Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

10
Nov18

Convites Duplos | Faz-te Homem | 15.11.2018

| O Informador

Dois amigos de longa data decidem debater a sempre polémica temática do papel do homem na nossa sociedade e as suas ramificações com tudo o que o rodeia, com tudo o que se mexe… mulheres incluídas. A melhor forma que encontraram para abordar o abominável mundo do homem foi organizar uma “Conferência de e para Machos”, denominada Faz-te Homem, onde irão expor as suas indignações, receios, traumas, medos, frustrações, no fundo, o que os apoquenta.

Os espetadores, atentos à conferência sobre Futebol, Carros, Gajas, Porrada, poderão ser chamados a intervir.

António Machado e João Didelet estrearam no passado dia 07 de Novembro no Teatro Armando Cortez, em Lisboa, a comédia Faz-te Homem, inspirada no livro de Luís Coelho. Com cerca de uma hora de espetáculo, os dois atores debatem com todos os Zés da plateia, numa conferência de e para «machos», temas que intervém no dia-a-dia de todos os homens mas também na convivência com a ala feminina da sociedade. Sexo, filhos, futebol, rabos, gadgets, copos e compras são apenas alguns dos temas debatidos neste divertido espetáculo que se encontra com sessões às Quartas e Quintas-feiras pelas 21h30 na sala lisboeta. 

Para que todos possam ter a sorte de assistir a Faz-te Homem, sessão de dia 15, tenho convites duplos para vos oferecer. Este passatempo irá estar disponível até às 18h00 de dia 14 de Novembro, Quarta-feira, e nesse mesmo dia serão revelados os nomes dos vencedores nesta mesma publicação, sendo o sorteio feito através do sistema automático random.org. Os premiados serão contactados via email com as recomendações para o levantamento dos bilhetes acontecer nas melhores condições. Para a participação ser válida tens de seguir os passos que se seguem...

09
Nov18

Faz-te Homem | Yellow Star Company

| O Informador

faz-te homem.png

Dois amigos de longa data decidem debater a sempre polémica temática do papel do homem na nossa sociedade e as suas ramificações com tudo o que o rodeia, com tudo o que se mexe… mulheres incluídas. A melhor forma que encontraram para abordar o abominável mundo do homem foi organizar uma “Conferência de e para Machos”, denominada Faz-te Homem, onde irão expor as suas indignações, receios, traumas, medos, frustrações, no fundo, o que os apoquenta.

Os espetadores, atentos à conferência sobre Futebol, Carros, Gajas, Porrada, poderão ser chamados a intervir.

António Machado e João Didelet estrearam no Teatro Armando Cortez, em Lisboa, um novo espetáculo com o selo de qualidade que as produções da Yellow Star Company já habituaram o seu público. Baseado no livro Faz-te Homem, da autoria de Luís Coelho, esta comédia teatral adotou o mesmo nome da obra escrita e foi encenada por Paulo Sousa Costa para ser apresentada ao público. 

Numa verdadeira conferência de homens e para homens, António Machado e João Didelet são dois Zés entre os que se sentam na sua frente para ouvirem o que todos pensam sobre as diferenças entre homens e mulheres, as desigualdades, problemas e injustiças de um casamento, os filhos, o sexo, o futebol, os rabos, a roupa e tudo o que pode gerar qualquer tipo de diferenças entre os pensamentos de ambos os sexos e mesmo os comportamentos aceitáveis do universo masculino e o que começa a fugir da típica tradição máscula. 

 

18
Out18

Levando o Caos, de Maurício Meirelles

| O Informador

maurício meireles.jpg

Maurício Meirelles regressou a Portugal para apresentar o seu novo espetáculo. Após o sucesso de Perdendo Amigos, que não vi, agora chegou até nós Levando o Caos, a nova produção que continua a contar com o famoso webbullying ao longo de duas horas de boa disposição. 

Num espetáculo reformulado e onde a presença do público é importante, o comediante brasileiro surge em palco com uma simplicidade incrível. Piada atrás de piada, risada atrás de risada, apontamentos críticos da sociedade brasileira e portuguesa bem fortes e o debate acontece. Comentando a atualidade brasileira e portuguesa, Meirelles não deixa nada por dizer. O que gosta gosta, o que não gosta é comentado na mesma, colocando o dedo na ferida sem disfarces, atrapalhando, mordiscando e transformando uma plateia completamente esgotada numa claque de palmistas cheia de entusiasmo e boa disposição.

Não conhecia muito bem o trabalho do ator e fiquei rendido ao primeiro minuto. O público é convidado a assistir a um micro vídeo de apresentação sobre o que é um espetáculo de teatro e depois entra o artista. Maurício surge sozinho em palco, de microfone na mão e pronto para criar distúrbios, lançando mesmo o caos entre a sua claque repleta de fãs e de novos admiradores, uma vez que quem vê a primeira vez vai certamente querer voltar na próxima aparição do humorista brasileiro. 

 

10
Out18

Convites Duplos | Levando o Caos | 17.10.2018

| O Informador

maurício meirelles.jpg

Maurício Meirelles está de regresso a Portugal pelo terceiro ano, para apresentar o espetáculo Levando o Caos. Numa produção da Yellow Star Company, o comediante brasileiro irá no espaço de uma semana visitar seis cidades portuguesas e tu podes assistir a uma das sessões, a do Salão Preto e Prata do Casino Estoril, pelas 22h00 de dia 17 de Outubro. 

Num espetáculo reformulado mas seguindo a mesma linha do sucesso de Perdendo Amigos, que foi distinguindo com o Grande Prémio Risadaria Smiles de Humor Brasileiro com o Melhor Espetáculo de Stand Up, em 2016 e 2017, Maurício Meirelles apresenta agora Levando o Caos com a sua presença em Lisboa, Estoril, Faro, Lousada, Porto e Coimbra de 16 a 21 de Outubro.

A gravidez da esposa, o nascimento do filho, o feminismo dentro e fora do casamento, os preconceitos, a entrada na TvGlobo e vários apontamentos dedicados ao público português estarão em destaque em Levando o Caos onde não faltará o já célebre momento de WebBullying, onde Maurício apoderasse das contas das redes sociais de uma pessoa famosa ou da plateia e fará das suas. 

23
Set18

Grease | Yellow Star Company

| O Informador

grease cartaz.jpg

Passado na Califórnia, no final dos anos 50 e começo dos anos 60, tem como pano de fundo o comportamento dos jovens dessa época. Grease é a história de um casal de estudantes, Danny e Sandy, que trocam juras de amor no verão, mas separam-se, pois ela voltará para a Austrália. Entretanto, os planos mudam e Sandy acaba por se matricular na escola de Danny. A partir desse momento, tudo poderá acontecer e o amor irá imperar, mas não sem antes os jovens andarem desavindos.

O final feliz derrete corações e o humor insólito, próprio de jovens na flor da idade, faz deste argumento um clássico que tem atravessado gerações e que continua em cena em inúmeras salas de teatro, nos USA.

Já estreou pelo Salão Preto e Prata do Casino Estoril o musical que tem suscitado a curiosidade do público ao longo dos últimos meses. Grease, o espetáculo inspirado no filme com o mesmo nome e que em 1978 colocou John Travolta e Olivia Newton-Johnson a dançarem através da grande tela. Um sucesso cinematográfico dos finais dos anos 70 que se transformou há uns anos num outro sucesso pelos palcos mundiais. Agora Grease, o musical, chegou a Portugal através da Yellow Star Company e promete igualar o sucesso de outros países. 

Diogo Morgado e Mariana Marques Guedes comandam um elenco de jovens atores num espetáculo de duas horas onde a magia acontece. Ana Queirós, Beatriz Barosa, Carlota de Bastos Carreira, Catarina Siqueira, Diogo Faria, Diogo Velez, Emanuel Almeida, João A. Guimarães, Joana Oliveira, Jorge Rosa, Luísa Salgueiro, Maria Sampaio, Ricardo Trêpa e Samuel de Albuquerque incorporam assim o leque de atores dirigidos por Paulo Sousa Costa, neste musical que vive muito da memória e recordações do filme. 

Com textos intercalados com momentos musicais que não foram traduzidos para manterem, e bem, a originalidade das letras tal qual como são conhecidas, esta versão nacional de Grease tem nos momentos musicais e de dança o destaque. Através de coreografias bem ensaiadas, que para mim são o grande forte deste espetáculo, na interpretação dos temas conhecidos conduzidos principalmente pelas melhores vozes em palco que ganham destaque em determinados momentos quando agarram certos temas para mostrarem que nem todos conseguem atingir determinadas notas. O que notei nesta fase inicial em que vi Grease, pela segunda sessão, foi o melhor desempenho a nível de canto do núcleo feminino que em grupo ou a solo tem vozes com um maior potencial, embora no geral o grupo esteja coeso, bem ensaiado, com boas interpretações e exibições. Existem claramente personagens, como sempre, que vão ganhando protagonismo sem qualquer intenção, mas em todos os espetáculos isso acontece e quando o elenco é maior que o geralmente normal, e com personagens que são levadas do principio ao fim, é perfeitamente aceitável que cada um eleja os seus preferidos, tanto pelo que a personagem dá como mesmo pela prestação de cada um em palco e isso aconteceu-me e consigo reter quatro prestações dentro deste elenco que se de início estão bem, quando tiverem mais umas sessões em cima ganham o destaque e os aplausos gerais do público.

Através de um cenário mexido onde se faz uso do palco na sua totalidade e também da sala com personagens a surgirem de vários pontos sem estarem restritas ao palco, facilmente se consegue fazer a transição entre cenários sem existirem os tempos mortos que ainda existem por alguns espetáculos do género. O palco que roda, a varanda com pequenos apontamentos, o fundo a transformar-se em sala de cinema, o surgimento do famoso carro...

16
Set18

BOCAge | Magiabrangente

| O Informador

bocage 1.jpg

Poderiam ter sido de uma mulher, aquelas palavras que muito magoam quem as escuta. Poderiam ter sido ditas a cantar, por um bom e belo trovador, talvez assim nos entranhassem mais e as estranhassemos menos. Mas as palavras ditas, a cru, sem receio de alheios e freios, é o que as faz serem apetecidas e repetidas e vomitadas e gozadas em voz alta e não entre dentes cerrados. Venham, calem-se e escutem!

E, se do amor já ouviram mentiras, aqui do amor ouvirão verdades. A Bocage faremos um brinde. Não fosse ele o melhor e mais honesto homem para se amar.

Rita Ribeiro, Sandra José e Mafalda Rodrigues sobem ao palco do Teatro Armando Cortez com BOCAge, uma comédia de escárnio e bem dizer para celebrar e brincar ao poeta.

Num texto bem conseguido da autoria de Sandra José, vida e obra de Bocage são lembrados através de um trabalho que pretende além de mostrar os conhecimentos do poeta português do século XVIII, achincalhar a sociedade atual através de um texto intemporal onde a critica mordaz, a hipocrisia e as diferenças são destacadas num texto protagonizado por três mulheres perante um público que assiste ao percurso de homem que gostou bastante de mulheres que agora em palco se defendem, mostrando o que muito aconteceu de mau pelo uso e abuso para além da força. Ruivas e de lábios vermelhos, as três mulheres simbolizam o poder feminino capaz de enfrentar as verdades, proclamar tal e qual como se pensa e não se ousa dizer. Os textos perdidos, as palavras desviadas, os poemas mal interpretados de forma propositada para que bem agradasse a cada singular leitor. 

A obra de Manuel Maria du Bocage é recontada em BOCAge, um espetáculo que segue dos oito aos oitenta com apontamentos musicais onde vão sendo inseridos trechos cómicos mas tristes, sensualidade agonizante, choro irritante, religião de bradar aos céus, palavreado brejeito mas bem real no momento de chamar as coisas pelos nomes e acima de tudo muita polémica. O público que marca presença perante esta peça pode aplaudir um trabalho de memória de quem deixou obra refletiva e que tem ficado esquecido na memória de todos, ou quase todos, nós. 

Mais sobre mim

foto do autor

Banner mrec Saldos 2019

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Happy

    Eu vi e gostei muito!

  • Gorduchita

    Não defendendo de forma nenhuma a empresa de medic...

  • O Informador

    É possível porque nas carrinhas é mesmo para despa...

  • O Informador

    O meu não perde o contacto com o cabo, mas só liga...

  • Anónimo

    Quando vou à medicina do trabalho num edifício ond...

Mensagens

Pesquisar