Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Controlador de bolsos

  Sair de casa e mesmo de qualquer local tem sempre em mim um efeito de procura corporal. Não, nada do que já poderás estar por aí a pensar. Na realidade, quando deixo algum local tenho de apalpar os bolsos para verificar se as três peças fundamentais estão comigo. E essas peças não são a cabeça, tronco e membros que só poderão fugir se algum acidente grave existir. O que verifico sempre se transporto comigo são a carteira, as chaves e o telemóvel, as duas primeiras num (...)

Telemóvel na mesa... Não e Não!

  Fui habituado e sempre defendi ao longo da vida que quando estamos à mesa para comer sozinhos podemos ficar agarrados ao telemóvel, mas o mesmo não pode acontecer quando existe companhia, seja dos companheiros, família ou amigos. Na mesa, em momentos de refeição e possível convívio, deixem o telemóvel de fora e aproveitem cada momento.  Convivam com quem está ao vosso lado, existindo tempo para o online quando estão no vosso canto, sozinhos e em modo offline da (...)

Viciado no telemóvel

É estranho, mas quando tem de ser, só se tem de aguentar e não entrar em stress! Por esta pequena introdução parece que irei falar numa situação extrema de caos total mas não, simplesmente vou revelar que fiquei ao longo de uma tarde inteira sem telemóvel para que lhe fosse colocada uma nova bateria. Aguentei, mas senti saudades e o hábito levou-me várias vezes a procurar no bolso o aparelho que sempre me faz companhia.  Pensar nos tempos que correm em viver sem telemóvel é (...)

Gritaria ao telemóvel

Vamos lá fazer um pouco de raciocínio coletivo para ver se nos entendemos! Quando uma pessoa está ao telemóvel, a falar na rua e se afasta de quem está por perto porque talvez esteja a ter uma conversa mais intima e secreta que não convém que seja ouvida por outros e depois, da outra ponta da rua, começa a falar alto a responder a quem está do outro lado da chamada o que acaba por significar? Então se está a falar baixo com o seu interlocutor quando está acompanhada e depois (...)

Conversas de telemóvel

É um facto que me acompanha e deve ser para manter ao longo dos próximos anos! Não gosto de falar ao telemóvel, preferindo bem mais que me enviem mensagens que logo que possível, geralmente até de forma rápida, respondo.  Podem enviar mensagens das mil e uma maneiras que encontrarem, uma vez que nos tempos que correm além do padrão base existem inúmeras possibilidades distintas com tanta aplicação a surgir no mercado como cogumelos em terras férteis deste país de costa (...)

Não saio de casa sem...

Todos nós quando saímos de casa levamos acessórios e objetos que nos acompanham ao longo de parte da vida. As mulheres geralmente colocam a maioria dentro das suas grandes malas onde parece existir tudo e mais alguma coisa, «como na farmácia». Nós homens somos recatados na seleção dos itens que nos acompanham ao sair de casa, existindo sempre particularidades de uns e outros.  Habitualmente e no dia-a-dia geralmente tenho de levar a carteira, chaves do carro, óculos de sol, (...)

Não é esquecimento...

Existem situações que podem acontecer por mero descuido. Existem outras que não são um simples descuido, sendo mesmo a crença que permanece em como tudo vai correr da melhor maneira. Imaginemos uma reunião com mais de trinta pessoas, onde poucos se conhecem. O que deverá ser um dos primeiros procedimentos a ter antes de entrar na sala? Desligar o som do telemóvel! O que acontece já durante os esclarecimentos? Um telemóvel toca, mas não fica sozinho! Entramos na sala e alguém (...)

Telemóvel ensurdecedor

Num dia de descanso semanal estás a dormir pelas primeiras horas do dia para tentar descansar da semana mais agitada que tiveste e começas a ouvir um telemóvel a tocar estridentemente uma, duas e três vezes. Ninguém o atende, visto não estar ninguém em casa, a não ser eu, que só queria dormir até mais tarde mas que fui assim interrompido porque alguém saiu e deixou o seu telemóvel pronto a tocar a qualquer momento e a interromper o belo adormecido entre lençóis e almofadas.  Po (...)

Chamadas não identificadas

De há uns dias para cá uma certa operadora de comunicações iniciou o seu longo e chato processo de chamadas para me convencer a alterar o tarifário atual. Pela primeira vez atendi em chamada com número não identificado, ouvi as primeiras palavras que me tinham a dizer, percebi que a chamada estava complicada e pedi desculpa mas que ia desligar. Após novas tentativas em vão porque não foram atendidas, lá me resolvi falar com quem estava do outro lado de uma chamada anónima e (...)

Curtas e Diretas | 120 | Película

Comprei num daqueles sites fantásticos do «diretamente da China» alguns artigos de papelaria baratos e aproveitei para incluir uma nova capa para o telemóvel e uma película resistente para o ecrã, daquelas que parecem vidro. Conclusão, se a que tinha já estava rachada, ao colocar a nova rachou de imediato. Sou tão bom a colocar estas películas no ecrã que antes mesmo de serem utilizadas já estão quebradas. Próxima! ( Ver mais... (...)