Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Boeing Boeing aterrou no Teatro Politeama

Se tivesse de descrever o espetáculo Boeing Boeing em poucas palavras só o podia fazer com o cruzamento de comédia, diversão, talento e trabalho. Boeing Boeing é uma das produções que a Yellow Star Company adaptou para Portugal há uns anos e desde então que todos os anos tem sido encenada e enchido as salas de espetáculos de todo o país com sucessivas temporadas de sessões esgotadas. Os elencos podem rodar, o encenador alterar e o local da sessão ser em qualquer cidade ou vila do país e o certo é que esta divertida comédia está tão bem criada, do texto ao elenco, que o riso gera aplausos num hilariante trabalho que não deixa ninguém indiferente por onde tem passado.

Agora, após várias temporadas bem sucedidas, Boeing Boeing está de volta a Lisboa e aos palcos, onde pode ser visto no Teatro Politeama com um elenco de rostos que já passaram em anos anteriores por esta produção e com novos nomes a reforçarem o bom trabalho feito. Com um cenário de uma sala de uma qualquer casa, o espaço mais parece um porta-aviões recheado de amor para dar a três hospedeiras que se apaixonam, sem saberem, pelo mesmo homem, que as engana com promessas de amor eterno. O pior acontece quando as três desconhecidas percebem que não estão sozinhas na vida do seu noivo e o que parecia controlado com horários e escalas parece descarrilar para desespero de Bernardo aquando o momento em que o embate das três na mesma casa acontece.

Com António Camelier, António Machado, Carolina Puntel, Liliana Santos, Núria Madruga e Teresa Guilherme no elenco, sendo que a sessão a que assisti Teresa foi substituída de forma fantástica pela atriz Sónia Lisboa, Boeing Boeing tem tudo o que de essencial tem de existir numa comédia que é feita para que o público deixe por umas horas os seus problemas de lado para embarcar neste voo de enganos, embaraços, desaforos e contradições entre um homem com o coração bem grande para o partilhar com três bonitas mulheres, o seu amigo solteirão capaz e pronto, caso deixasse, para lhe dar uma ajuda com as noivas, e uma governanta em casa, com todos os segredos do patrão consigo, andando esta senhora numa correria entre os sabores do Brasil, de Itália e Alemanha, consoante os voos que chegam e partem para não se atrapalhar no agradar a cada menina e não falhar com o senhor que tanto ama e engana as suas hospedeiras de bordo que andam bem enredadas por amor.

Convites duplos | Boeing Boeing

27 de Março | Yellow Star Company

boeing boeing.jpg

Queres assistir a uma boa comédia numa das salas mais emblemáticas de Lisboa? Queres perceber como os atores António Camelier, António Machado, Carolina Puntel, Liliana Santos, Núria Madruga e Teresa Guilherme se apresentam em palco? Com encenação de Sofia de Portugal e produção da Yellow Star Company, Boeing Boeing está de volta para levantar voo pela nossa capital e colocar o público do Teatro Politeama bem disposto ao longo de duas horas.

E tu, que não viste ou queres voltar a ver este divertido espetáculo tens aqui uma oportunidade de assistir à sessão de Domingo, 27 de Março, pelas 21h00, apresentando-te na sala frente a um renovado elenco que faz assim surgir de novo esta comédia pelos palcos nacionais, após várias temporadas com centenas de sessões esgotadas de Norte a Sul do país. Para tentares a tua sorte convém seres seguidor d'O Informador no Instagram e partilhares no teu InstaStories uma das imagens do cartaz do concerto que se encontra disponível nos Destaques e mencionares O Informador e três amigos nessa mesma partilha. De seguida basta preencheres o formulário - AQUI - onde só é permitida uma participação por endereço de e-mail. Esta oportunidade irá estar disponível até às 23h59 do dia 26 de Março, e nesse dia serão revelados os nomes dos vencedores nesta mesma publicação, sendo o sorteio feito através de sistema automático. Os premiados serão contactados via email com as recomendações para o levantamento dos bilhetes acontecer nas melhores condições.

Boa sorte!

Convites duplos | O Homem da Amália

08 e 10 de Outubro

o homem da amália cartaz horizontal.jpg

Já estreou no passado dia 30 de Setembro o espetáculo O Homem da Amália. Com sessões previstas até 28 de Outubro, todas as Sextas-feiras e Sábados, pelas 21h00, e aos Domingos, pelas 18h30, a Yellow Star Company arrancou com o seu novo espetáculo no palco do Teatro Armando Cortez. Virgílio Castelo é o anfitrião desta produção, dando vida a doze personagens a solo num espetáculo que foi escrito pelo ator e encenado por Paulo Sousa Costa para percorrer as memórias de quem amou Amália. 

A diva do Fado e todos os que a amaram serão com O Homem da Amália homenageados, sendo esta produção um hino ao amor, à paixão e à devoção que todos dedicaram a esta mulher que conquistou o Mundo pela sua voz. Será a partir de divertidos e trágicos episódios que Virgílio Castelo percorrerá vidas e acontecimentos num espetáculo que promete ser único para o público português.

Convites duplos | O Homem da Amália

01 e 03 de Outubro

o homem da amália cartaz horizontal.jpg

A partir de 30 de Setembro e até 28 de Outubro, a Yellow Star Company arranca com o seu novo espetáculo no palco do Teatro Armando Cortez. Com sessões agendadas para as Sextas-feiras e Sábados, pelas 21h00, e aos Domingos, pelas 18h30, Virgílio Castelo viverá doze personagens a solo num espetáculo que foi escrito pelo ator e encenado por Paulo Sousa Costa para percorrer as memórias de quem amou Amália. 

A diva do Fado e todos os que a amaram serão com O Homem da Amália homenageados, sendo esta produção um hino ao amor, à paixão e à devoção que todos dedicaram a esta mulher que conquistou o Mundo pela sua voz. Será a partir de divertidos e trágicos episódios que Virgílio Castelo percorrerá vidas e acontecimentos num espetáculo que promete ser único para o público português.

Voltei aos Monólogos da Vagina

Monólogos da Vagina

Hoje é dia de partilhar contigo que ontem voltei a assistir, pela segunda vez desde que estreou em Portugal, ao espetáculo Monólogos da Vagina.

Quase dois anos e meio depois da minha primeira vez na plateia desta produção, voltei a assistir, com elenco renovado e agora no Teatro Politeama. Nada falha neste espetáculo onde as mulheres e as suas vaginas estão em destaque, sem esquecer os seus parceiros de cama e não só. O amor, o orgasmo, o preconceito, a dor, as origens, o auto conhecimento entre bons momentos de comédia e também em partilhas mais pesadas são desta vez retratados pelas vozes e interpretações de Marta Andrino, Sofia de Portugal e Teresa Guilherme, que seguem a linha dos elencos anteriores de darem um bom espetáculo ao público que agora procura a sala do Teatro Politeama para mais uma temporada desta fantástica produção da Yellow Star Company que tem enchido as salas da capital e de Norte a Sul do país, ilhas incluídas.

Convites duplos | Monólogos da Vagina

07 e 08 de Setembro pelas 21h00

monólogos da vagina cartaz.jpg

O Teatro Politeama prepara-se para receber a partir de dia 07 de Setembro o espetáculo Monólogos da Vagina. Produzido pela Yellow Star Company e com encenação de Paulo Sousa Costa, a peça que tem esgotado sessão atrás de sessão, através das suas várias temporadas ao longo dos últimos anos, está de regresso marcado a Lisboa e desta vez no Teatro Politeama. Com sessões de Domingo a Quarta-feira, pelas 21h00 e com um elenco renovado e composto por Marta Andrino, Sofia de Portugal e Teresa Guilherme, o sucesso mantém-se assim em palco após ser visto por mais de sessenta mil pessoas de Norte a Sul do país. 

Abordando os mais variados temas do universo feminino e conjugais, a abordagem feita nestes conhecidos Monólogos rejeita complexos. Sexo, menstruação, prostituição, amor, orgasmo, violação, mutilação, imagem corporal e tudo o que puderes imaginar em torno do tema Vagina e também com os inúmeros significados e nomes comuns que são dados a esta parte física do corpo feminino vão estar em palco para convidar o público a pensar, comentar e passar um bom momento com este espetáculo que totalmente aconselho para mulheres solteiras, casadas, divorciadas e viúvas mas também para os seus companheiros, pais, irmãos, amigos e passados. Todos devem ver os Monólogos da Vagina que agora invadem a famosa sala lisboeta do Teatro Politeama. 

A Rainha da Neve | Teatro Politeama

A RAINHA DA NEVE CARTAZ.jpg

 

O novo espetáculo infantil de Filipe La Féria para a temporada  2019/2020 traz A Rainha da Neve ao palco do Teatro Politeama. Num original do produtor, inspirado no conto de Hans Christian Andersen, que também inspirou o célebre filme da Disney, Frozen, este novo musical de La Féria traz consigo ainda mais magia que os sucessos dos anos anteriores pela sala de espetáculos. Em A Rainha da Neve, o reino gelado de uma família é encenado num momento em que a temível rainha da neve surge para sacrificar a união e conforto de uma família, onde um pai faz de tudo para proteger as suas jovens filhas e princesas. 

Numa metáfora entre o calor e o frio, em A Rainha da Neve o poder da magia e o encantamento marcam presença ao lado de uma história onde vida, amor, família, amizade, magia, diferenças, sonhos e coragem ganham destaque numa partilha entre as personagens. Num confronto entre o verdadeiro amor e o egoísmo, neste território gelado a história faz com várias mensagens sejam transmitidas e fiquem a pairar pela sala do Teatro Politeama onde miúdos e graúdos aplaudem, questionam e emocionam-se perante o que cada ser deste mundo encantado e gelado tem para dar e receber, passando de forma fácil a mensagem de que juntos somos mais fortes para seguir em frente. 

Numa união entre a representação, o canto e a dança, esta nova produção de Filipe La Féria segue a qualidade que o produtor e encenador habituaram o seu público. Com cenários, guarda-roupa e musicalidade sem falhas e um elenco de atores, cantores e bailarinos com rostos já conhecidos da "casa", A Rainha da Neve segue todos os parâmetros necessários para encher a sala de espetáculos sessão após sessão e com algumas surpresas pelo meio. A história base é, com alguns ajustes, conhecida de outros campeonatos do audiovisual, a magia acontece, o elenco cumpre e os momentos musicais estão desta vez em grande destaque pelas vozes escolhidas. 

 

Severa - O Musical | Teatro Politeama

severa.jpg

O Teatro Politeama volta aos grandes musicais!

Filipe La Féria apresenta, "Severa - O Musical", sobre a mítica fundadora da Canção Nacional, a fadista que ficou na História como a primeira cantadeira de Fado narrativa imortal de amor e paixão entre o Conde de Marialva e a célebre fadista.

"Severa - O Musical" transporta-nos ao século XIX em Portugal, às esperas de touros, às tabernas da Mouraria, aos salões da aristocracia, à guerra entre liberais e absolutistas e à vida da criadora do Fado, num espetáculo glamoroso, romântico e pleno de emoção e aventura.

"Severa - O Musica" é a alegoria perfeita do labirinto de paixões e conflitos que marcou o Fado.

Com um grande elenco de artistas, protagonizado por Anabela, Filipa Cardoso, Carlos Quintas, Fernando Gomes, Yola Dinis, Filipe de Albuquerque, Bruno Xavier, Cristina Oliveira, João Frizza, Francisco Sobral, Dora, Ricardo Soler, Rosa Areia, Carina Leitão, Carla Vasconcelos, Rui Vaz, David Gomes, Paulo Miguel Ferreira, Catarina Pereira, João Albuquerque Alves e fabulosos bailarinos coreografados por Marco Mercier, com música original de Miguel Amorim, Jorge Fernando e Filipe La Féria que além do Fado, criaram melodias que englobam todos os géneros numa partitura de um grande musical, a direção vocal de Tiago Isidro. Os figurinos requintados de Mestre José Costa Reis e os cenários deslumbrantes fazem de "Severa" o regresso do Teatro Politeama aos grandes musicais.

"Severa - O Musical" é um tema português que fala da nossa História, do nosso país, num espetáculo emocionante e forte, em que o Teatro, a Música, a Dança, a cenografia e a beleza dos figurinos, contribuem decisivamente para La Féria realizar o seu mais ambicioso espetáculo de sempre - mágico e comovente, cómico e emocionante, humano e profundo - sobre a vida da verdadeira criadora do Fado Português.

Severa, a criadora do fado é agora celebrada no palco do Teatro Politeama através do mais recente musical de Filipe La Féria. Voltando aos grandes espetáculos musicais, o produtor volta a surpreender com uma história que vai para além da vida de uma mulher guerreira. Severa passa sobretudo por um retrato social de Portugal no século XIX onde a guerra, os bairrismos, o crime e a vida alheia são retratados perante uma sociedade que se confunde entre ruas de pecados, amores confundidos com interesses e vicissitudes da vida. 

Com um forte elenco com vários rostos de destaque dos últimos anos das produções de La Féria, como é o caso de Anabela, Carlos Quintas, Filipe Albuquerque e João Frizza, Severa estreou como o promissor musical que quer suplantar o sucesso de Amália. Com o retrato social estampado do início ao fim ao mesmo tempo que o fado é contado entre tabernas, cubículos e grandes festas, Severa é a mulher do povo que todos enfrenta pelo bem em que acredita. Uma verdadeira heroína de outros tempos, num espetáculo que por vezes remete para o universo de Os Miseráveis e onde um elenco excelentemente coordenado nas grandes cenas gerais em que todos estão em palco e não falham. Dos papéis principais ao mais secundário dos papéis de Severa, Filipe La Féria pensou, coordenou e apresenta agora um espetáculo que foi feito para agradar. 

Convites Duplos | Eu Saio na Próxima e Você? | 19-09-2018

Um Homem e uma Mulher conhecem-se no metro em Lisboa nos anos 70 do século passado, começam a conversar e decidem voltar a encontrar-se e após um mês de contactos casam-se. Mas o matrimónio está condenado ao fracasso. Ambos se dirigem ao público apresentando as suas razões do falhanço da relação evocando recordações, personagens do passado e experiências que os marcaram e que influenciaram comportamentos posteriores.

Estreou em Abril e desde então que Eu Saio na Próxima e Você? tem mantido a sala do Teatro Politeama esgotada, de Quarta-feira a Sábado, pelas 21h30 e ao Sábado e Domingo com matiné pelas 17h00. João Baião e Marina Mota estão sozinhos em palco, interpretando várias personagens ao longo de duas horas e meia através de um texto de Adolfo Marsilhach com adaptação de Filipe La Féria.

Mostrando a sua versatilidade unida à amizade que os une, João e Marina brilham e levam o público do Politeama à gargalhada fácil ao longo deste espetáculo que se faz de vidas, experiências e sentimentos. De riso e aplauso fácil, Eu Saio na Próxima e Você? consegue também ter os seus momentos mais sensíveis, puxando pelo outro lado da plateia que pode saltar do riso para a lágrima num instante. 

Eu Saio na Próxima e Você? é acima de tudo uma comédia com dois bons atores em palco e num texto ao modo do que Filipe La Féria já habituou o seu público fiel. Eu vi e sai na próxima e tu vais poder também encontrar a próxima paragem no Teatro Politeama. 

Para que todos possam ter a sorte de assistir a esta divertida comédia tenho cinco convites duplos para vos oferecer para a sessão de Quarta-feira, 19 de Setembro, pelas 21h30. Este passatempo irá estar disponível até às 18h00 de dia 18 de Setembro, Terça-feira, e nesse mesmo dia serão revelados os nomes dos vencedores nesta mesma publicação, sendo o sorteio feito através do sistema automático random.org. Os premiados serão contactados via email com as recomendações para o levantamento dos convites duplos acontecer nas melhores condições. Para a participação ser válida tens de seguir os passos que se seguem...

Eu Saio na Próxima, e Você? | Filipe La Féria Produções

eu-saio-na-próxima-e-você.png

Um Homem e uma Mulher conhecem-se no metro em Lisboa nos anos 70 do século passado, começam a conversar e decidem voltar a encontrar-se e após um mês de contactos casam-se. Mas o matrimónio está condenado ao fracasso. Ambos se dirigem ao público apresentando as suas razões do falhanço da relação evocando recordações, personagens do passado e experiências que os marcaram e que influenciaram comportamentos posteriores.

Um casal que se conhece no Metro e que em pouco tempo se apaixona. Mais tarde, em palco, contam a sua vida conjugal, os bons e os maus momentos, as complicações e a família, os ciúmes e as contradições conjugais. Marina Mota e João Baião enchem o palco do Teatro Politeama na comédia Eu Saio na Próxima, e Você?. Com texto adaptado por Filipe La Féria, da autoria de Adolfo Marsilhach, este trabalho além de percorrer a vida de um casal cheio de altos e baixos, como todos os outros, acompanha a história de um país a partir dos anos 70, com várias dicas premonitórias sobre o que vai acontecer no futuro, o atual presente. 

Os dois atores, bem acarinhados pelo público, mostram ao longo de mais de duas horas a sua versatilidade e talento em palco, percorrendo memórias que vão muito para além do espaço dos dois, voltando à infância de cada um onde outras pessoas passaram, olhando para a família nem sempre aceite pelo outro lado de um casal porque sogra é sempre sogra e a mãe da sogra então... Olhando para o passado da nação com a recordação de espaços marcantes de Lisboa como o Cabaret Maxime e olhando para o momento de liberdade com o 25 de Abril, passando pela Guerra Colonial com a memória sobre Raul Solnado, vários são os momentos sociais que ganham destaque nesta comédia.

Da comédia ao musical, em Eu Saio na Próxima, e Você?, Mariana e João mostram o à-vontade que lhes é tão característico, protagonizando bons momentos de comédia onde as intervenções junto do público existem intercaladas com o canto e dança que se cruzam entre atos de riso mais fácil onde nesse ponto Marina Mota ganha destaque pelas suas performances tão bem trabalhadas que com gestos ou trejeitos acabam por mostrar que um bom ator não debita somente textos de forma exemplar, dando mesmo o corpo às balas, provando que um ator é feito de um todo. Olhando para este trabalho, percebe-se que a escolha deste texto foi feita exatamente para os dois atores darem vida a estas personagens que se cruzam com o passado para explicarem o presente. Mariana e João são essencialmente dois dos principais rostos da história do Teatro Politeama e olhando para este espetáculo, não existem outros atores que melhor encaixariam neste trabalho onde a cumplicidade é muito importante em palco.