Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

E só porque insistem... Irei ler!

24
Ago19

nada menos que tudo.jpg

 

A 17 de Setembro de 2017 anunciei ao mundo via blog que iria iniciar leitura do livro Nada Menos Que Tudo, da autoria de Afonso Noite-Luar, tal como podem comprovar se visitarem o texto em questão. Hoje, em pleno Verão de 2019, continuo a detetar uma certa curiosidade sobre a minha possível opinião perante este livro, o que não aconteceu. E qual a razão de tal não ter acontecido, perguntam desse lado e bem. Pois bem, a verdade é que não finalizei a leitura, não existindo assim opinião formada sobre o mesmo para ser publicada para que todos pudessem passar os vossos lindos olhos. No entanto, praticamente dois anos depois e por verificar tamanha curiosidade que me leva a ter o texto sobre a Atual Leitura de outros tempos entre os mais vistos em algumas semanas do ano, resolvi, por vocês que visitam o blog em busca de opinião formada sobre o Nada Menos Que Tudo, voltar a pegar de início nesta obra do gentil Afonso Noite-Luar, publicada pela editora Manuscrito e ler do início ao fim para vos poder dar uma ideia do que senti ao longo de cada partilha que é feita sobre o autor perante as suas pequenas histórias contadas. Faço isto por quem me segue e chega até ao blog propositadamente devido a este livro, como tal aguardo que quem leu alguma coisa do autor que se faça ouvir porque a opinião chegará finalmente dentro de alguns dias aqui pelo blog. Combinado? Siiiiiiiim!

A Deslumbrada Vida de João Novilho | Jorge Tinoco

22
Ago19

a deslumbrada vida de joão novilho.jpg

 

Título: A Deslumbrada Vida de João Novilho

Autor: Jorge Tinoco

Editora: Guerra e Paz

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Fevereiro de 2019

Páginas: 232

ISBN: 978-989-702-457-3

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Impiedoso e inquietante, este romance espelha, sem meias-tintas, um quadro sociopolítico da vida portuguesa contemporânea na sua mais degradante expressão. Nele se entretecem e entrechocam as mais primárias e inescrupulosas ambições de domínio e de poder, corporizadas de forma superlativa no autarca João Novilho.

A sua meteórica ascensão política é conseguida à custa de tudo quanto pode transformar o exercício autárquico digno e credível na mais venal, corrupta e execrável perversão dos ideais democráticos de um município, Rio Novo de Mil Nomes. O envilecimento do carácter, a manipulação das consciências e a degradação das instituições conduzem-no a um beco sem saída.

Entre amores e desamores, este é também um romance recheado de deliciosos retábulos poéticos e de parágrafos palpitantes de exuberante erotismo, onde a sexualidade se manifesta desabridamente, tanto de forma descoberta como revestida de fantasia ou até de chantagem despudorada.

 

Opinião: Numa história que atravessa os meandros políticos surge assim, pelas mãos de Jorge Tinoco, A Deslumbrada Vida de João Novilho, onde o desencantamento com a vida política do próprio autor, que foi autarca de Amares, distrito de Braga, deu o mote para esta narrativa de ficção com traços reais do que se pode encontrar num país recheado de problemas de poder.

A Escuridão | Ragnar Jónasson

29
Jul19

a escuridão.jpg

 

Título: A Escuridão

Título Original: Dimma

Autor: Ragnar Jónasson

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Maio de 2019

Páginas: 288

ISBN: 978-989-8917-90-4

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Abrangendo as ruas geladas de Reiquiavique, os fiordes isolados e as Terras Altas da Islândia, A Escuridão é o novo romance de um dos nomes mais entusiasmantes do policial nórdico atual.

Aos 64 anos, a inspetora Hulda Hermannsdóttir, da Polícia de Reiquiavique, está prestes a ser forçada a reformar-se, mas antes quer levar a cabo uma última investigação: Elena, uma jovem refugiada proveniente da Rússia, foi encontrada sem vida numa enseada rochosa em Vatnsleysuströnd, na Islândia.

Assim que começa a fazer perguntas, Hulda não demora muito a perceber que não pode confiar em ninguém. Elena não foi a única mulher a desaparecer naquela altura, e ninguém parece estar a contar a história toda. Quando os próprios colegas tentam pôr um travão na investigação, Hulda tem muito pouco tempo para desvendar a verdade, mas está determinada a descobrir quem é o assassino. Ainda que isso signifique colocar a própria vida em risco.

 

Opinião: Tendo a Islândia como pano de fundo e Hulga como protagonista, é tempo de começar a entrar no mundo obscuro e sombrio de A Escuridão, o primeiro volume de uma nova série de Ragnar Jónasson que apresenta este seu livro através de um enredo bastante elaborado e de forma a prender o leitor de página a página. 

Primeiramente é apresentada Hulga, que aos sessenta e quatro anos percebe que está a dias de se aposentar, mesmo contra a sua vontade, e ver o seu lugar a ser rapidamente ocupado por um novo membro de energia renovada. Sem vontade de ficar no vazio de forma solitária, sem o dia-a-dia a que se habituou ao longo dos seus anos de trabalho esta mulher é o exemplo bem retratado por parte do autor de que nunca é tarde para arregaçar as mangas e continuar com o espírito de confiança e capacidade de fazer mais e melhor. Recusando o convite para se aposentar sem nada fazer, Hulga é convidada de forma ilusória pelo seu diretor a pegar num caso já arrumado de processos judiciais antigos que não foram resolvidos. O que resulta daqui é que este convite é mesmo levado a sério e esta mulher que não quer parar pega num processo que não viu o seu fim anunciado da melhor maneira e recomeça a investigar o que os seus colegas deixaram em tempos para trás. A partir daqui o desenrolar da ação ganha vários contornos bem promissores para um policial recheado de suspense e mistério em torno da morte de uma jovem russa que pedia asilo à Islândia. 

Olga | Bernhard Schlink

25
Jul19

olga capa.jpg

 

 

Título: Olga

Título Original: Olga

Autor: Bernhard Schlink

Editora: Edições ASA

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2019

Páginas: 272

ISBN: 978-989-23-4552-9

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Na viragem do século XIX, Olga vive com a avó numa aldeia a leste do império alemão. Órfã e habituada a uma vida dura, tem no inquieto Herbert o seu único companheiro de brincadeiras. Herbert é oriundo de uma família abastada e tem o seu futuro planeado há muito; nele não se inclui uma mulher sem berço e sem meios. No entanto, os dois apaixonam-se e resistem, alimentando a ligação em encontros secretos e desesperados. Até que Herbert decide tomar as rédeas do seu destino num ato de insubordinação que, mais uma vez, não inclui Olga. Vítima da febre expansionista alemã, o jovem decide partir à aventura – primeiro em África e depois numa expedição ao Pólo Norte, da qual não regressará. O tempo passa, mas Olga nunca para de escrever a Herbert, no Ártico, vertendo sobre o papel o seu amor e a sua fúria pelo sacrifício feito em nome da pátria. 

Anos mais tarde, Olga conta a sua história. É a história de uma mulher forte, apaixonada e em colisão com os preconceitos do seu tempo. 

Com a nostalgia e a mestria que lhe são características, Bernhard Schlink fala-nos da alma alemã e das vicissitudes de um amor interrompido pela ambição de uma nação. E apresenta-nos a Olga, uma figura literária inesquecível.

 

Opinião: Olga promete inspirar pelo romance e por um passado que marca o presente. Num grito de emancipação em tempos turbulentos na antiga Prússia e nos tempos entre a Primeira e Segunda Guerra Mundial, a esperança de uma mulher que continua a acreditar sem nunca o deixar de fazer, contrariando as condições e os factos da vida está em destaque nesta narrativa de Bernhard Schlink. 

 

 

O Homem dos Sussurros | Alex North

10
Jul19

o homem dos sussurros.jpg

 

Título: O Homem dos Sussurros

Título Original: The Whisper Man

Autor: Alex North

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2019

Páginas: 384

ISBN: 978-989-8864-65-9

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Se deixares a porta entreaberta, ouvirás os sussurros na certa.

«Ao longo dos anos, disse-te inúmeras vezes que não deverias ter medo de nada. Que os monstros não existiam. Desculpa ter-te mentido.»

Após a morte da mulher, Tom Kennedy muda-se com o seu filho, Jake, de 7 anos, para uma pacata povoação chamada Featherbank em busca de um recomeço de vida. Mas Featherbank tem um passado sombrio.

Há 20 anos, Frank Carter, um perverso assassino em série, raptou e assassinou cinco rapazes. Ficou conhecido como «o Homem dos Sussurros», pois atraía as suas vítimas à noite sussurrando-lhes da janela. Logo após o seu quinto homicídio, Frank acabou por ser detido.

Estando o assassino atrás de grades, Tom e Jake não deveriam ter motivos de preocupação. Só que agora um novo rapaz desapareceu, e as semelhanças entre este acontecimento e os crimes de há 20 anos são desconcertantes. É então que Jake começa a comportar-se de modo estranho?

Diz escutar sussurros vindos do lado de fora da janela do seu quarto...

 

Opinião: A expetativa estava elevada pela apresentação apresentada e se de início O Homem dos Sussurros conseguiu conquistar, com o desenrolar da ação o desempenho foi diminuindo, fazendo com que o interesse se desvanecesse. 

Com um bom início onde a ação é apresentada através de uma escrita bem elaborada e coordenada, a obra de Alex North consegue logo demonstrar através das passagens temporais entre o presente e o passado o que se irá suceder. Ao mesmo tempo que isso acontece, as passagens entre o narrador presente e ausente complicam de início mas são explicadas ao longo da narrativa. No entanto no geral, e se o início prometia, o desenrolar faz-se com vários momentos pausados que ajudam a criar o suspense necessário mas que acaba por cansar o leitor habitual de policiais que já não se deixa levar por mistérios sem grandes pontas soltas e onde tudo parece acontecer dentro das personagens mais esperadas e presentes permanentemente na obra. O Homem dos Sussurros tem um problema, falta de ação e maiores desenvolvimentos ao longo de toda a leitura, sendo exigente no início e perdendo o interesse até ao final. Não posso dizer que o fim foi sendo antecipado com as dicas que foram sendo dadas, no entanto não me senti surpreendido pela forma como tudo é contado, uma vez que o criminoso também é revelado bem cedo sem grandes reviravoltas, perdendo assim o gosto pela descoberta que ainda me podia continuar a envolver.

Tudo o que sei sobre o Amor | Dolly Alderton

21
Jun19

tudo o que sei sobre o amor.jpg

 

Título: Tudo o que sei sobre o Amor

Autor: Dolly Alderton

Editora: Cultura Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Abril de 2019

Páginas: 300

ISBN: 978-989-54374-7-4

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: Quando se trata das provações e triunfos da jornada até à idade adulta, a jornalista e ex-colunista do SundayTimes, Dolly Alderton, já viu e experimentou de tudo. Ela descreve-nos vividamente o processo por que passamos quando nos apaixonamos, a luta contra a autossabotagem, a procura de um emprego, o que é dar uma festa desastrosa cuja temática é o RodStewart, apanhar uma bebedeira, levar com os pés, perceber que o Ivan da loja da esquina é o único homem com o qual sempre pudemos contar, e descobrir que as nossas amigas estão sempre lá, no fim de cada noite de desgraça. Este é um livro sobre encontros para esquecer, boas amigas e – acima de tudo – sobre sabermos reconhecer que somos suficientes.

Dolly Alderton sobreviveu (à tangente) aos seus Vintes e, em Tudo o Que Sei Sobre o Amor, apresenta-nos uma descrição impávida dos encontros catastróficos e dos apartamentos miseráveis, dos desgostos de amor e das humilhações e, o mais importante, das inquebráveis amizades femininas que a ajudaram a aguentar-se. Cheio de humor, coração e perspicácia, este é um livro para dar a todas as mulheres que já passaram por lá ou que estão prestes a dar o primeiro passo rumo ao resto da sua vida.

 

Opinião: Numa fase inicial da leitura de Tudo o que sei sobre o Amor somos convidados a entrar na vida da própria autora e suas companheiras de juventude que se estenderam pelos primeiros anos de adulta e a nostalgia com diversas situações com que me fui identificando aconteceram. Só que e como nem tudo consegue fluir de forma a conquistar na sua totalidade, esta leve biografia acabou por cansar pela forma repetitiva com que os temas são retratados. 

Os amores, as visitas aos pais, as conversas via telemóvel, festas regadas a álcool, drogas e sexo, a primeira vez, os encontros descomprometidos e os vários temas que invadem a vida dos jovens são comentados e partilhados nesta recriação de Dolly Alderton que dá aos seus leitores um pouco do que foi a sua vivência. Sim, todos conseguimos encontrar pontos em comum com estas vidas, como é o caso das memórias e amor que vamos criando para com os nossos amigos mais próximos ao longo da vida, partilhando, conquistando e tornando quem nos está próximo numa verdadeira família do coração.

Companhia Silenciosa | Laura Purcell

20
Mai19

GOYA7857.JPG

 

Título: Companhia Silenciosa

Título Original: The Silent Companions

Autor: Laura Purcell

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Abril de 2019

Páginas: 320

ISBN: 978-989-8917-88-1

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: Ninguém estava verdadeiramente sozinho.

Nunca.

Não naquela casa.

Tendo enviuvado recentemente, Elsie muda-se para a antiga propriedade do marido, a isolada e decrépita The Bridge, para poder descansar durante a gravidez e superar o luto.

Rodeada por criados ressentidos e aldeões que rejeitam a nova herdeira, Elsie tem apenas como companhia a tímida Sarah, prima do seu marido. Ou ela assim pensava. Dentro da grande mansão, descobre um quarto fechado a sete chaves, cujo interior abriga um diário com a obscura história de família e uma figura em madeira absolutamente perturbadora… e muito parecida com Elsie.

Na casa, todos têm medo da figura pintada, à exceção de Elsie… Até que ela própria começa a sentir aqueles olhos a seguirem-na para todo o lado. Inspirado no imaginário de Shirley Jackson e Susan Hill, este é um romance de terror vitoriano que evoca um medo inquietante em relação às presenças fantasmagóricas que espreitam nas sombras…

 

Opinião: Caracterizado como literatura fantástica, Companhia Silenciosa encaminha o leitor por um ambiente gótico até uma mansão meio abandonada e assombrada em Inglaterra. Seguindo o percurso de Elsie, uma recém viúva grávida, conhecemos a história de uma família e da mansão entre o passado - 1635 - e o presente - 1865. 

Ambientes, familiares, criadagem, aldeões e tudo o que envolvem os dois tempos bem distintos mas que contam a mesma história. O que esconderá aquela casa que todos temem? Uma porta trancada começa a contar segredos, despejando para o leitor o que todos temem saber. Afinal o que é a companhia silenciosa que se apresenta tal e qual Elsie? Uma figura misteriosa em madeira, com olhar sinistro e que aparece em locais inapropriados quando menos se espera. Ao mesmo tempo que no presente encontramos esta companhia, percebemos através de um diário do passado que este problema não é novo naquela mansão.