Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

27
Jun19

Frio atendimento

mau atendimento.jpg

 

É incrível como em pleno século XXI e com a taxa de desemprego ainda um pouco elevada, existam pessoas a trabalhar com o público sem o mínimo de sensatez sobre um bom atendimento. Se não sabem lidar com os outros quando estão ao serviço, então o melhor é mesmo procurarem um emprego onde estejam sozinhos e sem qualquer contacto com os outros e deixarem assim o seu lugar vago para quem o sabe realizar em condições.

Ir a um estabelecimento, quer seja café, restaurante, loja, caravana ou padaria e perceber que atrás do balcão está uma pessoa com cara fechada, a falar com mau tom, num volume elevado a revelar ainda mais a sua má disposição, é somente meio caminho para ficar com vontade de virar costas e seguir viagem sem fazer qualquer pedido ou questão.

Será que as pessoas que gostam de trabalhar na área comercial não têm consciência do que estão a fazer perante a cordialidade e simpatia que têm de demonstrar aos clientes? Podem estar no pior dia de merda do mês, fartos das oito horas obrigatórias, indispostos por algo que comeram ou insatisfeitos pelo mau pagamento, mas uma coisa é estar mal, outra é descarregar no cliente que não tem qualquer culpa do seu estado de espírito.

Peço, por favor, que sejam educados e que se ponham no lugar dos outros. Trabalho com o cliente e sei o que é estar dos dois lados. Se sou mal recebido não volto e sempre é isso que tenho em conta quando estou em modo empregado a receber clientes que precisam de ajuda e que por vezes necessitam somente de uns minutos extra de conversa que não me custa a dar e que deixam em vários casos quem precisa de falar satisfeito para voltar onde se sentiu bem recebido. 

15
Set18

Presidente da RTP sem noção

rtp.png

Gonçalo Reis é o atual Presidente do Conselho de Administração da RTP e em entrevista ao jornal Público afirmou que «a RTP está a prestar mais serviço público, ao Estado caberá ajustar a Contribuição para o Audiovisual de acordo com a inflação tal como a lei estipula». A minha questão vai no sentido que sempre debati sobre o facto de sermos todos nós, numa taxa com a fatura da luz, a pagarmos a RTP que gasta milhões e ainda contém publicidade, menos que os privados, mas que podia perfeitamente se igualar ao tempo publicitário da concorrência para sobreviver por si. O problema disto tudo está mesmo nos luxuosos ordenados e na quantidade de funcionários que os canais públicos de televisão têm há anos e muitas vezes sem qualquer sentido. Quem paga? O povo que muitas vezes nem passa os olhos pelo canal! Com isto o Presidente Gonçalo Reis ainda quer ter um cheque maior para poder fazer programas em direto por onde lhes apetece só para terem uma vista sobre o Tejo, mesmo que para isso paguem milhões por ano quando o mesmo formato podia ser feito em estúdio e sairia bem mais barato.

Para Gonçalo Reis o Governo devia recompensar a RTP pelo serviço público que tem sido feito nos últimos anos, mesmo com as audiências dos canais públicos a baixarem. A solução para o Presidente seria aumentar a taxa do audiovisual em 2019 nas faturas pagas todos os meses. «O financiamento da RTP é dos mais baixos da Europa. Até a Grécia, a Bósnia ou a Macedónia têm recursos superiores para o audiovisual. Nos últimos anos, com esforço, sacrifício e empenho interno, a RTP lançou novos canais na TDT, abriu os arquivos históricos, aumentou o apoio ao cinema e produção independente, e à divulgação de áreas culturais. Atuando numa situação de concorrência, de mercado, em que as exigências são crescentes, a RTP tem de ter os meios», afirma, e para isso têm de apostar, digo eu, em formatos mais caros que não são vistos e não recolhem assim o interesse publicitário.

Olho para as palavras proferidas e só penso que existe muita falta de noção dentro do canal público. Na programação diária apostem em séries para o horário nobre que ninguém vê e que podem muito bem começar logo após o Telejornal para terminarem no espaço de dez semanas, em alguns casos, perto da meia noite. O day time tem formatos base mas depois andam constantemente a inventar situações para andarem pelo país, o que envolve maiores despesas. Ainda no entretenimento são vários os rostos com salários fixos e que passam semanas a aparecerem com espaços semanais de minutos inseridos nos programas diários. Renovações de contratos com medo da concorrência e criação de programas para segurarem apresentadores só porque sim e não a pensar nos bons valores do canal. 

11
Ago18

Amadorismo

teatro.jpg

Os anos de vida que me permitem ser um espetador de vários espetáculos levam-me a ser algo critico com o que vou assistido e quando entro numa sala onde me vai ser apresentado um projeto e logo de início percebo que os horários não são cumpridos, tudo fica apresentado porque está mais que claro que o rigor com o cumprimento do que foi anunciado não é para levar a sério, mas o pior vem sempre depois.

O espetáculo finalmente começa e logo se percebe que em palco vão desfilar grupos amadores de música que não fizeram um e só um ensaio no palco onde estão a atuar para o público. Luzes não estão preparadas, o som nem sempre é o melhor, microfones ligados e desligados, com melhor ou pior qualidade. Os mestres de palco a fazerem sinais para a equipa sobre o estado do que se está a ouvir, as indefinições de posições perante o público, a desorganização sobre quem entra e quem sai.

O que ainda mais destaquei e que podia quebrar um pouco os tempos mortos do evento foi a apresentação entre os vários grupos. Colocarem duas crianças a lerem rápidos apontamentos enquanto o palco era alterado para quem vinha de seguida. Claro que não resultava porque o que era lido num rápido minuto não compensava o tempo de movimentações, necessitando estes espetáculos de alguém que saiba entreter para que a assistência não se concentre nas falhas e tentativas de organizações de última hora que estão a acontecer no momento em que tudo já devia estar estabelecido e composto.

06
Abr18

O Dioguinho e a CMTV

diogunho cmtv.jpg

O Dioguinho e a CMTV são dois monumentos da informação portuguesa. Com eles podemos saber tudo. Todos os detalhes sobre qualquer facada ou atropelamento que tenha acontecido em qualquer parte do país. Todos os detalhes sobre a opinião de Joana Latino sobre a roupa que Rita Pereira vestiu no Portugal Fashion. Tudo sobre as críticas que as redes sociais estão a fazer a Carolina Patrocínio pela forma como está a divulgar o nascimento da terceira filha. Bem dizia o Ricardo Araújo Pereira que agora temos interesse em saber a opinião das redes sociais mas antigamente ninguém queria saber a opinião dos snack-bares.

 

A notícia perfeita: quando a CMTV é notícia no Dioguinho

Quando os dois se juntam, é perfeito! É quase como jogar no NetBet Casino ou noutra plataforma de casino online e ganhar um jackpot nas “slot machines” virtuais. Tudo o que temos na CMTV é maximizado de forma magistral pela “pena” do Dioguinho.

Foi o que aconteceu há poucos dias, no final de Março, quando o divórcio do comediante e apresentador João Paulo Rodrigues deu azo a peixeirada na CMTV. Um programa de fofocas da televisão resolveu apontar baterias ao apresentador da SIC e à sua vida privada e o Dioguinho não podia deixar passar isso em claro – ele está sempre atento ao que vai passando na televisão do Correio da Manhã.

15
Nov14

A febre sobre As Cinquenta Sombras de Grey

O livro As Cinquenta Sombras de Grey já foi lançado há alguns meses tendo levado milhões de mulheres por todo o mundo há loucura pela forte história de amor, sexo e sadomasoquismo descritos na obra. Agora que o filme inspirado no livro está prestes a encher as salas de cinema, a febre volta a assumir o seu lugar e elas voltam a estar eufóricas. A razão de tanto entusiasmo era o que gostaria de perceber...

Qual será a verdadeira razão para as leitoras ficarem tão rendidas a este livro de teor erótico que fez as delícias de muitas e que agora volta a estar em destaque pelas livrarias e mesas de cabeceira mundiais? Acredito que muitas fãs de As Cinquenta Sombras de Grey admiram a obra por esta lhes revelar o que podiam ter e não conseguem obter em casa com os seus maridos, talvez por vergonha e preconceito de serem arrojadas dentro de quatro paredes. Será que este tipo de literatura consegue assumir o lugar dos deveres de um casal no campo sexual, ajudando o mesmo a atingir novos pontos de ambos os corpos quando até aqui tudo parecia igual e mais do mesmo?

Sinceramente não entendo o sucesso e fascínio para com esta obra que já rendeu milhões à sua autora e que também já foi a causadora de vários divórcios onde se percebeu que em casa tudo pode acontecer em termos sexuais, não estando dois ou mais corpos exclusivamente delineados para certas posições e pensamentos. 

Mulheres que leram As Cinquenta Sombras de Grey, ajudem-me, com boas explicações, a perceber o sucesso e o entusiasmo para com a obra de E. L. James. Preciso fortemente desta ajuda compreensiva sobre um livro que não li e não penso fazê-lo!