Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

feiralivro-billboard

A roupa infantil da discórdia

Publicado por O Informador, 29.03.19

zippy.jpg

Nos últimos dias a discórdia surgiu entre pais e educadores quando a marca de roupa infantil Zippy lançou a sua nova coleção sem género para crianças entre os 3 e os 14 anos. Quando anunciada esta futura nova coleção logo se sentiu um certo azedume pelas redes sociais, mas agora que a mesma foi lançada para o mercado as reações foram mais que muitas. 

Neste momento e após perceberem que parte da nova coleção disponível da Zippy para crianças não tem género, muitos anunciaram boicote à marca de que eram consumidores porque, segundo inúmeros comentários deixados pelas redes sociais, esta ideia das peças poderem ser utilizadas de forma indiferenciada entre rapazes e raparigas não faz sentido nos tempos que correm. 

Para a marca pertencente ao grupo Sonae, este lançamento aconteceu com o objetivo de «celebrar a individualidade e liberdade de expressão de cada um», pretendendo quebrar barreiras e estereótipos com uma coleção onde a cor é a estrela maior para todos. A Zippy não é pioneira com esta ideia, existindo mesmo marcas mundiais que somente lançam coleções sem género como é o caso da britânica John Lewis e de marcas mais pequenas como a Tootsa e a Claude & Co.

Infelizmente e em Portugal a sociedade pelos vistos gosta de estar no passado, onde as roupas infantis também já passaram por uma fase onde não existiam diferenças entre rapazes e raparigas. Mas agora e quando se fala na igualdade de género, existem núcleos que defendem que meninos têm as suas roupas especificas e as meninas outras. Muitos têm sido os comentários deixados nos murais das redes sociais da marca mostrando algum descontentamento por muitos e até tenham criado a hashtag #DeixamAsCriançasEmPaz. «Como não pactuo com a agenda ideológica, a Zippy acaba de perder uma cliente assídua, com vários filhos. Não voltarei a fazer compras nesta loja», afirma uma, pelos vistos, ex-cliente. Ao que outro acrescenta, «Não sei qual foi a intenção desta campanha, ainda, para mais nesta altura, onde não se fala de outra coisa. Terá sido intencional? Ou um infeliz acaso? Independentemente, de sim ou não, a Zippy neste momento está fora das minhas escolhas para os meus filhos». A sério mesmo? Olho para as imagens desta nova coleção e não vejo mal algum entre as peças lançadas. São thsirts, polos, casacos e afins de cor que tanto raparigas como rapazes podem vestir e já outrora vestiam, só que a marca os dividia entre duas coleções e agora estão uniformizados. 

Eu, o rapazito!

Publicado por O Informador, 16.09.16

Sinceramente, não querendo parecer convencido, sei que aparento por vezes ter menos idade que a verdadeira! Há uns dias no trabalho senti isso na pele com uma cliente a apelidar-me por rapazinho junto do meu colega, com dois anos a mais que eu, que foi chamado por senhor! A diferenciação poderia ter uma boa ou má conotação mas não senti nada de critica naquela forma de se exprimir perante os dois, simplesmente quis diferenciar mas enquanto eu fiquei contente...

Ah pois é, o «rapazito» já caminha para os trinta e continuam a achar que tenho uns vinte e quatro, vinte e cinco! Não me importo nada, embora há uns anos me tenham confundido com o meu primo que tem quase doze anos a menos, mas enfim. Na altura fiquei um pouco irritado e devo ter mostrado má cara, mas logo passou, embora a situação me tenha ficado marcada!

Nos dias que correm continuo a sentir que fisicamente quem não me conhece continua a achar, na maioria dos casos, que sou mais novo e isso poderá sempre ser um pau de dois bicos. Tenho responsabilidades laborais e consegui ao longo do tempo mostrar trabalho e por ser um dos mais novos, quase com trinta, e aparentar ainda menos, não quer dizer que não saiba o que ando a fazer. Só que quem olha à primeira vista para um suposto funcionário mais novo que os outros não leva a sério que a responsabilidade existe acima de quem tem mais idade.

Vejo um rapaz que morde as unhas e sangra tinta

Publicado por O Informador, 25.05.13

«Vejo um rapaz que morde as unhas e sangra tinta»

Barbara Kingsolver, em A Lacuna

Um bom escritor não o é pelo número de vendas que faz anualmente ou por fazer mais presenças junto do seu público, não sendo a quantidade de venda que define o bom do mau, mas sim a qualidade que na maioria dos casos não é valorizada. Um bom escritor não se valoriza a sim mesmo, trabalha arduamente para ter uma obra com que se identifique e morde as unhas para sangrar tinta sempre que a sua criação não está a seguir o caminho desejado. 

Na literatura existe notoriamente o que acontece em tudo na vida. Os bons com sucesso, os bons sem sucesso e os maus que triunfam ou ficam logo pelo caminho. Na maioria dos casos e a longo prazo, só quem realmente tem queda para as coisas consegue permanecer intocável e vai continuando a somar sucessos que os fazem crescer consoante os anos de carreira. Mas os bons autores só o são através de muita luta interior onde a crença de que se consegue fazer melhor do que o passado e para seu próprio bem os leva a conseguirem ultrapassar-se a si próprios.

Acredito que na literatura os bons são os que depois de anos de carreira a escrevem para si, mas mostrando aos outros o seu trabalho, já não se têm que preocupar com o que o público vai pensar das suas novas criações. Quem gosta de escrever por amor não o faz a pensar em quem lê, mas sim nos seus atuais sentimentos e ambições.

Um autor que será reconhecido após a sua morte e não daqueles que escrevem e escrevem e que não deixam obra feita faz tudo com gosto pelas letras e pela imaginação e não a pensar na sua economia. Os bons que sangram tinta não existem assim tanto por aí neste mundo que é cada vez mais feito a pensar no presente e no salva-se quem puder diário, deixando as coisas bem criadas para outros prismas.

Hoje faz-se tudo para se sobreviver e a pensar se a sociedade vai ou não gostar do que está a ser planeado e preparado, fazendo com que o rigor e qualidade deixem a desejar face a outros tempos. Já não existem assim tantos rapazes que mordem as unhas e sangram tinta!

Roupas indecentes em rapariga indecente

Publicado por O Informador, 28.11.12

Nos tempos de escola, uma menina mais nova que eu sempre gostou de ser provocadora e usar roupas bem ousadas e impróprias para a sua idade. Agora, aos 20 anos, essa menina já é casada e mãe, mas continua a gostar de provocar com o seu modo de estar junto do outros.

Em conversa com a minha melhor amiga a semana passada calhou falarmos dessa miúda que tem publicado fotografias suas pelas redes sociais como se fosse uma bomba sexy, um bocado para o gordo, mas acha-se a melhor do mundo, a mais gira... Enfim, e depois o que é engraçado é que arranjou um marido como ela, gabarolas e um autêntico desleixado com a sua imagem.

Nas fotografias de casal que têm partilhado pelo mundo virtual podem ver-se imagens com peitos quase de fora, pela parte dela e rabo à vista de todos, pelo lado dele. Será que as pessoas não tem consciência do ridículo que são? É que são assim viradas para o pimba, indo atrás dos seus ídolos, vestindo-se como se fossem a Ruth Marlene e depois ainda publicam imagens decadentes sobre as suas vidas. Cada um pode tirar as fotografias que quiser, mas não tem que as mostrar na sua totalidade, pois não?

Ela sempre gostou de ser assim, nada a ver com a irmã, que foi minha amiga, depois juntou-se com uma pessoa do mesmo género e deu uma parelha bem jeitosa de pseudos pimbinhas, onde ele trabalha para ela andar nas feiras a comprar as peças mais irrisórias para serem vestidas. Aos 20 anos eles já são assim, será que quando crescerem um pouco vão mudar? Não me parece porque sempre a conheci assim, mas mesmo longe, gostava que fossem mais normais!