Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

13
Abr20

Redes sociais em tempos de pandemia

redes sociais quarentena.png

 

As redes sociais são em tempos de quarentena um bom apoio para que todos possamos ficar um pouco mais próximos, demonstrando agora, numa fase complicada para todos, que a presença no Facebook, Instagram e Twitter e também em plataformas de conversão como o Whatsapp e Skype afinal também contém pontos positivos que outrora eram desvalorizados por grande parte da sociedade que deixava de lado esta forma de muitos comunicarem através do online. 

Num momento em que a necessidade é de quase isolamento perante o lema #ficaemcasa, a necessidade de interação para existir contacto com quem nos é querido existe e é neste ponto que todos estamos bastante mais ligados ao universo online com chamadas, mensagens e principalmente as videochamadas que nunca foram tão importantes como agora. Na vida pessoal ou profissional muito atualmente consegue ser feito através de um telemóvel ou computador para aproximar de forma simplificada todos nós. Os almoços familiares partilhados por videochamadas, as reuniões para que as empresas não parem, as conversas entre amigos e muito do que tem sido possível fazer e que ficará nas nossas vidas a partir daqui.

Acredito que estas necessidades forçadas que todos tivemos de adaptar ficarão connosco no futuro. Muitos empregos irão ser possíveis de acontecer a partir daqui em formato de teletrabalho, muitas conversas telefónicas ficarão a contar com imagem de forma mais próxima... Todos estamos a mudar a forma de estar connosco e com os outros e as redes sociais, em pleno 2020 e após anos a levarem por tabela por transmitirem um mau exemplo por roubarem tempo para as conversas e encontros reais ganharam agora destaque e são vistas como as heroínas perante as formas de comunicar em plena pandemia que nos tem feito ficarmos por casa. 

19
Nov19

É cá um gastar de bateria!

redes sociais.jpg

 

Hoje que é hoje e também o é no dia em que estás a ler este texto, falo das aplicações que mais me gastam bateria no telemóvel. Assim sendo, fazendo jus dos dados que o iPhone me vai dando, decidi partilhar as reais razões para que a bateria se esgote rapidamente, elaborando o top cinco das aplicações que mais bateria consomem. Se não fossem as famosas powerbank, o que seria deste meu telemóvel que raramente resiste a vinte e quatro horas de utilização sem receber reforço?

Em primeiro lugar dos mais gastadores de bateria está sem mais nem menos, o Instagram. Quem diria não é verdade? Parece que a rede social da imagem anda muita vez ligada por estes lados, ora com publicações, gravações, partilha e visitas a outros perfis para se perceber o que se anda a passar por ai. Sim, o Insta é a minha rede social favorita, tendo de controlar o uso da mesma. Passando para a segunda posição, eis que me chega a Netflix. A aplicação de séries, filmes e documentários tem-me feito companhia constante nos últimos meses pelas horas vagas, partilhando os tempos livres com a literatura. Sendo assim e porque uma boa série está sempre à espreita, lá está a Netflix no top dos tops das aplicações que mais me gastam bateria. Em terceiro lugar e com algum mérito aparece o Mail, algo que consulto quase de todas as vezes que acedo ao telemóvel por estar com as notificações ativas e nem que seja para eliminar o último email indesejado ou desnecessário ou consultar as novidades que por aí andam a espreitar e pelas quais fui informado. Regresso às redes sociais, e é com o Twitter que o quarto posto fica ocupado. A rede social das partilhas rápidas tem alturas menos boas por estes lados, mas agora até tem andado bem presente, merecendo este lugar no pódio dos top5 mais gastadores do momento. Em último e não menos importante, surge o WhatsApp, a rede de conversas pessoais e grupais que não para de fazer vibrar estes telemóveis. 

15
Abr19

Falha nas redes sociais deixam planeta em sobressalto

redes sociais.jpg

«Falha nas redes sociais deixam planeta em sobressalto» podia ser o título de uma notícia num qualquer jornal sensacionalista mundial. Mas não é, pelo menos que saiba, e foi antes o título que optei por colocar a este texto por ter percebido que algumas redes sociais - Facebook, Instagram e WhatsApp - estiveram mais de duas horas sem funcionar no passado Domingo. O que parte dos utilizadores fizeram? Ficaram em pânico e utilizaram outras redes sociais para comentarem e tentarem perceber o que se estava a passar. 

Após umas falhas há semanas, eis que as três redes sociais voltaram a ficar offline sem aviso prévio e pelo pânico que se instalou parece que parte do planeta parou. Se uns deixaram de aceder a vários contas de lojas online ou de jogos online por acederem através do Facebook, existem também os que se questionaram sobre o que estaria por detrás desta quebra.

Estariam a fazer testes para perceber como o sociedade reage à ausência de redes sociais? Isso não me parece, mas uma coisa é certa, gostaria de perceber como seria a nossa vida em geral se ficássemos uma semana sem acesso a todas e quaisquer formas de comunicar através da internet. O mundo iria parar mesmo, tudo estaria desligado por atualmente tudo ser feito através de um clique, onde as coisas se sabem num simples segundo através de uma imagem ou uma simples palavra partilhada.

Confesso que dei pela falha já perto do fim mas pensei que fosse um problema de rede, uma vez que também a internet estava com complicações para abrir aplicações de jornais online e afins. Não percebi logo que as redes sociais estavam com falhas e só visitando o Twitter entendi que «o drama, a tragédia, o horror» estavam instalados de forma geral com seres a arrancarem cabelos e a pensarem em se atirarem de pontes porque ficaram desligados do mundo por algumas horas. Claro que estou a exagerar, mas acredito que muitos ficaram todo o tempo em que estiveram sem redes sociais a atualizar as aplicações até que as mesmas reagissem em género de tratamentos de choque.

11
Nov18

Conversas de telemóvel

messenger.jpg

É um facto que me acompanha e deve ser para manter ao longo dos próximos anos! Não gosto de falar ao telemóvel, preferindo bem mais que me enviem mensagens que logo que possível, geralmente até de forma rápida, respondo. 

Podem enviar mensagens das mil e uma maneiras que encontrarem, uma vez que nos tempos que correm além do padrão base existem inúmeras possibilidades distintas com tanta aplicação a surgir no mercado como cogumelos em terras férteis deste país de costa marítima e cada vez mais propício a intempéries que até nos deixam sem rede móvel.

Vá, se quiseres contactar comigo, além dos sistemas de Messenger de FacebookInstagram e Twitter, tens ainda o Whatsapp, o e-mail e aqui o blog. Podes enviar-me a mensagem que quiseres porque a resposta será feita, nas suas devidas condições assim que possível e dentro dos prazos legais consoante a agenda de uma pessoa muito, mas mesmo muito ocupada... Eu!