Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Corta papel de infância

cortar papel.jpg

 

As lembranças fazem-se sentir e acabei de me recordar de uma fase pela qual passei em criança em que as folhas da imprensa serviam como meio de entretenimento durante horas e horas, enchendo sacos e mais sacos de completo lixo.

Talvez entre os sete e os nove anos e ao longo de um período ainda justificável de meses, passei por uma fase em que todas as revistas, jornais e folhas que aparecessem por casa era guardados para serem recortados. Todos os papéis que apanhava que já não fizessem falta ficavam amontoados num canto da sala onde me entretinha várias horas por dia a cortar papel para nada. Uma folha de revista, por exemplo, cortava em modo cobra ou às tiras e depois desse trabalho inicial a tesoura continuava em funções para transformar cada tira em pequenos quadrados que se iam multiplicando em sacos e mais sacos. Podes imaginar sacos de plástico do supermercado e caixas de papelão com papéis e mais papéis cortados do tamanho de uma unha. Sim, era desse modo que transformava cada folha que apanhava.

Sei que muitos dos sacos iam para o lixo e que na altura nem ligava ao que ia fazendo e desaparecia cá de casa, mas hoje a lembrança surge e percebo que tendo um saco cheio e outro a caminho que os mais antigos iam sendo levados para o lixo, que era onde todo aquele papel devia ter sido colocado logo quando deixou de fazer falta em casa. O entretenimento que tinha nesses longos meses era cortar papel aos bocados, resultado de ser filho único, numa época sem computadores, telemóveis e afins com tudo o que existe nos dias que correm. Sei que enquanto estava naquele meu trabalho ficava calado e vivia no meu mundo fechado e por isso acabava por ser ao mesmo tempo um escape para os pais que me tinham no sossego, embora estivesse a empregar o meu legítimo tempo para nada. 

Revista Playboy com regresso marcado

playboy.jpg

 

Setembro de 2019 assinalará o regresso às bancas da revista Playboy, numa versão renovada que surge numa união com a 4Men, a publicação digital líder destinada ao universo masculino que visita a plataforma NiT.

Aliando a versão em papel e o digital, a nova Playboy Portugal apresenta-se antes de ser lançada como uma nova «super revista masculina» que contará já a partir de Setembro com um novo design, conteúdos originais, reportagens, novas e renovadas secções viradas para o dia-a-dia, moda, consumismo e entretenimento, notícias sobre a atualidade nacional e internacional, onde marcarão também presença vários cronistas para comentarem os mais sensíveis temas do momento na publicação em papel de forma mensal ou no site de forma diária. 

Este relançamento da Playboy em Portugal surge através da aquisição de 25% do capital da CCM, detentora dos direitos da revista no nosso país por parte da MadMen, dona da revista NiT, que terá a partir de Setembro a responsabilidade de provar ser capaz de marcar posição e conquistar os leitores para este novo projeto que é a revista Playboy Portugal. 

Já no que toca à publicação digital e pelo que foi revelado até aqui, o portal contará com as entrevistas e capas das antigas edições em papel, tal como as famosos imagens das Playmates e muito mais do que foi feito em termos nacionais e internacionais no universo Playboy. 

Correios com serviço esporádico

ctt.jpg

Já me haviam dito e a desconfiança já existe há algum tempo, mas agora tenho a certeza de que o serviço de correios na aldeia acontece de forma cada vez mais esporádica. O que antes acontecia diariamente tem vindo a ter uma tendência de afastamento com a visita do carteiro a acontecer em algumas semanas somente por duas vezes. 

Acho um completo desrespeito pela população que ainda recebe a maior parte da sua correspondência em papel. O serviço anda a ser adiado constantemente por estas visitas do carteiro que faz a sua volta de mota, não entregando tudo nos dias em que os CTT estipulam como normais para a entrega acontecer, dentro dos prazos entre o envio e a entrega. 

Se existem prazos a cumprir em determinados serviços, os CTT eram uma das entidades que sempre achei que mais os cumpriam, mas nos últimos anos isso tem vindo a perder o rigor de outros tempos. Uma completa falta de respeito que tem vindo a ser feita após a privatização da empresa que tem visto os clientes como bolsas de dinheiro que somente têm de usufruir dos serviços sem saberem quando os seus envios são entregues. Isto acontece numa altura em que há uns meses já foram anunciadas metas mais exigentes para o serviço prestado pela empresa em causa, mas até agora tudo parece ter caído em saco roto.

Post-its nos presentes

Post-it-13.jpg

O Natal bateu à porta e como são cada vez mais as lojas que não fazem os embrulhos do que compramos para oferecer, na maioria dos casos ensaquei e fiz eu próprio o embrulho para esconder os presentes que irão ser entregues não tarda nada. Como não sou de colar etiquetas com o «De:» e o »Para:», eis que optei por simples post-its para identificar cada saco e os embrulhos que serão reencaminhados para as respectivas pessoas. 

As pequenas folhas coloridas com uma barra colável que são usadas ao longo de todo o ano para me ajudarem a relembrar alguma coisa passadas umas horas serviram neste Natal também para identificar os presentes que assim não são trocados, não correndo o risco de os entregar a quem não pertencem. 

Guerra e Paz lança livros únicos

Novembro é o mês em que a editora Guerra e Paz lança para o mercado dois livros únicos e em edições bem especiais! O Bordel das Musas ou as nove donzelas putas, de Claude Le Petit e As Flores do Mal, de Fernando Pessoa, são as duas obras a que me refiro e passo já de seguida a explicar as razões de ambas serem assim tão especiais!


O Bordel das Musas

Claude Le Petit, um libertino francês que acabou por ser queimado na fogueira, em Paris, a 1 de Setembro de 1662, deu a sua alma aos poemas eróticos que lançou e que agora são publicados pelo nosso país através do livro O Bordel das Musas ou as nove donzelas putas. Tendo sido este o livro que o terá condenado à morte, aos 23 anos, o poeta transpôs a sexualidade e o desejo para as palavras e a Guerra e Paz lança agora em Portugal uma edição especial da obra do autor onde dois artistas portugueses, João Cutileiro e Eugénia de Vasconcellos desenharam e traduziram, respectivamente, deram o seu toque especial.

Com belos poemas, acompanhados por desenhos bem irreverentes, este livro de capa dura, de formato 15cm x 21 cm e revestido a tela Brillianta conta com um papel com uma maior densidade que o habitual, transformando-o num lançamento único e numa edição limitada de 1.150 exemplares, todos numerados e com a assinatura digital dos dois portugueses que lhe deram o seu cunho.

ao leitor crítico. Epigrama 

Crítico que julgas ser libertino

Em matéria foditiva, tem tino,

Não te espantes, peço,

Por encontrares a foda no começo.

Preferia morrer de raiva

A ter na minha obra – que eu saiba –

Maliciosamente deixado

Algum mau exemplo a seguir,

Se os antepassados pra vida nos fazer vir

Foda sobre foda encaixaram,

Posso bem começar o meu livro

Por onde eles o mundo começaram.

O Bordel das Musas ou as nove donzelas putas,de Claude Le Petit15x21136 páginas24,00 €Poesia EróticaNas livrarias a 19 de NovembroGuerra e Paz Editores | Três Sinais
 As Flores do Mal 

Os vícios de Fernando Pessoa e seus heterónimos passaram para as palavras. Pela primeira vez, os textos que descrevem tais comportamentos e necessidades estão juntos num só livro, As Flores do Mal - absinto, ópio, tabaco e outros fumos. Aos poemas de Pessoa juntam-se 51 fotografias originais e a preto e branco de Pedro Norton, entrando assim numa comunhão para com a escrita do poeta.

No entanto o que acaba por distinguir esta obra das restantes é a sua capa concebida totalmente em madeira, sendo que esta edição única, pelo menos neste formato, está toda numerada, contando somente com 1.500 exemplares.

Cada capa foi feita numa só folha de madeira, tendo sido a primeira vez que tal foi feito em Portugal. Recorrendo a tecnologia laser deu-se à madeira flexibilidade para fazer a lombada, desenhando-se a imagem da capa e contracapa da mesma forma. Neste livro tão especial são apresentados 32 textos e 51 fotografias, sempre com recurso a materiais luxuosos combinados num formato de 24 cm x 24 cm.

Pouco nos interessa saber se Fernando Pessoa se embebedava, afundava no ópio ou se espetou alguma agulha morfinómana no delicado braço. Neste livro o que conta é a forma como os vícios, as drogas americanas que entontecem, lhe iluminam a escrita. Este é um livro de vícios: pessoal e íntimo.

As Flores do Mal,de Fernando PessoaFotografias de Pedro Norton24x24156 páginas + 5 folhas Pop'set55,00 €Livro de ArteNas livrarias a 19 de NovembroGuerra e Paz Editores | Três Sinais

Dois livros únicos, lançados praticamente em simultâneo e a fazerem história, principalmente junto de quem ficar com um dos exemplares numerados através destas primeiras edições bem especiais de obras cujos seus autores marcaram o seu tempo e que sempre serão recordados pelo mundo literário mundial.