Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

O que estou a fazer este fim-de-semana...

sábado domingo.png

... A trabalhar!

Quem trabalha na área comercial, em centro comercial principalmente, sabe bem o que é trabalhar ao fim-de-semana, mais até que durante a semana. O maior fluxo de clientes que geram mais confusão mas ao mesmo tempo ajudam a que estes dias, pelo menos para mim, sejam bem melhores para quem gosta de ação e não estar tão parado enquanto trabalha. 

 

Quantas vezes?

quantas vezes.jpg

Quantas vezes ao longo do dia de trabalho não pensas em alterar o rumo profissional, procurar novo espaço para reiniciares uma nova fase e deixares o que foi bom e percebes que já não te realiza por perceberes que estás de pés e mãos atados?

Quantos vezes deixas de ter paciência para ouvir mais do mesmo sem conseguires alterar o rumo que as coisas tendem a levar?

Quantas vezes esgotas a tua linha de raciocínio por perceberes que nem todos remam no mesmo sentido num trabalho que se faz e deve ser realizado em equipa?

Quantas vezes não pensas que vais sair e nem te preocupas se deixas alguém sentido por abandonares quase sem pré aviso o barco por teres uma proposta que ou aceitas na hora ou é ocupada por quem está de imediato disponível?

Quantas vezes percebes que na vida laboral és somente mais um número e que no final és descartado como se nada fosse?

Orçamento do Estado e Patrões

oe2022.jpg

Os últimos dias têm sido pautados pelos discursos paralelos entre bancadas parlamentares onde entre líderes partidários e governo as farpas têm surgido para se debater o Orçamento do Estado 2022. A guerra está aberta e olhando para os diretos que têm sido feitos pelos canais de informação e mesmo depois com os resumos nos principais blocos de notícias do dia percebemos que estes discursos estão recheados de recados e picardias como se se tratasse de um fogo cruzado em pleno parlamento.

Ao analisar de fora estas trocas de galhardetes e quase pedidos por auxílio por parte do Governo para que o orçamento fosse aprovado revejo quase o ponto em que patrões e responsáveis de equipa por vezes tentem desmistificar os baixos salários, tentando provar, quando uma pessoa está desagradada, sobre como é bom trabalhar em determinada empresa, falando dos bons salários que não praticam, mas que perante os quais tentam dar destaque como se fossem os melhores pagadores do mercado laboral. 

E de repente... O dia muda!

rotina_trabalho_site.png

Existem dias que parecem começar da melhor forma e que do nada se tornam difíceis, pesados e cansativos. Ainda ontem acordei em dia de folga e em menos de nada percebi que afinal estava a ser chamado para acudir uma emergência que me deixou ocupado para o resto do dia, já que era necessário trabalhar. Fez-se bem mas para uma pessoa que gosta de ter tudo planeado as alterações de última hora por vezes causam algum stress no primeiro impacto, sendo uma mudança que acaba por fazer com que o psicológico acabe por cansar o físico já que tudo está preparado para seguir uma linha e do nada a alteração é necessária. Tudo uma questão psicológica!

Sabes quando te deitas com o pensamento que no dia seguinte tens todo o dia para te dedicares às tuas coisas ou ao não fazer nada e de um minuto para o outro, quando começas a desfrutar das horas de pausa, recebes uma chamada e aquele dia de descanso deixa de o ser? Foi isso!

 

Férias terminadas

unnamed-2.jpg

Já se passaram duas semanas perante o início das férias em terras alentejanas e hoje é dia de regressar a casa. Descansei, consegui desfrutar de bons dias de calor na piscina e em passeio e agora está na hora de regressar para mais uma temporada de trabalho e rotina diária dentro do mais do mesmo.

Os horários voltam a existir, embora mesmo em férias tenha mantido diversos hábitos que nunca vou perder, o vai e vem regressa, os rostos habituais avizinham-se e a necessidade de recomeçar após o período de férias existe para que a sociedade funcione e todos tenhamos o seu lugar definido com rotinas enquanto não nos calha na sorte aquele prémio tão desejado do grande sorteio semanal dos milhões. 

 

 

Ir e Vir e nada Mudar

Questão

Os meses vão passando e vais percebendo que com o passar do tempo precisas de férias, de sair, deixar a rotina diária para trás e quem sabe quando tiveres para regressar mudar. Quando o período de pausa desejada surge tentas desaparecer e consegues deslocar, não desligas por completo, mas aproveitas os dias fora, só que esqueces que tens em mente procurar algo diferente. O pior é quando dás por isso e metade dos dias de férias já passaram e logo estás de regresso para nova temporada de trabalho. Não te apetece voltar, pensaste antes da pausa em reorganizar e atualizar o teu curriculum para acreditares que vais pensar em mudar, alterar o rumo, poder afirmar que o próximo período de férias já vai ser atribuído por outra empresa empregadora. Com os dias de férias a passarem percebes então que estás mesmo a voltar, não pegaste sequer no documento e muito menos procuraste ofertas de emprego que te atraem para pensares concorrer com a ideia de alterares o teu futuro. No final, pensaste, foste e vieste, e nada fizeste sobre a ideia que tinhas para colocar sequer a hipótese de tentar mudar. Assim não te consegues sentir válido! 

Sim, já de férias!

pausa férias.jpg

Parece-me que ainda não te disse, mas estou neste momento a gozar os primeiros dias de férias de 2021. Após trabalhar a primeira quinzena do ano, ter estado três meses em lay-off por obrigação governamental, lá regressei ao trabalho e semana e meia depois, eis que venho de férias, como se tivesse muito cansado em meia dúzia de dias. 

Claro que já recebi por parte da família, de amigos e conhecidos aquelas mensagens do género, mal foste trabalhar e já estás de férias. Filhos tem que ser, a equipa tem que tirar férias de forma única sem existirem cruzamentos, como tal, todos estamos desde já a tirar uns quantos dias para ir despachando, já que depois existem meses bloqueados pela empresa.

Regresso após confinamento

desconfinar.png

Regressei ao trabalho, após os três meses e alguma coisa em lay-off, e no primeiro dia acordei uma hora mais cedo que o desejado e para o qual o despertador do telemóvel estava mais que preparado para se fazer ouvir. Não estava ansioso nem desejoso de regressar, mas os factos são reais... Tive o cuidado de me deitar mais cedo no dia anterior, ainda mais cedo que o meu novo habitual por volta das 00h00 e acordei também bem mais cedo do que o desejado, antes mesmo das 07h00. 

Agora já regressado é esperar que o confinamento não regresse tão cedo para não voltar a uma paragem forçada e ao mesmo tempo poder também pensar em novos horizontes ao longo dos próximos meses, desejando ao mesmo tempo que o vírus me venha a permitir pensar num salto com garantias e perspetivas de futuro e sem hesitações perante a situação mundial.

Um ano passou...

d0d452d7-1eb3-4cf7-8bb9-96e7e2173480.jpeg.jpg

 

Já lá vai um ano desde que Portugal foi obrigado ao primeiro confinamento. Ora vamos para casa, ora voltamos a ter alguma liberdade, as semanas passaram, o número de casos oscilou bastante e um ano depois, após um segundo confinamento geral, eis que estamos a desconfiar de novo.

Cansado destas paragens forçadas, o dia em que tudo parou pela primeira vez está na memória, parecendo que foi ontem mas não o foi. Parece que tudo passou tão rápido, mas no final das contas um ano com um novo estilo de vida, sem grandes liberdades, frustradas ausências e grandes pesadelos perante a permanência de um vírus tão difícil de domesticar.

A vida mudou e neste momento, em que já tenho provisoriamente o regresso ao emprego marcado, tenho a ideia de que a minha relação com o atual trabalho foi alterada nos últimos meses, não existindo a mesma força que quando o desconfinamento aconteceu o ano passado. Sei que quando voltar estarei com a dedicação de sempre, no entanto existe um mas interior, daqueles que não consigo explicar para já. 

Citações | 39 | Livre de silêncios

silêncio

 

Quando só escuto silêncio, já sei que estou numa ditadura.

Miguel Sousa Tavares em Não Te Deixarei Morrer, David Crockett

 

Li a frase que Miguel Sousa Tavares publicou num dos seus textos no livro Não Te Deixarei Morrer, David Crockett e rapidamente a tirei de contexto e fui transportado para o meio laboral. Felizmente que ao longo de mais de quinze anos, em três empresas por onde passei, nunca senti que estivesse a movimentar-me entre empregadores que olhavam para as suas equipas de forma ditatorial. No entanto sei, em conversas que vão surgindo, que existe muito local de trabalho em que quase que se torna obrigatório o silêncio com uma rigidez total sem dar espaço de manobra para que a equipa funcione sem que existam constrangimentos para com o convívio entre pessoas que passam por vezes mais de oito horas do dia lado-a-lado e em que é necessário, para um bem comum de trabalho coletivo, conviver e criar relações, que não têm de passar para fora do ambiente de trabalho, mas que convém existir dentro daquele período em que se um falha todos podem falhar de seguida. 

Felizmente que não sei o que é trabalhar num sistema de ditadura, mas se sentisse que em algum momento seria esse o caminho que pretendiam seguir seria dos primeiros a falar e a bater com a porta se nada fosse feito para criar um bom ambiente, sem silêncios, uma vez que sou e sempre fui defensor que para se trabalhar bem não é necessário entrar e sair mudo do local, sendo bem mais fácil se tudo for levado de bom grado entre um bom ambiente de convívio e dentro das normas, claro. Cada qual tem direito ao seu espaço de opinião, claramente prevalecendo quem está por cima, no entanto sem pisar, cair no grande erro que muitos ainda acreditam de enxovalhar, exigir e mostrar que estão a fazer um favor ao próximo por lhe entregarem um lugar onde possam ganhar o seu sustento.