Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

mw-billboard

Foi Necessário (o Covid19), por Augusto Cury

Publicado por O Informador, 25.03.20

augusto cury.jpg

 

Fizeram-me chegar pelas redes sociais uma suposta mensagem que Augusto Cury partilhou publicamente sobre a atual situação que o Mundo. Tentei procurar se Cury é mesmo o autor do texto que passo a transcrever, mas sem conseguir perceber se é mesmo verdade. Na dúvida decide partilhar cada frase, cada ponto e todos os significados que este desabajo sentido tem consigo por ser um real abanão que toda a sociedade precisa de sentir para nos podermos tornar num todo melhor que além de si tem de pensar nos outros. 

 

Foi Necessário

 

Foi necessário um vírus para desacelerar o planeta. E ele veio por uma bofetada na nossa cara.

Foi necessário um vírus para olharmos com cuidado, zelo e percebermos a fragilidade dos nossos idosos.

Foi necessário um vírus para os pais ficarem com seus filhos e não atribuírem essa responsabilidade aos avós.

Foi necessário um vírus para lembrarmos de conversar com Deus, pois isso andava meio fora de moda.

Foi necessário um vírus para fazer a gente rezar, para fazermos orações para o mundo e não só para nós.

Foi necessário um vírus para voltarmos a ter fé.

Foi necessário um vírus para mostrar que classe social, raça, crença, orientação sexual não tem diferença diante de uma epidemia.

O vírus fez a gente perceber que somos um, que o individualismo não resolve nada, que precisamos de todos.

O vírus deu uma trégua na polaridade, afinal estamos todos no mesmo barco, olhando na mesma direção.

O vírus nos privou do abraço para percebermos o quanto ele é valioso.

O vírus fez a gente perceber o quanto nossas mãos precisam ser higienizadas e que com esse hábito evitaríamos muitas doenças.

O vírus desacelerou até o consumismo, pois as pessoas não vão sair por aí comprando, comprando e comprando! Sairemos de casa para comprar apenas o necessário.

O vírus fez cair os pedidos de fast-foof delivery pois percebemos que cozinhar para nossa família é a forma mais segura de alimentá-los (isso andava meio fora de moda).

O vírus veio nos mostrar que o ar pode ficar mais puro com a diminuição de carros circulando, e mostrar que as pessoas podem caminhar mais (estão evitando o transporte público).

O vírus veio nos ensinar a agradecer todos os dias por estarmos saudáveis.

O vírus veio nos lembrar o quanto a vida é frágil e que precisamos cuidar do nosso corpo e da nossa alma.

O vírus veio nos mostrar que não devemos subestimar as coisas pequenas. Afinal ele é tão pequeno, invisível aos olhos e está mudando o comportamento do mundo.

Foi necessário um vírus para a gente acordar.

E aquele tempo que sempre dizíamos que não tínhamos? Então, o vírus nos mostrou que ele existe.

Augusto Cury

Covid19, o comentário básico

Publicado por O Informador, 12.03.20

coronavírus.jpg

 

A pressão é forte, as redes sociais estão imparáveis, as conversas sucedem-se e o receio está espalhado por todo o lado. Por aqui a intenção era resistir ao comentário sobre o tema Covid19 por achar que todos estamos a ficar bem assustados com o vírus e perante os alarmes que a comunicação social está constantemente a lançar, mas com tanto alarido é impossível passar mesmo ao lado.

O conselho de alguém que se tem mantido alerta e com certos cuidados é o mesmo que muitos tentam seguir mas nem todos o fazem. Estar atento aos sintomas e aos de quem se cruza no nosso caminho, estar constantemente e sempre que se justificar a lavar as mãos com desinfetante, espirrar para o braço, usar lenços de papel descartáveis para logo deitar fora e fugir de locais com grandes aglomerados e onde o risco de contágio poderá ser maior.

Não vamos entrar em suposições e receios extremos porque na verdade ninguém consegue alterar o futuro nem sequer adivinhar o que está para acontecer. Acredito que o nosso sistema nacional de saúde seja capaz de ajudar toda a população e por muito que nos queixamos, os serviços e atos têm sido feitos em boas condições, desde que todos colaborem e não façam precisamente o contrário do exigido em situações de risco social como esta, como tem acontecido em diversas zonas do país onde a quarentena de muitos serve para irem para a praia, centros comerciais, esplanadas e locais onde o Coronavírus pode estar mesmo pronto para atacar.

Blogonavírus

Publicado por O Informador, 03.03.20

coronavírus.jpg

 

A situação mundial está preocupante, com a maioria da população a entrar em pânico com receio perante a propagação que o Coronavírus está a ter por vários Continentes e Países. No entanto por aqui. como tudo está a cliques de distância, posso informar que estás perante uma publicação saudável, sem qualquer possibilidade de seres contaminado por esta nova epidemia que tem atacado milhares de humanos através do contacto físico.

Como escrevi deste lado e estás a ler bem longe de mim, e sem qualquer indicação em contrário, parece estar garantindo que a percentagem de contágio entre nós não existe. Podes assim ler, comentar e partilhar esta publicação por ser seguro que não será por esta via que poderás ficar contaminado com o mais recente fenómeno das redes sociais mundiais, o Covid19, mais conhecido por Coronavírus. 

Sangue e mais sangue!

Publicado por O Informador, 14.02.15

The Walking Dead é daquelas séries que tenciono ver mas que ainda não peguei na primeira temporada para colocar a história em dia. No entretanto recentemente comecei a acompanhar The Strain onde uma equipa do Centro de Controlo de Doenças da cidade de Nova Iorque depara-se com um misterioso vírus que tanto engloba o mundo dos vampiros como o dos mortos vivos. Com o desenrolar dos episódios, a luta pela sobrevivência humana acontece e os dados lançados no início com uma série que mistura terror e suspense fica na sua totalidade recheada de sangue, momentos rápidos com sustos à mistura e boas doses de adrenalina. 

The Strain é daquelas séries que a cada episódio que vejo penso que já não quero continuar a ver tal história. As coisas começam a ganhar andamento e durante os minutos em que assisto, debaixo dos lençois, a cada novo episódio tenho a confessar que fico sempre bem atento para que as imagens menos felizes de antigos humanos com tentáculos no lugar de línguas, dentes afiados e forças demoníacas apareçam para me deixarem com o pensamento que «aquilo pode mesmo acontecer na vida real». Será?