Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

15
Dez18

Sob um Céu Escarlate | Mark Sullivan

| O Informador

sob um céu escarlate.jpg

Título: Sob um Céu Escarlate

Título Original:  Beneath a Scarlet Sky 

Autor: Mark Sullivan

Editora:  Cultura Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Novembro de 2018

Páginas: 464

ISBN: 978-989-8886-21-7

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Pino Lella não quer nada com a guerra ou com os nazistas. Ele é um adolescente italiano normal - obcecado por música, comida e miúdas, mas os seus dias de inocência estão contados. Quando a sua casa em Milão é destruída pelas bombas dos Aliados, Pino junta-se a uma via-férrea subterrânea ajudando judeus a escapar dos Alpes e apaixona-se por Anna, uma bela viúva seis anos mais velha do que ele.

Numa tentativa de protege-lo, os pais de Pino forçam-no a alistar-se como soldado alemão - julgando que assim o manteriam longe de combate. Mas Pino é ferido e depois recrutado, aos dezoito anos, como motorista pessoal do general Hans Leyers, o caudilho de Adolf Hitler na Itália, e um dos comandantes mais misteriosos e poderosos do Terceiro Reich.

Agora, com a oportunidade de espiar o Alto-Comando Alemão, Pino luta em segredo, suportando os horrores da guerra e da ocupação, tendo a sua coragem reforçada pelo seu amor por Anna e pela vida que ele sonha que um dia compartilhar.

 

Opinião: O tema é daqueles que não me fascina assim tanto, a Segunda Guerra Mundial, no entanto e pela veracidade com que Mark Sullivan criou cada parte da história de Sob um Céu Escarlate, consegui ficar convencido sobre esta obra desde muito cedo. Real, limpo, sentimental e tocante, este romance tem todos os ingredientes que são necessários para me conquistar enquanto leitor que gosta de apreciar um bom livro criado com gosto e não para ser mais um porque assim o é exigido. 

Em Sob um Céu Escarlate descobrimos o jovem italiano Pino Lella, que numa fase avançada da sua vida resolve finalmente contar o que viveu ao longo do tempo de guerra. Os conflitos, as mentiras, fugas, esquemas e o verdadeiro amor em tempos complicados em que o mínimo detalhe podia alterar o caminho a seguir. O motivo pelo qual os anos de silêncio perduraram na vida de Pino Lella é revelada mesmo no final desta história que conquista e perante a qual percebemos que nem tudo era e continua a ser o que parece. 

17
Nov18

A Coisa | Livro I | Stephen King

| O Informador

a coisa livro 1.jpg

Título: A Coisa - Livro 1

Título Original: It

Autor: Stephen King

Editora:  Bertrand Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Outubro de 2018

Páginas: 704

ISBN: 978-972-25-3567-0

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: O clássico de King sobre sete adultos que regressam ao lugar onde cresceram para enfrentar um pesadelo que todos eles lá viveram… algo maléfico e sem nome: a Coisa.

Bem-vindos a Derry, no Maine. Uma cidade vulgar: familiar, ordeira e, na maior parte das vezes, um bom sítio para viver.

Mas há um grupo de crianças que sabe que há algo de tremendamente errado com Derry. É nos esgotos da cidade que a Coisa se esconde, à espreita, à espera… e às vezes sobe ao solo, tomando a forma de todos os pesadelos, do maior medo que se encerra dentro de cada um de nós.

O tempo passa, as crianças crescem e esquecem. Mas a promessa que fizeram há vinte e oito anos exige-lhes que voltem à cidade da infância para enfrentarem o mal que se agita bem no fundo da memória de todos e emerge agora, uma vez mais, trazendo novamente o pesadelo e o terror ao presente.

 

Opinião: It, traduzido para Portugal mais de três décadas após o seu lançamento Mundial, finalmente chegou até nós com o nome de A Coisa, dividido em dois volumes pelo seu peso. Este é daqueles clássicos que muitos já ouviram falar, transformado também em película cinematográfica que tenho a confessar, nunca vi, mas irei ver. Com um sucesso absoluto por onde foi lançado em termos literários, A Coisa sempre suscitou entre nós a curiosidade por não ser lançado mais cedo, uma vez o sucesso de outras narrativas de Stephen King. Agora a Bertrand lançou It e poucas semanas após a sua publicação comecei a conhecer a velha história da criatura que vive nos esgotos preparada para atacar crianças de vinte e sete em vinte e sete anos. 

As expetativas estavam em alta, a capa logo conquistou por ser bem apelativa e reveladora do que esconde no seu interior e a leitura começou. Pouco sabia ao que ia, somente que esta história tem conquistado os leitores que lhe colocam a vista em cima. E assim foi a partir do momento em que as primeiras páginas começaram a ser deixadas para trás na leitura. Primeiramente confuso para se entrar até se perceberem os vários núcleos e tempos, A Coisa consegue mesmo assim fazer com que quem comece não queira parar por existir a vontade de saber, descobrir e apanhar quem ou o que está por detrás de desaparecimentos e mortes. A real chatice e dificuldade que senti para com esta história é o facto de King seguir uma linha que tanto segue na história como recua no tempo, colocando personagens de um momento para o outro em fases que já haviam sido contadas mas onde existe algo a acrescentar, baralhando um pouco e exigindo uma maior capacidade de concentração para não se perder o fio à meada. Determinadas personagens têm capítulos só seus, no entanto só mais para a frente na história voltam a ser chamadas, baralhando e criando cansaço quando se começa a entender que tudo é contado mas o que começa tarda em ter um fim para se iniciar um novo ciclo. 

31
Out18

A Praia de Manhattan | Jennifer Egan

| O Informador

a praia de manhattan.jpg

Título: A Praia de Manhattan

Título Original: Manhattan Beach

Autor: Jennifer Egan

Editora: Quetzal Editores

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Setembro de 2018

Páginas: 504

ISBN: 978-989-722-452-2

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Os anos 1940. Anos de guerra e de esforço de guerra nos estaleiros navais de Brooklyn. No mesmo espaço geográfico, os sindicatos e as lutas pela supremacia das várias máfias: italiana, irlandesa, outras. Anna Kerrigan é a figura central do romance. Trabalha nos estaleiros (como centenas de outras raparigas) e deseja ardentemente ser a primeira mulher mergulhadora. Isto num tempo em que a vida das mulheres era ainda muito circunscrita. Mas Anna quer sobretudo saber o que aconteceu ao pai, que desaparecera anos antes, sem deixar rasto. A história começa com Anna pela mão do pai, numa visita a casa do encantador mafioso Dexter Styles, em Manhattan Beach, e é nessa mesma praia que, de certa forma, se encontra o seu princípio e desfecho. Por detrás do incrível bulício das docas e da agitada vida da cidade, a toda a volta, o mar: o mar que tudo liga, e que transforma as personagens, que destrói e dá vida, que esconde e revela. Uma narrativa extremamente cinematográfica que evoca o universo de Há Lodo no Cais - transcendendo-o em fôlego e âmbito.

 

Opinião: A estreia para com a escrita de Jenniger Egan aconteceu com A Praia de Manhattan, um romance que no início prometeu muito mais do que com o seu desenvolvimento conseguiu passar. Não tinha qualquer ideia sobre o que ia encontrar com a leitura desta narrativa, não sabendo nada sobre a autora, mas confesso que pela sinopse fiquei interessado e com algumas expetativas que acabaram por não serem alcançadas. 

A promessa de uma boa história com um bom encadeamento acabou por cair quando comecei a perceber a constante problemática entre a forma de contar a atualidade e recordar o passado. Senti-me baralhado em vários momentos, com a entrada de personagens que nada acrescentam na história e com a pouca descrição que vai sendo feita de locais e situações. 

Acompanhando a vida de Anna Kerrigan, com 12 anos, que vive com a sua mãe e irmã, e cujo sonho é trabalhar nos estaleiros, mais concretamente como mergulhadora, o que nos anos 40 era complicado para uma mulher, para mais jovem, conseguir entrar num mundo de homens. Ao mesmo tempo que Anna trabalha para ajudar em casa, o sonho desta jovem é perceber o que se terá passado com o desaparecimento do pai que também enfrentou os mares, passando-lhe essa paixão.

Em pequena Anna conheceu Dexter Styles, um homem com poder cujo seu pai temia. Incrivelmente volta a encontrar-se com esta figura já na sua fase adulta e tal como parece ter acontecido com o seu pai, a história de Dexter ao cruzar-se com a de Anna consegue alterar a rota que parecia estar a seguir para alcançar um sonho e objetivo profissional. Ligado aos estaleiros mas também com negócios ilegais na noite, Dexter é o homem que muitos idolatram mas que também tem de ser temido. 

16
Out18

Três Coroas Negras | Kendare Blake

| O Informador

três coroas negras.PNG

Título: Três Coroas Negras

Título Original: Three Dark Crowns

Autor: Kendare Blake

Editora: Porto Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Setembro de 2018

Páginas: 328

ISBN: 978-972-0-03036-8

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: A cada geração, na obscura ilha de Fennbirn, nascem três irmãs gémeas.

Três rainhas herdeiras de um só trono, cada uma possuindo um poder mágico muito cobiçado. Mirabella é capaz de inflamar o incêndio mais violento ou a tempestade mais terrível. Katharine consegue ingerir um veneno mortal sem sentir os seus efeitos. De Arsinoe diz-se capaz de fazer florir a rosa mais vermelha e controlar o leão mais feroz.

Mas para uma delas ser coroada rainha, não basta ter a linhagem certa. As trigémeas terão de conquistar o seu direito à coroa, lutando por ele… até à morte.

Na noite em que as irmãs completam 16 anos, a batalha começa. E a rainha que sobreviver, conquistará a coroa!

 

Opinião: Inspirada em abelhas-rainhas e com ajuda da cerveja, Kendare Blake criou as Três Coroas Negras, um livro que surge da combinação entre um mundo fantástico com pontos de realidade que surpreendentemente cai nas graças de um leitor que não costuma ter neste estilo literário as suas opções. 

Com um início onde as personagens são bem apresentadas sem recurso a grandes artifícios, a história é demonstrada logo pelos primeiros capítulos tal qual se vai desenvolvendo. Mostrando do início ao fim vários pontos de ação, com um ciclo corrido entre as vivências das três personagens centrais, as rainhas, tudo é exposto. Os cuidados, as intrigas, os receios, os procedimentos para que nada falhe e os avisos são vistos através de três diferentes prismas porque cada rainha irá lutar para alcançar um só trono. Afinal de contas qual das três irmãs gémeas conseguirá aos dezasseis anos ficar com o lugar de destaque com que sempre sonhou, tendo para isso que eliminar as suas duas irmãs?

12
Out18

D. Dinis, um Destino Português | José Jorge Letria

| O Informador

d. dinis um destino português.jpg

Título: D. Dinis, um Destino Português

Autor: José Jorge Letria

Editora: Guerra e Paz

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Setembro de 2018

Páginas: 184

ISBN: 978-989-702-422-1

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: Uma biografia de um rei exemplar e um dos mais influenciadores da história de Portugal

Poeta de génio e político brilhante, lançou as fundações de muito do que se tornaria Portugal. Desde a Marinha portuguesa, que daria novos mundos ao mundo, à instituição do português como língua oficial, passando pela delimitação definitiva da fronteira nacional. D. Dinis marcou a história portuguesa, num reinado de mais de quarenta anos.

Além da poesia, tornaram-se famosas as suas escapadelas amorosas, bem como as difíceis relações com a rainha Santa Isabel ou a sua grande paixão pela caça. Foi também lavrador e plantou o Pinhal de Leiria. Teve inimigos, muitos, como o irmão e o próprio filho, contra quem combateu em sangrentas guerras civis.

 

Opinião: D. Dinis deixou marca como o Lavrador, dando ordens para plantar o Pinhal de Leiria, mas deixou obra bem maior que essa. De marido promíscuo, a pai ausente, poeta de múltiplos amores e rei com força, D. Dinis destacou a língua portuguesa em detrimento do latim, criou poemas de amor e mal-dizer, fundou a primeira universidade portuguesa e enfrentou a própria família a bem da nação. Um homem, um rei, um pai, um poeta, é e foi assim D. Dinis.

D. Dinis, um Destino Português, da autoria de José Jorge Letria, não se assume como uma biografia e muito menos um romance com retratos reais. Esta obra recorre à ficção para relatar factos, mostrando partes simbólicas da vida deste rei que muitos enfrentou. Através do recurso a poemas originais e transcritos para o português atual, o autor conduz uma história real de pontos fortes da vida do reino, onde decisões e trambolhões são exemplos da história de vida que já muitas vezes tem sido contada. 

06
Out18

Uma Coisa Absolutamente Incrível | Hank Green

| O Informador

uma coisa absolutamente incrível.jpg

Título: Uma Coisa Absolutamente Incrível

Título Original: An Absolutely Remarkable Thing

Autor: Hank Green

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Outubro de 2018

Páginas: 320

ISBN: 978-989-8917-45-4

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: São 3 horas da manhã e April May tropeça numa escultura GIGANTE; uma espécie de robot com três metros de altura e aspeto de samurai. Perante a descoberta, April faz a primeira coisa de que se lembra: filma a bizarra estátua. O vídeo é publicado no YouTube e, da noite para o dia, April torna-se famosa por ter sido a primeira no mundo a registar a existência da estátua - aquela que viria a ser parte de um conjunto de mais de 60, espalhadas por várias cidades do mundo. Pouco habituada ao estrelato e às consequências da fama viral, April torna-se internacionalmente famosa e fica associada aos robots.

Um movimento emergente desperta. As pessoas querem saber: O que são estes robots e porque existem? Quem os terá criado? E mais importante ainda: serão perigosos? April começa a sua investigação e, reunindo um grupo improvável de pessoas, tenta perceber a origem destes robots e o seu sentido neste mundo.

Hank Green explora de modo magistral a forma como lidamos com o medo e o desconhecido, e como as redes sociais transformaram aquilo que entendemos por fama.

No seu fantástico romance de estreia, Hank Green revela-nos a história de uma jovem que se torna acidentalmente famosa - para logo se encontrar no epicentro de um mistério muito maior do que poderia imaginar.

 

Opinião: À primeira vista a história de Uma Coisa Absolutamente Incrível não me cativou por saber que a aparição de uma figura gigante em várias cidades mundiais estava no centro da ação e tudo o que foge do tipicamente normal não me costuma convencer em termos literários. No entanto foi através de Apryl May que consegui ficar convencido logo de início com esta narrativa para seguir em diante.

Através do que é contado na primeira pessoa por Apryl, o leitor é convidado a entrar num mundo bem real onde o imaginário tem lugar. Com recurso às redes sociais, um tema bem atual nos dias que correm, esta jovem que estava quase que desligada do mundo da internet, vê-se envolvida de um momento para o outro num turbilhão de mudanças de vida a partir do momento em que foi a primeira a ter contacto com um Karl, o gigante robot que lhe aparece subitamente pela frente. Ao mostrar o seu achado e com os Karls a aparecerem em várias cidades mundiais, Apryl começa a ser o rosto humano que se encontra ao lado deste fenómeno, passando a sua pacata vida a dar lugar a entrevistas desenfreadas sobre o tema, sendo necessário marcar presença pelas redes sociais para mostrar que está viva e que pode estar em contacto com todos os que querem saber um pouco mais sobre o que está a acontecer em torno de um fenómeno que se torna viral. 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • O Informador

    Não vi A Mentira ainda, existindo horário mais ráp...

  • Cristina Gaspar

    Acabei por ir ver A verdade depois da sessão de Do...

  • O Informador

    Enquanto caminho é que não dá. Não vá tropeçar em ...

  • Anónimo

    Boa noite."Hábitos de Leitura: Portugal na cauda d...

  • marta-omeucanto

    Eu leio onde calhar, seja em casa, na rua, ou em s...

Mensagens

Pesquisar