Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquelas saídas!

A idade pesa e quando falamos em saídas noturnas o fator idade revela-se cada vez mais! Há uns anos, não há muitos, sendo talvez somente necessário recuar uns cinco anos, fazer uma noitada até altas horas era fácil. Ver as horas passarem e quase chegar ao amanhecer a casa não acontecia regularmente mas quando existia algo que o justificasse ia e ficava bem, tanto ao longo da noite como no dia seguinte após dormir umas horas pela manhã. Hoje, após os trinta, sair à noite não (...)

Ficar por casa

Sinto-me diferente e ao mesmo tempo mais caseiro! Antes andava bem era pela rua e em todos os momentos que tinha livres nos dias ou horas de descanso o pensamento partia logo para o que poderia ir fazer para a rua! Agora é diferente, fico mais por casa, com o computador pela frente e a televisão sempre ligada como antes. A mudança aconteceu, mais ou menos, a partir do momento em que aderi ao plano Meo e coloquei televisão por cabo aqui por casa. A paixão pelo pequeno ecrã é algo (...)

Tenho que sair de casa!

Há dias maus e dias bons, no entanto pelo meio existem os dias menos maus e os menos bons! Ontem foi um dia que começou bem e terminou com uma discussão que me deixou a pensar que tenho mesmo que sair de casa dos pais porque o limite do meu feitio anda a ser atingido devido às opiniões e complicações que a minha mãe sempre arranja para implicar com tudo e mais alguma coisa! Tenho 27 anos e várias situações levam-me a acreditar que pelos próximos tempos conseguirei ter um melhor (...)

Saídas de fim-de-semana

As noites quentes estão aí e com elas chegou também a vontade de estar mais pela rua, principalmente ao fim-de-semana. As saídas à noite para locais de rua fazem-se todo o ano, mas nos meses onde o calor está mais presente estas mesmas saídas têm outro sabor e são vistas de outra forma. Agora o lema é sair, a dois ou em grupo, pegar num copo de cada vez e andar por aí para se encher o tacho com a frescura que só o gelo com o álcool nos podem dar. Andar pelo Bairro Alto na (...)

Noitadas já não são para mim!

Realmente a idade pesa e eu já noto esse peso sobre mim! Há uns anos atrás tudo era bonito, tudo era colorido e feito sem pressas e pensamentos de que «já está a ficar tarde». Agora é o contrário, quando o relógio começa a aproximar-se de uma determinada hora, começo a apagar e a apelar por chegar à minha boa cama. Aos vinte e seis anos já me sinto a ficar velho no que toca a saídas! Já não sou mais um adolescente que consegue estar até ao outro dia de manhã a dançar! (...)