Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

policial-billboard

Doença da Juventude | Teatro Aberto

29
Out19

doença da juventude cartaz.jpg

 

Maria terminou o curso de Medicina e vai dar uma festa. A partir de agora, começa a vida a sério. "A vida a sério"... que cliché. Tu nasceste para quê? O que reserva o futuro para ti? Qual é o mal de ter ambições? Colegas de faculdade, ex-namorados, amigas, ódios de estimação — todos se cruzam antes e depois da festa, à procura de alguém especial, à procura de si próprios, em busca do caminho certo para a sua vida. Num mundo descartável e repleto de estímulos consumistas, quem sabe o que é certo ou errado?

O futuro dos jovens quando terminam os estudos torna-se no ponto de partida para o arranque do novo espetáculo que se encontra em cena na Sala Azul do Teatro Aberto. Com encenação de Marta Dias e texto de Ferdinand Bruckner, Doença da Juventude debate o quanto a sociedade se atropela com todos os medos, ânsias, ambições e perspetivas de futuro.

Com interpretação de Carolina Carvalho, Eduardo Breda, Filipa Areosa, Helena Caldeira, Madalena Almeida, Samuel Alves e Vítor d’Andrade, Doença da Juventude arranca com os preparativos de uma festa que pretende assinalar o final do curso de Medicina de Maria e a sua entrada numa vida de adulto. No entanto todos os acontecimentos se desenrolam para causar o pânico existencial nesta jovem que entre a amizade, o amor, os colegas e todos os que a rodeiam, percebe que não sabe qual o seu caminho numa sociedade que se usa, reutiliza, pisa e desnuda quem está mesmo ao seu lado. Qual o significado de cada um por esta passagem na Terra? Os abutres que tentam passar por todas as escadas da vida, utilizando meios e usando tudo o que está ao seu redor para triunfarem, mesmo que para isso desistam de pessoas que lhe querem bem, os insignificantes das aparências, as vontades não correspondidas com trocas, acusações e traições que magoam. A sociedade é feita de utilizações voluntárias por se viver num mundo de aparências, ambições e maldade onde a vida não passa somente de uma passagem que para uns tem de ser levada com respeito e para outros é simplesmente uma passagem para ser levada no limite em cada momento. 

Num cenário colorido e com pontos futuristas, um texto corrido e influenciador que permite refletir ao longo do espetáculo sobre o mesmo, um elenco bem completo e uma produção a que o Teatro Aberto já nos habituou, Doença da Juventude vai de encontro aos dramas com que todos nos confrontamos no dia-a-dia por vivermos com necessidade dos outros. Na vida é impossível seguir sozinho cada percurso, sendo necessário estar rodeado de quem nos quer bem, por vezes demais, e também quem nos afeta, e é neste ponto que este trabalho se baseia. Os conflitos pessoais que enfrentamos, demonstrados numa perspetiva de jovens adultos que estão a dar um passo nas suas vidas mas perante os quais encontram barreiras vindas dos seus pares. 

A Pior Comédia do Mundo | Força de Produção

24
Set18

a pior comédia do mundo.jpg

E se de repente a porta dos bastidores se abrisse e o espetador tivesse acesso ao que por lá se passa?

Um olhaalucinante sobre o teatro e as loucuras e devaneios dos que o fazem, cujas tendências para crises descontroladas de ego, falhas de memória e alguma promiscuidade transformam cada atuação numa verdadeira aventura de alto risco. A Pior Comédia do Mundo não é só uma peça, mas, simultaneamente, um espetáculo de comédia e o drama de bastidores que se desenvolve durante a sua preparação. Através de três momentos chave - o ensaio geral, a noite de estreia e um espetáculo no fim de uma atribuladdigressão - acompanhamos a crescente tensão entre os membros de um elenco à beira de um colapso nervoso coletivo.

A Pior Comédia do Mundo poderia ter como nome Tudo Nu, porque de facto é assim que o que está por detrás do espetáculo é apresentado ao público. O nome deste trabalho da autoria de Michael Frayn é um bom predicado sobre o que acontece por detrás do que está a ser representado em palco perante uma plateia que quer ser entretida. Nesta aposta da Força de Produção acompanhamos um grupo de teatro que entre ensaios e estreias mostra que atrás do bom ambiente perante as luzes do palco, o convívio não é assim tão convidativo e de cumplicidade. Em A Pior Comédia do Mundo está Tudo Nu porque os disfarces perante os aplausos são colocados em destaque, numa comédia tão divertida que leva à gargalhada geral da sala do início ao último minuto. 

Com encenação de Fernando Gomes, um especialista na matéria que me tem dado boas surpresas pelos últimos anos com o seu trabalho, e com Ana Cloe, Cristovão Campos, Elsa Galvão, Fernando Gomes, Inês Aires Pereira, Jorge Mourato, José Pedro Gomes, Paula Só e Samuel Alves no elenco, A Pior Comédia do Mundo é dos melhores trabalhos dentro da área que vi pelos últimos tempos. 

Num texto nada fácil onde a mesma cena é representada praticamente três vezes e sempre de forma diferente com percalços pelo caminho e posições distintas com uma movimentação incrível de palco, esta produção é o verdadeiro sinónimo de bom entretenimento. Conhecemos as personagens de forma calma e quando tudo parece estar controlado por um encenador que quer perfeição quando o próprio tem erros de percurso pelo caminho, a preparação de Tudo Nu, antes mesmo da estreia, começa a correr mal. Em poucos minutos as falhas começam a surgir e com o tempo só têm tendência a serem adensadas com o convívio entre personalidades distintas que entre o ciúme, a inveja e os problemas pessoais conseguem fazer da preparação de Tudo Nu a melhor comédia em palco. 

Uma autêntica caixa recheada de cromos nada repetidos, com um cenário simples mas completo onde os dramas de bastidores são refletidos antes, no decorrer e após cada sessão de representação. Os atores que estão encarregues dos ensaios e da apresentação de Tudo Nu esquecem falas, trocam adereços, levam os seus conflitos para o palco e a peça continua a ser representada com bastantes imprevistos enquanto o entra e sai com bater de portas continua perante uma azafama de complicações que tomam conta do espetáculo que segue desgovernado, como sempre esteve, logo a partir do que seria suposto ser o ensaio geral. 

Avenida Q

20
Fev17

avenida 1.png

As expetativas com Avenida Q iam altas mas tenho que dizer uma coisa a quem pensa ir ver! Vão porque tudo o que podem esperar é um excelente musical importado diretamente da Broadway. Bom demais e acima de qualquer ideia com que se possa entrar no Teatro da Trindade para assistir a hora e meia de pura diversão. Fiquei rendido do início ao fim sem qualquer falha de atenção. Isto é (pausa e tambores) muuuuuuito boooooooooooooooom!

Não li longos comentários nem a sinopse de Avenida Q, só ouvindo conversas de café e alarido nas redes sociais em torno deste espetáculo adaptado em Portugal pela Força de Produção. Rapidamente fiquei com vontade de ver para perceber afinal a qualidade do que diziam ser tão bom e que andava a esgotar todas as sessões. Fui e só tenho a dizer que este musical é uma grande lufada de ar fresco do que tem sido feito entre nós em termos teatrais. 

O público é convidado a conhecer os habitantes de um «condomínio» de uma qualquer rua lisboeta onde pessoas e monstros coabitam sem qualquer preconceito. Perdão, todos somos preconceituosos e não vale a pena arranjar justificações contrárias. Este é um dos primeiros temas a serem debatidos onde o racismo, a homossexualidade, os medos, o amor e a profissão tomam lugar porque afinal de contas conseguimos vencer mas também cometer diversas falhas ao longo das oportunidades que a vida nos dá. Avenida Q é um consciencializador social que de forma divertida toca em temas sensíveis e que acabam por estar nas proximidades ou em qualquer um.

Entre bonecos que misturam o universo de Rua Sésamo e os Marretas e atores de carne e osso, esta avenida tão bem frequentada é daquelas produções que todos devem e têm a obrigação de ver porque se existe alguma coisa bem feita neste momento no teatro nacional é Avenida Q, que sem falhas, com um bom texto, toques bem colocados na adaptação para a nossa realidade social e um elenco excelentemente competente consegue chegar junto do público de forma eficaz, provocando e sem cansar. 

Ana Cloe, Artur Guimarães, Diogo Valsassina, Gabriela Barros, Inês Aires Pereira, Manuel Moreira, Rodrigo Saraiva, Rui Maria Pêgo, Samuel Alves, Artur Guimarães, Luís Neiva e André Galvão formam um elenco, entre fixos e substituições, tão coeso que se percebe que existe amizade e carinho em palco onde a cumplicidade das personagens parece ir muito mais além dos momentos que são vistos. Quando as pessoas se gostam percebe-se e neste espetáculo todos se gostam e acima de tudo, todos estão a gostar de estar em Avenida Q onde a Marta Monstro, a minha monstrinha favorita do musical, a irreverente e provocadora Paula Porca, o sonhador e aparentemente solitário Luís se juntam a outros colegas bonequeiros para comporem o lote de rostos que desfilam assim a sua vida em palco, aquela vida que pode muito bem traduzir a de qualquer um de nós. 

Vencedores de Allo Allo [08-05-2016]

07
Mai16

Allo Allo está desde o início de Março pelo Teatro Armando Cortez, em Lisboa, numa temporada que tem seguido os passos de sucesso que este espetáculo tem obtido desde que estreou em 2015. Agora e após semanas de sala cheia, eis que o público pediu um prolongamento da temporada e a Yellow Star Company concretizou, estando Allo Allo pelo menos até ao final de Maio com novas sessões disponíveis. 

Para assinalar este sucesso teatral lancei passatempo para atribuir dois convites duplos aos leitores do blog. E eis chegado o momento de revelar o nome dos vencedores que irão assistir à sessão do próximo dia 08, Domingo, pelas 18h00, de Allo Allo.

Bilhetes para Allo Allo [08-05-2016]

04
Mai16

13095952_589157201244244_8998543244928085642_n.jpg

O espetáculo Allo Allo, da responsabilidade da Yellow Star Company regressou a Lisboa em Março para encher a sala de espetáculos do Teatro Armando Cortez, em Carnide. Agora e após nova temporada de sucesso, eis que um prolongamento estava a ser exigido pelo público que fica assim com novas sessões disponíveis ao longo do mês de Maio. 

O Informador para assinalar este sucesso teatral tem dois bilhetes duplos para oferecer aos leitores do blog que participem, partilhem e tenham a sorte de serem os sorteados para marcar presença na sessão do próximo dia 08, Domingo, pelas 18h00, de Allo Allo. 

A Yellow Star Company e a Associação Mutualista Montepio têm o prazer de anunciar o prolongamento de temporada do Allo Allo em Lisboa.

Após o estrondoso sucesso desta comédia com 23.419 espectadores, Allo Allo irá continuar em cena no Teatro Armando Cortez em Carnide até 29 de Maio com sessões de Quinta a Sábado às 21h00 e Domingos às 18h00.

De regresso ao palco com João Didelet, Elsa Galvão, Melânia Gomes, José Carlos Pereira, Filipe Crawford, Suzana Borges, Samuel Alves, José Henrique Neto, Pedro Pernas, Luís Pacheco, Joana Câncio, Mara Prates e Samuel Alves, dão corpo e voz às personagens que animam o café francês mais mediático do momento, René, Edith, Michele, Herr Flick, Coronel, Soldado Helga, Mimi, Alberto Bartorelli, Yvette, Leclerc, General Smelling, Cabtree, Aviador e Gruber.

Este passatempo decorrerá até às 18h00 de 07 de Maio, Sábado, e para se habilitarem aos bilhetes duplos que tenho para sortear só têm de:

  • Fazer Gosto na página de Facebook d' O Informador.
  • Partilhar este post, mencionando dois amigos nessa mesma partilha.
  • Preencher o formulário que se segue onde só é permitida uma participação por endereço de e-mail.

Vencedora de Allo Allo [24-03-2016]

23
Mar16

Após uma temporada de sucesso pelo Teatro da Trindade, o espectáculo Allo Allo regressou aos palcos lisboetas mas desta vez na sala do Teatro Armando Cortez para voltar a esgotar sessão após sessão. Como assisti pelo ano passado e aconselho, eis que há dias lancei passatempo com a finalidade de atribuir um convite duplo para a sessão de Quinta-feira, 24 de Maio, aos leitores do blog.

Agora que o dia para usufruir deste convite duplo está próximo, eis chegado o momento de revelar o nome do vencedor que foi seleccionado através do sistema random.org. Quem amanhã irá assistir ao Allo Allo é a Maria Celeste Bernardo que irá também ser contactada via email com a explicação do levantamento do seu bilhete duplo. 

Muito Obrigado a todos os participantes neste passatempo teatral, ficando aqui a promessa que outros surgirão dentro de dias! 

Bilhete para Allo Allo [24-03-2016]

01
Mar16

cartaz_net-v3.jpg

Após uma temporada de sucesso pelo Teatro da Trindade do espetáculo Allo Allo e de uma curta digressão nacional no início deste ano, eis que a produção da responsabilidade da Yellow Star Company está de regresso a Lisboa e com um aperitivo extra. Além de voltar com a finalidade de continuar a esgotar sessão após sessão, Allo Allo será o primeiro espetáculo com a assinatura da companhia a entrar em cena pelo Teatro Armando Cortez, em Carnide, que a partir deste mês e até pelo menos ao final do ano será da responsabilidade desta produtora que tem mantido várias salas cheias através de êxitos como A Bela e o Mostro e Boeing Boeing.

O Informador para assinalar este regresso de um sucesso teatral à nossa capital tem um bilhete duplo para oferecer a um leitor do blog que participe, partilhe e tenha a sorte de ser o sorteado para marcar presença na sessão do próximo dia 24, pelas 21h30, de Allo Allo. 

A Yellow Star Company e a Associação Mutualista Montepio têm o prazer de anunciar o regresso do Allo Allo a Lisboa.

Após o estrondoso sucesso desta comédia com 11.898 espectadores, Allo Allo irá estar em cena do Teatro Armando Cortez em Carnide a partir de 10 de Março com sessões de Quinta a Sábado às 21h00 e Domingos às 18h00.

De regresso ao palco com João Didelet, Elsa Galvão, Melânia Gomes, José Carlos Pereira, Filipe Crawford, Suzana Borges, Samuel Alves, José Henrique Neto, Pedro Pernas, Luís Pacheco, Joana Câncio, Mara Prates e Samuel Alves, dão corpo e voz às personagens que animam o café francês mais mediático do momento, René, Edith, Michele, Herr Flick, Coronel, Soldado Helga, Mimi, Alberto Bartorelli, Yvette, Leclerc, General Smelling, Cabtree, Aviador e Gruber.

Este passatempo decorrerá até às 19h00 de 23 de Março, Quarta-feira, e para se habilitarem ao bilhete duplo que tenho para sortear só têm de:

  • Fazer Gosto na página de Facebook d' O Informador.
  • Partilhar este post, mencionando dois amigos nessa mesma partilha.
  • Preencher o formulário que se segue onde só é permitida uma participação por endereço de e-mail.