Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

A Escuridão | Ragnar Jónasson

29
Jul19

a escuridão.jpg

 

Título: A Escuridão

Título Original: Dimma

Autor: Ragnar Jónasson

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Maio de 2019

Páginas: 288

ISBN: 978-989-8917-90-4

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Abrangendo as ruas geladas de Reiquiavique, os fiordes isolados e as Terras Altas da Islândia, A Escuridão é o novo romance de um dos nomes mais entusiasmantes do policial nórdico atual.

Aos 64 anos, a inspetora Hulda Hermannsdóttir, da Polícia de Reiquiavique, está prestes a ser forçada a reformar-se, mas antes quer levar a cabo uma última investigação: Elena, uma jovem refugiada proveniente da Rússia, foi encontrada sem vida numa enseada rochosa em Vatnsleysuströnd, na Islândia.

Assim que começa a fazer perguntas, Hulda não demora muito a perceber que não pode confiar em ninguém. Elena não foi a única mulher a desaparecer naquela altura, e ninguém parece estar a contar a história toda. Quando os próprios colegas tentam pôr um travão na investigação, Hulda tem muito pouco tempo para desvendar a verdade, mas está determinada a descobrir quem é o assassino. Ainda que isso signifique colocar a própria vida em risco.

 

Opinião: Tendo a Islândia como pano de fundo e Hulga como protagonista, é tempo de começar a entrar no mundo obscuro e sombrio de A Escuridão, o primeiro volume de uma nova série de Ragnar Jónasson que apresenta este seu livro através de um enredo bastante elaborado e de forma a prender o leitor de página a página. 

Primeiramente é apresentada Hulga, que aos sessenta e quatro anos percebe que está a dias de se aposentar, mesmo contra a sua vontade, e ver o seu lugar a ser rapidamente ocupado por um novo membro de energia renovada. Sem vontade de ficar no vazio de forma solitária, sem o dia-a-dia a que se habituou ao longo dos seus anos de trabalho esta mulher é o exemplo bem retratado por parte do autor de que nunca é tarde para arregaçar as mangas e continuar com o espírito de confiança e capacidade de fazer mais e melhor. Recusando o convite para se aposentar sem nada fazer, Hulga é convidada de forma ilusória pelo seu diretor a pegar num caso já arrumado de processos judiciais antigos que não foram resolvidos. O que resulta daqui é que este convite é mesmo levado a sério e esta mulher que não quer parar pega num processo que não viu o seu fim anunciado da melhor maneira e recomeça a investigar o que os seus colegas deixaram em tempos para trás. A partir daqui o desenrolar da ação ganha vários contornos bem promissores para um policial recheado de suspense e mistério em torno da morte de uma jovem russa que pedia asilo à Islândia. 

O Homem dos Sussurros | Alex North

10
Jul19

o homem dos sussurros.jpg

 

Título: O Homem dos Sussurros

Título Original: The Whisper Man

Autor: Alex North

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2019

Páginas: 384

ISBN: 978-989-8864-65-9

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Se deixares a porta entreaberta, ouvirás os sussurros na certa.

«Ao longo dos anos, disse-te inúmeras vezes que não deverias ter medo de nada. Que os monstros não existiam. Desculpa ter-te mentido.»

Após a morte da mulher, Tom Kennedy muda-se com o seu filho, Jake, de 7 anos, para uma pacata povoação chamada Featherbank em busca de um recomeço de vida. Mas Featherbank tem um passado sombrio.

Há 20 anos, Frank Carter, um perverso assassino em série, raptou e assassinou cinco rapazes. Ficou conhecido como «o Homem dos Sussurros», pois atraía as suas vítimas à noite sussurrando-lhes da janela. Logo após o seu quinto homicídio, Frank acabou por ser detido.

Estando o assassino atrás de grades, Tom e Jake não deveriam ter motivos de preocupação. Só que agora um novo rapaz desapareceu, e as semelhanças entre este acontecimento e os crimes de há 20 anos são desconcertantes. É então que Jake começa a comportar-se de modo estranho?

Diz escutar sussurros vindos do lado de fora da janela do seu quarto...

 

Opinião: A expetativa estava elevada pela apresentação apresentada e se de início O Homem dos Sussurros conseguiu conquistar, com o desenrolar da ação o desempenho foi diminuindo, fazendo com que o interesse se desvanecesse. 

Com um bom início onde a ação é apresentada através de uma escrita bem elaborada e coordenada, a obra de Alex North consegue logo demonstrar através das passagens temporais entre o presente e o passado o que se irá suceder. Ao mesmo tempo que isso acontece, as passagens entre o narrador presente e ausente complicam de início mas são explicadas ao longo da narrativa. No entanto no geral, e se o início prometia, o desenrolar faz-se com vários momentos pausados que ajudam a criar o suspense necessário mas que acaba por cansar o leitor habitual de policiais que já não se deixa levar por mistérios sem grandes pontas soltas e onde tudo parece acontecer dentro das personagens mais esperadas e presentes permanentemente na obra. O Homem dos Sussurros tem um problema, falta de ação e maiores desenvolvimentos ao longo de toda a leitura, sendo exigente no início e perdendo o interesse até ao final. Não posso dizer que o fim foi sendo antecipado com as dicas que foram sendo dadas, no entanto não me senti surpreendido pela forma como tudo é contado, uma vez que o criminoso também é revelado bem cedo sem grandes reviravoltas, perdendo assim o gosto pela descoberta que ainda me podia continuar a envolver.

Companhia Silenciosa | Laura Purcell

20
Mai19

GOYA7857.JPG

 

Título: Companhia Silenciosa

Título Original: The Silent Companions

Autor: Laura Purcell

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Abril de 2019

Páginas: 320

ISBN: 978-989-8917-88-1

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: Ninguém estava verdadeiramente sozinho.

Nunca.

Não naquela casa.

Tendo enviuvado recentemente, Elsie muda-se para a antiga propriedade do marido, a isolada e decrépita The Bridge, para poder descansar durante a gravidez e superar o luto.

Rodeada por criados ressentidos e aldeões que rejeitam a nova herdeira, Elsie tem apenas como companhia a tímida Sarah, prima do seu marido. Ou ela assim pensava. Dentro da grande mansão, descobre um quarto fechado a sete chaves, cujo interior abriga um diário com a obscura história de família e uma figura em madeira absolutamente perturbadora… e muito parecida com Elsie.

Na casa, todos têm medo da figura pintada, à exceção de Elsie… Até que ela própria começa a sentir aqueles olhos a seguirem-na para todo o lado. Inspirado no imaginário de Shirley Jackson e Susan Hill, este é um romance de terror vitoriano que evoca um medo inquietante em relação às presenças fantasmagóricas que espreitam nas sombras…

 

Opinião: Caracterizado como literatura fantástica, Companhia Silenciosa encaminha o leitor por um ambiente gótico até uma mansão meio abandonada e assombrada em Inglaterra. Seguindo o percurso de Elsie, uma recém viúva grávida, conhecemos a história de uma família e da mansão entre o passado - 1635 - e o presente - 1865. 

Ambientes, familiares, criadagem, aldeões e tudo o que envolvem os dois tempos bem distintos mas que contam a mesma história. O que esconderá aquela casa que todos temem? Uma porta trancada começa a contar segredos, despejando para o leitor o que todos temem saber. Afinal o que é a companhia silenciosa que se apresenta tal e qual Elsie? Uma figura misteriosa em madeira, com olhar sinistro e que aparece em locais inapropriados quando menos se espera. Ao mesmo tempo que no presente encontramos esta companhia, percebemos através de um diário do passado que este problema não é novo naquela mansão. 

A Rapariga da Falésia | Rachel Abbott

02
Abr19

a rapariga da falésia

Título: A Rapariga da Falésia

Autor: Rachel Abbott

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Março de 2019

Páginas: 320

ISBN: 978-989-8917-72-0

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Quem acreditará na sua história se a única testemunha estiver morta?

Mark e Evie vivem numa casa magnífica, no alto de uma falésia, com grandes janelas de vidro viradas para o mar. Após um romance breve e repentino, Evie engravidara e decidiram viver juntos naquela casa, que pertencia a Mark.

A irmã de Mark, Cleo, desconfia. O irmão mal tinha feito o luto da primeira mulher, quando conhecera Evie. Nem sequer conseguia descer ao ginásio da casa, por ter sido lá que ela morrera, num alegado acidente. E agora, quando Evie surge com nódoas negras e feridas, culpando pequenos acidentes e distrações suas, Cleo fica novamente preocupada. O seu irmão é um homem bom. Ele não pode ter nada a ver com aquilo. Ou pode?

Na noite em que a sargento Stephanie King é chamada à casa do alto da falésia, encontra um cenário de terror. Dois corpos entrelaçados na cama, sangue espalhado por toda a parte. Um deles morto, o outro vivo.

O que terá acontecido realmente naquela noite?

 

Opinião: A Rapariga da Falésia foi a minha primeira leitura da autoria de Rachel Abbott e se me perguntarem se o voltava a ler só tenho uma coisa a dizer... Claro que sim e com isto e antes de me começar a alongar, só vos posso dizer que se ainda não têm o vosso exemplar, que o comprem porque este thriller psicológico é bom, emocionante, vibrante e com bastante emoção derivada a todas as reviravoltas que se dão do início ao surpreendente final.

Criando um bom enredo centrado em Evie e com o seu companheiro Mark sempre por perto, tal como a irmã deste, Cleo, esta história surge com o casal tipicamente perfeito no centro da ação. Tudo parece bem até que o leitor começa a perceber que existem detalhes entre o casal e mesmo com a cunhada por perto que não batem assim tão bem como as coisas são vistas pelos outros. O que terá Cleo contra a cunhada? Mark, após perder a primeira esposa, de quem também Cleo não gostava, como pode agora seguir com as suas dúvidas perante Evie que parece ser tão perfeita? Quais as razões que levam ao surgimento de alguns acidentes caseiros e inusitados por parte de Evie quando Mark parte em viagens de negócios? São vários os mistérios apresentados ao leitor desde bem cedo nesta trama que com poucas personagens logo prende pelo primeiro impacto e depois com o desenrolar de todas as situações e com um ritmo alucinante onde as reviravoltas surgem quando menos se espera. É impossível deixar de lado esta leitura que surpreende tão facilmente e que assim continua até à última página. Claro que não vos posso contar como tudo vai acontecendo e as reviravoltas que prendem realmente o leitor, mas dizendo que tudo prende do início ao fim, poderão ter uma ideia do que encontrarão ao pegarem em A Rapariga da Falésia.

Uma Coisa Absolutamente Incrível | Hank Green

06
Out18

uma coisa absolutamente incrível.jpg

Título: Uma Coisa Absolutamente Incrível

Título Original: An Absolutely Remarkable Thing

Autor: Hank Green

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Outubro de 2018

Páginas: 320

ISBN: 978-989-8917-45-4

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: São 3 horas da manhã e April May tropeça numa escultura GIGANTE; uma espécie de robot com três metros de altura e aspeto de samurai. Perante a descoberta, April faz a primeira coisa de que se lembra: filma a bizarra estátua. O vídeo é publicado no YouTube e, da noite para o dia, April torna-se famosa por ter sido a primeira no mundo a registar a existência da estátua - aquela que viria a ser parte de um conjunto de mais de 60, espalhadas por várias cidades do mundo. Pouco habituada ao estrelato e às consequências da fama viral, April torna-se internacionalmente famosa e fica associada aos robots.

Um movimento emergente desperta. As pessoas querem saber: O que são estes robots e porque existem? Quem os terá criado? E mais importante ainda: serão perigosos? April começa a sua investigação e, reunindo um grupo improvável de pessoas, tenta perceber a origem destes robots e o seu sentido neste mundo.

Hank Green explora de modo magistral a forma como lidamos com o medo e o desconhecido, e como as redes sociais transformaram aquilo que entendemos por fama.

No seu fantástico romance de estreia, Hank Green revela-nos a história de uma jovem que se torna acidentalmente famosa - para logo se encontrar no epicentro de um mistério muito maior do que poderia imaginar.

 

Opinião: À primeira vista a história de Uma Coisa Absolutamente Incrível não me cativou por saber que a aparição de uma figura gigante em várias cidades mundiais estava no centro da ação e tudo o que foge do tipicamente normal não me costuma convencer em termos literários. No entanto foi através de Apryl May que consegui ficar convencido logo de início com esta narrativa para seguir em diante.

Através do que é contado na primeira pessoa por Apryl, o leitor é convidado a entrar num mundo bem real onde o imaginário tem lugar. Com recurso às redes sociais, um tema bem atual nos dias que correm, esta jovem que estava quase que desligada do mundo da internet, vê-se envolvida de um momento para o outro num turbilhão de mudanças de vida a partir do momento em que foi a primeira a ter contacto com um Karl, o gigante robot que lhe aparece subitamente pela frente. Ao mostrar o seu achado e com os Karls a aparecerem em várias cidades mundiais, Apryl começa a ser o rosto humano que se encontra ao lado deste fenómeno, passando a sua pacata vida a dar lugar a entrevistas desenfreadas sobre o tema, sendo necessário marcar presença pelas redes sociais para mostrar que está viva e que pode estar em contacto com todos os que querem saber um pouco mais sobre o que está a acontecer em torno de um fenómeno que se torna viral. 

O Medo | C. L. Taylor

02
Out18

o medo.jpg

Título: O Medo

Título Original: The Fear

Autor: C. L. Taylor

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Setembro de 2018

Páginas: 320

ISBN: 978-989-8917-24-9

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Quando Ben, o novo namorado de Louise, a tenta levar numa viagem-surpresa a França, ela entra em pânico, sai do carro e foge. Ben não entende. Não pode entender, porque não sabe o que aconteceu a Louise da última vez que um namorado a levou pelo canal da Mancha. Ela tinha 14 anos. Mike tinha 31. E o que aconteceu deixou marcas em Louise para sempre.

Hoje com 32 anos, Louise nunca conseguiu ter uma relação estável. Guarda o seu segredo inconfessável dentro do peito e, por isso, ninguém a conhece verdadeiramente. Depois do que aconteceu com Ben, decide fugir do mundo e isolar-se. Abandona Londres, deixa os amigos e começa a procurar um novo emprego perto da casa onde cresceu, que agora lhe pertence.

Ao instalar-se, descobre que Mike, agora com 49 anos, ainda vive e trabalha na vila. Quando o vê a beijar uma rapariga de 13 anos, Louise decide que já chega.

Está na altura de Mike sentir o medo com que Lou vive desde aquela viagem.

 

Opinião: O Medo nada esconde logo quando é apresentado ao leitor. Neste thriller psicológico de C. L. Taylor o leitor é convidado a encontrar personagens que sentem o terror perante os outros de diferentes formas. 

Louise é a personagem central desta narrativa que desde cedo mostra uma mulher amedrontada e marcada por atos a que foi sujeita no passado. Enfrentando o presente e tentando seguir a sua vida ao lado de Ben, o novo namorado, Lou, como é tratada, tem consigo a dor de um romance com um homem, seu professor, mais velho, quando tinha somente 14 anos. Enganada, violada e apaixonada, Lou não conseguiu enfrentar o agressor em tribunal e nos tempos que correm percebe que os poucos anos de prisão foram poucos e que de pouco serviram para uma mudança de um homem sem escrúpulos. 

Uns bons anos depois, Lou percebe que Mike, o professor, volta a envolver-se com uma outra jovem, Chloe, que com problemas familiares se deixa levar pela amizade que a leva a cair num fosso perigoso e onde toda a história parece voltar a repetir-se. 

Esta narrativa retrata a pedofilia de um prisma diferente do que habitualmente é fornecido ao leitor. Encontramos um Mike aparentemente como um homem psicologicamente bem junto de quem o rodeia, com características que em nada indicam o que esconde por detrás de um rosto amigo e que só quer que a louca que o tramou no passado desapareça de vez da sua vida. No entanto as aparências enganam e este Mike tem os ditos comportamentos desajustados, no entanto não é o louco assassino que rapta, abusa e mata, é sim um homem que tem na adolescência o seu alvo, aproximando-se de jovens inocentes e que precisam de apoio para se aproveitar como se fosse o grande protetor e salvador. Não é simplesmente mais um livro em que a pedofilia e violência sexual são debatidos de forma extrema e com recurso a cenas bem agressivas e sangrentas, visto que por aqui as bases são as mesmas mas os contornos são demonstrados de forma diferente e de modo a mostrar que no final tudo pode mesmo acontecer.

Recorrendo a passagens temporais entre o presente e a lembranças do passado de Lou, que chega mesmo a entregar o seu diário da altura a Chloe para lhe demonstrar a semelhança entre as suas duas histórias, esta narrativa consegue prender pela forma como vai sendo descrita, de como tudo se vai passando, colocando Louise, Chloe e mesmo Wendy, a ex-mulher de Mike, em confronto pelo bom e mau que cada uma passou para superar as diversas situações que este homem as fez passar. 

Aconteceu em Paris | K. S. R.Burns

24
Ago18

aconteceu em paris.jpg

Título: Aconteceu em Paris

Título Original: The Paris Effect

Autor: K. S. R.Burns

Editora: TopSeller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Julho de 2018

Páginas: 304

ISBN: 978-989-8917-13-3

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Se quisesse fugir de tudo... escolheria Paris?

Amy e Kat tinham um plano: uma viagem secreta a Paris. Ninguém saberia, nem mesmo o marido de Amy. Até que Kat perde a batalha contra o cancro e o sonho chega ao fim.

Nas suas últimas palavras, Kat incentiva a amiga a fazer a viagem. Mas Amy nunca quebrou as regras, tanto na vida como à mesa - e fugir para Paris implicaria mentir ao marido e render-se a comida terrivelmente pecaminosa.

Guiada pela coragem de Kat, Amy aventura-se. Com um guarda-roupa tipicamente parisiense e muitas dúvidas, ela vai à procura de respostas para a sua vida nos cenários maravilhosos e na gastronomia da Cidade Luz.

Ao aprender que na amizade e no amor nem tudo é o que parece, ela conhece uma Paris diferente, fora dos itinerários turísticos, mas que poderá ser aquilo de que tanto precisa.

 

Opinião: O título demonstra desde logo que o leitor irá visitar Paris. Amy acompanhou a sua amiga Kat até aos seus últimos dias de vida, mas as duas tinham um objetivo, viajar até à cidade do amor em segredo. Kat não conseguiu resistir mas Amy leva o sonho de ambas em diante e numa semana em que o seu marido William se encontra em viagem de trabalho, as malas são feitas e o sonho torna-se realidade. Secretamente a visitar uma cidade que lhe é desconhecida, Amy instala-se e começa a pensar em seguir o trajeto pré-definido, mas tudo parece acontecer para que nada do que é perspetivado se venha a desenrolar.

Numa fase inicial o conhecimento para com Amy pareceu-me forçado, existindo um embaraço para com esta personagem que tem um problema de amor próprio que a leva a uma obsessão alimentar conflituosa. A falta de vontade para com refeições a tempo e horas, o pensamento nos outros e agora a liberdade omitida que enfrenta mas a medo. Amy é uma mulher assustada, solitária e que sempre viveu para cuidar dos outros, esquecendo-se de si e da sua própria felicidade e bem-estar. Quem é esta mulher que casou repentinamente por estar grávida de uma pessoa que mal conhecia, que viveu para o casamento e em prol de uma amizade que partilhava o peso da balança com o seu casamento que nem sempre foi levado a sério de ambas as partes?