Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

wooklet-billboard

A violência de Bárbara e Carrilho perante os filhos [com vídeo]

17
Jan19

manuel maria carrilho.jpg

Quando José Maria Carrilho pensava que a imprensa se tinha calado com as agressões e insultos que protagonizou com Bárbara Guimarães nos últimos anos e que fizeram correr muita tinta com direito a várias idas a tribunal devido à polémica separação que envolveu a troca de galhardetes e não só em praça pública. Agora que tudo parecia mais calmo, eis que a jornalista Ana Leal, da TVI, colocou em campo a sua equipa e voltou a estimular o tema da polémica. 

Inserido no Jornal das 8, o espaço de grande reportagem da equipa de Ana Leal deu a conhecer novos desenvolvimentos, com imagens exclusivas entre Bárbara e Carrilho à porta da apresentadora. O ex-ministro insultou, mentiu e agrediu a apresentadora ao pé dos filhos, existindo e sendo reveladas agora algumas das imagens que foram entregues ao Ministério Público dessas mesmas agressões e gravações de áudio.

Muito tem sido dito e não dito, criado e comentado nas páginas de revistas e jornais ao longo dos últimos anos sobre o divórcio do casal e esta nova reportagem mostra mesmo que de ambas as partes, as crianças foram transformadas em peões entre duas pessoas descontroladas em certos momentos das suas vidas, fazendo dos filhos meros dados que são lançados para se agredirem psicológica e fisicamente ao longo do tempo. Carrilho entregava a filha a Bárbara e aproveitava o tempo em que tinha a criança ao colo para dizer o que queria e bem entendia, ouvindo-se nos vídeos divulgados em momentos a criança a pedir para ser colocada no chão com medo.

Com base em antigos diretores de imprensa e fotógrafos, ficou-se também agora a saber que Manuel Maria Carrilho combinava estar em determinados locais com os filhos para ser visto de forma a parecer ser o pai perfeito, quando ao mesmo tempo relatava factos falsos sobre os comportamentos de Bárbara com os menores, como o de terem sido deixados sozinhos em casa, quando afinal a mãe estava com ambos e acabou por ser agredida por Carrilho no ato da empresa dos menores. Neste campo da especulação e combinações o tema já é velho entre os famosos que querem aparecer bem mas usando menores para passarem a imagem da perfeição torna-se num tema critico, para mais quando os sinais são de violência e ameaças. A par de todas as imagens, existem ainda declarações de Dinis Maria, filho mais velho de Bárbara e Carrilho, de como o pai o agrediu em 2018. Acusações sobre violência, violações, roubos e comportamentos inapropriados têm sido uma constante neste caso que parece não ter fim. 

Basta!

29
Mar18

violência 4.jpg

Portugal, pleno século XXI, uma sociedade supostamente desenvolvida mas com grandes falhas no que toca à igualdade de género e onde infelizmente a violência doméstica ainda persiste com as mulheres a serem vítimas de um crime não conjugal mas sim público. 

O Mundo continua a conviver com atos desumanos de agressões e maus tratos entre seres que não respeitam os que estão do seu lado, tal como não se respeitam a si próprios ao rebaixarem de forma física e psicológica parceiros que se deixam muitas vezes levar em conversas de mudanças e exceções para continuarem a conviver com o medo diário, numa luta desigual de forças de carácter. É necessária existir uma voz coletiva que todos ajude, porque nem só as mulheres são as vítimas, para que se consiga agir, não se ficando calado porque a denúncia é um bem necessário para que os maus feitores sejam levados perante a justiça sobre os seus comportamentos. O respeito perante o próximo é um bem necessário que cada um deve exigir socialmente porque nunca e em momento algum alguém se pode achar acima de qualquer outro. Infelizmente e em pleno momento de liberdade onde a palavra ganha força, os atos destes malfeitores continuam a ser silenciados pelo medo e confronto por quem se deixa ficar com o seu sofrimento num silêncio individual partilhado por muitos que não conseguem gritar «Basta!» num momento de pedido de auxílio para se sair de uma situação onde são praticados crimes abusivos de não respeito pelo ser humano. 

A agressão dentro do seio familiar, onde além de cônjuges também filhos, progenitores, irmãos e avós, são muitas vezes violentados das mais diversas formas e onde o silêncio continua a persistir, dando força ao agressor que segue o seu modus operandi como se nada interferisse entre o bom senso e a razão dos seus atos. Chega de violência e chega essencialmente de ver tudo a ficar silenciado a favor da continuação de formas de agressão praticadas por seres inglórios que pelos quatro cantos do planeta continuam a praticar e muitas vezes a incentivarem estes atos como um bem fundamental para a covivência perfeita e essencial. 

A violência doméstica tem ainda alguns problemas relacionados além do medo perante o agressor. Muitas vezes a vítima consegue ainda sentir a falta de apoio e a crítica gratuita da sociedade que a rodeia, sociedade essa que defende a denúncia, mas que ao mesmo tempo aconselha a aguentar um crime para que não se destrua uma família. Pensar em si, no seu bem-estar e mesmo nos que estão próximos não é aguentar a violência emocional e física, é sim sair, fugir e recomeçar de novo, longe de uma vida de dor e medo. 

Violência no namoro

28
Fev17

Há uns dias veio a debate público, mais uma vez e acho que nunca é demais quando o tema é bem debatido, a violência no namoro. Passado pouco tempo ouvi uma pessoa com comentários acerca da pessoa com quem está a namorar atualmente que só levaram a pensar que talvez exista caso para que as histórias que alguns conseguem ter a coragem de contar aconteçam em demasia e entre casais que nem mostram comportamentos que possam gerar qualquer suspeita.

O que levará uma pessoa agredida uma, duas e três vezes a continuar a suportar a situação, para mais quando se namora, ainda se vive na maior parte das vezes no conforto da casa dos pais, existindo apoio e não sendo de todo necessário sujeitar-se ao que quer que seja. Uma rapariga, embora também os rapazes sejam agredidos em menor escala, que entrega o seu telemóvel para ser controlado constantemente ao namorado, que depois utiliza abusadamente as contas nas redes sociais da mesma para saber tudo o que é partilhado e conversado entre a namorada e as pessoas com quem se conecta é meio caminho andado para a passagem a um outro nível. Quem nos dias de hoje tem de andar a controlar o que quer que seja de outra pessoa? Verificam mensagem a mensagem todos os dias, chamadas, redes sociais com palavra de acesso disponível para se entrar quando se quer e apanhar todas as conversas que ao não terem nada de mal acabam por ser privadas e somente partilhadas se se quiser. Quem tem o direito de controlar a vida de outra pessoa e não deixar que o contrário aconteça?

Violência doméstica não é crime na Rússia

15
Jan17

Da Rússia nem bons ventos nem boas políticas! Então não é que agora o parlamento russo aprovou com 368 votos com 1 voto contra e 1 de abstenção a lei que descriminaliza vários atos de violência doméstica?

De acordo com a nova lei as agressões físicas que não obriguem a vitima a procurar tratamento hospitalar e a faltar ao trabalho não serão consideradas crime caso ocorram uma vez por ano. Ou seja, passando isto por outros termos, os agressores podem uma vez por ano espancar os companheiros sem que se possa considerar um crime. Caso existe agressão mais que uma vez no mesmo ano então ai sim, poderá ser apresentada queixa junto das autoridades. Isto não é um absurdo?

O pior é que existe mais! Então a senhora, não sei se a poderemos considerar como tal, deputada Yelena Mizulina não defende a medida como uma forma de preservar «a tradição da autoridade parental»? A mesma deputada tão defensora desta nova medida russa vai ainda mais longe e afirma que «Não queremos que as pessoas sejam presas por dois anos ou consideradas criminosas para o resto da vida por causa de uma chapada».

São estas as medidas, que um país com mais de 36 mil mulheres agredidas diariamente, segundo dados governamentais de 2013, implementa para que tudo continue na mesma, sendo agora legal espancar uma vez por ano, talvez num dia especial ou consoante a disposição do agressor. 

APAV alerta através da ficção

09
Jun16

apav rita pereira.jpg

Rita Pereira e Pedro Barroso, os dois atores que protagonizaram um dos principais pares da segunda temporada da novela de sucesso A Única Mulher foram convidados pela APAV para protagonizarem a nova campanha de sensibilização da associação. Com um casal com vários problemas de agressão mútua ao longo da trama, a dupla de atores vê assim o seu trabalho ser reconhecido junto de entidades que defendem as vítimas de violência doméstica no nosso país. 

Os atores aceitaram ser os rostos da nova campanha da APAV e a partir de agora será possível ver cenas em que os dois, em modo personagem, enfrentam o que é a realidade de muitas pessoas, infelizmente, por este Mundo fora. A violência no namoro, no casamento e no divórcio são três dos maiores destaques a ter em conta através de agressões físicas e psicológicas ao longo do tempo. As mulheres são as principais vítimas de agressões por parte dos seus companheiros, no entanto os homens têm visto os números a aumentar também do seu lado. Em vários casos as agressões que decorrem ao longo de dias, meses e mesmo anos acabam na morte. 

Coragem da separação

10
Fev16

Notícias sobre homicídios entre casais são cada vez mais frequentes e ver pelas redes sociais uma conhecida por quem se tem um certo carinho a afirmar publicamente que conseguiu deixar o terror que vivia em casa consegue fazer rodar uma tômbola onde a felicidade sai na rifa por perceber que existiu atitude antes que mais uma notícia de violência doméstica contínua que leva à morte acontecesse.

Foi através das redes sociais que por mero acaso percebi, já dois meses depois, que uma vida outrora casada está a passar com a ajuda de técnicos a divorciada. Uma decisão que já devia ter sido tomada há algum tempo, por conversas e desabafos feitos durante anos, mas talvez o amor, a vontade que a outra pessoa mude e os filhos em comum não libertassem o que parecia ser o mais sensato por parte de uma mulher que vivia para sobreviver com um companheiro que de tudo fazia como homem, menos ser um bom marido. 

Maus vícios, tratamentos pessoais que ninguém merece sofrer, agressões, familiares em discórdia... Isto é a vida que um ser humano deseja para si e para os que lhe são mais próximos? Nem pensar!

Até que a morte nos separe

02
Nov14

Até que a morte nos separeDiariamente as vítimas de violência doméstica aparecem através das mãos dos namorados ou maridos e se com o tempo tudo poderia mudar com a evolução da sociedade, o que tem sido alterado no número de casos que têm aparecido ao longo dos últimos anos? Nada, rigorosamente nada, ainda para mais quando surgem depoimentos de mulheres que afirmam que em poucas semanas de namoro já sofriam de tal violência e que mesmo assim deixaram seguir um romance complicado que chegou ao casamento, tendo anos de sofrimento sem denunciarem o que as poderia levar à morte!

O medo, a humilhação e a aniquilação são assim tão fracos sobre um amor de agressões onde muitas vezes amigos, familiares e vizinhos percebem e também não partilham tais crimes públicos por cumplicidade e covardia para com o agressor?!

Como as vítimas, em grande maioria as mulheres, conseguem enfrentar anos de passagem por um deserto vazio sobre a mão pesada de criminosos sem escrúpulos não fugindo e procurando ajuda junto de autoridades e instituições? O apoio às vítimas de agressão existe, mulheres e homens morrem constantemente por sucessivos maus tratos corporais por parte dos companheiros com quem partilham as suas vidas transformadas num inferno e a mudança social tarda em acontecer!

A APAV tem uma linha de apoio à vítima - 707 200 077 - sempre disponível para qualquer esclarecimento! Não há que ter medo, há sim que enfrentar a realidade e perceber que existe todo um mundo de liberdade onde poder viver sem a repressão e ameaça constante de quem não consegue estar bem consigo próprio é bem possível! A fuga não é nada nestes casos que só podem desejar o afastamento dos agressores!

A liberdade pessoal existe e as agressões são punidas, procurem ajuda enquanto é tempo porque a morte não é a única solução para o final de uma união de violência!