Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

23.09.14

Viagem ao Fim do Coração


O Informador

Viagem ao Fim do CoraçãoViagem ao Fim do Coração foi um livro que conseguiu chegar onde as anteriores leituras não tinham entrado, nos meus sentimentos e inspiração! Ana Casaca, a autora deste romance da Guerra e Paz Editores, inspirou-se numa história bem real de uma blogger, a Rita, que sofreu com o flagelo do cancro e contou os seus dias pela sua página pessoal até ao fim, sendo uma fonte de alegria e esperança para quem vive com o mesmo problema que levou esta protagonista para longe da sua dor solitária. Ana Casaca conheceu a Rita, criou laços com a esperança e tocou nos pontos mais sensíveis da sua vida, relatando através da sua personagem Luísa os momentos pelo qual a sua inspiração passou!

Dando uma lição de vida revoltante sem perder o ânimo, Luísa, a grande heroína de Viagem ao Fim do Coração, não foge da trágica realidade que lhe aparece pela frente, depois de ter lutado pela liberdade de adolescente e jovem adulta com o seu irmão, Pedro, sempre no seu encalço! Depois de perder mãe e pai por situações diferentes e de ter enfrentado o futuro com coragem e sem baixar os braços, no momento em que tudo parece começar a encaixar, o cancro aparece, deixando antever que o mundo iria terminar, não fosse Luísa uma mulher que acredita que tudo é feito por etapas que têm de ser ultrapassadas e derrubadas!

Tendo um assunto cada vez mais comum nos dias de hoje, o cancro, como pilar do mal deste romance, o modo como a doença afecta a vida de quem a tem de enfrentar e de quem rodeia o doente é aqui descrito de forma sublime. Com a realidade estampada nas palavras e sem fugir aos grandes sacrilégios que o tema envolve, Ana Casaca emocionou-me e cativou-me através deste sofrimento silencioso e isolador de quem o enfrenta na primeira pessoa e não só!

A esperança nunca deixou de estar do lado de Luísa que sempre, até ao último momento, acreditou que iria conseguir dar o salto para a sua nova e reforçada vida, aquela que sonhou construir ao lado de Tiago, num mundo só dos dois e onde os malditos diagnósticos não tinham lugar. Num romance com personagens bem reais, com o estilo que adoro absorver num livro onde o amor é o principal atrativo e com o cancro, a palavra que todos tentamos não dizer, sempre presente. Um livro inspirador, revelador e bem real com uma história de amor que podia terminar em beleza porque os dois pilares principais estavam lá, faltou a saúde, aquela que é tão importante para conseguir seguir em frente.

Com uma escrita fluída e onde duas personagens falam na primeira pessoa e a terceira vê a sua história narrada por um outro elemento, o leitor consegue entrar na história, visitando os locais que são percorridos pela Luísa, pelo Tiago e o Pedro, sentindo-me apertado com o romance e a relação de irmãos, com todos os pesadelos que vão passando por estas três vidas ao longo de tão pouco período de tempo, aquele em que o bem e o mal conseguem aparecer de rompante para se abafarem mutuamente e só um levar a melhor.

Um romance onde a vida é descrita como a queremos e como não a queremos! Aconselho vivamente a leitura de Viagem ao Fim do Coração, uma obra que me tocou bastante!

Luísa ainda era uma adolescente. Tiago já era um jovem adulto. Conheceram-se na solidão de uma pequena praia, na margem de um rio. Tinham em comum uma relação familiar traumática. Num caso, o trauma do amor dos pais. No outro, o trauma do ódio dos pais.

Conheceram-se num dia que pareceu conter uma vida inteira. Mas teriam ficado separados para sempre, se a invisível linha de uma doença que rói o corpo e anuncia a morte não os tivesse voltado a ligar, dezasseis anos depois.

Luísa e Tiago podem até redescobrir o amor, mas apenas se a silenciosa presença das metástases não se alastrar aos seus corações.

Viagem ao Fim do Coração é mais do que uma comovente história de amor. É a recriação de um admirável mundo de pais e mães, filhos e irmãos, ódios e amores. Revela os pesadelos de um cancro injusto, mas não abdica do que é humano e essencial, o sonho.

2 comentários

Comentar post