Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Universitários-billboard

Educação zero

Será que os tempos de confinamento retiraram a boa educação a uma boa parte da sociedade? As pessoas agora entram nos espaços sem olharem para quem já está, sem conseguirem proferir aquelas simples palavras de cumprimento e que revelam alguma educação para com os outros. Sou de cumprimentar as pessoas que já se encontram nos espaços onde entro, quem me presta atendimento e não compreendo como a atual situação das pessoas as faz manterem uma postura tão distante, como se (...)

Candidatos de bancada

Ao sair de casa deparei-me com um pequeno cartaz político preso a um poste de eletricidade e quando vi o rosto que por lá consta nem quis acreditar por ficar sem reação ao perceber que agora, em pleno século XXI, qualquer pessoa pode ser candidata à Junta de Freguesia de onde o sítio faz parte.  Certo que todos merecem uma oportunidade na vida, mas não existirá necessidade de existir uma base para alguém que se quer sentar no poder de uma das principais Juntas do Concelho? A (...)

Isto não vai ser fácil!

  Outubro está a ser um mês crítico, fazendo perceber que Novembro e Dezembro ainda serão dois conjuntos de trinta dias mais críticos no que toca ao estado da pandemia em Portugal. As coisas estão a avançar para uma situação de alguma desestabilização nacional com os cuidados de saúde a verem as ocupações hospitalares vagas a diminuírem e com os profissionais a voltarem a dar o litro para bem de todos nós. E o que teremos de fazer? O nosso rigoroso trabalho, não ficar em (...)

Não sejamos ingénuos...

  A quarentena quase obrigatória invadiu Portugal em Março para ficar por uns meses e muitas vozes se levantaram com a esperança de uma mudança social, para melhor, por tudo o que estávamos a passar. Agora, com o retomar da vida com a nova normalidade percebemos que continuamos a ser ingénuos por acreditar numa mudança social que na generalidade não aconteceu.  Claro que nada mudou para melhor, talvez até bem pelo contrário. Neste tempo de confinamento o que se ganhou (...)

«Não percebi o psicólogo»

A edição de Agosto da revista Cristina contém quatro entrevistas a homens bem conhecidos da sociedade portuguesa, nas mais diversas áreas. O comentador, escritor, político e professor Miguel Sousa Tavares, o modelo Luís Borges e o ator Bruno Cabrerizo são os destacados, mas a entrevista que maior interesse suscita neste leque é a de Bruno Carvalho, o antigo presidente do Sporting que neste momento não se sabe bem se é ou não candidato para tentar regressar ao lugar a que tanto (...)

Notícia em Revista - «A minha mãe bebe muito»

A separação de Bárbara Guimarães e Manuel Maria Carrilho continua a dar que falar sempre que as duas figuras públicas são chamadas a tribunal para decidirem o futuro dos filhos em comum, Dinis Maria, de 11 anos, e de Carlota Maria, 6. Esta semana a imprensa volta a destacar este polémico divórcio onde os filhos não são poupados a (...)

Carros para amostra

Qual será o pensamento dos peões sociais quando têm um carro novo de andarem pelas ruas da aldeia de um lado para o outro em modo quase parado com a finalidade de mostrarem a sua nova aquisição? Será mesmo necessário assim tanto a afirmação perante a sociedade sobre o que se acabou de adquirir? O que terão os outros para saber acerca da nova coqueluche de quatro rodas de qualquer um? ( Ver mais... )

Jogo

O alarme soa e o arranque de qualquer partida de equipa contra equipa é dado! Por outro prisma e como muitos preferem, os jogos solitários conseguem ser bem mais interessantes que qualquer ajuntamento onde se luta por uma bola, um snack ou uma carica em troca somente de uma vitória e convívios colectivos por vezes sem glória e mérito. Preferir estar contra um tabuleiro, ecrã ou folha em jogos de pensadores e didácticos acaba por ter muito maior poder pessoal, tal como o jogo de (...)

Cheguei ao Instagram

O Informador acabou de chegar ao mundo do Instagram, como tal deixo aqui ficar o convite para que os amantes da rede social possam começar a seguir-me! Partilho também por este texto as primeiras imagens publicadas pela rede social fotográfica! (...)

Revistas só com publicidade

Uma das mais conhecidas revistas sociais do nosso país, aquela dos Rostos, foi folheada por mim por estes dias e depois de ver o que por lá dizia sobre os nossos famosos, dei-me ao trabalho de contar o número de páginas de reportagens e a quantidade que eram dedicadas a anúncios publicitários. Eis que, surpresa, mais de um terço da revista era de publicidade. Em 96 páginas, onde não contei a capa e contracapa, 60 foram ocupadas com entrevistas, notícias, fotografias, crónicas, (...)