Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Plano Nacional Leitura -billboard

Águas de Tempestade | Danielle Steel

Círculo de Leitores

Publicado por O Informador, 17.03.20

águas de tempestade o informador.jpg

 

Título: Águas de Tempestade

Título Original: Rushing Waters

Autor: Danielle Steel

Editora: Círculo de Leitores

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Janeiro de 2020

Páginas: 314

ISBN: 978-972-42-5249-0

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: À medida que o furacão Ofélia se abate sobre Nova Iorque, milhões de pessoas são apanhadas pelas terríveis inundações que a tempestade desencadeia. Ellen Wharton, uma designer de interiores de sucesso, apanha um avião de Londres para Nova Iorque, decidida a visitar a mãe; Charles Williams, britânico e banqueiro de investimento, está ansioso por ver as filhas, que vivem com a sua ex-mulher em Nova Iorque; Juliette Dubois, médica do serviço de urgência, luta para salvar vidas; e Peter Holbrook e Ben Weiss, estudantes universitários curiosos com o desastre natural que se aproxima, recusam-se a abandonar o edifício onde vivem. Seis pessoas, seis destinos que se vão cruzar num dia marcado por uma catástrofe de proporções épicas que revelará quem são os verdadeiros heróis.

 

Opinião: Os romances de Danielle Steel já são habituais por estes lados por estarem sempre disponíveis para me fazerem companhia sempre que é necessário descansar de leituras chatas e pesadas. Com Águas de Tempestade a leitura aconteceu de forma rápida e a prova de que a autora ainda consegue agarrar o leitor pelos três c's é real. Criar, cativar e conjugar na perfeição histórias que se cruzam através de um só desastre faz de Steel a autora que consegue surpreender, relatando vidas desconhecidas e a necessitarem de um novo rumo em desenlaces felizes que podem levar o leitor mais distraído e a precisar de força para voltar a acreditar num autêntico sonho. 

As Aves Não Têm Céu | Ricardo Fonseca Mota

Porto Editora

Publicado por O Informador, 06.02.20

as aves não têm céu capa.jpg

 

 

Título: As Aves Não Têm Céu

Autor: Ricardo Fonseca Mota

Editora: Porto Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Janeiro de 2020

Páginas: 184

ISBN: 978-972-0-03192-1

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: Um homem vagueia pelas noites insones, revisitando o passado e a culpa que lhe vai consumindo os dias. A mulher trocou-o por outro e levou consigo a sua única filha, ainda pequena. Na semana de férias em que finalmente pode estar com ela, sofrem um acidente de viação que resulta na morte da filha.

A culpa e o passado cruzam-se neste romance feito de gente que vive no escuro, como o taxista que várias vezes apanha este pai e o transporta pela cidade silenciosa, e os dois companheiros com quem desde a morte da filha partilha o espaço.

Vencedor do Prémio Revelação Agustina Bessa-Luís 2015, Ricardo Fonseca Mota regressa à ficção com As aves não têm céu, um romance lírico que vem dar voz às sombras que se escondem nos recantos mais obscuros da alma humana.

 

Opinião: A sinopse promete pelo tema central girar em torno da morte de uma filha. Leto, um homem que se deixa levar pela solidão e abandono após a perda do que parecia ser uma família feliz, num dos dias em que tinha a companhia da sua filha acaba por a perder num acidente de viação. A viver com dois companheiros de casa e viajando de táxi pelas ruas da cidade, este homem já não tinha vida antes do acidente, ficando ainda mais devastado quando percebeu que já nada restava do seu passado.

Refletindo sobre a tragédia de forma constante, sem querer ser mas sobrevivendo, Leto é a demonstração degradada de um pai que vê a sua filha falecer mesmo à sua frente, num caminho para a morte sem volta a dar. Procurando encontrar quem jamais regressará à sua presença, este ser perdido e amargurado tem em si todas as falhas e angústias de quem vai vivendo sem a real vontade para o fazer, sendo um sobrevivente de uma vida bastante fragilizada.

Uma Vida Perfeita | Danielle Steel

Bertrand Editora

Publicado por O Informador, 28.01.20

uma vida perfeita capa.jpg

 

Título: Uma Vida Perfeita

Título Original: A Perfect Life

Autor: Danielle Steel

Editora: Bertrand Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Novembro de 2019

Páginas: 296

ISBN: 978-972-25-3595-3

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: Aos 47 anos, Blaise McCarthy é uma brilhante jornalista televisiva que parece ter tudo: beleza, inteligência e coragem. Mas, por trás desta imagem triunfante, há outras coisas que guarda consigo… Do seu segundo casamento, teve uma filha, Salima, que ficou cega por causa da diabetes. Esta vive durante todo o ano numa instituição especializada, o que permite a Blaise concentrar-se na sua carreira. Porém, um imprevisto determina que Salima tenha de voltar para casa da mãe. Os mundos, pessoal e profissional, de Blaise colidem e os seus segredos mais bem guardados ficam expostos. De repente, a sua vida deixa de ser perfeita e torna-se real. Mãe e filha juntas serão capazes de enfrentar um mundo que não conseguem controlar?

 

Opinião: Várias foram as obras de Danielle Steel lidas ao longo dos últimos anos e geralmente com uma boa avaliação pelas histórias elaboradas, mesmo que a base seja muitas vezes o romance entre duas pessoas teoricamente de mundos distantes e com ideias futuras também diferentes. Desta vez a fórmula não funcionou como na maioria dos casos e Uma Vida Perfeita acaba por ter um enredo cansativo, repetitivo e bastante previsível desde o primeiro momento. 

Uma mulher com uma vida estável e corrida, a viver sozinha e com uma filha a viver num colégio para ter apoio devido a uma cegueira que surgiu com os diabetes, o leitor é convidado assim a conhecer de forma rápida o ponto de partida da vida de Blaise e do que a rodeia. Uma jornalista e apresentadora de sucesso de um canal televisivo, com estabilidade mas que logo me desilude pelo facto de deixar a filha num colégio pela doença. Afinal de contas o que interessa a Blaise, a família ou a carreira? Um ponto negativo que é raro acontecer nos romances de Steel que costumam estar muito corretos nestes pontos onde a família é o mais importante e que neste caso mostra uma profissional de sucesso que só se preocupa com as aparências e audiências a desfavor de uma filha doente e que não sente o apoio e presença da própria mãe. 

A história desenvolve-se e de início percebe-se a alteração, uma vez que de um momento para o outro Blaise terá de receber a filha em casa por uns meses devido a um incidente no colégio. Com Salima para cuidar e sem tempo, surge um educador para a ajudar e a partir daqui e de forma bastante óbvia, nem preciso contar o que vai acontecer em menos de trezentas páginas.

 

Ler com as mantas

Publicado por O Informador, 09.01.20

ler.jpg

 

Ler descansado, já recostado na cama, embrulhado nos cobertores e com a manta pelas costas para que o corpo aqueça e se deixe embalar por belas histórias que me fazem viajar pelo mundo, conhecendo lugares, aprendendo sobre a história, passeando por terrenos com valor e que sei que dificilmente irei pisar um dia. É assim que gosto de passar os últimos momentos de cada dia, mesmo quando estou prestes a pensar no momento em que as luzes se apagam, os sons terminam e é tempo de deitar para descansar. 

Adoro ler à noite, quando a casa já está praticamente em silêncio, embrulhar-me nas mantas, ficar com o chá e algumas bolachas pela mesa-de-cabeceira para viajar, percorrer, conhecer e aprender. Um romance que me faça sonhar, um thriller que me leve a correr sem sair do lugar, uma biografia para conhecer quem está do outro lado... Como é bom ter o gosto pela leitura, apreciar cada palavra, conviver com personagens que são tão semelhantes com pessoas reais com quem me posso cruzar diariamente. 

A Irmandade - Ameaça Global | Pedro F. Ribeiro

Editora Gato-Bravo

Publicado por O Informador, 07.01.20

a irmandade capa.jpg

 

Título: A Irmandade - Ameaça Global

Autor: Pedro F. Ribeiro

Editora: Editora Gato-Bravo

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Setembro de 2019

Páginas: 240

ISBN: 978-989-8938-43-5

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: No livro A Irmandade – Ameaça Global, a aventura policial criada pelo escritor Pedro F. Ribeiro, acompanhamos a história do pequeno Lucas que, aos doze anos, sofre uma tragédia em família. Todos são mortos e ele é o único sobrevivente. Quem o acolhe é Hércules, que o leva para ser treinado e para crescer dentro do rigor militar de uma força clandestina, a Irmandade. A equipa compunha-se de Hércules, Prometeus, Atlas e o seu mais recente integrante, Lucas. Todos eles eram igualmente marcados pela violência e buscavam fazer justiça com as próprias mãos. Acompanhado, em maior parte, pelo seu mentor, Lucas lutará contra as suas emoções e a sua natureza, enquanto lida com as ameaças, neste romance de sangue, suor e lágrimas.

 

Opinião: Pedro F. Ribeiro estreia-se na literatura com este seu A Irmandade - Ameaça Global e desde já posso dizer que logo pelos primeiros e curtos capítulos, fiquei convencido com a história que me estava a ser contada sobre Lucas, ou melhor dizendo, Espectro. 

Com um início bem explicativo e onde é dado a conhecer Lucas em ambiente familiar para que fique a solo no Mundo, sem mãe e irmão. Com a morte de ambos, a criança é levada por Hércules, um completo desconhecido que o recolhe para um ponto distante onde lhe dá a conhecer outros dois jovens, Atlas e Prometeus. A partir daqui, Lucas entra na Irmandade onde a grande aventura começa com treinos, sanções, aprendizagens, dedicação e um só intuito, a defesa. 

Iniciando de forma calma e explicativa, este romance funciona na perfeição, dando a conhecer o essencial sem cansar para que a ação entre na rapidez necessária que prende o leitor por conseguir cativar pelas personagens bem construídas e apresentadas, sejam elas as que estão do lado do bem e as que parecem de tudo fazer para não deixarem saudades, mesmo com o impulso que transmitem ao desenrolar da história. 

Saturnália | André Fontes

Guerra e Paz

Publicado por O Informador, 09.11.19

 

saturnália andré fontes.jpg

 

Título: Saturnália

Autor: André Fontes

Editora: Guerra & Paz

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Setembro de 2019

Páginas: 192

ISBN: 978-989-702-496-2

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: É numa nova Lisboa que emerge uma personagem sedenta de experiências e da libertação de tudo o que lhe não permite agarrar o sonho de ser um grande escritor.

António Fausto é um jovem adulto igual a tantos outros da geração millennial, cheio de projectos e de aspirações megaló­manas. Quer ser gigante, mas atormenta-o a banalidade. Quer um caminho, mas falta-lhe encontrar-se. Na amizade, no sexo e na literatura encontra o refúgio necessário para que o peso de crescer lhe seja mais suportável.

Bem-vindos a esta Saturnália moderna, repleta de erotismo, boémia e angústias de uma nova geração num mundo igual­mente novo. Da outra margem a Lisboa, o retrato convulsivo de uma geração insatisfeita.

 

Opinião: André Fontes em Saturnália pica o ponto onde a maioria dos autores recua. Abordando de forma livre e real as vivências de um grupo de jovens adultos, neste romance imoral o sexo é a arma forte. A solo, a dois, em grupo e com público, as várias classes sociais juntam-se em quartos, casas-de-banho, e locais públicos para serem livres de preconceitos.

Saturnália revela um libertanismo exagerado, do meu ponto de vista, deste grupo de homens e mulheres que se querem, não olhando para a real consciência que as suas idades já lhes deviam dar. O sexo, as drogas com presença constante, as vidas atribuladas e feitas num constante vai-vem entre empregos temporários e instáveis. O futuro será este mesmo?

Não me revi na maioria das personagens retratadas em Saturnália, acredito numa muito exagerada imagem da sociedade dos tempos que correm, mas ao mesmo tempo pensando e percebendo que estes comportamentos existem e terão tendência a aumentar com o passar dos anos. Senti certos arrepios em determinadas descrições com que não me consegui identificar tanto pelos comportamentos descritos ao pormenor em certas situações como mesmo na visão geral de certos locais onde a ação mais intensa toma lugar. 

Descrito como «o primeiro romance da geração millennial», este livro reflete uma faixa social que não está preparada para lidar com emoções e encargos, resulto de uma educação recheada de proteção e facilitismo, que acaba por dar ao futuro adulto uma falta de preparação para seguir o correto. Os valores são desviados, as relações são atropeladas e a futilidade de cada ligação surge.

Lisboa, Chão Sagrado | Ana Bárbara Pedrosa

Bertrand Editora

Publicado por O Informador, 04.11.19

lisboa chão sagrado.jpg

 

Título: Lisboa, Chão Sagrado

Autor: Ana Bárbara Pedrosa

Editora: Bertrand Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Setembro de 2019

Páginas: 224

ISBN: 978-972-25-3868-8

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Eduarda, Mariana, Noé, Matias e Dulcineia são os eixos desta história, numa teia que se estende de Lisboa ao Rio de Janeiro, do interior da Bahia à Palestina.

Nas ligações entre as personagens, a cama aparece como lugar de animalidade onde todos os conflitos, materiais ou emocionais, se resolvem: o amor, a falta dele, o tédio, a tristeza, o luto, a vingança, a excitação, o estímulo da decadência. De resto, são as expectativas frustradas, os desencontros, o improviso perante o novo.

 

Opinião: Se todas as estreias literárias fossem como a da Ana Bárbara Pedrosa o futuro estava mais que assegurado. Num romance livre, arrojado, natural e real, em Lisboa, Chão Sagrado um pouco da realidade social nacional é retratada através de histórias que se cruzam entre ruas, recantos, países e vários espaços íntimos e de prazer. 

Num romance que arrisca onde vários autores consagrados têm medo de tocar, Ana Bárbara Pedrosa tem nesta sua obra cinco personagens chave que se cruzam entre si e com quem apanham pelo caminho. O afeto entre Mariana e Eduarda, que com diferença de idades se atraem praticamente à primeira vista para um amor com significados distantes para cada uma. Se alguém se entrega de livre vontade, do outro lado existe o peso da idade que acaba por aleijar quem simplesmente só quer desfrutar dos sentimentos, do apoio e companheirismo. Mariana, a jovem com um Mundo para descobrir. Eduarda com muito vivido e sem querer prender a sua companheira aos anos que já lhe passaram pela frente. 

Após conhecermos estas duas mulheres com ideias diferentes sobre as relações e o que têm para dar, encontramos Nóe, que sai do Brasil para encontrar Eduarda em Lisboa, quando percebe que a sua paixão já está enamorada por outras paragens. Sozinho num país que não é o seu, procuro novas relações e o que para si seria impensável, acaba por acontecer, o encontro com Matias, um rapaz transexual que se sente homem mas ainda não fez todo o processo para alterar o órgão. Para Nóe esta relação estava praticamente condenada à partida, no entanto o facto de Matias ainda ter vagina ajudam a que tudo fluía com medos e receios perante o futuro. Ou seja, um homem apaixonado desde sempre por mulheres acaba por recuar quando se sente atraído por Matias, no entanto os sentimentos acabam por falar mais alto e o que poderia ser um conhecimento para uma ou duas noites é desenvolvido numa boa história, fluída e sem qualquer tipo de complexos com todas as descrições reais e fulcrais da relação entre os dois homens que são loucos por mulheres.