco Santana, Beatriz Costa, Hermínia Silva, Raul Solnado e Laura Alves, entre tantos outros, Revista é Sempre Revista é o tributo aos grandes atores e atrizes que ao longo de gerações têm contribuído para encher as salas nacionais de espetáculo com a sua arte de representar.

Convites duplos | Shrek, o Musical

07 de Janeiro | Parque Mayer

shrek.jpg

2023 trás consigo o prolongamento do musical Shrek, que a produtora Yellow Star Company, tem mantido em cena no Parque Mayer em Lisboa. Com o sucesso do espetáculo ao longo dos meses de Novembro e Dezembro, os responsáveis pela produção resolveram prolongar junto do público lisboeta as aventuras de Shrek que continuará assim por mais umas semanas em cena. 

Baseado no filme Shrek, produzido pela Dreamworks em 2001 e no livro de William Steig com o mesmo nome publicado em 1990, com adaptação com músicas de Jeanine Tesori e texto e letras de David Lindsay-Abaire, este espetáculo onde a animação e diversão se juntam ao canto de personagens bem conhecidas, Shrek, o Musical, continua assim a fazer companhia aos fins-de-semana com sessões pelas 11h30 e 15h30 para miúdos e graúdos.

SINOPSE

Shrek é um ogre que vive feliz e sozinho num pântano de Tão Tão Longe. O seu sossego é ameaçado quando o governante local, Lord Farquaad, despeja no lugar todas as criaturas mágicas do seu reino. Para se livrar delas, o ogre faz um acordo com Farquaad: vai buscar a “peça” que tornaria completo o reino de Lord. Essa peça é Fiona, uma princesa politicamente incorreta que vive aprisionada num castelo vigiado por um dragão. Shrek e o seu amigo Burro partem para a missão de libertá-la. E conseguem. Mas Shrek apaixona-se por Fiona, passando a lutar pela conquista do seu coração.

FICHA ARTÍSTICA

Produção Yellow Star Company

Encenação de Paulo Sousa Costa e Luís Pacheco

Direção Musical de Carolina Puntel

Direção de Arte de Fred Klaus

Assistência de Arte de  Anne Carestiato

Elenco Beatriz Souza, Daniela Soares, Debbie Monteiro, Eliseu Ferreira, Francisco Gonçalves, Gonçalo Rosales, Inês Pedro de Campos, Lia Antunes, Miguel Sousa, Pedro Leitão, Pedro Alexandre Torres, Rebeca Reinaldo, Sara Maia e Vitor Loschiavo

E como as coisas boas são para partilhar, tenho boas notícias para te dar, é que tenho dez convites duplos para sortear destinados à sessão do próximo dia 07 de Janeiro, Sábado, pelas 11h30. Para te habilitares a um dos convites tens de seguir O Informador no Instagram, e partilhares no teu InstaStories a imagem do cartaz do espetáculo que se encontra disponível nos Destaques e mencionares O Informador e três amigos nessa mesma partilha. De seguida basta preencheres o formulário - AQUI - onde só é permitida uma participação por endereço de e-mail. Esta oportunidade irá estar disponível até às 18h00 do dia 05 de Janeiro, e nesse dia serão revelados os nomes dos vencedores nesta mesma publicação, sendo o sorteio feito através de sistema automático. Os premiados serão contactados via email com as recomendações para o levantamento dos bilhetes acontecer nas melhores condições.

O Diário de Anne Frank no Teatro da Trindade

o-diario-de-anne-frankpedro-macedo-framedphotos-2-

Imaginem-se escondidos num sótão.
Imóveis.
Silenciosos.
Durante dois anos.
Privados da vossa liberdade, porque lá fora reina a morte.
Anne Frank tinha apenas 13 anos quando foi lançada a este cruel desafio, juntamente comos seus pais, irmã, um casal amigo com um filho e um homem. Destas oito pessoas, sobreviveu apenas uma, Otto Frank, pai da Anne Frank, que mais tarde decidiu dar a conhecer ao mundo o diário da sua filha, que morreu num campo de concentração com apenas 15 anos.
Nesse diário, a jovem Anne descreve-nos o período em que sobreviveu à perseguição Nazi, que, entre 1941 e 1945, matou mais de 6 milhões de Judeus, e deixa-nos um testemunho pleno de resiliência e esperança que continua a inspirar gerações até aos dias de hoje.

amf-8962-1024x682.jpg

O palco da Sala Carmem Dolores do Teatro da Trindade tem recebido a história que a jovem judia Anne Frank deixou contada sobre o período vivido na Segunda Guerra Mundial. O Diário de Anne Frank é a adaptação para teatro da história que a jovem vivenciou aos 13 anos enquanto dividia um pequeno anexo numa casa em Amesterdão, nos Países Baixos, com os seus pais, irmã, um casal com o seu filho e um outro homem, ao longo de dois anos, escondidos dos horrores exteriores perante os quais sabiam que tinham o seu destino traçado.

A jovem Anne foi relatando a experiência no seu diário e esse mesmo diário foi tornado público pelo seu pai, o único sobrevivente do grupo. A jovem Frank acabou por morrer aos 15 anos, em 1945, num campo de concentração de Bergen-Belsen e o seu testemunho guardado tornou-se no espelho da realidade entre os anos 1941 e 1945 e um dos livros mais lidos mundialmente ao longo do tempo e que ainda hoje é recordado e faz parte dos grandes clássicos da literatura. O sonho de uma jovem em ser escritora a tornar-se realidade póstuma pela sua vivência entre os conflitos de uma sociedade que se flagela a si própria. 

Uma história pesada e real, que é retratada nos dias que correm e que nos remete para situações tão presentes como o conflito que nos tem afetado entre a Rússia e a Ucrânia. Passada em tempos conturbados, eternizada por vários relatos, foi o famoso livro publicado, Diário de Anne Frank, que serviu como inspiração a este trabalho teatral com o mesmo nome onde o medo e o amor se confundem num espaço tão pequeno onde era necessário não dar nas vistas para sobreviver. Bem encenado e interpretado, O Diário de Anne Frank dispensa apresentações e o seu sucesso na sala lisboeta tem provado isso mesmo, tendo a temporada sido prolongada para que novos públicos possam assistir a este trabalho onde a História do passado se parece cruzar com o presente num momento em que o público é convidado a refletir e viver com aquelas personagens. 

O Coração de um Pugilista, no Teatro Aberto

o coração de um pugilista.jpg

O Coração de um Pugilista convida o público a conhecer um homem que conheceu mundo através da sua ascenção no ringue de boxe. Leo, um velho homem que viveu e encontra-se atualmente trancado numa ala hospitalar, com uma janela que lhe transmite o que se passa lá fora. Primeiramente percebemos que este homem está refugiado no silêncio, mas é com JoJo, um jovem condenado pelo tribunal a cumprir horas de trabalho comunitário a pintar o quarto deste homem solitário que encontramos o real ser que por ali habita.

De um jovem revoltado e inusitado que entra em quatro paredes de forma forçada pelo incumprimento e que encontra um homem calado numa cadeira de rodas conseguimos encontrar a dor de dois desconhecidos que com o tempo percebem que têm mais em comum do que o pensado de forma inicial. O desconhecido de vidas revoltadas, as aparências e a vontade de triunfar e alterar o rumo do que parece estabelecido num momento mas que sempre é possível alterar quando existe vontade e um forte sentido de orientação aliado a uma voz amiga que ajuda a delinear cada caminho.

A arma secreta que Leo tem consigo para ajudar JoJo a conquistar a sua jovem amada, por outro lado este jovem é a visão de Leo do exterior, é ele que o ajuda a delinear o caminho para a liberdade. No final, estes dois caminhos não se terão cruzados por precisarem de perceber que sempre existe uma volta a dar ao estabelecido para que se consiga alcançar cada objetivo idealizado? No fim, mesmo naqueles minutos, um respira liberdade que só é conseguida pelo jogo de manipulação do outro que por sua vez tem na sua frustração inicial agora um aliado de peso chamado triunfo e rigor.

 

Convites duplos | O Coração de um Pugilista

03 de Novembro | Teatro Aberto

o coração de um pugilista.jpg

O Coração de um Pugilista é o novo espetáculo que o Teatro Aberto estreia a 29 de Outubro. Da autoria de Lutz Hübner, com encenação e cenário de João Lourenço, dramaturgia de Vera San Payo de Lemos e interpretações de Miguel Guilherme, Gonçalo Almeida e Bárbara Vagaroso, este é um espetáculo para todos, numa reflexão perante a demonstração da possibilidade do nascimento e crescimento de uma amizade entre diferentes gerações. 

o coração de um pugilista.jpg

SINOPSE Depois de um confronto com a polícia, o jovem Jójó é condenado pelo tribunal a cumprir serviço comunitário num lar de idosos. Cabe-lhe pintar o quarto de Leo, um velho pugilista que a instituição considera perigoso e mantém numa ala fechada. No início, a revolta e a agressividade de Jójó chocam com a apatia e o mutismo de Leo. A tensão vai-se desfazendo, quando os dois começam a partilhar as suas histórias de vida e ganham o respeito um do outro. Mas será que tudo isto aconteceu realmente? Ou foi apenas mais um dos muitos sonhos de Leo?

Com base no imaginário de um combate de boxe, O coração de um pugilista apresenta e debate diversos modos de encarar a vida e lidar com vitórias e derrotas. Quando importa atacar e esquivar? Como continuar a lutar depois de se ter ido ao tapete ou atirado a toalha ao chão? Estratégias de luta, estratégias de vida.

FICHA ARTÍSTICA

VERSÃO João Lourenço | Vera San Payo de LemosDRAMATURGIA Vera San Payo de LemosENCENAÇÃO E CENÁRIO João LourençoFIGURINOS Ana Paula RochaVÍDEO João Lourenço | Jorge AlbuquerqueSOM Cristóvão CamposCOM Bárbara Vagaroso | Gonçalo Almeida | Miguel Guilherme

SESSÕES Quarta-feira e Quinta-feira - 19hSexta-feira e Sábado - 21:30hDomingo 16h

M/12

A Reconquista de Olivenza no Teatro São Luiz

a reconquista de olivenza.webp

A ideia original é de Ricardo Neves-Neves e Filipe Raposo e o público tem sido convidado a aplaudir A Reconquista de Olivenza no Teatro São Luiz, no Chiado, em Lisboa e se existe espetáculo fora da caixa que recomendo ser visto é este. 

Contando um período histórico de Portugal vivido em 1801, este espetáculo excelentemente criado, encenado e apresentado une factos históricos com personagens animadas célebres dos novos tempos, como é o caso dos fenómenos Dragon Ball e Mary Poppins, recorrendo também à religião, com o chamamento das Nossas Senhoras, para que a história portuguesa seja contada de uma forma tão inositada como animada e critíca. Dos momentos de «fusão», ao tarot ditado pelas cartas de Nossa Senhora, as profecias da coroa portuguesa são marcadas por peripécias onde os cavalos são transformados em trotinetes e as carroças num carro de golfo dos tempos modernos. A procura pela sétima bola de cristal acontece e é necessário chegar a Olivenza, território espanhol, para a conquistar para que a profecia do dragão aconteça quando as famosas sete bolas estiverem reunidas.

A Reconquista de Olivenza é daqueles espetáculos que só vendo para crer, já que do início ao fim, tudo é apresentado de forma tão surpreendente que acaba por ser difícil explicar o que é vivido na sala lisboeta. Ricardo Neves-Neves no seu melhor com um trabalho de excelência a ser apresentado e totalmente recomendado! 

 

Casa Portuguesa no TNDMII

casa portuguesa.webp

Casa Portuguesa assinala o arranque da nova temporada do Teatro Nacional Dona Maria II e também a primeira criação de Pedro Penim enquanto diretor artístico da sala lisboeta.

Neste espetáculo a história de um ex-soldado da Guerra Colonial é colocada em manchete, uma vez que o debate perante a decadência e os fantasmas do passado são colocados em causa perante a representação atual do modelo ideal de casa, da família e da própria figura do pai e do homem na sociedade que vive de transformações. Num relembrar da história unido aos mais recentes acontecimentos democráticos, Casa Portuguesa é aquele retrato do que terá sido a imagem de uma casa familiar, do que é nos dias que correm e do que poderá vir a ser, com as suas alterações, vivências distintas e que vão deixando feridas abertas pela colocação de acontecimentos que transformam vidas. Recorrendo a temas bem fortes como o racismo, sexualidade, violência e traumas, Casa Portuguesa é o olhar do passado para questionar o presente perante as desigualdades que foram vividas através de opressões e injustiças.

Nos anos 40, num bar em Moçambique, três portugueses escreviam num recanto a canção Uma Casa Portuguesa, um fado representativo de uma nação e que seguia os ideias do Estado Novo. Hoje, passadas quase cinco décadas, esse mesmo fado contínua a ser cantarolado por muitos, embora a sua letra pudesse ter algumas achegas atuais como sinal de renovação a que a própria sociedade tem sido sujeita, alterando consigo assim a ideia do simbolismo da própria casa, da família e do pai. Casa Portuguesa começa com o canto critico e distinto da dupla Fado Bicha para dar lugar a uma história entre o passado e o presente.  

Convites duplos | Mulheres à Beira de Um Ataque de Nervos

04 de Agosto | Teatro Politeama

mulheres à beira de um ataque de nervos.jpg

Mulheres à Beira de Um Ataque de Nervos é o atual musical que Filipe La Féria preparou para conquistar o público por mais uma temporada do Teatro Politeama. Inspirado no sucesso internacional de Pedro Almodóvar com o mesmo nome, nesta versão portuguesa, o produtor português conta no elenco com os atores Paula Sá, Rita Ribeiro, Carlos Quintas, Filipa Cardoso, Bruna Andrade, João Frizza, Filipe de Albuquerque, Élia Gonzalez, Fernando Gomes, Rosa Areia, Samuel de Albuquerque, Paulo Miguel Ferreira, Jonas Cardoso, Paula Marcelo que cantam ao vivo e também com oito bailarinos coreografados por Marco Mercier, e uma orquestra ao vivo dirigida pelo maestro Miguel Teixeira com direção vocal de Tiago Isidro. Mulheres à Beira de Um Ataque de Nervos é uma comédia musical passada nos anos 80 em Madrid, mas podes ficar a saber mais sobre este espetáculo no artigo que publiquei sobre o mesmo, aqui.

Mulheres à Beira de Um Ataque de Nervos no Teatro Politeama

mulheres à beira de um ataque de nervos

«Mulheres à Beira de Um Ataque de Nervos, da Broadway para Lisboa», é assim que Filipe La Féria anuncia o seu mais recente musical em cena no Teatro Politeama. Inspirado no sucesso internacional de Pedro Almodóvar, o produtor português trouxe até nós o musical que tem corrido vários palcos mundiais e que conta internacionalmente com alguns prémios, tanto pelo texto a cargo de Jeffrey Lane e música original de David Yazbek como pela prestação de algumas atrizes entre os vários elencos. Em Portugal o espetáculo estreou este ano com o elenco composto pelos atores Paula Sá, Rita Ribeiro, Carlos Quintas, Filipa Cardoso, Bruna Andrade, João Frizza, Filipe de Albuquerque, Élia Gonzalez, Fernando Gomes, Rosa Areia, Samuel de Albuquerque, Paulo Miguel Ferreira, Jonas Cardoso, Paula Marcelo que cantam ao vivo e também oito bailarinos coreografados por Marco Mercier, e uma orquestra ao vivo dirigida pelo maestro Miguel Teixeira com direção vocal de Tiago Isidro.

Mulheres à Beira de Um Ataque de Nervos é um comédia musical onde todas as mulheres olham para o amor de forma diferente, mas com esse mesmo amor têm consigo autênticos estados de desespero, trazendo alegria e alguns embaraços quando os nervos de uma se cruzam com as arrelias das restantes, estando o palco lisboeta em rota de colisão quando todas elas se encontram com os seus problemas, todos derivados aos sentimentos que nutrem pelos homens que se atravessam nas suas vidas. 

Numa história que decorre em Madrid dos anos 80 o público é convidado a conhecer Pepa, a protagonista diva do estrelato mas que vê o seu amante, o também ele famoso Ivan, terminar com a relação através de uma chamada telefónica. O drama, o horror e o desespero pela procura de explicações acontece a partir daqui. Só que ao mesmo tempo, Candela, a modelo amiga de Pepa, descobre que o seu amigo de cama dos últimos dias é um terrorista procurado internacionalmente. Candela recorre à sua grande amiga para se desenvencilhar dos seus problemas, quando Pepa já tem preocupações que cheguem, não fosse contar também com a ex-mulher tresloucada de Ivan, que vinte anos depois deixa o hospital psiquiátrico, e agora ronda a atual vida do marido, do filho e de quem os rodeia. 

Não Me Faças Perder Tempo no Teatro Aberto

cartaz95267_grande.jpg

Não Me Faças Perder Tempo assume a procura do Amor nos tempos modernos onde as imagens publicadas com filtros, as dicas escritas e as aplicações digitais estão na moda mas deixam de lado os encontros pessoais e consequentemente o relacionamento com o próximo.

Num espetáculo do Teatro Aberto, com texto de Luís António Coelho, encenado por Rui Neto e com os atores Beatriz Godinho, Daniel Viana, João Tempera, Katrin Kaasa, Leonor Seixas, Luís Gaspar, Rita Cruz e Telmo Ramalho num cenário fantástico com vários ambientes distintos onde é possível o público ter a perceção dos vários encontros que vão acontecendo com duração de quatro minutos, o tempo estritamente necessário para se fazerem as questões diretas e se ficar com a ideia se o outro, aquele outro desconhecido, poderá ser uma pessoa interessante para algo mais no futuro.

A necessidade de encontrar o par ideal numa sociedade corrida leva a que estes seres desconhecidos entrem no evento Crazy Love, uma espécie de reality show de encontros, entre tantos que existem por aí, onde neste caso os candidatos entram na aventura e em apenas quatro minutos vão conhecendo o que poderá ser o seu par ideal. No final desse tempo rodam entre os vários espaços existentes e vão conhecendo outras pessoas até ao momento final, onde será possível perceber se na totalidade do grupo existiu o match perfeito dentro deste evento de encontros rápidos com algum par que se tenha cruzado. 

Não Me Faças Perder Tempo acaba por transmitir consigo a critica sobre a rapidez dos novos conhecimentos pela dificuldade existente em se perceber quem se apresenta, se tudo é real ou ilusões dos tempos modernos que encaixam muito na ideia das primeiras impressões onde a verdade fica por vezes de fora da equação.

Mais uma vez destaco o trabalho feito nas produções que vão a cena no Teatro Aberto. Neste espetáculo além do tema atual e com questões pertinentes a serem colocadas ao longo de hora e meia de sessão entre os vários temas debatidos de forma rápida, é viável referir que mais uma vez o cenário apresentado é fantástico, como sempre acontece nesta sala que não se deixa ficar pelo óbvio, mostrando sempre surpresa no que é apresentado em palco. Depois falar dos atores que agarraram as suas personagens para chegarem facilmente ao público através de particularidades que distinguem as oito pessoas que se encontram no evento e que conseguem assim gerar reação junto de quem assiste.