Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Não Me Faças Perder Tempo no Teatro Aberto

cartaz95267_grande.jpg

Não Me Faças Perder Tempo assume a procura do Amor nos tempos modernos onde as imagens publicadas com filtros, as dicas escritas e as aplicações digitais estão na moda mas deixam de lado os encontros pessoais e consequentemente o relacionamento com o próximo.

Num espetáculo do Teatro Aberto, com texto de Luís António Coelho, encenado por Rui Neto e com os atores Beatriz Godinho, Daniel Viana, João Tempera, Katrin Kaasa, Leonor Seixas, Luís Gaspar, Rita Cruz e Telmo Ramalho num cenário fantástico com vários ambientes distintos onde é possível o público ter a perceção dos vários encontros que vão acontecendo com duração de quatro minutos, o tempo estritamente necessário para se fazerem as questões diretas e se ficar com a ideia se o outro, aquele outro desconhecido, poderá ser uma pessoa interessante para algo mais no futuro.

A necessidade de encontrar o par ideal numa sociedade corrida leva a que estes seres desconhecidos entrem no evento Crazy Love, uma espécie de reality show de encontros, entre tantos que existem por aí, onde neste caso os candidatos entram na aventura e em apenas quatro minutos vão conhecendo o que poderá ser o seu par ideal. No final desse tempo rodam entre os vários espaços existentes e vão conhecendo outras pessoas até ao momento final, onde será possível perceber se na totalidade do grupo existiu o match perfeito dentro deste evento de encontros rápidos com algum par que se tenha cruzado. 

Não Me Faças Perder Tempo acaba por transmitir consigo a critica sobre a rapidez dos novos conhecimentos pela dificuldade existente em se perceber quem se apresenta, se tudo é real ou ilusões dos tempos modernos que encaixam muito na ideia das primeiras impressões onde a verdade fica por vezes de fora da equação.

Mais uma vez destaco o trabalho feito nas produções que vão a cena no Teatro Aberto. Neste espetáculo além do tema atual e com questões pertinentes a serem colocadas ao longo de hora e meia de sessão entre os vários temas debatidos de forma rápida, é viável referir que mais uma vez o cenário apresentado é fantástico, como sempre acontece nesta sala que não se deixa ficar pelo óbvio, mostrando sempre surpresa no que é apresentado em palco. Depois falar dos atores que agarraram as suas personagens para chegarem facilmente ao público através de particularidades que distinguem as oito pessoas que se encontram no evento e que conseguem assim gerar reação junto de quem assiste. 

Convites duplos | Não Me Faças Perder Tempo

21 de Julho | Teatro Aberto

cartaz95267_grande.jpg

O amor na era digital é o ponto central do espetáculo que se encontra em cena no Teatro Aberto. Não Me Faças Perder Tempo, foi a peça distinguida com o Grande Prémio de Teatro Português em 2020 e é agora levada para cena através de encenação e dramaturgia de Rui Neto que conta com Beatriz Godinho, Daniel Viana, João Tempera, Katrin Kaasa, Leonor Seixas, Luís Gaspar, Rita Cruz e Telmo Ramalho no elenco que promete debater junto do público as novas formas de encontrar o amor através de aplicações onde através de um simples clique o fogo da paixão pode acontecer. Estarão as oito personagens deste espetáculo preparadas para encontrarem o amor desta forma tão atual e onde o conhecimento pessoal fica por vezes para segundo plano?

Quem não desejaria apaixonar-se à primeira vista? Encontrar um amor para a vida toda? Há quem procure realizar este desejo de hoje e de sempre através do speed-dating, um dispositivo de encontros entre desconhecidos que buscam o amor. Quatro mulheres e quatro homens têm quatro minutos para conversar com cada uma das pessoas do sexo oposto. A limitação de tempo implica que cada frase seja importante e tenha o poder de despertar interesse e cumplicidade no outro.

Não Me Faças Perder Tempo, a peça distinguida com o Grande Prémio de Teatro Português 2020, reflecte a urgência de amar na era digital, apresentando o speed-dating como uma alternativa analógica, uma fuga para a felicidade de todos os solteiros, misfits, ímpares, singulares, carentes, solitários e atarefados que trocam as aplicações de engate pelo ambiente breve e artificial de encontros ao vivo, na expectativa de um perfect match. Num mundo onde prolifera a peste, a guerra e a solidão, o amor é cada vez mais um lugar utópico. Será que é por este meio que alguém o vai encontrar?

FICHA ARTÍSTICA

ENCENAÇÃO E DRAMATURGIA | Rui Neto
CENÁRIO E FIGURINOS | Marisa Fernandes
VÍDEOS | Jorge Albuquerque
SONOPLASTIA | Cristovão Campos
DESENHO DE LUZ | João Rafael Silva
COM | Beatriz Godinho  Daniel Viana  João Tempera  Katrin Kaasa  Leonor Seixas  Luís Gaspar  Rita Cruz  Telmo Ramalho

SESSÕES | Quarta-feira e Quinta-feira - 19h | Sexta-feira e Sábado - 21:30h | Domingo 16h

NMFPT_2© Filipe Figueiredo.jpg

Os Filhos no Teatro Aberto

OS FILHOS.jpg

A peça Os Filhos estreou em Londres, em 2016, e encontra-se atualmente em cena na Sala Vermelha do Teatro Aberto, em Lisboa. Da autoria da britânica Lucy Kirkwood, com encenação de Álvaro Correia e interpretação de Custódia Gallego, João Lagarto e Maria José Pascoal, este texto coloca em debate a forma como cada um de nós, enquanto indivíduos únicos numa sociedade coletiva, pode melhorar a forma de estar para a proteção do planeta acontecer a bem do próprio bem-estar e das gerações seguintes.

Através de três engenheiros nucleares, Hazel, Robin e Rose, na reserva, com mais de sessenta anos, o debate para com as preocupações ecológicas com as alterações climáticas e a questão da energia nuclear estão como ponto central neste debate de palco onde a intervenção e invenções humanas nos distúrbios ambientais trazem consigo grandes consequências a médio e longo prazo, sendo necessário reverter a situação o quanto antes perante o que o próprio humano idealizou.

Numa partilha de palco onde as complicações sociais, os conflitos pessoais e próprios encontramos o casal Hazel e Robin a viverem numa pequena casa de campo para onde se mudaram após um relevante acidente na central nuclear onde sempre trabalharam. Nesse acidente a área próxima à central ficou contaminada com radioatividade, levando-os para outras paragens onde atualmente vivem com um grande controlo no racionamento da água, eletricidade e bens alimentares. Um dia recebem nos seus simples aposentos Rose, uma antiga colega, que após reviver momentos menos bons entre os três enquanto equipa, mostra vontade de regressar à central para recuperar o mal que foi feito e fazer com que as equipas mais novas não venham a sofrer como eles próprios, querendo dar assim o seu corpo já mais velho para poderem dispensar as equipas de jovens para que os mesmos não venham a sofrer. E aqui está a questão final do texto... Rachel vai voltar ao trabalho na central nuclear de livre vontade. Estarão Hazel e Robin, que se pouparam nos últimos anos com a proteção e cuidados necessários, preparados para enfrentarem os seus derradeiros anos de vida a sofrerem ainda mais com as mazelas de quem vive dentro de uma bomba pronta a rebentar?

Convites duplos | Os Filhos

04 de Maio | Teatro Aberto

OS FILHOS.jpg

O Teatro Aberto acabou de estrear na Sala Vermelha uma nova produção, Os Filhos, de Lucy Kirkwood, com encenação de Álvaro Correia. Refletindo sobre a preocupação de cada um consigo e para com os outros, este texto estreado em 2016 em Londres convida a que seja feita uma reflexão  sobre o que todos poderemos melhorar para com a situação do planeta refletindo perante o futuro da sociedade, do que de bom podemos fazer para que não se destruam cada vez mais os alicerces necessários para o bem-estar do próximo. 

A par com o Teatro Aberto, tenho cinco convites duplos destinados à sessão de dia 04 de Maio, Quarta-feira, pelas 19h00, para atribuir aos leitores e visitantes do blog. Como tal, para te habilitares a um dos convites tens de seguir O Informador no Instagram, e partilhares no teu InstaStories a imagem do cartaz do espetáculo que se encontra disponível nos Destaques - Teatro Aberto e mencionares O Informador e três amigos nessa mesma partilha. De seguida basta preencheres o formulário - AQUI - onde só é permitida uma participação por endereço de e-mail. Esta oportunidade irá estar disponível até às 19h00 do dia anterior a cada sessão, e nesse dia serão revelados os nomes dos vencedores nesta mesma publicação, sendo o sorteio feito através de sistema automático. Os premiados serão contactados via email com as recomendações para o levantamento dos bilhetes acontecer nas melhores condições.

Começar no Teatro Aberto

começar

Após dois anos pesados com um vírus que nos assombrou a todos, e que continua a pairar no ar, o Teatro Aberto apresenta nesta sua nova temporada em final de 2021 a peça Começar. De cena única e com a escolha nos atores Cleia Almeida e Pedro Laginha para darem vida às duas personagens em palco, este Começar é como que o início e a oportunidade que todos nós devemos ter a capacidade de auto atribuir para quando algo falha existir o momento de poder olhar em frente, virando o olhar para todos os lados e perceber que existe vida para além do que já ficou para trás. Sempre, mas sempre, é possível reComeçar numa nova etapa, deixando que novas vivências entrem no nosso perfil e abanem o que achamos estar correto até então. 

Uma noite de festa, uma inauguração de casa, o amigo de Laura que é incentivado a levar companhia e eis que Daniel, o amigo do amigo conhece a proprietária da nova casa. A noite é de alegria, de música e bom convívio mas com o passar das horas as saídas fazem-se sentir e no final ficam os dois primeiramente desconhecidos com o sentimento mútuo de que ao longo daquele serão os olhares cruzados os fizeram aguardar para estarem a sós. 

As conversas rápidas e hesitantes, aquele silêncio comprometedor onde o desejo se torna notório, os receios de cada um de falhar, o tempo vai passando, os embaraços surgem e as semelhanças e desigualdades vão sendo conhecidas entre dois desconhecidos que tinham de se cruzar em algum momento na vida. Como correrão estas aproximações com afastamentos nesta noite feita de surpresas e onde se consegue ficar em suspenso no final sobre se tudo avançara mesmo para o futuro ou se tudo ficou como uma lição para olhar o tempo que está para vir.

 

Convites duplos | Começar

28 de Outubro | Teatro Aberto

64BA4CBF-69EE-4CAC-B0D1-E5838372EDDC.jpeg

A nova temporada do Teatro Aberto está preparada e a estreia acontece com Começar, a nova produção da autoria de David Eldridge encenada por João Lourenço. Estreada a 20 de Outubro, com Cleia Almeida e Pedro Laginha em palco, Começar retrata uma história de amor entre dois solteiros solitários que sofreram alguns desgostos mas que ainda acreditam que é possível amar e ser amado.

Nos últimos anos O Informador e o Teatro Aberto têm andado em parceira no lançamento dos novos espetáculos, como com Começar não será excepção, tenho cinco convites duplos para oferecer, destinados à sessão de dia 28 de Outubro, Quinta-feira, pelas 19h00. Para que a participação seja válida tens de seguir os passos que se seguem. Ser seguidor d' O Informador no Facebook e/ou Instagram, tal como do Teatro Aberto - Facebook e Instagram. Partilhar o link deste texto via Facebook ou nos Stories do Instagram, mencionando O Informador, tal como três amigos nessa mesma partilha numa das redes sociais. Preencher o formulário - AQUI - onde só é permitida uma participação por endereço de e-mail. Esta oportunidade irá estar disponível até às 12h00 do dia 26 de Outubro, Terça-feira, e nesse dia serão revelados os nomes dos vencedores nesta mesma publicação, sendo o sorteio feito através do sistema automático. Os premiados serão contactados via email com as recomendações para o levantamento dos bilhetes acontecer nas melhores condições.

Convites duplos | Alma | Teatro Aberto

10 de Junho | 19h00

alma cartaz.jpg

O espetáculo Alma está de volta ao Teatro Aberto para terminar a temporada que ficou em Março de 2020 com a interrupção devido ao primeiro confinamento que todos sofremos com a pandemia. Mais de um ano depois o texto de Tiago Correia, vencedor do Grande Prémio de Teatro Português em 2018, volta a ser trabalhado com encenação de Cristina Carvalhal com um novo elenco de onde fazem parte os atores David Esteves, Bernardo Lobo Faria, Joana Pialgata e Sofia Fialho.

Com sessões às Quartas e Quintas-feiras pelas 19h00, Sextas e Sábados pelas 21h00 e aos Domingos pelas 16h00, Alma ganha assim uma nova vida e vários horários para que o público, mesmo em período em que os cuidados continuam a ser essenciais, não possa afirmar que se torna complicado a ida ao teatro. Para que todos possam ter a sua oportunidade de assistir a este espetáculo no Teatro Aberto, tenho cinco convites duplos destinados à sessão de dia 10 de Junho, Quinta-feira, pelas 19h00. Este passatempo irá estar disponível até às 10h00 de dia 09 de Junho, Quarta-feira, e nesse dia serão revelados os nomes dos vencedores nesta mesma publicação, sendo o sorteio feito através do sistema automático random.org. Os premiados serão contactados via email com as recomendações para o levantamento dos bilhetes acontecer nas melhores condições.

Convites duplos | Só Eu Escapei

29.04.2021 pelas 19h00

só eu escapei cartaz.jpg

O Teatro está de volta e o espetáculo Só Eu Escapei regressou também ao Teatro Aberto para terminarem a sua temporada interrompida. Com encenação de João Lourenço e da autoria de Caryl Churchill este trabalho conta com quatro grandes nomes da representação em palco. Catarina Avelar, Lídia Franco, Márcia Breia e Maria Emília Correia voltam a subir ao palco da Sala Azul de Quarta-feira a Sexta-feira, pelas 19h00, respeitando assim os horários de confinamento impostos pela DGS.

Neste espetáculo o público é convidado a conhecer quatro mulheres que se encontram em conversa num jardim de uma casa. Os empregos que fazem parte do passado, a família, o dia-a-dia e tudo o que aconteceu e marca ainda as transformações destas quatro vidas, dos desejos aos medos pessoais e para com os outros. Como estará o Mundo daqui a uns tempos? Como serão as relações no futuro? A preocupação com o que está para chegar é tema de conversa, mostrando que a opção para esta peça subir a palco neste momento que todos nós enfrentamos não foi por acaso, sendo como um alerta perante os perigos que estão para chegar, num momento de mudanças, preocupações e de uma grande necessidade de dever para com o próximo.

Perante a premissa apresentada, deixo aqui o convite para se quiseres ganhar a oportunidade de assistir a este espetáculo na próxima Quinta-feira, 29 de Abril, pelas 19h00, participa nesta hipótese para tentares a sorte e poderes usufruir de um dos dez convites duplos que estou a atribuir. Este passatempo irá estar disponível até às 09h30 do dia 28 de Abril, Quarta-feira, e nesse dia serão revelados os nomes dos vencedores nesta mesma publicação, sendo o sorteio feito através do sistema automático random.org. Os premiados serão contactados via email com as recomendações para o levantamento dos bilhetes acontecer nas melhores condições. Para a participação ser válida tens de seguir os passos que se seguem.

 

Só Eu Escapei | Teatro Aberto

só eu escapei.jpg

 

Num momento de pandemia a alterar o quotidiano de todos nós, o teatro em Portugal mostra estar bem vivo junto do público, existindo aposta, mesmo com todas as regras implementadas e alteradas de forma constante. No passado dia 07 de Novembro estreou no Teatro Aberto o espetáculo Só Eu Escapei. Com todas as condições implementadas pela DGS, esta nova produção teatral estreou, num horário especial como mandam as regras, pelas 19h00, e trás consigo alertas sociais sobre grandes questões mundiais, o que acaba por ir de encontro ao momento atual pelo qual todos passamos. 

Encontrando quatro mulheres em conversa num jardim de uma casa, Só Eu Escapei reflete sobre o ato de sobrevivência da humanidade, desbravando mudanças pelos mais variados temas que sempre fizeram parte das vivências destas quatro mulheres, nem sempre amigas. A família, as amizades e os empregos são pontos fortes onde todos os desejos e receios se foram abatendo com o tempo. Perante o passado e enfrentando o presente, o desafio destas conversas converge ao mesmo tempo no que está para acontecer no planeta, como se uma série futurista estivesse em exibição pelas palavras de cada uma. O flagelo dos incêndios, a seca, a fome, a perda da essência humana, o desaparecimento da natureza limpa e sã, a camada de ozono e fundamentalmente os descuidos do homem nos tempos correntes que irão afetar gerações vindouras que tarde chegarão para reverter os males que serão de outrora.

Neste texto de Caryl Churchill, autora de Amor e Informação, que foi apresentada em 2014, e interpretação de Catarina Avelar, Lídia Franco, Márcia Breia e Maria Emília Correia, com encenação de João Lourenço, as grandes questões da sociedade estão em debate a quatro vozes como que um alerta sobre os perigos que o presente está a colocar ao futuro perante tanta incapacidade de reação hoje para se pensar no que está para chegar. 

Convites duplos | Só Eu Escapei

08-11-2020

só eu escapei.jpg

 

Dia 07 de Novembro assinala a estreia de Só Eu Escapei no Teatro Aberto, a nova produção com encenação de João Lourenço e da autoria de Caryl Churchill que conta com quatro grandes nomes da representação em palco. Catarina Avelar, Lídia Franco, Márcia Breia e Maria Emília Correia sobem ao palco da Sala Azul de Quarta-feira a Sábado, pelas 19h00, e aos Domingos, pelas 16h00, respeitando os horários de confinamento impostos pela DGS. 

Neste espetáculo o público é convidado a conhecer quatro mulheres que se encontram em conversa num jardim de uma casa. Os empregos que fazem parte do passado, a família, o dia-a-dia e tudo o que aconteceu e marca ainda as transformações destas quatro vidas, dos desejos aos medos pessoais e para com os outros. Como estará o Mundo daqui a uns tempos? Como serão as relações no futuro? A preocupação com o que está para chegar é tema de conversa, mostrando que a opção para esta peça subir a palco neste momento que todos nós enfrentamos não foi por acaso, sendo como um alerta perante os perigos que estão para chegar, num momento de mudanças, preocupações e de uma grande necessidade de dever para com o próximo. 

Perante a premissa apresentada, deixo aqui o convite para se quiseres ganhar a oportunidade de assistir a este espetáculo no próximo Domingo, 08 de Novembro, pelas 16h00, participa nesta hipótese para tentares a sorte e poderes usufruir de um dos cinco convites duplos que estou a atribuir. Este passatempo irá estar disponível até às 09h30 do dia 07 de Novembro, Sábado, e nesse dia serão revelados os nomes dos vencedores nesta mesma publicação, sendo o sorteio feito através do sistema automático random.org. Os premiados serão contactados via email com as recomendações para o levantamento dos bilhetes acontecer nas melhores condições. Para a participação ser válida tens de seguir os passos que se seguem.