Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Informador

07
Ago20

Warrior Nun | T1 | Não fiquei fã

Netflix

warrion nun.jpg

 

Warrior Nun chegou à Netflix e em Portugal conquistou o top. Acredito que o facto de contar com a nossa Alba Baptista no papel central como Ava o tenha ajudado, embora esta série conte também com Joaquim de Almeida num papel de destaque. 

Contando de forma irreverente a história de um grupo de freiras ninja, que lutam contra demónios dentro do sistema da igreja católica, Warrior Nun está repleta de ação numa união onde se encaixa o poder e força do feminismo contra um bloco forte mundial que é a igreja e ao mesmo o enfrentar de entidades malignas. 

Warrior Nun não me agradou assim tanto como esperado por ter vários efeitos especiais pelo meio, o que não me atrai minimamente, e por seguir uma linha de heróis e guerreiros com poderes também eles inexistentes na realidade, o que para quem me segue saberá que este perfil de produção está dentro do estilo de séries e filmes que não acompanho. Acabei por ver diversas situações de cena como mal produzidas justamente devido aos efeitos especiais, principalmente nas lutas onde a tela une a gravação real com o poder da tecnologia, o que nem sempre correu bem por aqui, acabando algumas cenas a caírem no desespero por se querer fazer algo diferente sem um grande orçamento. 

Numa história que une o universo religioso com histórias de adolescentes, Warrior Nun concentra-se bastante em Ava, uma jovem tetraplégica que falece e que regressa à vida através do contacto com uma relíquia religiosa protegida pelo tempo, o Halo, voltando a ganhar esta jovem vida para lutar contra o mal que só ela consegue enfrentar. Com um enorme à vontade em cena, a nossa portuguesa Alba enfrenta a câmara com tanta empatia que acaba por funcionar perante o público que se deixa levar pela beleza, naturalidade, carisma e poder que a atriz transmite em cada cena onde tanto aparece como pode ser a narradora. 

Com bastantes entraves para com cada personagem em seguir em frente, com tudo a parecer separar cada elo possível para se enfrentar o mesmo mal, esta série de freiras ninjas, como sempre a apelidei, tem como objetivo investigar e quebrar a conspiração que é feita pela sucessão e luta pelo poder central da igreja. Com isto são várias as cenas de luta com bastante mistério pelo meio e perseguições loucas pelos corredores de edifícios históricos em busca da verdade sobre organizações secretas. 

Explorando um conceito inesperado, Warrior Nun tem na sua primeira temporada um final que exige continuação, embora também seja pedido que essa mesmo nova sequência de episódio venha com uma história com maior dinamismo, tal como um aumento de orçamento. Percebo que a ideia da Netflix para com esta produção seria criar algo novo e fazer a união entre dois universos, mas nem sempre isso agrada a todo o público. Vi, não fiquei fã, mas valeu pela prestação do elenco e por ver pela primeira vez uma jovem portuguesa a brilhar em grande numa série mundial da plataforma, mesmo que esta série seja internacional e não portuguesa, já que o mercado nacional está difícil de entrar no universo Netflix com produtos idealizados, produzidos e realizados por nós de forma total.

 

alba baptista.jpg