Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

17
Jan20

A Morte do Papa | Nuno Nepomuceno

Cultura Editora

a morte do papa.jpg

 

Título: A Morte do Papa

Autor: Nuno Nepomuceno

Editora: Cultura Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Janeiro de 2020

Páginas: 352

ISBN: 978-989-8979-40-7

Classificação: 5 em 5

 

Sinopse: Uma freira e dois cardeais encontram o corpo sem vida do Papa sentado na cama, com as mangas da roupa destruídas, os óculos no rosto e um livro nas mãos. O mundo reage com choque, sobretudo, quando Pedro, um delator em parte incerta, regressa à ribalta e contraria a versão oficial. Porém, tudo muda quando imagens de  um escritor famoso vêm à tona, colocando-o na cena do crime.

Enquanto as dúvidas se instalam, um jornalista dedica-se à investigação do desaparecimento de uma adolescente. Mas eis que um recado é deixado na redação da Radio Vaticana. Com a ajuda de um professor universitário e da sua intrépida esposa, os três lançam-se numa demanda chocante pela verdade. O corpo da jovem está no local para onde aponta o anjo.

Pleno de reviravoltas e volte-faces surpreendentes, intimista e apaixonante, inspirado em factos reais, A Morte do Papa conduz-nos até um dos maiores mistérios da história da Igreja Católica, a morte de João Paulo I. Tendo como base os cenários únicos da Cidade do Vaticano, este é um thriller religioso arrebatador, de leitura compulsiva, e igualmente uma incursão perturbadora num mundo onde a ambição humana desafia o poder de Deus.

 

Opinião: Parece começar a ser cliché, mas não consigo ler um livro de Nuno Nepomuceno sem admitir o quanto é bom ter a oportunidade de conhecer a obra de um dos nomes fortes da literatura nacional nos tempos que correm. Mais uma vez a capacidade do autor de surpreender com um bom enredo foi superada e após os sucessos que me prenderam nos últimos anos, agora foi a vez de A Morte do Papa de chegar, conquistar e ficar desde logo entre os preferidos do ano, que ainda mal começou. 

Pegando no já conhecido professor Afonso Catalão e na sua mulher, a jornalista Diana, para que juntos protagonizem um thriller religioso recheado de suspense e mistério. Nesta obra a ficção atual faz uso de uma realidade com anos, cruzando histórias, tempos e personagens num mundo existente mas onde tudo é transformado numa pura criação onde Nepomuceno como que recria a morte do Papa João Paulo I nos tempos modernos e perante o nome da sua criação, o Papa Mateus I. 

Encontrado morto após 33 dias de ser eleito, o enredo desta obra arranca quando o anúncio da morte do Papa surge pela imprensa. A partir daí a trama desenrola-se para se cruzar com o misterioso desaparecimento antigo de uma jovem de 15 anos. O jornalista Paolo investiga o desaparecimento de Gabriella, já Diana encontra-se curiosa com a morte do Papa Mateus I. Duas histórias semelhantes ao que é contado de outros tempos e que neste livro se cruzam de tal maneira que conseguem agradar ao longo de toda a leitura. 

31
Out17

Imperium [Robert Harris]

imperium.jpg

Autor: Robert Harris

Editora: Editorial Presença

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Dezembro de 2006

Páginas: 320

ISBN: 978-972-23-6011-1

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Imperium transporta-nos até aos últimos quarenta anos da Roma republicana, seguindo as carreiras e as vidas dos homens que lutaram por a governar, entre eles Pompeu, Crasso, César e sobretudo Cícero. Através dos olhos de Tirão, secretário pessoal de Cícero, materializa-se diante de nós um retrato vivo e repleto de suspense do mundo violento, traiçoeiro, corrupto e labiríntico da cena política romana, e em especial do homem que conquistou Roma apenas com o poder da própria voz, sem apoio militar, sem descender de uma grande família aristocrata e sem dispor de uma enorme riqueza. 

Ao longo das batalhas que trava no Senado, nos tribunais e nas eleições e das intrigas nos bastidores, assistimos à sua ascensão determinada, implacável e feroz até obter imperium - o mais alto cargo da república romana, o sumo poder estatal. Com o esplendor e a sordidez de Roma como pano de fundo, esta é uma obra sobre a natureza intemporal do poder: a forma discutível como é adquirido, manipulado e exercido.

Este é o primeiro volume da trilogia dedicada à vida de Cícero, ao qual se segue Lustrum e Dictator, a conclusão magistral desta trilogia.

 

Opinião: A trilogia iniciada com Imperium e que continua através de Lustrum e Dictator acompanha a vida política de Cícero através do labirinto dos conflitos, interesses, crenças e vontades de uma época de ouro do Império Romano. 

Escrita por Robert Harris, este primeiro volume da trilogia mostra ao leitor um Cícero a iniciar os seus estudos em filosofia para se tornar advogado, o jovem que sonha mais que uma carreira. O leitor é convidado a acompanhar a ascensão deste herói através das memórias de Tirão, o escravo que se tornou assessor e amigo de Cícero com quem partilhou muitos momentos memoráveis, de festa e ingratidão, e que poucos puderem presenciar em certas ocasiões onde somente os mais próximos, como Tirão estiveram presentes. Através desta personagem que existiu e que deixou vários escritos sobre o seu senhor, Robert Harris relata momentos históricos do império ao mesmo tempo que a ficção se faz sentir em momentos narrativos necessários para criar um romance histórico mais leve e com conteúdo que não passou ao longo dos tempos até aos conhecimentos atuais. O autor criou assim em Tirão o seu escriba que marca presença em muitos dos momentos fulcrais de Cícero ao longo do percurso deste até alcançar o lugar de cônsul. 

Com uma escrita que começa pesada mas vai ganhando leveza, em Imperium além de acompanharmos o desenlace político de Cícero somos levados também a perceber as ideias de Tirão e a forma inovadora como desenvolveu a sua técnica de taquigrafia, baseada em símbolos, para substituir as palavras por símbolos que ainda hoje são utilizados em certas comunicações. 

27
Jan15

É Lisboa pois então!

2014 foi o ano do Porto ter sido a cidade escolhida como Melhor Destino Europeu numa votação mundial. Agora e porque Portugal continua na berra do turismo, há que votar na nossa capital para que o prémio continue por estas bandas.

Lisboa é uma das cidades nomeadas para Melhor Destino Europeu 2015, numa eleição que decorre no site www.ebd2015.com até 10 de Fevereiro. Lisboa volta assim a disputar o lugar que já foi seu em 2010 com cidades como Madrid, Barcelona, Amesterdão, Berlim, Praga, Roma, Londres, Paris, Viena e Istambul.

Que ganhe a melhor, a nossa pois então!