Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Momentos solitários

tudo vai passar.jpg

 

A chuva cai através do beirado da varanda para que o olhar se concentre em cada fio de água da chuva que escorre para seguir o seu caminho. Ao mesmo tempo, lá ao fundo, enquanto o dia se deixa alongar, o nublado invade o horizonte, deixando a serra de um momento para o outro, quase sem se fazer avisar, tapada e fora de vista. Cá dentro, de computador no colo, aquecedor por perto, pantufas calçadas, chá na mesa-de-cabeceira, televisão ligada, telemóvel a carregar e livro pronto para ser fotografado para futura publicação no Instagram e mesmo aqui pelo blog, vou centrando o pensamento entre o que escrever e a passagem das horas em tempo de confinamento, isto ao mesmo tempo que o telemóvel recebe nova mensagem, penso no que irei comer dentro de minutos e no entanto deixo-me ficar por aqui sentado de pernas esticadas, puxo a manta para reforçar a necessidade de me aquecer e me fico por mais um bom bocado. Tudo e nada disto aconteceu num pequeno espaço de tempo, aquele tempo que passa e sobre o qual o ser humano nem se dá conta. 

Solitário

solidao.png

 

O vazio que a vida por vezes me trás tem surgido pelos últimos tempos. Posso falar com meio mundo, mostrar estar feliz a quem se cruza pelo caminho, mas na realidade o sentimento que me acompanha interiormente não está de acordo com o que passa para fora. 

Neste momento todos andamos um pouco mais ausentes das vidas uns dos outros, distantes e encurralados, e neste estado de maior turbulência social sinto-me como que esquecido por mim próprio de que a vida tem de continuar e que tenho o dever de debater este negativismo que me tem vindo a atrapalhar nos últimos tempos, deixando-me como que num vazio constante perante a incapacidade de reação.

Não sejamos ingénuos...

solidão.jpg

 

A quarentena quase obrigatória invadiu Portugal em Março para ficar por uns meses e muitas vozes se levantaram com a esperança de uma mudança social, para melhor, por tudo o que estávamos a passar. Agora, com o retomar da vida com a nova normalidade percebemos que continuamos a ser ingénuos por acreditar numa mudança social que na generalidade não aconteceu. 

Claro que nada mudou para melhor, talvez até bem pelo contrário. Neste tempo de confinamento o que se ganhou bastante foi uma individualidade egoísta, um afastamento recheado de insensibilidade e aquela indisponibilidade para com os outros com a desculpa que agora não nos podemos encontrar, como tal cada um tem que se desenrascar sozinho e à sua maneira individual. 

Caminhos solitários

caminho.jpg

A vida tanta vez que pode ser comparada com uma estrada, ora vazia, ora meio cheia, e por vezes mesmo com pequenos ou grandes percalços.

No caminho pessoal de cada um são vários os motivos que levam a seguir em frente, parar por obrigação, sabendo abrandar ou mesmo deixar de pensar e seguir como se nada estivesse a acontecer em redor. Na estrada, faça chuva ou faça sol, o percurso tem de ser feito, podendo existir entraves por ultrapassar, piso derrapante como uma armadilha colocada por alguém menos bem intencionado ou mesmo uma imobilização para que se pare e se regresse um pouco atrás para que se consiga seguir em frente mais tarde.

Analisando o percurso de vida de cada um, do nascimento à morte, é possível apreciar um circuito, com curvas e várias retas, porque nem sempre a turbulência tem de existir. Movimentações aceleradas ou caminhos obrigatórios mais calmos num espaço pessoal mas onde a necessidade de procurar quem siga no sentido contrário ou que tenha como objetivo alcançar o mesmo ponto, a meta desejada, como se um bónus fosse atribuído à chegada perante a tão desejada fita que se rebenta como símbolo final de uma etapa ganha. 

Viajar, percorrer o Mundo, conhecer e saber apreciar, caminhar e acima de tudo perceber que em qualquer caminho que seja escolhido nunca ficamos sós. Sempre existe alguém por perto, nem que seja o nosso pior inimigo que em momentos complicados consegue esquecer os pesos de outros tempos e colocar a balança com pratos limpos para de forma livre recomeçar de novo um percurso. 

Sozinho em casa e não só...

Um fim-de-semana muito meu em casa e não só!

Acordar ao Sábado e estar sozinho em casa, andar a vaguear sozinho, voltar a casa e encontrar silêncio para adormecer! Acordar na manhã de Domingo, levantar e sair para desfrutar, regressar a meio da tarde para ficar sozinho e saber que o serão será também só comigo e comigo!

Tempestade interna

Não sei que dizer e de como exprimir os meus pensamentos! Ando a leste, meio ausente deste planeta de conflitos sociais e internos. Que estrela guia deverei seguir para estar bem e acabar por não sair magoado de decisões rápidas e intempestivas?

O caminho do ciclo da vida deu-me uma oportunidade duradoura de auto conhecimento com um par perfeito, sintonizados no mesmo sentido e em comunhão com a vida. Viajamos na mesma direcção durante tempo suficiente para perceber que estávamos no caminho certo só que nem sempre as longas viagens acabam em bom porto, existindo oscilações de percurso onde as sinuosas estradas causam estragos. A solidão, a percepção que sozinho também se está bem, a noção que tudo já foi bem melhor do que nos últimos tempos e a saturação para com a rotina levam a desfechos nem sempre queridos e desejados pelas várias partes. O que fazer para não cair na tentação de estragar tudo o que foi construído mas onde já não idolatramos viver?

O tempo, o afastamento, a procura pessoal e o reconhecimento que existem fronteiras próprias que ainda não tinham sido descobertas ajudam a deitar tudo a perder para voltar atrás no tempo, recuperar o entusiasmo próprio e querer caminhar com as aprendizagens obtidas mas sem os pesos que acabaram por estragar aquele ciclo tão importante mas que teve o seu desfecho com hora marcada, talvez há algum tempo reservado mas sem ser anunciado previamente. 

Quando apetece ficar sozinho

Existem dias bons e maus! Enquanto os positivos deixam que usufrua de tudo e todos, querendo sempre fazer mil e uma coisas que me deixem feliz e alegre, os negativos atiram-me para trás, preferindo ficar sozinho, no meu canto e sem ter que ver ninguém conhecido para conversar.

Os meus dias maus nunca aparecem sozinhos e isolados, sendo sempre um conjunto, como se se tratassem de uma alcateia, e quando batem à porta lá fico zangado com o mundo, parecendo que todos me devem e ninguém me paga. Nos dias maus a minha preferência é andar por aí sozinho, a ler, a escrever ou a olhar para o infinito, como se tudo tivesse a terminar.

A minha alcateia de péssimos dias é muito inconstante e o que queria mesmo era que nessas horas todos adivinhassem que não me deveriam dizer nada para não correrem o risco de saírem magoados com más respostas ou convites declinados.

Sim, eu escrevi isto num dia mau, em que tive de dizer «Não» a algumas pessoas porque simplesmente não me apetecia ver ninguém para ter que estar à conversa. Se me devia distrair quando estou assim? Pois, devia, mas não quero!