Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

14
Set20

A Revolução do Big Brother já começou

bb revolução.jpg

 

A Revolução do Big Brother assinala o regresso de Teresa Guilherme ao pequeno ecrã e o início da estreia desta nova temporada do reality show logo deu para perceber que o amor e os velhos trocadilhos, embora ainda com algum entrave, estão de volta à base central com que irá girar bastante esta temporada. Teresa regressou como a grande profissional que é, sem nervos e dentro do estilo a que já nos habituou. De branco desceu a escadaria já conhecida do estúdio, a meio da noite ficou descalça e a noite foi toda sua, sem hesitações e falhas, como tão bem preparada que sempre se apresenta. 

Os concorrentes começaram a desfilar para entrarem na casa e de início surgiu a dupla Andreia, de 40 anos, do Seixal e que logo mostrou forte pulso para liderar, mandar e irritar os restantes, e o Bruno, de 27, de Espinho. Ambos entraram no jardim da casa, mas foram recambiados para uma das novidades desta edição do Big Brother, o espaço dos infiltrados, onde os concorrentes seleccionados não entram como concorrentes mas sim como futuros concorrentes que terão missões e darão missões aos que estão em jogo para lhes tentarem roupar o lugar, sem que sejam descobertos. Logo depois surgiu a primeira concorrente a ficar na casa, a meio desorientada Carina, que com 21 anos e vinda de Gondomar, trabalha numa roloute e sonha ser atriz. Quantos concorrentes de reality show entraram com este sonho e praticamente todos ficaram pelo caminho? Até já lhes perdi a conta, mas agora surge uma nova sonhadora daquelas que ficará esquecida rapidamente após a sua estadia na casa da Ericeira. Logo apareceu a Sofia, de 38 anos, luso-brasileira sem sotaque, assistente de bordo que vive em Lisboa. Aparentemente sem nada de novo a acrescentar, mas tudo começou agora, como tal ainda é bem cedo para tirar conclusões. A par da Sofia entrou o Renato Ribeiro, de Penafiel (espero que não seja um novo cromo como o Pedro Alves), super convencido de 22 anos e com o seu ego bem lá em cima. De seguida surgiram Sandra e Jéssica, mãe e filha, de 23 e 44 anos, respetivamente, de Cascais. Em conjunto tiveram de escolher qual entrava, ficando a filha em jogo, sendo Sandra transferida para o espaço dos infiltrados, sem que a filha percebesse. Lá surgiu a Catarina, outra assistente de bordo, que se diz apaixonar-se bem facilmente mas também recuar num ápice. Primeira impressão que tive com esta concorrente foi mais a que de poderia facilmente entrar no Love On Top à uns anos atrás. Mais um que quer ser conhecido com o sonho da música, o André Abrantes, de 31 anos, que saiu da Ericeira para entrar na casa do Big Brother que está na Ericeira. Deste não tive grande opinião. Diretamente do Porto Alto surgiu o mulherendo, como se intitula, Michel, que também quer ser ator e modelo. Será que Endemol e TVI andaram a ver os castings da produtora Plural para as novelas ou dos candidatos a um reality show? E que dizer da tresloucada Joana, que vem de Cascais, e se afirma como beta destravada sem filtro e que também quer uma certa ajuda para lançar a sua marca de moda? Afirma que nunca se apaixonou com 20 anos e parece vir com um papel mal entendido de boazinha e todos os valores das tias da linha, só que dentro da casa está uma das suas paixões dos últimos tempos, o Michel, que se afirma como um conquistador... Coitaaaaaaada! Diana, que mais parece a nova campónia mas viajada da casa, casada sem filhos e amante de animais, parece ser uma sonhadora cheia de receios e ideias um pouco estranhas. Se for controladora e super arrumada, bem me parece que possa ser uma nova Noélia, com alguma disturção, desta temporada, mas com várias semanas com as nomeações às costas. Rui Pedro, de Oliveira do Hospital, vizinho da famosa Fanny, com grande mania de modelo, afirma-se competitivo, divertido e nada preguiçoso, mas não sabe cozinhar e limpar. Um alvo a abater certamente pelos outros se não quiser fazer nada na casa. Uma outra Jéssica, de Sintra, que não é hospedeira mas trabalhava no aeroporto, ou seja, esta edição está cheia de aviões com aquele perfil de cópia, futilidade, cópia e futilidade. André Filipe, do Barreiro, com 25 anos, que se assume como um espirito livre com ideias meio alucinadas no vídeo de apresentação, com namorada que ficou no exterior e que mostra ser um cromo com ideias do além daqueles que não existirá dose de paciência que o aguente. Este André pertence ao grupo dos infiltrados não concorrentes mas entrará na casa como sendo o agente que irá estar entre os chamados de agentes e os que estão em jogo. Zena e Rúben chegaram juntos à porta da casa, mas ficaram em espera que o grupo de infiltrados tomasse a primeira decisão do jogo, qual dos dois entrava na casa e o que ficava no jardim por uns tempos. A Zena entrou e o Rúben ficou ao relento, como se diz na gíria. Carlos, mais um que sonha com o mundo da música e se acha divertido mas na verdade a primeira impressão é a de mais um convencido a entrar, só mais um, de músculos feitos, daqueles que devem adorar desfilar de tronco nu ao longo do dia. Será que com tanto sonhador a ator e músico ainda surgirá um musical entre este lote de concorrentes? E o professor Luís lá aparece como o último a ser apresentado, revelando ser uma pessoa divertida, de pronúncia engraçada, com namorada e que até parece uma sujeito normal dentro do lote apresentado de concorrentes.

Com algumas entradas feitas e intervalo feito a meio das entradas, eis que numa cena tão mal encenada pela produção que logo se percebeu o que ia acontecer, Carina, Sofia, Renato Ribeiro, Jéssica, Catarina e André Abrantes, tiveram de sair da casa com alerta e ficaram presos no exterior da moradia e a conversa da Teresa logo demonstrou que estes seis concorrentes iriam passar os próximos dias ou semanas a viver no jardim, debaixo de uma tenda e com recurso a poucos acessórios de sobrevivência. Enquanto este circo foi montado no exterior, Joana e Michel ficaram trancados no confessionário para colocarem a conversa em dia sobre o conhecimento que já mantém antes de entrarem no jogo. As entradas sucederam e Diana e a segunda Jessica entraram diretamente para a casa, já Rui Pedro ficou no grupo dos outros, os que ficam a viver temporariamente no jardim. As restantes entradas foram acontecendo e a distribuição a ser feita.

11
Set20

Glória, a primeira série portuguesa na Netflix

glória-netflix-pt.jpg

 

As gravações ainda estão a decorrer na região do Ribatejo e em Lisboa, mas a Netflix já fez saber, através das redes sociais, que daqui a uns meses chegará à plataforma a primeira série original portuguesa. Glória, de seu nome, será assim a primeira produção nacional a chegar à Netflix. Vem tarde mas finalmente chegamos lá!

Esta produção da SPi e com coprodução da RTP consiste num thriller que decorre nos anos 60, durante a Guerra Fria, cuja história se desenrola maioritariamente na aldeia de Glória do Ribatejo, onde fica situado um centro de transmissões norte-americano destinado a emitir propaganda do país para a Europa de Leste. Com um engeneiro português a ser recrutado pela KGB, a polícia secreta de Moscovo, para assumir os comandos da espionagem em Portugal, a aldeia ribatejana transforma-se num palco para a passagem de informação entre os vários pontos estratégicos da Europa em plena Guerra Fria. 

Com realização de Tiago Guedes e argumento de Pedro Lopes, Glória conta com os atores Miguel Nunes, Victoria Guerra, Afonso Pimentel, Gonçalo Waddington, Carolina Amaral e Adriano Luz nos papéis centrais, a quem se juntam Carloto Cotta, Inês Castel-Branco, Leonor Silveira, Maria João Pinho, Sandra Faleiro, Marcelo Urgeghe, Joana Ribeiro e Rafael Morais.

 

04
Set20

O ego de Cristina Ferreira

IMG_7772.jpg

 

Setembro já começou e Cristina Ferreira, além de ter assumido a direção de entretenimento e ficção da TVI continua a dar cartas com a sua revista e não só. Este mês o tema de capa da sua publicação gira em torno de si própria, mais uma vez, e mostra o egocentrismo um pouco desnecessário em torno de si e do sucesso alcançado. 

É público que adoro Cristina Ferreira, mas não será demais ser sucessivamente a capa da sua própria revista? Além de estar constantemente em grande destaque, neste mês de mudança e de novos rumos ainda consegue fazer quatro capas, em modo fantasia, com princesas e heroínas do universo fantástico do mundo Disney e Marvel perante o lema 《Deseje mais, todos os dias》. Percebo a ideia destas quatro capas, mostrando o poder da mulher em ser forte pela luta do sonho e conquista. Com a premissa 《Deseje mais. E siga em frente. O resto é fantasia.》, a apresentadora resume assim pelas redes sociais esta escolha para chegar junto dos leitores em Setembro.

Mais uma vez Cristina é capa da sua própria revista, optando por mostrar a heroína que pode existir em cada mulher por não baixar os braços, por lutar pelos seus objetivos e sonhos que aos poucos são concretizados com foco e determinação. Certo é que tudo em que Cristina Ferreira toca, seja na televisão ou fora dela, vira sucesso, mas estas capas não revelarão um pouco de auto valorização a mais? Defendo a ideia que se cada um não se valorizar não serão os outros que o irão fazer, mas ao olhar para estas quatro capas de princesas e super heroínas só penso no quão concentrada em si e no sucesso Cristina está neste momento como salvadora da pátria de um canal que ajudou e derrubou em menos de nada para agora regressar como a grande conquistadora que ao perceber o erro volta a casa para levantar os muros que ajudou ela própria a derrubar como se tivesse de voltar à feira e montar as estacas da banca. São assim os heróis tão merecedores do seu lugar quando estão bem vistos, quebram tudo para depois voltarem a conquistar e ganharem mérito com isso?

05
Ago20

Teresa Guilherme na Revolução do Big Brother

teresa guilherme.jpg

 

No final do primeiro trimeste deste ano Cláudio Ramos deixava a SIC para tornar um sonho seu em realidade na TVI, o de apresentar o Big Brother. Com a edição comemorativa de regresso do reality show terminada no passado Domingo, 02 de Agosto, e com uma nova temporada agendada para estrear a 13 de Setembro, foi tornado público que o apresentador não estará nos comandos da edição apelidada de Revolução do Big Brother, ficando este lugar destinado à rainha dos reality shows em Portugal, Teresa Guilherme, que regressa assim ao ecrã num formato que tão bem conhece. 

A novidade caiu como uma bomba, já que tudo apontava que na próxima edição fosse Cláudio Ramos a servir de anfitrião como nos últimos meses. No entanto Nuno Santos, diretor geral da TVI, e Cristina Ferreira, diretora de entretenimento e ficção do canal, trocaram as voltas e sem qualquer suspense anunciaram o regresso de Teresa ao ecrã e nos comandos do Big Brother. Nuno Santos publicou mesmo nas suas páginas das redes sociais o texto que passo a citar. «Bem-vida Teresa! Teresa Guilherme é a apresentadora da próxima edição do Big Brother. "O Big Brother faz anos em Setembro. Que felicidade poder reviver e celebrar essa data que mudou a minha vida e a história da televisão em Portugal. Que bonito estar de volta!", salienta a apresentadora com emoção. A TVI mostra-se igualmente entusiasmada com este regresso, celebrando assim o formato de maior sucesso das últimas décadas em Portugal. O regresso da Teresa coloca "um novo foco sobre o programa que será inovador na forma, mantendo a matriz de intervenção social que está hoje na base de um conteúdo tão transversal". Cláudio Ramos, apresentador da edição anterior começa agora a trabalhar no seu próximo projeto que será comunicado em breve. A TVI agradece o seu empenho e os resultados alcançados nos últimos meses à frente do BB2020. Setembro é já amanhã!».

Com Cláudio Ramos a continuar com novos projetos no canal e que por muito que se tente mostrar feliz por esta substituição não me consegue convencer de tal, mostrando a direção do canal que não ficou totalmente feliz pelo seu desempenho na condução do programa âncora da estação durante praticamente quatro meses. Novos accionistas a entrarem na Media Capital, Cristina Ferreira nos comandos do entretenimento, Nuno Santos com vontade de ver a estação na liderança, eis que surge no lote de apresentadores do canal Teresa Guilherme para alterar e puxar ainda mais pela próxima edição do Big Brother. Numa temporada que se diz estar a ser preparada para revolucionar o conceito do formato até aqui, os castings já estão a decorrer e as equipas de produção a serem formadas para mais um arranque em grande, para mais agora em que o próprio canal começa a recuperar vários horários da liderança que foi sua e que deixou de o ser quando Cristina se mudou para a SIC, que ao que parece nunca foi a sua verdadeira casa profissional. 

Fiquei espantado com esta mudança de apresentador, quando nada o fazia prever e por achar que o Cláudio evoluiu bastante nas últimas semanas da edição do Big Brother 2020, mas na verdade Teresa Guilherme é a Teresa dos reality shows, a apresentadora implacável que todos gostamos de ver na frente deste género de programas. Só espero que este seu regresso não traga consigo os velhos trocadilhos irritantes e que o seu género para guiar cada gala seja com uma maior liberdade e sem textos tão rígidos escritos pelo seu amigo Miguel Dias para os quais o público perdeu a paciência nos últimos anos de Teresa nos ecrãs. Por um lado fico feliz por ver a Teresa de regresso no que tão bem sabe fazer, por outro esperava que tivéssemos entrado mesmo numa nova era no que toca a reality shows e com esta substituição inesperada parece um regresso ao passado, voltando uma Teresa com 65 anos de idade a ganhar destaque no principal programa do canal que convoca toda a grelha da estação ao longo da sua duração. Será que daqui a uns anos irão chamar de novo o Cláudio, que agora sai como derrotado de um programa que tornou líder em certos horários, para apresentar um reality quando a Teresa voltar a dizer que não quer mais fazer edição atrás de edição de novos e velhos formatos da vida real?

09
Mai17

Continuar mas com desconto...

Dei-vos conta de que andava a analisar a oferta dos vários operadores de televisão e internet para deixar o MEO e saltar para a Vodafone, no entanto e após uma longa conversa telefónica com uma operadora da primeira, eis que optei por permanecer mas com uma baixa no valor do pacote que continua a ser o mesmo que outrora mas com um maior desconto. 

Estava praticamente convencido a alterar de operadora e passar pelo processo de instalação pelos próximos dias, no entanto sabia de antemão que ao ligar para fazer o cancelamento do acordo que mantive até agora que me iriam tentar manter como cliente e assim foi. Primeiramente deram a indicação que não poderiam baixar o valor contratual, antes mesmo de saberem a razão para querer sair. Depois quando expliquei que tinha uma oferta bem melhor feita pela concorrência começaram a mudar de discurso e após duas propostas falhadas, eis que acabei por aceitar ficar a pagar o mesmo que iria ser praticado pela concorrência, mantendo o pacote que tenho mantido ao longo dos últimos três anos. 

Ou seja, fico praticamente com um desconto de 23€ mensais assim do nada e somente porque querem manter o cliente. Não percebo como as empresas de telecomunicações não optam por praticar uma maior concorrência direta e obrigam de certo modo a que nós, enquanto utilizadores, sejamos obrigados a ver as ofertas e a falar com o outro lado da barricada para tentarmos ficar a ganhar com o mesmo tipo de serviço. Só nesse momento e após perceberem que têm de agir é que fazem propostas para se baixarem os acordos.