Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Não empresto livros

16
Ago19

livros.jpg

 

Leio, tenho centenas de livros em casa que já passaram pela vista e umas quantas dezenas por ler, no entanto quando me pedem emprestado um bom livro a minha resposta é negativa. A razão é simples e direta... Não empresto livros por vários motivos e também porque sou chato, picuinhas e teimoso! Sim, sou, admito e não há volta a dar!

Uma das razões pelas quais não empresto os livros que já li é simples, sou controlador com as minhas coisas, podendo emprestar muita coisa, mas literatura não o faço porque além de por vezes ficarem esquecidos, ainda conseguem regressar como não foram e se não estrago não gosto que os outros o façam em algo que é meu. Tenho várias situações que me levaram a ter este pensamento e modo de agir e passarei de seguida a enumerar algumas histórias que se passaram com empréstimos que fiz e que não correram como era pretendido.

A situação mais caricata que já tive foi com um romance que li e que emprestei logo de seguida na boa fé que o mesmo me iria ser devolvido, para mais com alguém que me via constantemente. Entreguei o livro, nos primeiros dias fui tendo informações que estava a ler por me contar em que parte da história ia, mas com o tempo fez-se silêncio, não questionei mas achei estranho. As semanas passaram e como o livro não regressava resolvi perguntar se não o tinha lido para o entregar. Leu sim, mas resolveu emprestar a um familiar que ainda não o tinha entregue. No momento não reagi, tendo sido apanhado de surpresa, e devo ter proferido um «ok», deixando passar, mas os dias avançaram e o livro não regressou, voltando a questionar e obtendo resposta negativa, tendo ai sim reagido e dito que o livro tinha sido emprestado à pessoa em questão e não para andar a passar de mão em mão sem me ter pedido autorização. Não gostou e só posso dizer que aquele livro nunca mais voltou a casa! A conclusão foi que empréstimo àquela pessoa não voltou a acontecer, mesmo após anos em que voltou a pedir e me fiz sempre de esquecido. Não correu bem da primeira vez e o mal foi logo assim cortado, só tendo pena da pessoa não ter percebido para voltar a insistir. 

Também tenho uma situação já com uns anos em que emprestei dois livros para umas férias na praia na boa fé que tudo ia correr bem. Mas não, claro que um leitor de Verão não estima a literatura como um leitor regular. Quando me voltou a entregar os livros, e mesmo tendo só lido um, ambos vinham com as folhas amarelas, dobradas e com areia pelo meio. Vou para a praia, levo o livro que estou a ler no momento e não dou cabo do volume, como é que numa semana conseguiram destruir dois livros em menos de nada? Falta de cuidado!

Por fim tenho aquelas situações em que emprestei e percebi que passado um mês os mesmos não foram lidos, tendo de pedir para os devolverem porque se fizeram esquecidos como quem não quer a coisa. Será que as pessoas que não leem com regularidade se esquecem que emprestar não é dar? É que existe uma grande diferença entre os dois verbos, parecendo para alguns que emprestar e dar é tudo a mesmíssima coisa!

Literatura para finais de Agosto

Sugestões

14
Ago19

livros.jpg

 

Agosto é mês de férias e em momentos de pausa as leituras costumam fazer companhia a todos nós para que o descanso seja passado também na companhia de boas histórias criadas para nos entreter, inspirar e ajudar. A pensar nos próximos dias, uma vez que também irei estar a descansar, optei por criar um texto sugestivo sobre alguns dos livros que estão a ser lançados e que parecem poder ser a companhia ideal para os diferentes gostos literários. 

 

Três Mulheres, de Lisa Taddeo, é um dos livros mais vendidos e falados do ano, sendo um retrato real da sexualidade e intimidade das mulheres. Três histórias verídicas que são relatadas com base num trabalho de investigação que se prolongou por dez anos. Este é um livro de memórias e testemunhos destinado aos leitores que gostam de conhecer histórias verídicas com que se possam identificar. 

 

O Anjo Caído é o thriller de Daniel Silva que volta a colocar Gabriel Allon no centro de toda a ação quando é chamado a entrar no Vaticano para uma nova investigação onde o futuro do planeta pode estar comprometido se tudo não ficar resolvido a tempo. Um regresso do autor e da sua personagem central a um espaço que já é bem conhecido pelos leitores que seguem a obra de Daniel Silva. 

 

Pepetela lançou Jaime Bunda e a Morte do Americano, livro que é lançado em Portugal pela Dom Quixote. Neste novo romance o regresso do divertido James Bond angolano e das suas aventuras acontece e as novas aventuras acontecem em Benguela, debatendo uma sociedade que Pepetela bem conhece. 

 

Um livro que promete perante os volumes já lançados é a terceira parte de A Revolta de Atlas, da autoria de Ayn Rand. Numa mistura de thriller com filosofia e questões que envolvem política, metafísica, economia, sexo e ética, neste livro a forma de estar e pensar de Ayn Rand é descrita para que o leitor se debata sobre os seus ideais. Não conheço os volumes anteriores, mas acredito que estes livros sejam uma celebração da vida e do positivismo com que a enfrentarmos. 

Ganha Livros | Autobiografia, de José Luís Peixoto

22
Jul19

autobiografia.png

 

Na Lisboa de finais dos anos noventa, um jovem escritor em crise vê o seu caminho cruzar-se com o de um grande escritor. Dessa relação, nasce uma história que mescla realidade e ficção, um jogo de espelhos que coloca em evidência alguns dos desafios maiores da literatura. 

A ousadia de transformar José Saramago em personagem e de chamar Autobiografia a um romance é apenas o começo de uma surpreendente proposta narrativa que, a partir de certo ponto, não se imagina como poderá terminar. José Luís Peixoto explora novos temas e cenários e, ao mesmo tempo, aprofunda obsessões, numa obra marcante, uma referência futura.

O novo livro de José Luís Peixoto, Autobiografia, foi lançado no início deste Verão e trás consigo um romance baseado entre realidade e ficção pelos anos noventa da nossa capital onde José Saramago marca presença nesta obra que já promete marcar a literatura nacional pelos próximos tempos. 

Autor de referência com várias obras que ficaram semanas pelo top de vendas nacionais, como é o caso de O Caminho Imperfeito, Em Teu Ventre, Abraço, Galveias e outros mais, José Luís Peixoto lança assim a meio de 2019 o seu Autobiografia. Aqui pelo blog e porque os bons livros são para partilhar, eis que tenho um exemplar desta mais recente obra do autor para vos oferecer. 

É em parceria com a Bertrand Livreiros (Facebook) / Bertrand Livreiros (Instagram) que tenho a oportunidade de vos poder oferecer um exemplar de Autobiografia. Esta oportunidade para ganharem um exemplar deste livro irá estar disponível até às 19h00 de dia 01 de Agosto, Quinta-feira, e nesse mesmo dia será revelado o nome do vencedor nesta mesma publicação, sendo o sorteio feito através do sistema automático random.org. O premiado será contactado via email com a notícia sobre o prémio. Para a participação ser válida tens de seguir os passos que se seguem...

Tudo o que sei sobre o Amor | Dolly Alderton

21
Jun19

tudo o que sei sobre o amor.jpg

 

Título: Tudo o que sei sobre o Amor

Autor: Dolly Alderton

Editora: Cultura Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Abril de 2019

Páginas: 300

ISBN: 978-989-54374-7-4

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: Quando se trata das provações e triunfos da jornada até à idade adulta, a jornalista e ex-colunista do SundayTimes, Dolly Alderton, já viu e experimentou de tudo. Ela descreve-nos vividamente o processo por que passamos quando nos apaixonamos, a luta contra a autossabotagem, a procura de um emprego, o que é dar uma festa desastrosa cuja temática é o RodStewart, apanhar uma bebedeira, levar com os pés, perceber que o Ivan da loja da esquina é o único homem com o qual sempre pudemos contar, e descobrir que as nossas amigas estão sempre lá, no fim de cada noite de desgraça. Este é um livro sobre encontros para esquecer, boas amigas e – acima de tudo – sobre sabermos reconhecer que somos suficientes.

Dolly Alderton sobreviveu (à tangente) aos seus Vintes e, em Tudo o Que Sei Sobre o Amor, apresenta-nos uma descrição impávida dos encontros catastróficos e dos apartamentos miseráveis, dos desgostos de amor e das humilhações e, o mais importante, das inquebráveis amizades femininas que a ajudaram a aguentar-se. Cheio de humor, coração e perspicácia, este é um livro para dar a todas as mulheres que já passaram por lá ou que estão prestes a dar o primeiro passo rumo ao resto da sua vida.

 

Opinião: Numa fase inicial da leitura de Tudo o que sei sobre o Amor somos convidados a entrar na vida da própria autora e suas companheiras de juventude que se estenderam pelos primeiros anos de adulta e a nostalgia com diversas situações com que me fui identificando aconteceram. Só que e como nem tudo consegue fluir de forma a conquistar na sua totalidade, esta leve biografia acabou por cansar pela forma repetitiva com que os temas são retratados. 

Os amores, as visitas aos pais, as conversas via telemóvel, festas regadas a álcool, drogas e sexo, a primeira vez, os encontros descomprometidos e os vários temas que invadem a vida dos jovens são comentados e partilhados nesta recriação de Dolly Alderton que dá aos seus leitores um pouco do que foi a sua vivência. Sim, todos conseguimos encontrar pontos em comum com estas vidas, como é o caso das memórias e amor que vamos criando para com os nossos amigos mais próximos ao longo da vida, partilhando, conquistando e tornando quem nos está próximo numa verdadeira família do coração.

À Primeira Vista | Danielle Steel

30
Mar19

à primeira vista.jpg

Título: À Primeira Vista

Título Original: First Sight

Autor: Danielle Steel

Editora: Bertrand Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Fevereiro de 2019

Páginas: 384

ISBN: 978-972-25-3584-7

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Nova Iorque. Londres. Milão. Paris. Fashion Week nas quatro cidades. Um mês de entrevistas intermináveis, festas, trabalho incansável e atenção aos detalhes nos desfiles de moda semestrais. No centro da tempestade e da avalanche de trabalho está a americana Timmie O'Neill, cuja renomada marca, Timmie O, é a personificação do casual chic. Ela criou um negócio que a inspira e ocupa toda a sua vida.

Apesar do êxito profissional, Timmie O’Neill vive marcada pelo passado. Até que um intrigante francês, Jean-Charles Vernier, entra na sua vida quando ela adoece na Semana da Moda de Paris. 

De início, Timmie e Jean-Charles Vernier têm apenas uma relação normal de paciente e médico. Com o tempo, tornam-se confidentes e amigos e, quando Timmie regressa a casa, mantêm-se em contacto a uma distância segura entre Paris e Los Angeles. Há uma boa razão para se manterem separados, mas nenhum consegue negar a amizade crescente e a atração que sentem quando se encontram.

À imagem e semelhança da própria vida moderna, é uma história complexa e atraente. Carreiras, famílias, histórias, perdas, dever, obrigação e medo de perder o controlo. São dois mundos muito diferentes, duas pessoas de personalidade forte que se cruzam e que podem mudar tudo de um momento para o outro. Serão suficientemente corajosos para enfrentarem o que vem a seguir? E farão isso, juntos ou separados?

 

Opinião: Danielle Steel é a minha autora de destaque no romance e ainda mais quando preciso de um bom livro para descansar após uma leitura mais pesada. Recentemente publicado em Portugal, conheci À Primeira Vista, um romance onde o suspense e o interesse vão incentivando o leitor a avançar para saber como tudo irá terminar após os vários percalços que as personagens criadas pela autora vão tendo pela frente. 

As premissas das narrativas parecem ser muito mais do mesmo, mas enganasse quem segue essa linha de pensamento porque em cada obra a história é alterada e Steel tem sempre a capacidade de surpreender ao longo do que vai sendo contado numa forma de contar, baralhar e voltar a avançar com a narrativa para manter o suspense praticamente até ao final com pontos que podem não ser fortes mas que cativam a quem gosta de boas histórias de amor relatadas como grandes peripécias familiares. 

A Sombra do Passado | Nikola Scott

08
Mar19

a sombra do passado livro.jpg

Título: A Sombra do Passado

Título Original: My Mother's Shadow

Autor: Nikola Scott

Editora: Círculo de Leitores

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Fevereiro de 2019

Páginas: 394

ISBN: 978-972-42-5229-2

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: 1958. A bela e inocente Elizabeth Holloway vai passar o verão a Hartland, uma magnífica propriedade no litoral do condado de Sussex, no Sul de Inglaterra.

Para a jovem, os Shaws são um modelo de sofisticação. Contudo, quando Elizabeth se apaixona, ninguém a avisa de que os seus sonhos são perigosamente ingénuos. Quarenta anos mais tarde, a filha de Elizabeth, Addie, encontra uma estranha à sua porta que afirma ser sua irmã gémea. Addie recusa-se a acreditar na declaração - até que o seu pai admite que as circunstâncias do seu nascimento não foram as que ela supõe.

A revelação desafia tudo o que Addie achava que sabia sobre a mulher brilhante e difícil que tinha sido a sua mãe. Agora, ela e a sua nova irmã Phoebe vão descobrir a extraordinária história de uma criança perdida, e o segredo de um verão radioso que mudou a vida de uma mulher para sempre.

 

Opinião: Numa história que junta de forma inteligente duas linhas temporais que se complementam, A Sombra do Passado retrata a descoberta de segredos familiares que acabam por criar alguma deceção entre os seus protagonistas.

Numa história comovente, a vida de Elizabeth vai sendo contada ao mesmo tempo que a sua filha Addie vai descobrindo um passado que lhe modificou a vida. Um ano após a morte de Elizabeth e no dia de celebração do dia, os segredos do passado surgem quando uma figura desconhecida aparece e se afirma ser irmã gémea de Addie. Phoebe aparece, após quarenta anos, para procurar o seu verdadeiro passado que nunca lhe foi contado pelos país adotivos. 

Através de retiradas do diário de Elizabeth é revelado muito do que aconteceu e que ajudaram a influenciar as suas decisões. Perdeu a sua própria mãe cedo demais, ficando sem o seu pilar, sobrando um pai austero e cruel. Depois apaixonou-se sem conhecer os contornos de quem estava do outro lado, deixando-se levar pela paixão e pela magia da mesma. Engravidou e ficou sozinha, contra uma sociedade de julgamentos que prejudicam vidas e alteram o rumo de quem só quer ter o que tem direito. Sem o amor do seu lado e sem o apoio familiar, Elizabeth acabou por se ver rejeitada, sozinha e com a necessidade de enfrentar uma gravidez escondida e mal vista na época.

Amor Ocasional | Série Netlix

23
Dez18

amor ocasional.jpg

A fama das comédias francesas no cinema é das melhores. E se colocarmos a mesma qualidade que é imprensa na grande tela numa série cuja primeira temporada tem oito episódios que são vistos num ápice e com agrado? Cheguei assim até à série Amor Ocasional, uma produção da plataforma Netflix.

Amor Ocasional é assim uma comédia romântica passada em Paris e onde a vida de três amigas é contada com todas as peripécias das suas relações amorosas. Protagonizada por Zita Hanrot, no papel de Elsa, uma jovem mulher que perde a ideia do amor perfeito e desiste de procurar a verdadeira paixão na sua vida. Só que as suas duas amigas, Charlotte, Sabrina Ouazani, e Emilie, Joséphine Drai, não desistem de ver o terceiro elemento do grupo sozinha e com isso e com as melhores intenções do mundo do seu lado, acabam por contratar um acompanhante para se fazer passar por uma forte paixão para Elsa. Só que, tal como é esperando neste estilo de produções, os planos inicialmente previstos não correm como planeado e a contratação acaba por ganhar outros sentimentos por esta jovem que deambula sozinha pela sociedade.