Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

O silêncio de Sousa Tavares

miguel sousa tavares.jpg

Miguel Sousa Tavares, em entrevista à revista Visão, afirmou estar prestes a deixar o jornalismo. Revelando que nas próximas semanas irá entregar a sua carteira de jornalista, o comentador da TVI irá dedicar-se a partir do final do mês à escrita, deixando assim também o seu espaço no noticiário da noite do canal, que entretanto também assumirá uma nova dinâmica, uma vez que está a ser preparado o lançamento da CNN Portugal para substituir a TVI24 no canal 7 do cabo, existindo a partir de então também alterações na informação da TVI generalista. 

45 anos após o início da sua carreira como jornalista, Sousa Tavares fechará assim um ciclo, numa altura em que tem sido criticado pelas suas entrevistas a políticos, inclusivamente a que foi feita ao primeiro-ministro António Costa recentemente num espaço que se seguiu ao Jornal das 8. Afirmando que deixa o seu espaço sem que as criticas a essa mesma entrevista tenham pesado, Sousa Tavares afirmou na entrevista à Visão que «Nunca mais faço uma entrevista na vida. A ninguém», acrescentando que «entrego a minha carteira profissional de jornalista e deixo de fazer jornalismo. Vou continuar a ter a minha coluna de opinião no Expresso – isso, para mim, não é jornalismo – mas acabaram as reportagens, as entrevistas, isso tudo. Ponto final.». O jornalista revela que terá na escrita o seu principal modo de vida, afirmando ainda estar desiludido com o jornalismo que se pratica atualmente em Portugal. 

Desaires de Cristina

cristina ferreira.jpg

Cristina Ferreira em menos de dois anos saltou da TVI para a SIC e voltou ao canal onde se celebrizou. O público na primeira mudança aceitou e aplaudiu, já na segunda não foi bem assim e o rosto que todos gostavam de ver em qualquer horário regressou à casa mãe mas sem a força de outrora, estando agora a fazer um ano desde que voltou ao ecrã do canal que ajudou a derrubar com a sua transferência para a concorrência e com o seu Dia de Cristina voltou e até agora o que aconteceu foi somente uma subida das audiências do canal em alguns horários mas sem conseguir beliscar a liderança diária que existia há uns anos por parte da estação de Queluz. 

Cristina regressou à TVI cheia de esperança e projetos e o certo é que conseguiu subir alguns horários, no entanto ao mesmo tempo conseguiu deixar cair projetos que andavam a ser líderes, como é o caso do Somos Portugal que viu a equipa liderada por João Baião, na SIC, se tornar na preferência do público nas tardes de Domingo. Também as manhãs dos dias semanais levaram volta com a saída de Manuel Luís Goucha para as tardes com o seu Goucha que ora lidera, ora é derrubado pelo Júlia por serem formatos idênticos e sem grande entusiasmo junto do público. Nas manhãs, como dizia, entraram Maria Botelho Moniz e Cláudio Ramos, amigos fora do pequeno ecrã, mas sem a empatia como dupla necessária. No início parecia que as coisas iam correr bem mas os meses passaram e mais uma vez foi João Baião com a sua Diana a comandarem os números matinais. A química entre dois apresentadores em determinados horários é fundamental e o certo é que Cristina não percebeu que o Cláudio animado é elétrico demais para uma Maria mais séria que se esforça para acompanhar o colega mas a conjugação dos dois soa bastantes vezes a esforço e mais uma vez aqui quem está em casa não aceita tudo o que lhe é dado em televisão nos dias que correm e rejeita a dupla do Dois às 10 semana após semana. Já no final da tarde, o Cristina ComVida, que já devia ter sido colocado nas manhãs de fim-de-semana, continua a marcar pontos negativos e parece ter chegado para ficar. É sabido que existem contratos com a produtora a respeitar, mas será que vale assim tanto a pena manter um buraco nas tardes a prejudicar o acesso ao horário nobre? É que mesmo com a Cristina às 18h00 o formato que se segue tem de fazer um esforço a solo para subir os valores, o que é complicado para um horário tão exigente e onde a concorrência está bem fidelizada, levando o Jornal das 8 por arrasto e somente Festa é Festa vai conseguindo respirar dentro das apostas que Cristina fez desde que chegou ao canal, ajudando as duas novelas inéditas que se seguem a competir pela liderança, Bem Me Quer e Amar Demais. Não esqueço no meio de tanto desaire o Esta Manhã que devagar tem vindo a agarrar o público e liderado nas últimas partes em que o programa está no ar, mas neste campo não existe somente mão da diretora de entretenimento, existindo maior responsabilidade pela parte da informação do canal. Este formato está muito bem conseguido, numa união entre entretenimento e informação, existindo investimento e ideias para se fazer diferente com temas diários em destaque, dando às três primeiras horas do dia um programa com um bom andamento sem cansar na repetição das notícias e dos assuntos que vão sendo debatidos, mostrando que mesmo nos horários com menor público o fazer bem e diferente é fundamental para que a médio longo prazo os resultados sejam alcançados.  

As críticas a Fanny

fanny somos portugal.jpg

Fanny, a belle portugaise, conhecida concorrente de reality shows que se iniciou nas lides televisivas com a sua entrada na segunda edição de Secret Story - Casa dos Segredos, nunca deixou de aparecer no pequeno ecrã e na imprensa através de entradas em programas da vida real ou participações em diversos programas, foi das poucas que com o tempo foi sobrevivendo com as suas aparições públicas, sendo ao mesmo tempo um dos rostos mais acarinhados. Com a entrada em 2020 de Cristina Ferreira na TVI, Fanny Rodrigues voltou a ser chamada pela nova direção do canal para ser comentadora das edições do Big Brother. Com a saída de antena de forma temporária do reality show, Fanny foi convidada a integrar o lote de apresentadores do Somos Portugal e a partir da sua estreia no programa dos Domingos à tarde que a crítica por parte do público não deixa de acontecer.

Pessoas, a Fanny pode não ser licenciada em comunicação no entanto e até ao momento não vi uma falha da moça para levar todos os Domingos com milhares de comentários negativos. Existem atores sem formação na apresentação e vice-versa, existem autênticos profissionais sem licenciaturas na área e qual a razão do alvo ser a Fanny? É pimba? É! O seu percurso no Somos Portugal tem corrido mal? Nada! Não tem perfil para poder estar ao lado dos restantes apresentadores do programa? A Fanny encaixa no programa como ninguém, sendo este formato pimba, com cantores que costumam fazer as festas das aldeias e dos bailaricos que tanto caracterizam a rapariga. É uma antiga concorrente de reality shows e então? A Isabel Figueira também chegou ao estrelato da mesma maneira e hoje em dia é atriz e apresentadora. O João Mota entrou na mesma edição do Secret Story com a Fanny e hoje em dia é ator. E as atrizes que do nada viram apresentadoras ou o Marco Paulo que agora se acha o rei da apresentação na SIC?

Cristina ComVida na estreia

Cristina ferreira

 

Cristina Ferreira regressou aos finais de tarde da TVI e quando pensei que o Cristina ComVida não seria formato ideal para o horário das 19h00, eis que a diretora do canal de Queluz surpreende e consegue fazer uma hora de um talk show com os ingredientes certos para fechar a tarde e dar entrada ao Jornal das 8.

Transformando a antiga casa mais vigiada do país no seu novo estúdio de televisão, a casa da Venda do Pinheiro recebe agora o programa de Cristina, voltando assim ao ecrã o local onde vários edições do Big Brother e do Secret Story, entre outros, aconteceram ao longo dos últimos vinte anos. Com a casa vazia, a diretora e apresentadora resolveu criar reformulando e fazer assim o seu novo programa na casa, estando a menos de cinco minutos da sua própria casa, na Malveira.

Cristina estreou este formato bem parecido e numa versão que parece melhorada ao que apresentou na SIC, o Programa da Cristina, e no primeiro dia mostrou logo a garagem, as salas, o quarto, a casa de banho e a cozinha da moradia cenário. Convidou a Célia e o Telmo do primeiro Big Brother, onde se conheceram, para voltarem onde já foram felizes, foi também visitada pelo Toy e o cozinheiro Rúben Pacheco Correia lá deixou a SIC para se mudar de armas e bagagens para esta nova casa da Cristina que o descobriu. Dois jovens, irmãos e padres tocaram também à campainha e contaram a razão de seguirem o caminho religioso. Miguel Moura, o jovem fadista que conquistou jurados e público no All Together Now também foi visitar a sua madrinha televisiva e acabou por ser surpreendido pela presença de Pedro Abrunhosa, numa das suas raras aparições em programas deste estilo, para cantarem juntos. Nesta estreia Cristina até teve a surpresa da produção com um avião a passar nos céus da Venda do Pinheiro com a mensagem "Cristina, o sonho começa agora", isto ao mesmo tempo, segundo revelou, que ouviu no auricular as palavras "bora miúda, estamos juntos, de mãos dadas, a equipa sonha contigo", levando a apresentadora a emocionar-se em direto e logo nos primeiros minutos de programa.

Um estreia corrida, uma Cristina com o volume quase no máximo mas espontânea como sempre, um Eduardo Madeira a interpretar várias personagens em direto ou com sketches gravados e um bom ambiente ao longo de uma hora, nem mais nem menos, de programa sem pausas e momentos mortos, sem tempo para grandes conversas, mas para as longas entrevistas existe o Goucha a meio da tarde. Às 19h00 é necessário ritmo e na estreia de Cristina existiu esse tão necessário ritmo. 

Afinal o All Together Now...

Cristina Ferreira All Together Now

Afinal alterei a minha opinião sobre o All Together Now, de Cristina Ferreira, após três galas exibidas. Quando estreou partilhei por aqui a minha opinião sobre a adaptação do formato de sucesso internacional em Portugal e não vi esta aposta com bons olhos por não ter encontrado um produto com capacidade para conquistar o público e ver um programa de hora e meia muito semelhante ao que já foi feito por cá dentro do estilo, primando somente pela diferença dos cem jurados. Hoje, e com três galas exibidas, posso dizer que tenho outra opinião sobre o All Together Now.

É mesmo isso, a primeira gala achei fraca e pouco emotiva mas na semana seguinte do início ao fim a produção subiu de nível, aumentando os cuidados de imagem e mesmo a duração do episódio, acabando por puxar bem mais pela emoção em estúdio, levando o público a conhecer um pouco melhor cada concorrente e os mesmos acabando por serem surpreendidos em palco, dando outra imagem junto dos jurados e de quem estava em casa a assistir. Esta segunda noite de Cristina Ferreira conseguiu puxar pela lágrima, ficando os espetadores a torcer pelos seus concorrentes, não existindo margem para a maioria continuarem em jogo, sendo um desafio até ao final para se perceber quem passava e quem ficava injustamente pelo caminho. 

 

 

A estreia de All Together Now

all-together-now.jpg

 

Cristina Ferreira regressou à TVI a meio de 2020 e antes do final do ano anunciou o que parecia mais um programa de talentos musicais, o sucesso internacional All Together Now estava assim a caminho de Portugal, gerando desde então muitas criticas por surgir em época de pandemia e envolver cem jurados e uma vasta equipa de produção. 

A diretora e apresentadora não se deixou levar, como sempre, pelo comentários e avançou mesmo, com todas as regras de segurança, com o formato e neste início de Março a estreia aconteceu e o que me parecia ser mais um talent show que tinha a diferença de conter muitos mais jurados que o habitual, afinal acabou por surpreender.

A estreia aconteceu, durante somente hora e meia sem intervalo, e toda a produção desta aposta está de parabéns. Primeiramente a apresentação de Cristina Ferreira merece todos os aplausos por ser o regresso da apresentadora ao horário nobre no canal que sempre foi o seu e num programa estrelado. Cristina brilhou na estreia por si mas sem cair nos exageros e sem ter grande destaque no formato, estando até bastante recatada para o que já fez no passado, sem tirar o brilho aos jurados e concorrentes, apresentando-se de forma bem pausada e fugindo até um pouco do seu registo habitual, o que é de salientar. No que toca ao embrulho que foi feito, a produção conseguiu captar os melhores momentos em palco e muitas das emoções dos jurados ao longo das horas de gravações que foram assim reduzidas a noventa minutos num episódio de estreia emotivo, emocionante e onde senti também os nervos de ver boas performances a terem de deixar a competição por só existir lugar para dois participantes para a passagem para a semi-final.

Este tem de passar, aquele não devia ser deixado para trás, será que esta faz mais pontos que a que está no pódio? Assim foi passado o tempo enquanto o All Together Now esteve no ar, com os três lugares com maior pontuação a serem ocupados e substituídos ao longo das atuações e com pelo menos dois concorrentes de que gostei a não passarem, mas só havia mesmo lugar para dois.

Balbúrdia na televisão

tvi aniversário.jpg

 

A TVI comemorou o seu vigésimo oitavo aniversário e a direção liderada por Nuno Santos e Cristina Ferreira elaborou novo especial ao longo de toda a manhã e tarde, nos cenários habituais dos programas diários e com diretos feitos do exterior com apresentadores e também jornalistas. Até aqui, mesmo sendo tudo mais do mesmo, ainda se aguenta. O que não se entende é o que aconteceu durante parte do final da tarde quando a decisão foi juntarem a patroa Cristina Ferreira com a cada vez mais estridente mas de que também gosto Maria Cerqueira Gomes, o bem disposto e cada vez mais competente como apresentador Pedro Teixeira e o cansativo e forçado Rúben Rua num só espaço a receberem os convidados. 

Será que não podiam ter dividido o mal pelas aldeias e dividirem os quatro rostos em duas duplas para não estarem todos a falar para o molho, aos gritos muitas vezes quando estavam com os convidados em conversas que mal se entendiam porque cada um perguntava o que queria, todos tentavam falar ao mesmo tempo e nem os rostos do canal que foram passando pelo estúdio tinham o seu merecido tempo de antena. Sim, podiam estar os quatro, mas não ao mesmo tempo, e assim teria sido tudo feito de forma mais tranquila, agradável e sem o histerismo que aconteceu ao longo de horas simplesmente porque acharam que o melhor seria terem quatro apresentadores num só espaço e poderem ser oito ou mais pessoas em palco por se juntarem os convidados e todos a falarem entre si, embora a patroa com as suas penas num vestido de gala tivesse sempre sobressaído com os seus agudos. Não vi toda a emissão da tarde, mas pelo que vi das duas horas finais, o tempo que os quatro estiveram juntos no ecrã foi mau e desnecessário em vários momentos pela confusão instalada, o que contrasta com o trio de parte da manhã, Maria Botelho Moniz, Iva Domingues e Cláudio Ramos, que mostraram calma, com brincadeira sim, mas sem mancharem a emissão com demasiada excitação e mesmo com a dupla Pedro Teixeira e Nuno Eiró que se seguiu. Caso para se dizer que dois é bom, três já começa a ser demais e quatro então é cagada total. 

Desespero no Big Brother

bb revolução.jpg

 

A meio de Novembro, já com o espírito de Natal em estúdio e numa noite sem público, Teresa Guilherme e Ana Garcia Martins abriram mais uma gala do Big Brother sem qualquer apoio dos aplausos que tanta falta fazem nos programas em direto. Nesta noite em que todos somos convidados a ficar em casa o resumo da gala é só um, desespero por parte da produção para alimentar mês e meio de programa com polémicas. 

Para começar logo uma má notícia dada por uma decisão da produção que não caiu de bom grado junto do público, onde me incluo. Ex-concorrentes, expulsos por decisão do público, vão poder entrar na casa, como jogadores candidatos ao prémio final. Já na edição anterior quando dois ex-concorrentes voltaram para a casa para fazerem de espantalhos a coisa não correu bem, e agora optam pela mesma estratégia mas em modo repescagem e como concorrentes? Carina, Diana, Jéssica Antunes, Liliana, Michel, Rúben e Sandra estão agora a votação junto do público para regressarem ao jogo, de forma bem injusta, e caso sejam vencedores na noite da passagem de ano não ganham o prémio final mas sim a percentagem perante os dias entre este regresso e a grande final. Entraram e o público decidiu tirar, e agora que já obtém informações do exterior vão voltar a entrar para transmitirem informações, seguirem ideias de jogo contra quem já perceberam ser mais forte junto do público, etc, etc, etc. Não existia necessidade alguma disto acontecer, mas como se pode ver a dupla Endemol e TVI parece estar mesmo sem capacidades de fazer diferente, voltando a enterrar um bom formato com estas ideias absurdas e que parecem surgir de alguma mente com pouca ambição.

Rui Pedro convidado na gala para se desculpar do que fez dentro da casa. Tanto falou que ia contar tudo e mais alguma coisa contra a produção e os colegas e afinal já fora do jogo virou um cordeiro com medo do lobo mau que sentiu contra si quando chegou à vida real e percebeu tudo o que fez de mal no jogo. Este Rui Pedro bem manso afinal tinha tanta garganta para dizer tudo e mais alguma coisa e agora parece um menino do coro quase a levar quem supostamente o tinha atacado ao colo. No momento tem uma cara e quando percebe a realidade fica com o rabo entre as pernas e vira cachorro abandonado a ponto de justificar tudo o que disse e quase a pedir para que os que foram atacados afirmem que nada aconteceu de mal. Poupem-se a tais figuras e a TVI que perceba que este estilo de concorrentes que erram bastante no jogo para com todos que não merecem muito mais tempo de antena para se limparem junto da opinião pública.

Meia gala passou com a questão Rui Pedro a prolongar-se noite dentro até que surgiu um frente-a-frente meio impercetível e desnecessário entre Andreia e Pedro sobre o diz que disse ao longo da semana com alguns mal entendidos e picardias entre os dois a acontecerem numa defesa pessoal do Pedro e dos restantes por parte de Andreia. Sendo isto mais do mesmo, no final os concorrentes tiveram de ficar de um dos lados da barricada e mostraram que Andreia tinha razão na não questão levantada. No final, antes da expulsão e nomeações, a liderança da Zena foi colocada em causa por mostrar que todos acharam esta semana negativa por a concorrente, segundo os colegas, preocupou-se mais com a prova do que com os companheiros de jogo, preocupando-se muito por ficar bem e não pelo bem de todos. 

Leopoldina e Popota cantam juntas

Leopoldina-Popota-3.jpg

 

Em 1992 conhecemos a Leopoldina e uns anos depois surgiu a Popota que veio abalar o reinado da primeira com as suas grandes atuações pelos palcos natalícios. Agora, em 2020, num ano socialmente complicado e em que o Continente celebra os seis 35 anos, eis que o grupo Sonae decidiu juntar as duas bombas animadas do grupo para relembrar o tema O Mundo Encantado dos Brinquedos num Natal que será diferente para todos e que se quer assim especial. 

A Popota pede um desejo para este Natal, o de dividir o palco com a Leopoldina e o seu sonho acaba por se tornar realidade numa grande arena recheada de público em êxtase total por esta dupla de sucesso estar junta pela primeira vez. Assim começa a aventura do Natal de 2020 desta grandes divas do Continente em mais uma campanha natalícia.

O vídeo começou a passar na televisão e também com anúncios pela imprensa e rádio e logo as várias gerações começaram a reagir pelas redes sociais ao mesmo, chegando ao ponto de acreditarem que a equipa criativa foi buscar inspiração ao sucesso de Cristina Ferreira e Teresa Guilherme para formarem respetivamente estes novos modelos da Leopoldina e Popota. Será que existirá mesmo uma Leopoldina Ferreira e uma Popota Guilherme nestas figuras natalícias que se estreiam pela primeira vez como dupla pelos palcos de todas as televisões nacionais? 

Alguém Tem de Morrer | Minissérie

Netflix

cats-10.jpg

 

Alguém Tem de Morrer é a minissérie espanhola da Netflix que nos faz recuar aos anos 50. Do criador de A Casa das Flores, Manolo Caro, esta produção conta somente com três episódios, deixando muito por desenvolver por falta de espaço para deixar história e personagens ganharem tempo para mostrarem e conseguirem chegar junto do espetador. 

Com um elenco central composto por rostos conhecidos de outras séries da plataforma, como é o caso de Cecilia Suárez, de A Casa das Flores, Ester Expósito de Elite, das que vi, e também pelos atores Carlos Cuevas, Alejandro Speitzer, Isaac Hernández, Ernesto Alterio e Carmen Maura, esta série pretende mostrar a sociedade conservadora espanhola dos anos 50, tendo como base duas famílias de negócios, com costumes e combinações entre si e com pensamentos bem retrógrados.

Alguém Tem de Morrer reflete o regresso do México de Gabino, protagonizado por Alejandro Speitzer, um jovem que em pequeno foi enviado pela família para junto dos avós maternos, tendo levado consigo um segredo que todos queriam omitir. Este regresso a Espanha acontece e este jovem trás consigo um amigo, Lázaro, interpretado por Isaac Hernández, um bailarino, levantando rumores sobre esta amizade, para mais numa sociedade tão conservadora, recheada de aparências e interesses. Com uma avó, Amparo Falcón, desempenhada pela atriz Carman Maura, controladora e como centro de todas as decisões, a chegada dos jovens é logo vista como um mau presságio para a família, começando o controlo, as perseguições e afastamentos a acontecerem entre esta matriarca, o filho Gregorio, Ernesto Alterio, e a nora Mina, Cecilia Suárez, e o neto que parece seguir orientações que não lhe são bem vistas. Se as decisões não seguirem o rumo pretendido por Amparo, tudo vai correr mal e não é que as coisas correm mesmo contra a vontade desta maquiavélica matriarca que de tudo consegue fazer para não ver a sua família mal vista junto dos próximos?