Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Os Guardiões do Farol | Emma Stonex

TopSeller

os guardiões do farol.jpg

Título: Os Guardiões do Farol

Título Original: The Lamplighters

Autor: Emma Stonex

Editora: TopSeller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Setembro de 2021

Páginas: 336

ISBN: 978-989-564-739-2

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Um farol abandonado.

Três homens desaparecidos.

Um mistério impossível, inspirado numa história real.

Na véspera de Ano Novo de 1972, um barco com dois tripulantes chega a Maiden Rock, um farol situado a quilómetros de distância da costa oeste da Escócia, para substituir um dos faroleiros. Porém, não se encontra ninguém no interior do farol para os receber. Os homens deparam-se com uma torre vazia e estranhos factos por explicar. A porta de entrada está trancada por dentro. Uma mesa foi posta para apenas duas pessoas. O registo meteorológico do faroleiro chefe descreve uma forte tempestade em redor da torre, apesar de o céu ter estado limpo naquela semana. E todos os relógios pararam às 8h45.

Vinte anos depois, as mulheres dos faroleiros desaparecidos recebem a visita de um escritor determinado a desvendar o mistério. Movendo-se por entre os testemunhos das três mulheres e as últimas semanas dos guardiões do farol, segredos de longa data, que apenas as ondas parecem ter testemunhado, começam a vir à superfície. Irá o mar revelar os segredos dos três desaparecidos e trazer alguma paz às suas mulheres?

 

Opinião: Inspirado no mistério real que levou ao desaparecimento dos faroleiros de Eilean Mon, nas Ilhas Flannan nas Hérbridas Exteriores em 1900, Emma Stonex alterou a localização e o tempo para Cornualha em 1972, e criou assim Os Guardiões do Farol, onde três homens desaparecem de forma duvidosa do farol onde estão confinados em trabalho, deixando as suas família em terra e neste caso, após o desaparecimento, órfãs. Com os relógios parados assim que o desaparecimento dos faroleiros é descoberto e todas as fechaduras interiores do local trancadas, o mistério está lançado e entre o presente das mulheres que são convidadas a relembrar um passado com vinte anos e os últimos dias dos homens do mar, este thriller vive de rumores e secretismo entre quem sobreviveu e quem viveu na solidão durante anos seguidos. 

Um Por Um | Ruth Ware

Clube do Autor

um por um capa.jpg

Título: Um Por Um

Título Original: One By One

Autor: Ruth Ware

Editora: Clube do Autor

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Julho de 2021

Páginas: 376

ISBN: 978-989-724-572-5

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Neste thriller, tudo começa quando o cofundador da Snoop, uma start-up tecnológica em ascensão, organiza um encontro de empresa num retiro de luxo. Da agenda constam apresentações e sessões de estratégia, seguidas de momentos de lazer. Mas assim que uma acionista altera a programa inicial, empurrando a empresa para uma lucrativa mas controversa oferta de compra, as tensões aumentam e a lealdade é testada.

O ambiente tenso é agravado quando o grupo fica isolado do mundo exterior. Pior, um dos membros da equipa está desaparecido…

À medida que cada hora passa sem qualquer sinal de resgate, o pânico aumenta e o grupo vai diminuindo, um por um… Oito colegas de trabalho - cada um com algo a ganhar, algo a perder e algo a esconder. Quem resistirá a este complexo jogo de manipulação e encobrimento?

 

Opinião: Um Por Um tem início quando os fundadores da Snoop e a sua equipa de trabalho chegam a um belo chalé numa bela estância turística no meio das montanhas nevadas de França como que para aproveitarem uns dias fora da rotina do dia-a-dia e se reuniram para decidirem o futuro da empresa. Entre apresentações perante o futuro da Snoop, aplicação que permite ouvir as músicas que alguém do outro lado do mundo está a ouvir, seja uma celebridade, um amigo ou um completo desconhecido. Tudo parecia estar preparado para sucessivas reuniões com base a definir o futuro neste chalé no seio das montanhas onde a par da equipa da empresa conhecemos Erin e Danny, a equipa responsável pelo bem estar dos hospedes e manutenção do espaço. 

O local prometia ser o perfeito para oito colegas e amigos se reunirem, mesmo com alguma tensão entre acionistas e membros, não tivesse surgindo uma avalanche durante um momento de lazer no grupo que acabou por transformar um bom ambiente já de si remendado numa verdadeira tortura. O nome da obra acaba por dizer tudo e Um Por Um, várias são as personagens que são desviadas do centro da ação por um dos presentes no chalé e a questão impera entre todos. Quem é o assassino em série entre os conhecidos e desconhecidos que ficam isolados num local longínquo e sem conseguirem ser socorridos de forma rápida? Sem energia e sem contactos após a avalanche, as cabeças começam a rolar e todos podem ter em si algo de suspeito. Ruth Ware tem a capacidade, ao longo de quase quatrocentas páginas, de criar e manipular o próprio leitor que vai sendo levado a desconfiar de cada um em vários momentos da ação. Tudo acontece num espaço curto de dias, as questões são mais que muitas e se uns podem ficar a ganhar com determinadas mortes, já outros conseguem sentir alívio por outro prisma. Afinal em quem se pode confiar num grupo tão restrito onde a ganância e a ambição imperam perante a visão do que cada um pretende para o futuro da Snoop?

 

Um Fogo Lento | Paula Hawkins

Topseller

um fogo lento.jpg

Título: Um Fogo Lento

Título Original: A Slow Fire Burning

Autor: Paula Hawkins

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2021

Páginas: 344

ISBN: 978-989-5644-91-9

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Um homem é encontrado brutalmente assassinado em Londres, dentro de um barco, o que levanta uma série de questões sobre três mulheres que o conheciam.

Laura é a jovem problemática que foi vista pela última vez com a vítima. Carla é a tia inconsolável, ainda de luto por outro familiar falecido pouco tempo antes. E Miriam é a vizinha bisbilhoteira que encontrou o corpo coberto de sangue, mas que claramente esconde segredos da polícia.

Três mulheres com ligações distintas a este homem. Três mulheres consumidas pelo ressentimento que estão ansiosas por se vingarem do mal que lhes foi infligido. E, quando toca a vingança, mesmo as melhores pessoas são capazes dos atos mais terríveis.

Até onde irão estas mulheres para encontrar a paz de espírito? E durante quanto tempo podem os segredos arder em fogo lento antes de irromperem em chamas descontroladas?

 

Opinião: Paula Hawkins regressa com um terceiro thriller e consegue manter a mesma linha dos seus sucessos anteriores. Após o sucesso de A Rapariga no Comboio e de Escrito na Água, desta vez é com Um Fogo Lento que se volta a juntar aos seus já fiéis leitores para se desvendar um novo crime onde entre assassinos e inocentes até ao momento final todos podem ser considerados suspeitos.

Neste novo thriller psicológico tudo começa quando o jovem Daniel é encontrado morto no seu barco casa onde viveu ao longo dos últimos tempos. Miriam é a mulher que faz a descoberta e que vive igualmente num barco, dando assim o alerta para que a investigação se inicie. No surgimento de várias personagens, entre as quais duas narradoras em que rapidamente se percebe que não se pode confiar, o leitor é convidado a percorrer percursos onde aparentemente alguns se cruzaram nas horas que antecederam o crime. Quem terá cometido o ato final para com este jovem agora morto?

Conhecendo Theo e Carla, os tios de Daniel, que viram o seu casamento desmoronar no momento da morte do pequeno filho aos três anos de idade e também Angela, a mãe de Daniel e irmã de Carla, que vive sozinha após o filho ter abandonado a convivência maternal por existir um relacionamento com vários transtornos pelo meio, de imediato ficamos a perceber que por detrás deste jovem morto existe um passado bem pesado e uma família destruída por um acidente que alterou o rumo de todos. 

A Mão Que Mata | Lourenço Seruya

Cultura Editora

a mão que mata o informador.jpg

Título: A Mão Que Mata

Autor: Lourenço Seruya

Editora: Cultura Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Maio de 2021

Páginas: 320

ISBN: 978-989-9039-39-1

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Uma casa. Dez pessoas. Alguém não sairá com vida.

Naquela fria manhã de inverno, a família Ávila acordou em sobressalto: na sala de estar, jaz a tia Manuela numa poça de sangue. A vítima não era adorada pelos familiares, mas nenhum tinha motivos para a querer morta, portanto o homicídio só poderá ser resultado de um assalto.

O inspetor Bruno Saraiva da Polícia Judiciária é chamado para investigar o caso e rapidamente conclui que o assassino não só está naquela casa, como é alguém conhecido de todos.

As opiniões dividem-se e a família Ávila não parece muito disposta a colaborar com a polícia, até que é encontrado um segundo cadáver na mansão da Serra de Sintra...

 

Opinião: Pelo título logo se entende que o crime está na base desta primeira obra de Lourenço Seruya, que através da Cultura Editora viu o seu A Mão Que Mata ser publicado, juntando-se a um recente lote de novos autores bem equilibrados que a chancela tem reunido e conquistado os leitores. 

Num thriller passado perante o nevoeiro e os mistérios da serra de Sintra, sem esquecer os famosos travesseiros da Piriquita, A Mão Que Mata tem tudo o que aprecio numa história de suspense. Num enredo que prende do início ao fim, o leitor é convidado a entrar na casa da família Ávila onde o encontro entre irmãos e seus associados acontece para que se façam as partilhas após a morte do patriarca. Preparados para um fim-de-semana familiar, que tinha tudo para correr bem, só que uma morte acontece ao longo da primeira noite e o rumo dos próximos dias é totalmente alterado. A Tia Manuela pouco ou nada tinha a herdar, mas o certo é que contra a vontade da maioria foi convidada para a reunião mas acabou por ver a morte do seu lado. O que escondia esta mulher consigo para alguém a querer silenciar? Com esta morte a Polícia Judiciária é chamada ao local e a investigação perante a alçada de Bruno Saraiva começa. Inspetor galã, com um passado por revelar num futuro próximo que deixa desde logo o leitor a querer saber mais, Bruno tem em mãos, com a sua equipa, a descoberta de um assassino quando, sem aviso, também Cláudia, a empregada, surge morta. Num contraste entre a velha e a nova guarda de inspetores perante a investigação, é a voz de Bruno que se faz ouvir até ao final e até que tudo fique esclarecido. 

A Minha Irmã é Uma Serial Killer | Oyinkan Braithwaite

Quetzal Editores

a minha irmã é uma serial killer

Título: A Minha Irmã é Uma Serial Killer

Título Original: My Sister, the Serial Killer

Autor: Oyinkan Braithwaite

Editora: Quetzal Editores

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2021

Páginas: 240

ISBN: 978-989-722-636-6

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Neste breve, sinistro e cómico thriller, Korede — a irmã mais velha —, conta a história da sua irmã mais nova, Ayoola. Ou seja, a belíssima, super insinuante, super amada e desejada Ayoola. Ayoola é completamente fútil. Vive para dormir até tarde, para se vestir (e despir) e se maquilhar, para saltitar de festa em festa, arranjar namorados bonitos e ricos, traí-los — e matá-los. Nada que mereça, portanto, o amor e a devoção que todos lhe dedicam, em especial a irmã, que a ajuda sempre no encobrimento dos crimes. Embora assustada e contrariada, Korede acaba por apoiar e consolar Ayoola — e por limpar os locais do crime. Mas o seu horror aumenta quando Ayoola visita o hospital em que ela trabalha como enfermeira e conhece o simpático médico por quem Korede está apaixonada. O leitor está a ver o que pode acontecer, não está?

 

Opinião: A Minha Irmã é Uma Serial Killer só pelo nome atrai e com a capa portuguesa a remeter para os tons quentes e ao mesmo tempo de sangue, só de olhar este livro já chama. Depois ao ser a obra de estreia da sua autora, Oyinkan Braithwaite, que tem recebido boa crítica pelos países onde tem sido lançada, este livro chegou e assim que o comecei a ler logo percebi que seria dos bons, dos que ficam na memória e que conseguem ser lidos num ápice. 

Numa mistura entre o thriller, o policial e ao mesmo tempo o romance, A Minha Irmã é Uma Serial Killer tem tudo. Vive de um drama familiar partilhado por Korede, a irmã mais velha, que relata junto do leitor o seu dia-a-dia, dando maior destaque aos momentos em que é chamada pela sua irmã, Ayoola, para que a ajude a desenvencilhar-se de mais um corpo de um amante que acabou por morrer nas mãos desta assassina em série. Mostrando sem omissões os problemas que a irmã lhe trás, Korede revela tudo, o que faz para limpar o local do crime, os receios perante o futuro e a forma como a família sempre protegeu Ayoola. Tudo parecia pré combinado até que Ayoola se aproxima do homem que tem feito as delicias dos olhos de Korede, e a partir daqui o descontrolo entre protegido e protetor acaba por ganhar novos contornos porque é necessário proteger quem se ama mas ao mesmo tempo sem se poder revelar os segredos que envolvem esta dupla de irmãs nigerianas. Até que ponto consegue Korede proteger a irmã e mesmo a si própria, por sempre ter omitido tudo o que sabe, a favor do amor por um homem?

 

O Espião Português | Nuno Nepomuceno

Cultura Editora

O Espião Português

Título: O Espião Português

Autor: Nuno Nepomuceno

Editora: Cultura Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Julho de 2021

Páginas: 384

ISBN: 978-989-9039-57-5

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Os serviços internacionais de informações de segurança agitam-se ao saber da existência de um estudo secreto sobre uma arma de nova geração. Duas organizações, uma semigovernamental, a outra formada por mercenários, entram em confronto, tentando obter vantagem. Entre elas, está um jovem português.

André Marques-Smith leva uma vida pacata enquanto diretor do Gabinete de Informação e Imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros. Mas Freelancer, a sua outra identidade, é um agente secreto implacável, metódico e sedutor. Durante uma operação, faz uma descoberta. No entanto, tal como na vida, há valores que a tudo se sobrepõem.

Vencedor do Prémio Literário Note! 2012, O Espião Português é o livro que revelou Nuno Nepomuceno. Thriller sofisticado, com um ritmo vertiginoso, funde elementos tradicionais da ficção de espionagem, com uma abordagem inovadora, onde nem sequer falta a homenagem aos valores familiares portugueses. Um romance imprevisível, que não conseguirá parar de ler.

 

Opinião: Constantemente acompanho a obra dos autores de trás para a frente, não regressando ao passado, no entanto com Nuno Nepomuceno estreei-me com a sua mais recente criação, a série Afonso Catalão, e só agora, através do relançamento por parte da Cultura Editora da Trilogia Freelancer, conheci a vida de André Marques-Smith, o protagonista de O Espião Português. Se estava à espera de me deixar levar por mais um thriller de Nepomuceno, claro que sim, estando sempre com as expectativas em altas quando pego numa nova narrativa do autor que tem conquistado o mercado. 

O Amigo das Sombras | Alex North

Topseller

o amigo das sombras capa.jpg

Título: O Amigo das Sombras

Título Original: The Shadow Friend

Autor: Alex North

Editora: TopSeller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Maio de 2021

Páginas: 320

ISBN: 978-989-564-537-4

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Uma história terrível regressou ao passado.

Uma história que está a ceifar vidas. Uma após a outra.

Há 25 anos, Charlie Crabtree, um adolescente de sorriso sinistro e imaginação sombria, cometeu um homicídio tão chocante que atraiu um estranho tipo de infâmia, daqueles que só existem nos recantos mais obscuros da Internet. Agora, tudo aponta para que alguém tenha cometido um crime inspirado no seu.

Paul Adams lembra-se demasiado bem do caso: Crabtree e a vítima eram seus amigos. Apesar de sentimentos de culpa terem levado Paul a abandonar a sua aldeia natal, a idade avançada e o estado de saúde da mãe forçam-no a regressar. E é nessa altura que as coisas começam a correr mal.

A mãe, confusa e angustiada, insiste que está alguém em casa. Outro crime tem lugar. E alguém começa a seguir Paul. Todos estes acontecimentos o fazem relembrar a coisa mais inquietante daquele dia terrível ocorrido 25 anos antes. Não foi apenas o homicídio brutal. Foi o facto de, depois disso, Charlie Crabtree ter desaparecido sem deixar rasto…

 

Opinião: Numa narrativa que faz a ligação entre o presente e um passado com 25 anos, O Amigo das Sombras, de Alex North, é um thriller psicológico que vive perante um mistério que surge através das sombras do bosque. Recordando um assassinato envolvido num ritual realizado há vários anos, onde um dos assassinos foi preso e o outro, Charlie Crabtree, se tornou um ser desaparecido sem deixar quaisquer vestígios, comparando esse mesmo crime aos acontecimentos mais recente da vila.

Paul Adams regressa à sua vila, que deixou para apagar o que viveu em torno destes amigos que afinal não o eram e as memórias surgem, para mais quando uma situação no presente acontece de forma bem semelhante. Regressado para se despedir da mãe, que se encontra em estado terminal numa casa de repouso, Paul descobre ao mesmo tempo que entre a sua progenitora e os assassinos do passado existe um grande segredo que terá de ser desenlaçado com a ajuda da inspetora Amanda Beck, que não tarda em associar o passado ao presente, podendo o desaparecido Charlie estar envolvido para com os mais recentes acontecimentos. 

Uma Hora de Vida | M. J. Arlidge

TopSeller

uma hora de vida.jpg

Título: Uma Hora de Vida

Título Original: All Fall Down

Autor: M. J. Arlidge

Editora: TopSeller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Janeiro de 2021

Páginas: 432

ISBN: 978-989-564-287-8

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: O que faria se recebesse uma chamada a dizer: «Tens uma hora de vida»?

Estas são as únicas palavras recebidas num ameaçador telefonema. A seguir, desligam. Certamente que só pode ser uma brincadeira… Um engano? Um número errado? Qualquer coisa menos a verdade arrepiante… Que alguém está a observar, à espera, a trabalhar para roubar uma vida no espaço de uma hora. Mas porquê?

A tarefa de o descobrir recai sobre a inspetora Helen Grace: uma mulher com um histórico de caça a assassinos. No entanto, este é um caso em que o homicida parece estar sempre um passo à frente da polícia e das vítimas. Sem motivo, sem pistas e sem dicas — nada além de puro medo —, uma hora pode parecer durar uma vida inteira…

 

Opinião: Helen Grace é a conhecida inspetora dos leitores habituais de M. J. Arlidge, o que no meu caso não acontece, no entanto deixo desde já escapar que não senti qualquer necessidade da história que está para trás nesta série literária para gostar de conhecer a Helen a partir do momento em que comecei a ler Uma Hora de Vida. 

Com uma escrita que fornece ao leitor uma leitura rápida por se sentir vontade de saber mais no próximo capítulo e com a surpresa a acontecer do início ao fim com o suspense a aumentar e a correria para se apanhar o vilão da história a deixar o próprio leitor sem fôlego, M. J. Arlidge consegue com esta sua obra criar uma narrativa onde o que de início parece não o é, dando excelentemente bem a volta à ação até mesmo ao final onde acaba por deixar tudo resolvido dentro da área da investigação, deixando no entanto algo em aberto dentro dos restantes prismas da vida de Helen, a mulher que não deixa de viver para o trabalho quando tem um caso em mãos. 

Segredo Mortal | Bruno M. Franco

Cultura Editora

segredo mortal.jpg

Título: Segredo Mortal

Autor: Bruno M. Franco

Editora: Cultura Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Março de 2021

Páginas: 488

ISBN: 978-989-8979-82-7

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Na véspera de Natal, cheias massivas submergem o centro de Lisboa, causando danos incalculáveis e centenas de mortes. Designada por Desastre de Lisboa, a catástrofe é atribuída ao aquecimento global. Mas terá resultado realmente das alterações climáticas?

Um cenário aterrador é descoberto numa praia. Chamados a intervir, Leonardo Rosa e Marta Mateus, inspetores da Polícia Judiciária, deparam-se com a mais tortuosa perversidade: Um puzzle humano.

Iniciando uma caça ao homem, descobrem o perfil de um assassino, perigoso e inteligente, que desafia as capacidades dos inspetores. Assombrado pelos seus próprios fantasmas, Leonardo Rosa terá de ultrapassar barreiras para conseguir chegar à verdade: A descoberta de um segredo incrível.

Entretanto, um jovem recém-licenciado é acusado de dois crimes que ele jura não ter cometido. Encurralado, decide fugir e provar a sua inocência, mas logo se envolve numa teia de acontecimentos que o leva a uma conclusão terrível: Matar é a única forma de sobreviver. Em busca de justiça e da verdade, vários acontecimentos sangrentos levam os inspetores e o jovem a embrenharem-se na maior conspiração de todas. Conseguirão sair dela vivos?

 

Opinião: Segredo Mortal foi daqueles livros que antes de chegar já o ansiava e em boa hora percebi que estaria perante um bom thriller assim que o comecei a ler. A expetativa desta vez não saiu, em nada, gorada.

Quase com quinhentas páginas divididas em mais de cem capítulos rápidos, bem disciplinados e diretos, Bruno M. Franco conseguiu juntar nesta sua primeira obra muito do que gosto num bom livro de suspense e mistério, dando ainda ao leitor a possibilidade de ter nas mãos uma obra que revela uma pesquisa cuidada e trabalhada para não defraudar os temas que são debatidos. Com a apresentação de boas personagens centrais, Leonardo e Marta, que desde já apelo que tenham sido criadas para terem continuação após este Segredo Mortal, com bons desenlaces onde quando tudo parece estar quase resolvido um novo apontamento volta a lançar a corrida entre o quem é quem no centro de crimes mais que perfeitos, ação que baste com toda a adrenalina a envolver investigação, um passado mal resolvido e um segredo que pode alterar a forma como olhamos para a meteorologia. E depois, a par da intriga, ligeiros mas bons apontamentos de amor que acabam por revelar o outro lado das personagens que não vivem somente pela procura da verdade na investigação, sendo necessário descansar e abrir os olhos para a felicidade pessoal, mesmo que seja difícil depois perceber que a mesma pode estar bem próxima.

Que Segredo Mortal poderá esconder esta história a ponto de não me deixar ver e refletir futuramente sobre a meteorologia da mesma forma inocente que até aqui? O autor criou um enredo que esconde o estudo sobre as alterações climáticas e as guerras que podem advir desse ponto no futuro, mas nesta questão prefiro não me alongar porque as explicações são muitas e acredito que cada leitor tem de descobrir todos estes mistérios por si. 

Vaticanum | José Rodrigues dos Santos

Gradiva

vaticanum.jpg

 

Título: Vaticanum

Autor: José Rodrigues dos Santos

Editora: Gradiva

Edição: 2ª Edição

Lançamento: Outubro de 2016

Páginas: 608

ISBN: 978-989-616-733-2

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Um comando do estado islâmico entra clandestinamente no Vaticano e o Papa desaparece. Horas depois surge na internet um vídeo em que os terroristas mostram o Sumo Pontífice em cativeiro e fazem um anúncio chocante: O Papa será decapitado em directo à meia-noite. O relógio começa a contar. O rapto do Papa desencadeia o caos. Milhões de pessoas saem à ruas, os atentados sucedem-se, mutiplicam-se os confrontos entre cristãos e muçulmanos, vários países preparam-se para a guerra.

Apanhado no epicentro da crise quando trabalha nas catacumbas da Basílica de São Pedro, Tomás Noronha vê-se envolvido na investigação para descobrir o paradeiro do Papa e cruza-se com um nome enigmático: Omissis. A pista irá conduzi-lo ao segredo mais sombrio da Santa Fé.

Usando informação genuína para nos revelar o que se esconde nos bastidores do Vaticano, o escritor preferido dos portugueses está de regresso com o thriller do ano. Com Vaticanum José Rodrigues dos Santos mostra mais uma vez por que razão é considerado mestre do mistério real.

 

Opinião: Convidado a trabalhar nas catacumbas da Basílica de São Pedro, Tomás Noronha regressa ao Vaticano para um novo trabalho quando sem esperar se vê envolvido num novo episódio de investigação. O Papa é raptado e as ameaças de morte do mesmo fazem-se sentir através de anúncios tornados públicos pelo Estado Islâmico. A partir deste ponto o investigador e criptologista é chamado a entrar em ação, sendo envolvido na investigação onde segue todas as pistas que vão surgindo para que consigam chegar junto do Papa antes da hora prevista para a execução final.  

Num thriller com nomes reais em harmonia com os criados para a ficção, sem a omissão de nomes que se encontram na história da corrupção do Vaticano, José Rodrigues dos Santos desta vez não poupou esforços e relata tudo o que se encontra documentado, sem criar personagens para a substituição de rostos reais. Tudo aconteceu, as lavagens de dinheiro e a falsificação de documentos aconteceram, os interesses foram tornados públicos e os esquemas de corrupção são mais que muitos num Vaticano recheado de pecados ilegítimos e com muita documentação a demonstrar que os amigos dos amigos sempre chegavam aos melhores lugares possíveis e onde eram necessários para levarem em diante as suas funções de elevado empenho para com capitais que não lhes pertenciam num autêntico esquema em pirâmide que durante décadas foi sendo camuflado. 

Há muito que se sabe que nos meandros do Vaticano e do seu próprio banco a ilegalidade foi mais que muita, não existindo uma novidade que o autor esteja a relatar com o seu recurso a Tomás Noronha. No entanto em Vaticanum o que acontece é que tudo o que é sabido e documentado acaba por ser contado numa narrativa que une a realidade com a ficção numa história que entretem enquanto transmite conhecimento ao leitor com a sua base de verdade e procura, sendo assim uma forma de relato sem recorrer a teses que certamente não seriam lidas com tanta facilidade.