Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Ratched, uma vilã com história

Netflix

Ratched Netflix

 

1975 assinalava a estreia cinematográfica do filme de Milos Forman, o clássico Um Estranho no Ninho, onde a enfermeira Mildred Ratched se tornou célebre como uma das grandes vilãs do cinema. Em 2020 a Netflix voltou a recuperar esta história para nos abrilhantar com a presença de uma mulher calculista, fria, vingativa e preparada para abater quem se cruza no seu caminho, um enredo que mostra quem é esta mulher mesmo antes da história contada no filme. 

Acompanhando os primeiros dias de Ratched num hospital psiquiátrico como enfermeira, a série com o nome da personagem central acompanha o percurso desta mulher dentro da instituição, até ao atingir dos lugares cimeiros, numa ascencão bem rápida, estando numa luta constante entre as suas ambições e opções, tudo porque existe uma real causa por detrás de todas as mentiras, omissões, persuações e crimes que vão sendo cometidos, um passado que pesa no presente e pelo qual Ratched luta por um bem estar que não é só seu. Não quero contar muito desta história, podendo simplesmente revelar que esta primeira temporada da série protagonizada brilhantemente pela atriz Sarah Paulson, conta com um enredo que vive muito dos planos centrais numa conjugação entre um puzzle mental para mexer com todos os que a rodeiam de forma cordial e de forma a atingir os seus próprios fins com saídas quase perfeitas.

Num enredo que une suspense com toques de terror através dos métodos macabros dos tratamentos psiquiátricos feitos na altura e toques de romance, Ratched é aquela série em crescimento nestes primeiros episódios, sendo apresentada a história pesada para que aos poucos a forma mais humana e os próprios problemas pessoais passem para o ecrã, levando a uma ligeira alteração perante a forma como se vê a primeira versão desta mulher que pretende vingança e ao mesmo tempo salvação. 

Se gostei desta série? Gostei e percebi que a cada episódio queria saber um pouco mais sobre o que iria ser feito a seguir, já que a cada passo as motivações ganham novos e amplos contornos, principalmente quando as preparações não resultam no pretendido e tudo tem de ser registado de forma rápida para que não existam falhas nos planos delineados para que a salvação do passado, que congestiona o presente, seja feita de forma rápida e com sentido. 

Intruso | Iain Reid

intruso.jpg

 

Título: Intruso

Título Original: Foe

Autor: Iain Reid

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2019

Páginas: 224

ISBN: 978-989-564-006-5

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: Junior e Henrietta são casados e levam uma vida simples e tranquila na sua quinta, afastados do bulício citadino. Um dia, um estranho vindo da cidade chega com notícias surpreendentes: Junior foi selecionado aleatoriamente para fazer uma viagem para muito, muito longe. Ao que parece, ele é um dos candidatos para um projeto de colonização espacial. O mais bizarro é que foi tudo orquestrado para que Henrietta não ficasse sozinha durante a ausência de Junior. Nunca, nem por um segundo. Para todos os efeitos, Henrietta terá sempre uma companhia familiar. Demasiado... familiar.

Mas a ideia não agrada a Junior, cuja desconfiança aumenta de dia para dia. Afinal, que alternativas lhe restam num futuro que foi decidido por si? Em quem poderá ele confiar? Astucioso e pleno de incerteza, Intruso é um thriller psicológico e intenso que analisa a natureza das relações amorosas, a autodeterminação e o significado de se ser (ou não) uma pessoa.

 

Opinião: A premissa de Intruso é apresentada de forma bastante razoável. Junior e Hen vivem numa fazenda afastada da população, longe de tudo e todos, e mostram-se felizes pelo estilo de vida que adotaram. Num certo momento e já quando a noite vai avançada um estranho percorre o caminho que vai de encontro ao lugar onde o casal habita. Eis que chega Terrance à fazenda, um completo desconhecido que trás consigo mistério e que pretende alterar a vida daí em diante dos dois. Estarão preparados para a mudança?

Num enredo que não elabora muito porque não existe muito para fazer acontecer, enchendo demasiado com a problemática sobre o que vai acontecer com tanta mudança na vida de um casal, Intruso é daqueles livros que me deixou confuso por prometer e não conseguir surpreender. Entrando num universo de forma suave de ficção cientifica que não é explorada mas sim somente comentada como se fosse algo distante, neste thriller psicológico a base está na relação de Junior e Hen que terão de aprender a viver com a ideia que existirá uma separação, sendo necessário a preparação para Junior assumir um lugar no futuro e Hen continuar com a sua vida na fazenda mas com nova companhia. Confuso? Nada disso, isto porque rapidamente se começa a perceber que o final não irá surpreender assim tanto, sendo que ao longo do que vai sendo contado vão sendo dadas dicas sobre o que estas mudanças e substituições poderão ter por trás, o que acaba por estragar o interesse para se ser surpreendido na fase derradeira do livro.

O que andará Terrance ao longo de toda a narrativa a preparar para estudar o psicológico e toda a vida deste casal? O que Junior pensa sobre todos estes estudos e alterações que a sua vida terá para enfrentar o futuro no espaço? Quem ficará no seu lugar quando tiver de deixar a fazenda pela longa jornada?

Literatura | Compras online

WOOK - www.wook.pt

Hoje apetece-me falar sobre o facto de todos poderem encomendar de forma totalmente segura livros nas livrarias online que se encontram disponíveis. Neste momento e em modo a falar das livrarias perante as quais sou afiliado, aconselho-te a visitar a Wook e a Bertrand Livreiros para procurares as últimas novidades, aquele livro que já estás para comprar à algum tempo ou o destaque do momento. Geralmente e com bastante regularidade, as livrarias online vão tendo descontos variados, entre os vários estilos literários, do romance ao terror, do fantástico ao histórico, das viagens à gastronomia, existindo também diversas promoções sobre determinados autores, sendo estas oportunidades únicas para se fazerem aquelas compras que estão em lista de espera pelo melhor preço. 

Com as tuas compras não pagas mais, obténs descontos exclusivos das lojas online, recebes rapidamente os teus livros e eu, como afiliado que sou enquanto blogger, ainda obtenho uma comissão perante as compras que são feitas. Não pagas mais por isso e eu poderei adquirir novos livros com a tua ajuda para continuar a mostrar as minhas leituras com as partilhas que sempre vou fazendo com a opinião sobre o que vou lendo. 

Santa Clarita Diet | T1 | Netflix

Santa clarita diet.jpg

Santa Clarita Diet é uma das apostas Netflix que une terror com comédia num só produto. Já vi a primeira temporada, embora a série já conte com três, e o que posso dizer para já é que embora tenha visto até de forma rápida, esta produção é tão fraca e com cenas tão ridículas que só mesmo isso acaba por me ter prendido para seguir em frente. 

Um casal de agentes imobiliários e a filha estão no centro de toda a ação. Sheila é a protagonista desta história, uma vez que de um dia para o outro a sua vida fica alterada, envolvendo filha e marido num carrossel de peripécias alucinantes e meio sanguíneas. Com Sheila a ficar em modo zombie e com a tentação pela carne humana, esta pacata família vê toda a sua rotina ser alterada quando se começam a envolver em crimes onde os homicídios surgem. Unindo a morte com estranhas situações de desespero, Santa Clarita Diet é daquelas séries que une o poder do medo com cenas cómicas numa história cheia de clichés e cenas mais que esperadas mas que são trabalhadas para terminarem de forma inusitada. 

Num modo de mostrar as alterações familiares e principalmente de Sheila perante a sua mudança de alimentação, esta série vive muito somente das três personagens, entre cenas a solo e em conjunto, onde existe sempre algo para alterar o que está prestes a acontecer. A atenção que os mais sensíveis têm de ter é que por vezes existem imagens dentro de algumas cenas que podem ferir suscetibilidade, isto porque mesmo sendo tratadas sempre com toques de comédia, o sangue, as dentadas, os vomitados e o nojo marcam presença. 

Pedrógão Grande

pedrogão grande.jpg

O calor que se faz sentir pelos últimos dias e a trovoada do final do dia de ontem, Sábado, fizeram das suas e quando me deitei à noite existiam informações que davam como certas dezanove mortes num grande incêndio na zona do Pedrógão Grande, distrito de Leiria. Hoje ao acordar deparo-me primeiramente com as notificações no telemóvel de vários órgãos de comunicação social a darem conta de mais de cinquenta mortos, várias pessoas desaparecidas e um cenário de destruição caótico. Liguei a televisão num canal informativo e das palavras à imagem existe uma grande diferença.

O que vi logo pelos primeiros momentos foram estradas com carros carbonizados que ainda continham corpos no seu interior. As pessoas tentavam fugir pelas estradas possíveis e foram apanhadas pelo incêndio que devastou quilómetros de mata, aldeias e que acabou por roubar dezenas de vidas no que já é considerado o mais trágico acidente dos últimos cinquenta anos em Portugal. Assistir a um acidente destes de longe é complicado, colocando-me na pele de quem esteve e continua no local, longe das suas casas, não sabendo de familiares e procurando respostas para o que ainda não se sabe afirmar.

As temperaturas altas, as matas, o terreno complicado para se lidar com incêndios, tudo parece ter corrido mal num só local num fim-de-semana prolongado com famílias a desfrutarem das praias e lagos naturais da zona para passarem as horas quentes do dia, quando o início do incêndio acontece e só existem caminhos de fuga onde as chamas já começavam a tomar conta de estradas, casas e tudo o que foram apanhando pela frente. 

As manhãs de segunda-feira

Manhã de segunda-feira, aquelas horas que aparecem depois da noite que surgiu após o fim-de-semana, aqueles dias de descanso que são desejados e que passam com uma rapidez incrível. Não, as manhãs do primeiro dia de trabalho não são fáceis por aqui e acredito que para ninguém. Acordar e pensar que estamos prestes a entrar no local de trabalho para mais cinco dias laborais, para oito horas diárias de prisão longe da boa vida ao ar livre e do descanso que se dissipou há poucas horas atrás.

As manhãs de segunda-feira que batem à porta são péssimas! Custa-me adormecer pelo serão de Domingo e depois o acordar é pesado e cheio de vontade de continuar deitado, agarrado a uma baixa almofada que me faz companhia ao longo de todas as noites. Perceber que a claridade exterior já bate nas janelas e que são horas de levantar e pôr-me a mexer para o começo de uma semana é sempre aquele momento que podia perfeitamente ser deixado de lado!

Acordo, abro as janelas, despacho-me e minutos depois entro no local, aquele que me acolhe na maioria dos dias da minha atual vida, penso que é apenas o início de uma semana... Todos estão em modo off porque é de manhã e além disso é segunda-feira! As manhãs são sempre péssimas, mas no final da semana tudo acontece de outra forma, já existem os pensamentos de que faltam poucas horas para aqueles mágicos dias por casa, a dar um passeio à beira-mar ou a aproveitar o sol numa esplanada com um bom livro como companhia!

Não, não quero existir nas segundas-feiras de manhã, quero continuar a dormir até ao almoço, entrar em acção ao final do dia e perceber que no outro dia tudo já passou e que o mau início de semana já não vai acontecer, tendo ficado para trás, não sendo vivido e não sendo pesado!

As manhãs de segunda-feira são feias, mal cheirosas, carregadas de negativismo e embaraçosas! Não, não quero viver estes momentos de terror! Já passou?