Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

26
Abr18

Leitor «passa páginas»

livros.jpg

Não é novo, mas quando ficas lado-a-lado com outros leitores consegues perceber que existem leituras que acontecem de forma rápida porque o envolvimento com a narrativa acaba por levar um tombo ao longo dos momentos em que cada um se dedica a cada livro.

Pessoalmente e quando pego numa obra é para ler com atenção do início ao fim, passando por todas as páginas e parágrafos, não saltando palavras porque a história continua e mais pela frente tudo se vai apanhando. Sou assim, sempre achei que um livro é para ler na íntegra e não dedicar quinze segundos a olhar de forma rápida para duas páginas e seguir em frente porque as mensagens daquelas linhas foram supostamente apanhadas. Podem dizer que cada qual tem o seu método de leitura sim, mas qual o objetivo de pegar num livro de por vezes quase trezentas páginas, por exemplo, e em meia hora, ou menos até, ter tudo lido se mal olham para a maioria dos parágrafos que vão sendo descritos pelo autor? Isto acontece e não venham dizer que não porque os factos por vezes até são bem visíveis quando alguém fica ao nosso lado de livro na mão, as folhas são viradas ao mesmo tempo e tu lês quatro linhas e já a pessoa do lado está a virar de novo a página. Como é possível tudo ter sido lido? Impossível e de forma bem visível!

Sinceramente não compreendo estes leitores que preferem a rapidez com o «passa páginas» de forma a despacharem um livro de forma rápida, não lhe dando o seu devido valor, optando sim por ter mais uma leitura feita, sem no entanto se deixar absorver na sua história.

31
Mar17

O Anjo da Morte

o anjo da morte.jpg

Autor: M. J. Arlidge

Lançamento: Fevereiro de 2017

Editora: TopSeller

Páginas: 336

ISBN: 978-989-8855-43-5

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Helen Grace, até aqui considerada a melhor detetive do país, é acusada de homicídio e aguarda julgamento na prisão de Holloway. Odiada pelas restantes prisioneiras e maltratada pelos guardas, Helen tem de enfrentar sozinha este pesadelo. Tudo o que deseja é conseguir provar a sua inocência. Mas, quando um corpo aparece diligentemente mutilado numa cela fechada, essa revela ser, afinal, a menor das suas preocupações.

Os macabros crimes sucedem-se em Holloway e o perigo espreita em cada cela ou corredor sombrio. Helen não pode fugir nem esconder-se por atrás do distintivo. Precisa agora de ser rápida a encontrar o implacável serial killer? se não quiser tornar-se a sua próxima vítima.

 

Opinião: Ao longo dos últimos tempos tenho-me deixado conquistar por autores que desconhecia e dentro do thriller então as surpresas têm sido várias. Agora e sem saber que O Anjo da Morte pertence a uma série com livros já publicados, peguei neste último lançamento de M. J. Arlidge e encontrei aqui um autor que não tem nada a esconder com a sua escrita e narrativas tão bem criadas que conseguem prender o leitor do início ao fim sem que se perceba quem na verdade possa ser o rosto que será descoberto perto do final para que tudo fique esclarecido e se possa seguir em frente. 

26
Mai14

Mais visitas! Obrigado!

Obrigado por estarem a fazer deste mês o melhor do blogue! Todos os resultados anteriores já foram ultrapassados e ainda não chegamos ao final de Maio! Visitantes únicos, número de visitas, páginas, hits e bytes, tudo foi suplantando, existindo logo os primeiros meses deste ano revelaram-se os melhores d' O Informador, estes dias têm conseguido surpreender e desde o dia do trabalhador que os valores têm andado acima da anterior média, elevando os resultados e causando surpresa!

É com orgulho que vejo o blogue a crescer e a ter cada vez mais visitantes a lerem e a partilharem o que escrevo, a comentarem e a falarem sobre as minhas opiniões. Tenho feito tudo com a dedicação que sempre mostro para com este projeto e é assim que prometo continuar. Nada disto seria possível sem quem segue O Informador, por isso mesmo só vos tenho a agradecer o apoio e a ajuda para com este crescimento do blogue.

Agradeço a todos e prometo continuar a fazer o que tenho feito até aqui! Muito, mas mesmo muito obrigado por estarem desse lado!