Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Ser Influenciador digital: Likes Vs. Motivação

Publicado por O Informador, 17.12.19

likes motivação.png

 

Se antigamente os verdadeiros influenciadores eram as figuras públicas que apareciam na televisão e no cinema, hoje em dia isso mudou e os influenciadores digitais tomaram lugar. Não ficam dúvidas quando vemos que os portugueses, cada vez mais, escolhem o meio online ao invés dos meios tradicionais.

Aliás, atualmente as crianças não dizem apenas que querem ser professores ou médicos, mas também instagrammers ou youtubers, ou seja, os ditos influenciadores. Os mais velhos, inclusivamente, começam a ter essa ideia em mente devido às diversas vantagens associadas.

No entanto este não é um caminho fácil! Mas se, mesmo assim, o quiseres percorrer, vou ajudar.

 

Qual o papel do influenciador digital?

O influenciador digital é uma pessoa capaz de influenciar o comportamento ou opinião dos seus seguidores através do conteúdo que publica nos canais de comunicação.

Na prática o que acontece é que os influenciadores trabalham arduamente para conquistar uma audiência fiel através de conteúdo de qualidade e, posteriormente, o trabalho árduo mantém-se, mas com o objetivo de manter essa audiência.

 

Quanto ganha este profissional?

A renda de um influenciador digital é muito variada, mas, o importante, é que é possível viver desta profissão – e viver bem a nível financeiro – para quem se dedica bastante ao seu espaço.

Além da publicidade com marcas, também é possível ganhar dinheiro com outras rendas, como a publicação de livros, a criação de cursos e eventos, entre outros.

Blogger anónimo

Publicado por O Informador, 22.11.19

anónimo.jpg

 

Alguns anos passaram desde que tudo começou com o blog. Comecei a fazer publicações, não dizia quem era nem mostrava imagens que me pudessem identificar, existindo Facebook, mas ainda não tendo Instagram na altura. Não poderei dizer que por detrás d' O Informador estava uma pessoa que não se queria apresentar, visto que quando me questionavam revelava quem era, não me escondendo totalmente atrás das palavras. Simplesmente tentava manter o anonimato e não revelada que tinha um blog porque ninguém o tinha que saber. 

Hoje vejo que nessa altura existia uma maior liberdade de escrita para que publicasse o que bem entendia. Agora já não é bem assim porque neste momento quem está do outro lado sabe quem sou, poderá seguir-me pelas redes sociais, ser meu familiar, amigo ou vizinho, e tudo isso fez com que a partilha livre e sem constrangimentos fosse alterada, isto porque só de saber que quem me conhece pode ser quem está do outro lado tudo altera. 

As situações partilhadas alteram de figura, existindo um certo condicionamento com filtros sobre o que é dito e revelado porque nunca se sabe quem está neste preciso momento a ler este texto em que até posso dizer «que se foda» ou que essa pessoa é uma grande cabra que assalta as carteiras alheias. Posso dizer o que me apetece, mas até onde termina a liberdade de blogger livre e desconhecido porque se pensa que existe uma maior necessidade de ter cuidado porque a carteirista ou a pessoa que gosta muito de mim mas que não admite uma asneira continua, será (?), a ler este texto?

Atualmente existe uma imagem a defender com «quem me quer bem» - não existe uma música parecida com esta expressão? - ou mal, que vão passando pelo blog de forma descontinuada mas que vão aparecendo e depois volta não volta lá comentam pessoalmente determinada publicação, o que para mim, pessoa que não gosta sequer que vejam as minhas publicações nas redes sociais quando estão ao meu lado, acaba por ser constrangedor. 

Parcerias vs. Chicos espertos

Publicado por O Informador, 21.11.19

redes sociais.jpg

 

As redes sociais são pontos fortes onde se pode encontrar tudo e mais alguma coisa, de truques e dicas, as vidas pessoais, comentários menos bons, conselhos, invejas e afins. Por vezes gosto de ficar a ver passar através do Instagram os InstaStories, mesmo que tenho o telemóvel ao lado onde vou espreitando se alguma coisa me suscitar interesse. E foi num desses momentos que detetei que uma mesma influencer/blogger consegue em várias publicações seguidas comentar produtos de forma tão reveladora e sincera que antes de provar revelou que adorava. 

Passo a explicar, a criatura armada em chica esperta recebeu um produto para experimentar. No lugar de experimentar e comentar de seguida, o que fez para cair no ridículo? Abriu o envelope, tirou o artigo e afirmou que esse mesmo produto era ótimo, para logo de seguida dizer que ainda ia experimentar. Então? O produto é ótimo antes de provar? Não percebi!

O mais giro é que esta mesma blogger também recebeu um livro no mesmo dia, voltou a mostrar o envelope de onde tirou o livro, que por acaso também recebi da mesma editora, e sem o ler já sabia que ia ser uma das suas melhores leituras do ano.

Então pessoal? Que estratégias de burla são essas? Então sem conhecerem já andam a revelar mil e uma maravilhas? Sei que podem ler comentários de uns e outros, mas não há nada como ter a vossa própria opinião sobre as coisas para poderem revelar se gostaram ou não dos que vos foi enviado. Comentar sem conhecimento de causa e só porque alguém disse que era bom não é aceite. Desculpem os muitos que andam por ai à procura de comentários para fazerem uma reflexão bem semelhante sem se darem ao trabalho de conhecem, mas isso não conta mesmo.

Facebook publicitário

Publicado por O Informador, 03.10.19

facebook.jpg

 

O desgaste para com as redes sociais começa a existir em determinadas faixas etárias e o Facebook por este lado fica cada vez mais de lado pelo modo cansativo com que insistem com a publicidade em cada três publicações e também por me deparar com sugestões de quem por vezes nem conheço mas que são as que mais rapidamente me surgem pela frente. O que é neste momento o fundamental do Facebook? É que para ter tanto acesso a publicidade, sites de notícias e histórias com imagens meio despidas sei onde procurar cada tema, sem ter de andar numa rede social que neste momento não passa de um catálogo de marketing para tudo o que lá quiserem colocar. 

Há uns anos deixei de utilizar, com a frequência que anteriormente o fazia, a minha página pessoal de Facebook, utilizando sim a página ligada ao blog para vos manter um pouco informados, no entanto é com o Instagram e mesmo o Twitter que prefiro andar com maior regularidade, embora a rede social ligada à imagem também tenha um peso publicitário cada vez mais forte, notando-se maioritariamente no espaço de InstaStories.

O que fizeram do Facebook nos últimos dois anos foi cortar a sua essência, cansando e levando ao afastamento de quem utilizava a rede como um local de partilha sem competição e influência desmedida do mercado. As imagens e links para as grandes marcas sucedem-se com promoções, novidades e destaques, as polémicas sociais são difundidas até mais não pela imprensa que é totalmente dedicada ao online, a capacidade de trocas e vendas é difundida como se a rede foi inteiramente dedicada ao mesmo e o essencial como tudo começou? Onde está a partilha saudável de pensamentos, desabafos, imagens do nosso dia-a-dia?

Neste momento não existe atração que me consiga prender ao Facebook pelo modo como tudo é gerido e por qualquer publicação passar despercebida porque assim que fazemos Publicar, logo surgem uns anúncios bem pagos atrás e o que nós, anónimos e mais pequenos queremos partilhar acaba por ficar completamente abafado pelo poder do mercado que paga publicações para estarem constantemente em destaque nos lugares cimeiros.

Fácil de chegar ao Instagram

Publicado por O Informador, 20.09.19

oinformador_nametag.png

 

O Instagram lançou há algum tempo a placa de identificação de nome e na altura não dei grande importância a este apontamento da rede social. Agora em segundos vi o conceito e deixo aqui a minha placa para chegares de forma rápida e fácil até ao meu perfil.

Andei a pesquisar o conceito e percebi que se abrires a área de Pesquisa (a lupa) do teu Instagram, vais encontrar no canto superior direito dois quadrados, um dentro de outro. Se clicares vai ser aberta a câmara, apontas para a imagem que tenho nesta publicação com o nome da minha página e de imediato aparece o meu perfil que se não seguires deixo aqui o convite para o fazeres.

Mentiras das redes sociais

Publicado por O Informador, 28.08.19

máscaras redes sociais.jpg

 

Eu partilho, tu partilhas, ele partilha, nós partilhamos, vós partilhais e eles partilham! Aqui está o verbo partilhar no presente do indicativo a iniciar um pensamento sobre o que vai sendo mostrado pelas redes sociais. A questão que levanto é, a realidade que é partilhada é assim tão verdadeira?

Será que todas as partilhas são assim tão reais sobre o dia-a-dia de cada um? Não, ninguém mostra a verdade, no entanto se uns são livres e partilham o que querem e bem entendem e se aproximam com ou sem filtros, à primeira ou com sucessivas tentativas, outros elaboram tanto que só acabam por mostrar que a vida que querem anunciar ao mundo não passa de um rascunho mal elaborado que com o tempo acaba por não funcionar. 

Aquelas selfies que não o são com todos os cuidados do mundo, com a roupa emprestada, a paisagem onde estiveram de passagem é vista sim, mas com o tempo alguém acredita que aquilo é assim tão real e que a vida daquelas pessoas acontece somente entre hotéis de luxo, praias e festas? Será que quem está a partilhar vidas de fachada tem noção que é notório que as vidas não são assim tão belas como as querem fazer pintar para passar aos outros? Vocês trabalham, acordam sem maquilhagem, cozinham, depilam-se, dizem asneiras quando se aleijam e até podem ter uma unha encravada, no entanto tudo é tão belo que até parece que não precisam do emprego onde ganham pouco mais que o ordenado mínimo nacional, visitam lojas da moda mais baratas e dividem o menu do almoço com a cara metade porque não têm fome para mais. Isso é a realidade de quem só mostra o novo fato de banho ao longe para não se ver a marca porque foi comprado numa loja online diretamente da China mas que parece igualzinho ao da Calzedonia, os ténis da Primark que são uma boa imitação de lado mas de forma disfarçada dos da Nike, o chinelo da Lefties que parece os da Havaianas. Tudo mostrado ao longe, de forma a não mostrar diretamente o local das marcas, num estudo de mercado bem conseguido para se mostrar o que não se é. Meus caros, quem vos conhece depois percebe que não têm nada a não ser demonstrações de grandeza quando na realidade se percebe que de grande nada têm à vista, só se for a imaginação para se fazerem passar pelo que não são. 

Caos sem rede

Publicado por O Informador, 13.07.19

offline.jpg

 

Escrevo agora mesmo com as teclas do portátil a darem os seus estalidos de forma contínua. Mesmo ao lado tenho o telemóvel com o ecrã a dar sinais de vida de vez em quando com novas notificações vindas das redes sociais, mensagens escritas, emails ou de aplicações informativas. O online não para, sempre estamos ligados, tudo nos tenta fornecer as novas do mundo, dar um Olá por vezes interesseiro ou simplesmente clandestino de quem não tem nada para fazer.

Onde inserimos tanta notificação ao longo de um dia em que é necessário trabalhar, aproveitar as horas vagas, alimentar o corpo, organizar a vida e descansar? Nos dias que correm não existe praticamente vida sem a correria das ligações de internet, sempre estamos ligados e no momento em que a rede fica desligada ou determinada aplicação bloqueia o mundo parece estar prestes a desabar. Ora porque não estamos a conseguir aceder ao email que tanto esperamos com uma resposta, ora porque não sabemos quantos gostos está a receber a última publicação feita nas redes sociais ou somente porque alguém nos contou um mexerico sobre uma publicação de outrem e é necessário ir espreitar. Andamos ligados, não saímos sem ver a temperatura do tempo que surge no ecrã do telemóvel, não começamos o dia fora de casa sem consultar as redes sociais, se existem mensagens por ler é bom logo despachar o tema antes que um revéns aconteça.