Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Boeing Boeing aterrou no Teatro Politeama

Se tivesse de descrever o espetáculo Boeing Boeing em poucas palavras só o podia fazer com o cruzamento de comédia, diversão, talento e trabalho. Boeing Boeing é uma das produções que a Yellow Star Company adaptou para Portugal há uns anos e desde então que todos os anos tem sido encenada e enchido as salas de espetáculos de todo o país com sucessivas temporadas de sessões esgotadas. Os elencos podem rodar, o encenador alterar e o local da sessão ser em qualquer cidade ou vila do país e o certo é que esta divertida comédia está tão bem criada, do texto ao elenco, que o riso gera aplausos num hilariante trabalho que não deixa ninguém indiferente por onde tem passado.

Agora, após várias temporadas bem sucedidas, Boeing Boeing está de volta a Lisboa e aos palcos, onde pode ser visto no Teatro Politeama com um elenco de rostos que já passaram em anos anteriores por esta produção e com novos nomes a reforçarem o bom trabalho feito. Com um cenário de uma sala de uma qualquer casa, o espaço mais parece um porta-aviões recheado de amor para dar a três hospedeiras que se apaixonam, sem saberem, pelo mesmo homem, que as engana com promessas de amor eterno. O pior acontece quando as três desconhecidas percebem que não estão sozinhas na vida do seu noivo e o que parecia controlado com horários e escalas parece descarrilar para desespero de Bernardo aquando o momento em que o embate das três na mesma casa acontece.

Com António Camelier, António Machado, Carolina Puntel, Liliana Santos, Núria Madruga e Teresa Guilherme no elenco, sendo que a sessão a que assisti Teresa foi substituída de forma fantástica pela atriz Sónia Lisboa, Boeing Boeing tem tudo o que de essencial tem de existir numa comédia que é feita para que o público deixe por umas horas os seus problemas de lado para embarcar neste voo de enganos, embaraços, desaforos e contradições entre um homem com o coração bem grande para o partilhar com três bonitas mulheres, o seu amigo solteirão capaz e pronto, caso deixasse, para lhe dar uma ajuda com as noivas, e uma governanta em casa, com todos os segredos do patrão consigo, andando esta senhora numa correria entre os sabores do Brasil, de Itália e Alemanha, consoante os voos que chegam e partem para não se atrapalhar no agradar a cada menina e não falhar com o senhor que tanto ama e engana as suas hospedeiras de bordo que andam bem enredadas por amor.

Convites duplos | Boeing Boeing

27 de Março | Yellow Star Company

boeing boeing.jpg

Queres assistir a uma boa comédia numa das salas mais emblemáticas de Lisboa? Queres perceber como os atores António Camelier, António Machado, Carolina Puntel, Liliana Santos, Núria Madruga e Teresa Guilherme se apresentam em palco? Com encenação de Sofia de Portugal e produção da Yellow Star Company, Boeing Boeing está de volta para levantar voo pela nossa capital e colocar o público do Teatro Politeama bem disposto ao longo de duas horas.

E tu, que não viste ou queres voltar a ver este divertido espetáculo tens aqui uma oportunidade de assistir à sessão de Domingo, 27 de Março, pelas 21h00, apresentando-te na sala frente a um renovado elenco que faz assim surgir de novo esta comédia pelos palcos nacionais, após várias temporadas com centenas de sessões esgotadas de Norte a Sul do país. Para tentares a tua sorte convém seres seguidor d'O Informador no Instagram e partilhares no teu InstaStories uma das imagens do cartaz do concerto que se encontra disponível nos Destaques e mencionares O Informador e três amigos nessa mesma partilha. De seguida basta preencheres o formulário - AQUI - onde só é permitida uma participação por endereço de e-mail. Esta oportunidade irá estar disponível até às 23h59 do dia 26 de Março, e nesse dia serão revelados os nomes dos vencedores nesta mesma publicação, sendo o sorteio feito através de sistema automático. Os premiados serão contactados via email com as recomendações para o levantamento dos bilhetes acontecer nas melhores condições.

Boa sorte!

Convites duplos | O Homem da Amália

06 de Novembro | Coliseu Porto Ageas

E4C30B58-BB87-4A8B-89EA-9854A78ADB95.jpeg

Após ter estreado no final de Setembro no Teatro Armando Cortez, em Lisboa, onde tem tido um início de temporada auspiciosa, o espetáculo O Homem da Amália estará no dia 06 de Novembro no Coliseu Porto Ageas, pelas 21h00, para poder ser aplaudido pelo público do Norte. Nesta produção da Yellow Star Company, com texto e interpretação de Virgílio Castelo, o ator dá vida a doze personagens a solo num espetáculo que percorre as memórias de quem amou Amália e que conta com encenação de Paulo Sousa Costa. 

A diva do Fado e todos os que a amaram são em O Homem da Amália homenageados, sendo esta produção um hino ao amor, à paixão e à devoção que todos dedicaram a esta mulher que conquistou o Mundo pela sua voz. É a partir de divertidos e trágicos episódios que Virgílio Castelo percorre vidas e acontecimentos num espetáculo que promete ser único para o público português. Como já vi e partilhei a minha opinião, deixo-te com o link do texto Virgílio Castelo estreia O Homem da Amália para poderes perceber o que achei deste monólogo recheado de presenças e que acaba por celebrar o centenário da diva do fado. 

Virgílio Castelo estreia O Homem da Amália

Yellow Star Company

cartaz o homem da amália.png

Virgílio Castelo é O Homem da Amália, o novo espetáculo produzido pela Yellow Star Company, num texto escrito e interpretado pelo ator que ao longo de mais de uma hora em cena dá vida a doze personagens de homens que passaram pela vida da diva do fado. 

A solo, Virgílio Castelo interpreta o homem que sempre viveu um amor desconhecido para com Amália. Sonhou, criou ilusões, revoltas e viveu de contrariedades, sempre com a esperança de ter a grande voz de Portugal do seu lado. Os horizontes de Amália, as paixões incompreendidas e as decisões políticas estão presentes neste maravilhoso texto criado por Virgílio Castelo onde a emoção deriva de vários pontos dispares entre a comédia e o drama, revelando o que já bem sabemos sobre um ator completo e que se entrega ao seu trabalho de palco, mostrando que num espetáculo a solo é possível brilhar e conquistar o público. Com um texto muito bem conseguido e trabalhado aliado a uma interpretação sublime, o homem de Amália conduz a história, revelando outros rostos que passaram pela vida desta mulher que se tornou rosto nacional mas que nunca deixou de ter os seus mistérios.

Memórias, aparições, pensamentos e curiosidades são pontos positivos deste trabalho que mostra a decadência de um homem pelo amor não correspondido ao longo do tempo, acabando esta história por revelar um ser inacabado que sempre olhou para o ser desejado sem conseguir desligar e percorrer o seu próprio caminho. No final o peso de viver em função de um objetivo não conseguido acaba por causar a loucura num estado puro que percorre o caminho da morte sem que por um momento tenha visto a sua dedicação a ser correspondida pela mulher que olhava e desbravava caminho com os seus risos contagiantes para ignorar o óbvio quando o mesmo lhe era indesejado. 

 

Convites duplos | O Homem da Amália

08 e 10 de Outubro

o homem da amália cartaz horizontal.jpg

Já estreou no passado dia 30 de Setembro o espetáculo O Homem da Amália. Com sessões previstas até 28 de Outubro, todas as Sextas-feiras e Sábados, pelas 21h00, e aos Domingos, pelas 18h30, a Yellow Star Company arrancou com o seu novo espetáculo no palco do Teatro Armando Cortez. Virgílio Castelo é o anfitrião desta produção, dando vida a doze personagens a solo num espetáculo que foi escrito pelo ator e encenado por Paulo Sousa Costa para percorrer as memórias de quem amou Amália. 

A diva do Fado e todos os que a amaram serão com O Homem da Amália homenageados, sendo esta produção um hino ao amor, à paixão e à devoção que todos dedicaram a esta mulher que conquistou o Mundo pela sua voz. Será a partir de divertidos e trágicos episódios que Virgílio Castelo percorrerá vidas e acontecimentos num espetáculo que promete ser único para o público português.

Convites duplos | O Homem da Amália

01 e 03 de Outubro

o homem da amália cartaz horizontal.jpg

A partir de 30 de Setembro e até 28 de Outubro, a Yellow Star Company arranca com o seu novo espetáculo no palco do Teatro Armando Cortez. Com sessões agendadas para as Sextas-feiras e Sábados, pelas 21h00, e aos Domingos, pelas 18h30, Virgílio Castelo viverá doze personagens a solo num espetáculo que foi escrito pelo ator e encenado por Paulo Sousa Costa para percorrer as memórias de quem amou Amália. 

A diva do Fado e todos os que a amaram serão com O Homem da Amália homenageados, sendo esta produção um hino ao amor, à paixão e à devoção que todos dedicaram a esta mulher que conquistou o Mundo pela sua voz. Será a partir de divertidos e trágicos episódios que Virgílio Castelo percorrerá vidas e acontecimentos num espetáculo que promete ser único para o público português.

Voltei aos Monólogos da Vagina

Monólogos da Vagina

Hoje é dia de partilhar contigo que ontem voltei a assistir, pela segunda vez desde que estreou em Portugal, ao espetáculo Monólogos da Vagina.

Quase dois anos e meio depois da minha primeira vez na plateia desta produção, voltei a assistir, com elenco renovado e agora no Teatro Politeama. Nada falha neste espetáculo onde as mulheres e as suas vaginas estão em destaque, sem esquecer os seus parceiros de cama e não só. O amor, o orgasmo, o preconceito, a dor, as origens, o auto conhecimento entre bons momentos de comédia e também em partilhas mais pesadas são desta vez retratados pelas vozes e interpretações de Marta Andrino, Sofia de Portugal e Teresa Guilherme, que seguem a linha dos elencos anteriores de darem um bom espetáculo ao público que agora procura a sala do Teatro Politeama para mais uma temporada desta fantástica produção da Yellow Star Company que tem enchido as salas da capital e de Norte a Sul do país, ilhas incluídas.

Convites duplos | Monólogos da Vagina

07 e 08 de Setembro pelas 21h00

monólogos da vagina cartaz.jpg

O Teatro Politeama prepara-se para receber a partir de dia 07 de Setembro o espetáculo Monólogos da Vagina. Produzido pela Yellow Star Company e com encenação de Paulo Sousa Costa, a peça que tem esgotado sessão atrás de sessão, através das suas várias temporadas ao longo dos últimos anos, está de regresso marcado a Lisboa e desta vez no Teatro Politeama. Com sessões de Domingo a Quarta-feira, pelas 21h00 e com um elenco renovado e composto por Marta Andrino, Sofia de Portugal e Teresa Guilherme, o sucesso mantém-se assim em palco após ser visto por mais de sessenta mil pessoas de Norte a Sul do país. 

Abordando os mais variados temas do universo feminino e conjugais, a abordagem feita nestes conhecidos Monólogos rejeita complexos. Sexo, menstruação, prostituição, amor, orgasmo, violação, mutilação, imagem corporal e tudo o que puderes imaginar em torno do tema Vagina e também com os inúmeros significados e nomes comuns que são dados a esta parte física do corpo feminino vão estar em palco para convidar o público a pensar, comentar e passar um bom momento com este espetáculo que totalmente aconselho para mulheres solteiras, casadas, divorciadas e viúvas mas também para os seus companheiros, pais, irmãos, amigos e passados. Todos devem ver os Monólogos da Vagina que agora invadem a famosa sala lisboeta do Teatro Politeama. 

Convites duplos | A Ratoeira

03 de Julho pelas 20h00 | 04 de Julho pelas 18h00

a ratoeira.png

Em cena no Teatro Armando Cortez, em Lisboa, até ao final de Julho, seguindo depois para uma Tour Nacional, A Ratoeira é uma das mais incríveis histórias de Agatha Christie que tem batido recordes pelos palcos mundiais e em Portugal não é exceção através da produção da Yellow Star Company. 

Com elenco composto por Ruy de Carvalho, Filipe Crawford, Sara Cecilia, Henrique de Carvalho, Sofia de Portugal, Daniel Cerca Santos, Luís Pacheco e Elsa Galvão, esta história tem contado com salas esgotadas e com o aplauso do público e da crítica e após te convidar para leres a sinopse de A Ratoeira, convido-te para ganhares convites duplos para as sessões de 03 e 04 de Julho. 

Sinopse:

Um grupo de desconhecidos está preso numa pensão durante uma tempestade de neve, um dos quais é um assassino. Os suspeitos incluem o casal recém-casado que explora a pensão, e as suspeitas nas suas mentes quase arruínam seu casamento, até ali, perfeito. Outros são solteirões com um passado curioso, um arquiteto que parece melhor equipado para ser um chef, um major aposentado do Exército, um homenzinho estranho que alega que seu carro avariou numa estrada perto dali, e um jurista que torna a vida miserável para todos.

Entretanto aparece um policia, que vem de esquis, através da tempestade. Mal chega, quando o jurista é morto. Para chegar ao raciocínio do padrão do assassino, o policia investiga os antecedentes de todos os presentes…

A saída da Yellow Star Company do Teatro Armando Cortez

yellow star company.jpg

A notícia de que a nova direção da Apoiarte - Casa do Artista decidiu não renovar o contrato que tem mantido ao longo dos últimos anos com a produtora Yellow Star Company para a utilização do espaço do Teatro Armando Cortez surgiu nos meios de comunicação social e acaba por deixar o sector da cultura mais uma vez consciente de que existe mesmo um lado negro por detrás das artes que parece mostrar que por muito que se lute para seguir em frente as dificuldades sempre vão surgindo de algumas partes. 

Como é referido no comunicado enviado às redações, a produtora dirigida por Paulo Sousa Costa tem estado a utilizar o Teatro Aberto Cortez como a sua principal sala de espetáculos e também como escritórios, salas de ensaio e armazém ao longo dos últimos cinco anos e meio. Na sala várias foram as peças levadas a cena, 74 exatamente, com dezenas de sessões cada e milhares de espetadores que esgotaram os mais variados espetáculos. A sala que parecia abandonada e somente utilizada de forma esporádica passou a ganhar vida todas as semanas, quase todos os dias a partir do momento em que a Yellow Star Company se conseguiu instalar, dando vida ao espaço e tornando-o num pilar para o teatro nacional nestes anos. Agora, numa altura em que a paragem forçada devido à pandemia terminou e as artes voltam a surgir nas nossas vidas, a direção da Casa do Artista resolveu terminar o acordo com a produtora e deixou tudo o que existia para trás, dando três meses para que a saída da produtora do espaço aconteça, quando a programação da temporada já estava delineada até ao início de 2022.

Neste momento a direção da produtora começa a procurar um novo espaço, sendo conhecido que dentro da grande Lisboa os espaços teatrais estão todos ocupados por outras empresas da área, sendo possível que numa primeira instância os próximos projetos que venham a cena da Yellow Star Company poderão acontecer fora das salas da capital, até que um novo espaço surja e consiga ter as condições necessárias para poder receber artistas e público nas melhores condições como tem acontecido até aqui. Neste momento e até Julho, no Teatro Armando Cortez será possível ver as peças Monólogos da Vagina e A Ratoeira e para já é aproveitar as duas boas produções que se voltarem não será mais na sala que pertence ao património da Casa do Artista.