Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Toda a Gente Nesta Sala um Dia Há de Morrer | Emily Austin

Topseller

toda a gente nesta sala um dia há de morrer.jpg

Título: Toda a Gente Nesta Sala um Dia Há de Morrer

Título Original: Eneryone in This Room Will Someday Be Dead

Autor: Emily Austin

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Março de 2022

Páginas: 288

ISBN: 978-989-564-974-7

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: Gilda não consegue parar de pensar na morte, imaginando cenários terríveis e improváveis que a deixam de coração aos saltos e com falta de ar. A sua ansiedade é tão grave, que os funcionários das urgências já a conhecem. Desesperada por encontrar algum alívio, dirige-se a uma igreja católica que oferece serviços de psicoterapia, onde é recebida pelo padre Jeff, que depreende que ela está ali para uma entrevista de emprego. Demasiado envergonhada para o corrigir, Gilda confirma e acaba por ser contratada como rececionista, para substituir a antiga funcionária, Grace, uma mulher idosa recentemente falecida.

O problema é que Gilda não só não é católica como também é ateia e lésbica. Sentindo que tem de manter as aparências, decide aprender os procedimentos da igreja, enquanto tenta ganhar coragem para lavar a pilha de louça que se acumula no chão da sua casa e convencer a namorada de que, apesar do seu aspeto cada vez mais preocupante, está tudo bem consigo.

No decorrer das suas funções, Gilda encontra a correspondência trocada entre Grace e a sua velha amiga Rosemary, mas não tem coragem de lhe dar a má notícia, pelo que começa a fazer-se passar por Grace por e-mail, encontrando algum consolo naquela troca de palavras generosas. Contudo, quando a morte de Grace começa a ser investigada pela polícia, Gilda vê-se obrigada a lidar com as mentiras que contou e que podem revelar a toda a gente a forma como tem verdadeiramente vivido.

 

Opinião: Toda a Gente Nesta Sala um Dia Há de Morrer é anunciado com a manchete do Library Journal como sendo «hilariante, solidário, exasperante e comovente» e tenho a dizer que após esta mensagem acreditei que me iria deixar conquistar e emocionar facilmente com esta obra de Emily Austin. No entanto não consegui sentir, nem de perto, os altos e baixos anunciados como sendo um bom aperitivo de aproximação da obra junto do leitor. 

Verdade ou Consequência | M. J. Arlidge

Topseller

verdade ou consequência.jpg

Título: Verdade ou Consequência

Título Original: Truth or Dare

Autor: M. J. Arlidge

Editora: Topseller

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Fevereiro de 2022

Páginas: 416

ISBN: 978-989-564-946-4

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: A cidade de Southampton vê-se a braços com uma onda de crimes violentos sem precedentes. Fogo posto num ferro-velho. Um assalto a um carro que termina em tragédia. Um homicídio num dos parques da cidade. A polícia tenta alcançar respostas a todo o custo, mas, sem pistas, parece ser impossível descobrir o que liga todos estes casos.

Para a inspetora Helen Grace, no entanto, os problemas estão apenas a começar: dentro da própria esquadra, os obstáculos acumulam-se, deitando por terra qualquer avanço nas investigações, ao mesmo tempo que a pressão sobre si não para de aumentar — e quando as peças do puzzle se começam a encaixar, revelando uma hábil e perversa teia de crimes, a inspetora Grace vê-se obrigada a enfrentar algo que talvez seja impossível de travar…

 

Opinião: A inspetora Helen Grace é chamada ao centro da ação perante vários crimes ocorridos em simultâneo em Southampton e cujos primeiros indícios nada mostram qualquer ligação entre as várias mortes e roubos cometidos. Um incêndio com autor, assassinato e roubo de carro dão o mote para tudo começar e com a sua equipa Helen entra em funções sem prever que para além das complicações que terá no terreno também dentro do seu próprio núcleo encontra entraves de maior. 

Numa história de tensão, intriga e malícia com Joseph Hudson, que se envolveu num passado recente com Helen e que agora a quer ver fora do seu posto de controlo na investigação para o próprio o assumir, em Verdade ou Consequência todos os envolvidos no enredo do lado da procura pela verdade têm um lado da balança e os dados que vão sendo encontrados nem sempre conseguem ser partilhados a bem de um desenrolar rápido na investigação. Num drama interno com momentos distorcidos, os cuidados com todos os indícios tendem a ser maiores e Helen segue o seu lema pessoal de se defender a si própria e seguir em frente, numa fase quase em modo solitária, a percorrer escombros e quadros de crime naquela que considera a sua luta diária perante os crimes que são cometidos em sociedade. 

 

Sinopse de Amor e Guerra | Afonso Cruz

Companhia das Letras

0FA8BC67-2439-4231-AF11-95DBB58E3ABB.jpeg

Título: Sinopse de Amor e Guerra

Autor: Afonso Cruz

Editora: Companhia das Letras

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Dezembro de 2021

Páginas: 184

ISBN: 978-989-66-5811-3

Classificação: 5 em 5

 

Sinopse: Theobald Thomas e Bluma Janek estão fadados a ficar juntos desde que vêm ao mundo. Os livros são o seu ponto de encontro. Mas a Berlim do pós-guerra, uma cidade enlutada e dividida, haverá de contrariar o que o destino parecia ter escrito.

Numa noite de Agosto, sem aviso, o chão de Berlim é rasgado pelos alicerces de um muro o mais famoso da História e a promessa do primeiro beijo fica adiada.

O novo romance de Afonso Cruz parte de uma trama real em que o amor e a guerra se entrelaçam para questionar certos limites, encontrando no fado individual de dois amantes o reflexo de algo universal: o que seríamos capazes de fazer por paixão, que barreiras ultrapassaríamos? Pode o amor saltar muros sem que alguém se magoe?

 

Opinião: Afonso Cruz sempre foi aquele autor que fui deixando escapar mas desta vez, o lançamento de Sinopse de Amor e Guerra aconteceu num momento em que dias antes tinha ouvido uma entrevista, via podcast, do autor e percebi que deveria fazer a encomenda desta sua nova criação literária. E não podia ter feito outra escolha, uma vez que este romance inserido na coleção do autor Geografias, histórias que surgem após uma viagem, acabou por ser uma boa revelação que acabei por ler quase de uma assentada.

Citações | 44 | Colagem de Amor

amor cacos.jpg

Nós somos pedaços e é necessário que quem nos ama nos reconstrua, como quem cola os cacos de um vaso partido. Que fazem dois amantes se não colar os pedaços um do outro continuamente pela eternidade do quotidiano? Porque continuamente nos caem pedaços e o trabalho de reconstrução jamais acaba. A cola que usamos chama-se dia-a-dia. Poderia ser o amor. Mas é o dia-a-dia. É aí que tudo se prova. O amor não é um poema de Petrarca, é apanhar as cuecas do chão. 

Afonso Cruz, em Sinopse de Amor e Guerra, editado pela Companhia das Letras