Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

02
Jun19

Torre Eiffel

torre eiffel 1.jpg

 

O final de tarde do primeiro dia em Paris foi para passar pela Torre Eiffel. Na mente já tinha a ideia bem vincada de que não iria subir. No local ainda hesitei se deveria ceder ou não em me deixar ir até à fila, uma vez que não tinha o bilhete comprado porque a ideia era só ver do chão e não subir. Hesitei mas foi percetível através de informação de que não dava para subir ao topo, ficando assim a ganhar e sem ser mais pressionado a subir a um dos principais destaques de Paris. 

Construída em 1889 pela mão do design Gustave Eiffel, com mais de trezentos metros de altura, a Torre Eiffel foi criada para servir de representação na Exposição Universal de Paris, e rapidamente se tornou no símbolo da cidade até aos dias que correm, mesmo criando na época alguma discórdia. 

Atualmente, a Torre Eiffel recebe milhares de turistas de forma diária, mas alguns, como eu, recusam subir aos diversos pisos disponíveis por causa das vertigens. Sei que é uma experiência única e que quem visita Paris devia obrigatoriamente de subir até ao último piso do monumento, seja de elevador ou subindo os mil seiscentos e sessenta e cinco degraus. Não consegui, hesitei, mas não tentei sequer. Dizem que subir a Torre Eiffel de noite é lindo e acredito nessa forte possibilidade mas optei por não seguir os conselhos e nem de dia nem de noite enfrentei o meu próprio receio das alturas. 

Andar pelas redondezas do monumento idealizado por Gustave Eiffel satisfez-me. Talvez se subisse conseguiria enfrentar os receios que tenho de estar umas centenas de metros acima do chão e não pensaria que tudo iria cair naquele momento, mas desta vez ainda não consegui contrariar as minhas próprias ideias de queda súbita. 

31
Mai19

Basílica do Sacré Coeur

sacre-coeur.jpg

 

A visita a Paris começou precisamente por subir até ao bairro de Montmartre para visitar principalmente a Basílica do Sacré-Coeur onde antes de entrar no espaço religioso tenho que destacar a fantástica vista sobre a cidade que é conseguida daquele ponto. 

Envolvida numa ambiente especial e que é notório e sentido ao visitar o local, Sacré Coeur foi edificada em 1875 numa obra idealizada por Paul Abadie e ainda hoje consegue manter muito do projeto iniciar para que os milhares de visitantes diários do local sintam a verdadeira força de um projeto religioso que junta num só espaço a crença, a beleza e o poder numa edificação que pode ser vista por inúmeros pontos da cidade. 

Após pesquisa posterior, fiquei a saber que Sacré Coeur conta com oitenta e três metros de comprimento, trinta e cinco de largura e a sua torre tem também oitenta e três metros de altura, tendo levado quase trinta anos a ser construída, entre 1875 e 1914.

A ideia com que ia do local seria a de mais uma basília, como as que existem em Portugal, mas ao entrar percebi que não a ideia não se formulou. A grandeza das pinturas, o encaixe da arquitectura e a tranquilidade sentida no local são únicos. O respeito é notório, a paz é refletida e a organização e cuidado para manter a obra e fazer melhor existem como forma de culto. Adorei visitar Sacré Coeur, a basília mais alta de Paris, tal como a zona onde se encontra. 

Após a saída do interior da principal atração da zona, eis que fiz um pequeno percurso pelo bairro de Montmartre onde encontrei uma variedade de lojas viradas principalmente para o turismo, tal como restaurantes bem franceses e especializados, mostrando uma zona mais requintada no que toca à oferta gastronómica. O ambiente é especial em torno de Sacré Coeur, encontrando o bairro dos pintores, bem conhecido entre o turismo mundial. Entre galerias espalhadas pelas ruas estreitas onde pintores ambulantes também oferecem os seus serviços e a praça onde os artistas trabalham e têm as suas obras em destaque.

 

27
Mai19

Paris, já fui e voltei!

avião.jpg

 

Estou de volta ao dia-a-dia normal!

Conheci um pouco de Paris ao longo de cinco dias, apresentei-me e desfrutei de uma cultura semelhante mas com diferenças notórias da nossa em Portugal. Foram dias de visitas, diversão e muito cansaço, tendo chegado ao fim com a ideia que muito vi e descobri mas que ficou tanto por percorrer.

Visitei o Museu do Louvre, fui até Montmartre, onde encontrei a rua dos pintores e Sacré-Coeur, passei pela Torre Eiffel, fui surpreendido por Sainte Chapelle, fiquei desiludido ao visitar o Palácio de Versalhes e já estava cansado quando entrei nos vários museus em torno do Palácio dos Inválidos. A diversão aconteceu na Disneylândia e o regresso aconteceu com a ideia de desejo cumprido, viagem positiva e desejo de voltar daqui a uns tempos para ver, com mais calma, o que ficou para trás por falta de tempo. 

Pelos próximos dias irei contar um pouco mais sobre este passeio e o que fui sentindo ao longo desta visita por França, mas por agora me fico por aqui porque é necessário descansar das férias antes mesmo de regressar ao trabalho. 

30
Out17

Queixas de passageiros de cruzeiro que nunca ouviu

Navios-cruzeiros.jpg

O sector do turismo é provavelmente uma das áreas com mais histórias insólitas para contar. Todos os motivos são bons para reclamar e para tentar que pelo menos uma parte do dinheiro seja devolvida. E quando se trata de cruzeiros as histórias são verdadeiramente hilariantes.

Aqui ficam seis das queixas mais engraçadas e originais que alguns passageiros de cruzeiro já fizeram.

 

1. O camarote interior não tem janela. É verdade. Há pessoas que fazem mesmo este tipo de queixa. Neste caso o melhor a fazer é mesmo recomendar que o passageiro leia bem os diferentes tipos de camarotes existentes antes de fazer a sua reserva.

2. O motor do navio faz muito barulho. Ora aqui está outra situação difícil de resolver. Já chegaram mesmo a pedir ao capitão para desligar o motor do navio devido ao ruído. Isso realmente ajudaria a reduzir o barulho do motor mas, evidentemente, seria complicado continuar com o cruzeiro com o motor parado.

3. O mar faz muito barulho. O problema de muitas destas queixas é realmente o ruído. Mas a verdade é que quando se opta por um cruzeiro é obrigatório conviver com o som do mar. Para quem não gostar muito o melhor será provavelmente optar por outro tipo de férias.

4. Passageiros com enjoos. Há muitos passageiros que se queixam de ter enjoos no mar. Ainda se fosse o primeiro cruzeiro havia sempre a hipótese de não saberem que enjoam. Mas normalmente quem se queixa são pessoas que já fizeram alguns cruzeiros. E a verdade é que a tripulação do navio não tem propriamente culpa disso. Provavelmente este tipo de férias não é o mais recomendado para pessoas com estômagos sensíveis.

5. Reclamações devido ao mau tempo. Ninguém gosta quando as condições climatéricas não colaboram durante o período de férias. Em mar alto as coisas podem complicar-se ainda mais. Mas a verdade é que não é possível negociar a meteorologia com o São Pedro. No entanto muitas são as pessoas que reclamam do mau tempo e chegam mesmo a dizer que quando compraram a viagem não foi com estas condições.

01
Mar15

O dia de hoje!

Acordar a meio da manhã, nada comi como pequeno-almoço por falta de apetite! A sala esperava-me com o recúo para a programação do serão de ontem onde a estreia da segunda temporada de MasterChef Portugal aconteceu pela TVI. Quis ver, gostei, mas logo mais contarei o que achei sobre o programa num novo texto! O almoço bateu à porta com uma massa de marisco para não encher o estomâgo com algo que não lhe cabia e a hora de sair chegou!

A tarde, essa foi direta por Lisboa, zona de Belém, onde ao primeiro Domingo de cada mês se realiza a feira de antiguidades com mais expositores que já vi pelo nosso país. Após isso, o Museu Berardo esperava por alguém que lá não tem ido pelos últimos meses, eu. 

Hoje o dia correu absolutamente bem, sem pressas e correrias com tudo à mistura... Amor, mimo, passeio, cultura, nada de compras indispensáveis, comida e bem-estar. Agora ao serão fica-se por casa a colocar a escrita e leitura em dia, dando uma vista de olhos pelo que se está a passar por aí e com a televisão a fazer-me companhia!