Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

O Dia em Que Escapámos aos Nazis, de Ivan Sciapeconi

Editorial Presença

00C639A3-26F0-4CEA-ADF0-83F8E16F19F6.jpeg

Título: O Dia em Que Escapámos aos Nazis

Título Original: 40 Cappotti e un Bottone

Autor: Ivan Sciapeconi

Editora: Editorial Presença

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Janeiro de 2023

Páginas: 160

ISBN: 978-972-23-7041-7

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: Inédita e comovente, esta é a história de 40 crianças e jovens judeus que fogem da Alemanha nazi e se refugiam em Itália… até ao dia em que têm de tentar escapar outra vez.

É um dia de verão e estamos em 1942. Quarenta crianças e jovens judeus chegam à estação de Nonantola, perto de Modena, em Itália. Fugiram da Alemanha nazi, com a ajuda de Recha Freier, e dirigiam-se à Palestina, mas a guerra troca-lhes as voltas: primeiro vão para a Croácia, depois Eslovénia e finalmente Itália.

Ali chegados, ficam no solar Emma, fora da cidade. O pior parece ter ficado para trás: há aulas, várias atividades, e os mais velhos aprendem ofícios. Entre aquele grupo está Natan, um menino que, ao início, desconfia de tanta generosidade. Dentro dele, estão muito vivas as memórias do pai a desaparecer, do adeus à mãe e ao irmão mais novo. Mas ali não há estrelas amarelas nos casacos, não há guetos, não há o grande medo da noite.

Porém, a 8 de setembro de 1943, as tropas nazis começam a chegar a Nonantola, e o grupo do solar Emma tem de tentar escapar novamente. Desta vez, não estão sozinhos, têm uma comunidade inteira a ajudá-los. Mas como poderão enganar as tropas de Hitler? De que forma conseguirão fugir? O padre de Nonantola tem um plano, um engenhoso plano, em que toda a aldeia terá de participar.

Esta tocante história, baseada em acontecimentos reais e narrada por uma criança, emociona-nos, dá-nos esperança e faz-nos acreditar num mundo onde todos, juntos, podemos construir algo melhor.

 

Opinião: Voltei ao tema da Segunda Guerra Mundial na literatura e com O Dia em Que Escapámos aos Nazis as coisas não me correram assim tão bem como em outras narrativas anteriores.

Ivan Sciapeconi criou e contou a história de quarenta crianças e jovens judeus que tiveram de fugir da Alemanha em direção a Itália pela força dos combates que se instalaram. Pelo caminho passaram pela Palestina, Croácia e Eslovénia onde viveram com o medo do que estava pela frente, com fortes memórias de um passado de dor e perda. Com um presente a parecer ganhar estabilidade, surgem as tropas de Hitler que voltam a trazer o medo a este grupo que foi acolhido por toda uma comunidade que os ajuda a seguir um caminho de fuga quando tudo parecia estar a acalmar.

Para Lá do Inverno | Isabel Allende

Porto Editora

E0D81120-4EDD-4AAD-9C84-5C30023D6466.jpeg

Título: Para Lá do Inverno

Título Original: Más allá del invierno

Autor: Isabel Allende

Editora: Porto Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Novembro de 2017

Páginas: 336

ISBN: 978-989-784-608-3

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: «No meio do inverno, aprendi por fim que havia em mim um verão invencível.» Albert Camus

Isabel Allende parte da célebre frase de Albert Camus para nos apresentar um conjunto de personagens próprios da América contemporânea que se encontram «no mais profundo inverno das suas vidas»: uma mulher chilena, uma jovem imigrante ilegal guatemalteca e um cauteloso professor universitário.

Os três sobrevivem a uma terrível tempestade de neve que se abate sobre Nova Iorque e acabam por perceber que para lá do inverno há espaço para o amor e para o verão invencível que a vida nos oferece quando menos se espera.

Para lá do inverno é um dos romances mais pessoais da autora: uma obra absolutamente atual que aborda a realidade da migração e a identidade da América de hoje através de personagens que encontram a esperança no amor e nas segundas oportunidades.

 

Opinião: Para Lá do Inverno dá a conhecer ao leitor três personagens que são obrigadas a cruzarem e partilharem o seu caminho por serem atingidas por uma forte tempestade de neve em Brooklyn, Nova Iorque, e que os deixa à mercê das baixas temperaturas, entre três pessoas que têm pela frente uma alteração da sua vida que só acontece pelo tempo em que são quase que obrigados a conviver no mesmo espaço e a reagir como se sempre estivessem estado juntos.

Nesta obra de Isabel Allende é dado a conhecer um professor universitário, Richard, um homem reservado, que não gosta de partilhar o seu espaço e a sua própria vida com os outros, quando de súbito e muito pela forte queda de neve se vê envolvido num acidente automóvel com uma jovem imigrante ilegal guatemalteca, Evelyn, que trás consigo o verdadeiro problema deste romance e que acaba por dar o mote para que num dia de tempestade, Richard tenha de recorrer à ajuda de Lúcia, uma mulher chilena que vive na cave da sua moradia, para que juntos consigam organizar o caminho em que de súbito estão envolvidos quando se descobre que no interior do veículo conduzido por Evelyn no momento do embate está um cadáver.

O Palácio de Papel | Miranda Cowley Heller

Suma de Letras

o palácio de papel.jpg

Título: O Palácio de Papel

Título Original: The Paper Palace

Autor: Miranda Cowley Heller

Editora: Suma de Letras

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2022

Páginas: 408

ISBN: 978-989-784-531-4

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Numa manhã perfeita de agosto, antes que alguém acorde, Elle Bishop sai para nadar na lagoa do «Palácio de Papel» — uma casa em Back Woods, Cape Cod, onde a sua família, há muitas gerações, passa todos os verões.

Ao passar em frente à casa, Elle vê, no alpendre fechado, a mesa desarrumada com as coisas do jantar da véspera: copos de vinho vazios, a cera das velas na toalha, ecos das gargalhadas de familiares e amigos.

Quando mergulha na lagoa, lembra-se do que aconteceu na noite anterior: o encontro secreto e apaixonado com o seu companheiro de infância, atrás da casa, enquanto o marido, a mãe e os convidados conversavam lá dentro.

Assim começa uma história que se desenrola ao longo de 24 horas; Elle terá de decidir entre o mundo que construiu com o seu amado marido, Peter, e a vida que sempre imaginou que teria ao lado do seu amor de infância, Jonas, se um acontecimento trágico não tivesse mudado para sempre o curso das suas vidas.

 

Opinião: O Palácio de Papel podia ser uma história real, mas não são todos os romances capazes de o ser? Esta criação de Miranda Cowley Heller é aquela história de amor real, sem elaborar e relatado de forma intensa e com uma certa crueldade pelo meio a ponto de deixar o leitor dividido sobre o caminho que deverá ser seguido por Elle, a mulher que construiu família com Peter mas que tem em Jonas o seu grande amor de adolescência, com quem guarda alguns segredos que ficam para a vida. Estará esta mulher pronta para abandonar o certo pelo amor que sempre sentiu mas que não foi vivido no tempo certo? Este romance é feito de escolhas e demonstra com exatidão que os caminhos percorridos no passado são a causa do presente.

Esta é uma história de amor, de encontros e afastamentos onde os receios e as omissões tomam lugar num livro onde o suspense interage com as partidas do coração perante um passado que interfere com o presente, mostrando como cada vida pode ser um simples palácio de papel, tão frágil que de um momento para o outro pode abanar e mesmo ruir.

A Espia do Oriente | Nuno Nepomuceno

Cultura Editora

a espia do oriente capa.jpg

Título: A Espia do Oriente

Autor: Nuno Nepomuceno

Editora: Cultura Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2022

Páginas: 784

ISBN: 978-989-9096-27-1

Classificação: 3 em 5

 

Sinopse: Um atentado iminente. Um segredo enterrado no passado. Um homem e uma mulher que se odeiam, forçados a trabalhar juntos.

A gozar de uma licença de serviço por motivos de saúde, o diretor do Gabinete de Informação e Imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, um espião ocasional, é chamado de regresso ao ativo. Um cientista foi raptado e um atentado afigura-se no horizonte, ameaçando o equilíbrio político da Europa.

Porém, quando uma mulher enigmática, cujo nome e passado são mantidos em segredo, se oferece para trabalhar com o espião português, o mistério adensa-se. Ela tem no seu historial vários furtos e homicídios, mas será ele capaz de resistir à tentação da sua beleza exótica e invulgar?

Entre cenários tão variados quanto cosmopolitas de locais como Courchevel, Budapeste, Dubai e Lisboa, A Espia do Oriente é um thriller psicológico de leitura compulsiva, que nos transporta para uma teia complexa de mentiras, traições e reviravoltas inesperadas, como só Nuno Nepomuceno consegue criar.

 

Opinião: A Espia do Oriente é o segundo livro da trilogia Freelancer, de Nuno Nepomuceno, uma obra que se iniciou com O Espião Português. No primeiro volume ficamos a conhecer André Marques-Smith, um espião português, como o título indica, que trabalha no gabinete de comunicação do Ministério dos Negócios Estrangeiros e que com o tempo sente fortes constrangimentos para conseguir aliar as suas duas funções, o que o deixa a viver num caos onde até no amor o peso desta vida dupla acaba por existir. Com o desenvolver da história chega A Espia do Oriente, onde a este espião se junta uma mulher sedutora, com traços orientais que tem tanto de misterioso como de empolgante, o que acaba por provocar em André um misto entre a curiosidade e o receio de aproximação.

Após a corrida em O Espião Português, agora é tempo de regressar ao ativo, procurar um manuscrito que muitos querem e é necessário ao mesmo tempo salvaguardar rostos políticos europeus bem conhecidos para que nada lhes aconteça. Interesse dúbios, motivações dispares e duplas caras estão em destaque nesta narrativa onde a confiança no próximo é colocada em causa quando existem decisões importantes a tomar. Quem levará a melhor nesta corrida onde o tempo e as emoções são um inimigo tão grande como os disfarces existentes entre as várias fações desta intriga de interesses?

Prisioneira do Tempo | Livro II - Atlântico | Patrícia Madeira

prisioneira do tempo.jpg

Título: Prisioneira do Tempo | Livro II - Atlântico

Autor: Patrícia Madeira

Editora: Cultura Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2022

Páginas: 784

ISBN: 978-989-9096-27-1

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Como pode uma mulher regressar a casa, se ela própria já não é a mesma?

Depois de em Prisioneira do Tempo - Recife ter viajado para o Brasil de 1813 e vivenciado a Revolução Pernambucana, Manuela está agora de volta ao século XXI, trazendo com ela duas mágoas: a notícia de que o seu amado Francisco faleceu e toda uma antes impensável necessidade de adaptação ao presente.

Estará Henrique, o marido, à sua espera? As amizades permanecerão intactas mesmo após a distância? Voltará ela a viajar no tempo? Para quando? Para onde? E como poderá fazê-lo?

Do outro lado do Atlântico, porém, Francisco, um militar agora elevado a general, não morreu. Mas a certeza de que esse terá sido o destino de Manuela transformou-o num homem emocionalmente destruído.

Afastados pelo mar e pelos séculos, poderão eles reencontrar-se?

Esta é a ansiada continuação de uma história carregada de ação, emoção e acontecimentos históricos do século XIX que emocionou milhares de leitores.

 

Opinião: Recife, o primeiro volume da história de Prisioneira do Tempo, conquistou pela boa parceria conquistada entre ficção e factos históricos que Patrícia Madeira conseguiu implementar na sua criação tão bem conseguida onde através da vida de Manuela o leitor é convidado a viajar no tempo, do século XXI para o século XIX, mais concretamente até Recife, no ano de 1813. Com o regressar ao presente, as alterações na vida desta mulher são notórias, uma vez que não aceita o que deixou para trás, a sua paixão por Francisco, para voltar à sua vida, tão vazia e fora de si, no presente. E assim começa o segundo volume desta saga que é a Prisioneira do Tempo.

Iniciando todo o processo no presente onde regressou grávida, Manuela tenta mostrar ao seu marido Henrique, e para com a sua melhor amiga, tudo o que passou enquanto esteve desaparecida. Como explicar de forma a ser acreditada que esteve num passado tão longínquo onde viveu durante anos se não é possível viajar no tempo? Os meses passam no presente, a gravidez avança e uma nova perda acontece, deixando Manuela devastada, regressando assim a um tempo que já foi seu e onde tem tudo para redescobrir, num novo local, mas na mesma época. Estará afinal Francisco no passado, que acreditou ter perdido a sua amada para sempre, preparado para um encontro quando a sua vida parece estar, sem vontade, a seguir entre várias interrogações dentro de uma nova normalidade que não vai de encontro à sua vontade? Este regresso ao local onde foi feliz acontece, novas descobertas trazem consigo outras perspetivas de vida e também vários receios sobre um possível novo desgosto que a pode levar a regressar ao presente onde não deseja estar.

A Profeta | Maria Francisca Gama

Suma de Letras

a profeta capa.jpg

Título: A Profeta

Autor: Maria Fransica Gama

Editora: Suma de Letras

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2022

Páginas: 152

ISBN: 978-989-7846-07-6

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Mariana é uma jovem mulher solitária. Tem um emprego do qual não gosta, passa os dias e as noites sozinha a ler um livro misterioso.

Sente um profundo desprezo pela Humanidade, mas não consegue evitar ajudar quem precisa, mesmo que a ajuda venha na forma de um frasquinho de veneno indetetável.

Através das pessoas com quem se vai cruzando, todas vítimas de alguém, Mariana vai eliminando o mal do mundo e, ao fazê-lo, junta uma legião que jura segui-la para sempre, como a uma profeta.

Neste livro, Maria Francisca Gama faz uma reflexão sobre a religião, o certo e o errado, e a aleatoriedade de acontecimentos que em segundos destroem uma vida. É a incapacidade de aceitação e a busca por uma justiça divina que, não chegando, é feita pelas próprias mãos.

 

Opinião: A história contada em A Profeta leva o leitor a acompanhar Mariana, uma jovem solitária, infeliz e sem pilares familiares que a sustentem por um preâmbulo de encontros com desconhecidos a quem espalha a palavra como uma missão que sente como salvamento do próximo. O poder da palavra como a verdade acima de qualquer controlo para dar voz a vidas que caminham com a dor e perante as quais procura discípulos para passar a mensagem que acredita ser a correta, a de que todos devem pagar pelos males cometidos. 

Nesta história cada capítulo é um cruzamento de Mariana com uma pessoa que lhe parece à primeira vista distante mas que com quem tem algo em comum, um passado de dor que resultou num pesado presente. Para ajudar os mais sensíveis, esta mulher tem do seu lado um ingrediente secreto que acaba com a causa do sofrimento dos que lhe contam as suas vivências por estarem mais suscetíveis ao poder da influência. Os conselhos de Mariana para que os outros se consigam libertar das suas lutas interiores levam a momentos de causa efeito perante o poder da vingança feita pelas próprias mãos, levando os aconselhados a seguirem os seus ideais como uma profeta dos nossos dias. 

 

Prisioneira do Tempo | Livro I - Recife | Patrícia Madeira

Cultura Editora

prisioneiro do tempo recife.jpg

Título: Prisioneira do Tempo | Livro I - Recife

Autor: Patrícia Madeira

Editora: Cultura Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2021

Páginas: 864

ISBN: 978-989-9039-55-1

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Um momento de dor extrema conduz Manuela, sem que o compreenda, a uma viagem no tempo. Chega ao Brasil de 1813, um território sob domínio português, onde na sombra cresce a Revolução Pernambucana, o primeiro movimento a ultrapassar a fase conspiratória, um passo inspirador para a independência do Brasil da coroa portuguesa, que anos antes fugira de Lisboa para o Rio de Janeiro.

Enquanto tenta adaptar-se a um mar de adversidades e preconceitos que resultam da diferença entre séculos, o inesperado acontece-lhe... apaixona-se por um militar e acaba rendida às emoções de uma vibrante história de amor. Manuela revive episódios históricos e cruza-se com personagens verídicas. Convive com a realeza e choca-se com o mais hediondo negócio de todos os tempos… a escravatura.

Uma mulher entre dois territórios, uma alma que se procura a ela própria. Pelos olhos desta viajante assistiremos às origens, tão apaixonadas quanto violentas, de uma nação. Tal como um centelha provoca um incêndio, há um primórdio para toda uma existência. Será possível alterar o passado? Valerá a pena lutar contra o destino ou será o próprio sofrimento o passaporte para o futuro?

 

Opinião: Em Portugal encontrei Manuela em pleno século XXI, a viver um casamento com Henrique quando sofre com a perda da mãe. Do nada, aparentemente sem explicação, Manuela acaba por ser arrastada no tempo e dá por si a viver no ano de 1813 na cidade de Pernambuco, no Brasil. A premissa está lançada e com ela surge um bombom adicional, é que nesta união entre ficção e factos históricos, a portuguesa vive numa época diferente da sua, com todas as condicionantes que tal mudança leva consigo, mas a memória e o conhecimento continuam consigo, ajudando a saber o que poderá acontecer como uma antecipação dos factos perante o seu novo dia-a-dia.

Uma mulher dos nossos tempos que do nada se vê perante comportamentos inaceitáveis de outra época e que percebe que ao estar, sem saber como, sujeita a permanecer num espaço e tempo onde não pertence, da resignação passa à aceitação e com esse modo de estar transforma-se na apelidada por Mulher do Povo, diferente das da época e incapaz de ficar de braços traçados enquanto as injustiças e desigualdades desfilam ao seu redor.

De novo apaixonada por um homem de outra época, o coronel Francisco, que percebeu a sua diferença e rapidamente ficou rendido ao seu modo de estar e olhar para a sociedade, Manuela é a grande opositora dos costumes e ainda hábitos vividos, transformando-se num forte rosto da oposição civil, enfrentando os tempos da escravatura, a fragilidade das mulheres que são mantidas longe das grandes decisões da família e por consequência da comunidade, servindo como um ser reprodutor e cuidador. Com Manuela a interferir e ao se tornar um símbolo de obstinação, o debate perante o preconceito e a mudança para uma sociedade feita de bastantes desigualdades acontece perante esta mulher que não se deixa abater e enfrenta quem se colocar pela frente, desbravando caminhos sem medos, indo de encontro ao que nos tempos de hoje é a normalidade e que no passado histórico aconteceu como um mal maior entre as várias faixas sociais que se usavam e rebaixam como forma de progressão.

A História de uma Serva | Margaret Atwood

Bertrand Editora

a história de uma serva.jpg

Título: A História de uma Serva

Título Original: The Handmaid's Tale

Autor: Margaret Atwood

Editora: Bertrand Editora

Edição: 2ª Edição

Lançamento: Junho de 2021

Páginas: 352

ISBN: 978-972-25-2577-0

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Uma visão marcante da nossa sociedade radicalmente transformada por uma revolução teocrática. A História de Uma Serva tornou-se um dos livros mais influentes e mais lidos do nosso tempo.

Extremistas religiosos de direita derrubaram o governo norte-americano e queimaram a Constituição. A América é agora Gileade, um estado policial e fundamentalista onde as mulheres férteis, conhecidas como Servas, são obrigadas a conceber filhos para a elite estéril.

Defred é uma Serva na República de Gileade e acaba de ser transferida para a casa do enigmático Comandante e da sua ciumenta mulher. Pode ir uma vez por dia aos mercados, cujas tabuletas agora são imagens, porque as mulheres estão proibidas de ler. Tem de rezar para que o Comandante a engravide, já que, numa época de grande decréscimo do número de nascimentos, o valor de Defred reside na sua fertilidade, e o fracasso significa o exílio nas Colónias, perigosamente poluídas. Defred lembra-se de um tempo em que vivia com o marido e a filha e tinha um emprego, antes de perder tudo, incluindo o nome. Essas memórias misturam-se agora com ideias perigosas de rebelião e amor.

 

Opinião: A História de uma Serva é a distopia que Margaret Atwood excelentemente criou para dar vida a várias personagens pela voz de Defred, uma serva que fica ao dispor de um Comandante e perante todas as regras que a sua nova casa lhe ditam. 

Nesta história encontramos uma jovem mulher, no ano de 1985, a contar a sua história de vida ao longo de três tempos diferentes, o antes de ser recolhida para o seu novo estado de vida, o durante o tempo em que esteve sujeita a condições desumanas e o depois, aquele sonho do que poderia estar por detrás das portas. Nesta história Margaret consegue levar o leitor pela vida de uma serva que fica ao serviço de um homem, o Comandante, cuja ciumenta mulher não lhe consegue dar filhos. Esta esposa não consegue engravidar e dar assim continuidade à família, como tal as servas são colocadas ao dispor das famílias com tais dificuldades para terem filhos no lugar das esposas inférteis. Nesta distopia a par das servas existem as Tias, mulheres mais velhas que controlam e ditam as regras perante as novatas que entregam de forma forçada o seu corpo e ainda as Martas, cujas funções passam pela cozinha e limpeza das casas. Todas estão presas dentro de vidas que não desejaram, todas têm no seu Comandante o tutor, e as regras são para serem levadas a sério, onde cada qual tem a sua função bem implementada sem que possam existir extravios e somente com uma finalidade, a procriação para dar continuidade ao nome de família do Comandante, procriação essa que é feita entre o próprio e uma das servas, na presença da sua esposa e com os conselhos das Tias sempre atentas. 

A História de uma Serva é uma história onde o medo e todos os condicionantes que por si só surgem existem. As mulheres vivem perante uma sociedade controlada pelo autoritarismo masculino e se não seguirem o caminho que lhes é destinado acabam por sofrer graves consequências. Neste mundo o controlo é um facto, a reprodução uma obrigação e a liberdade uma proibição.

A Trama | Jean Hanff Korelitz

Editorial Presença

A Trama.jpg

Título: A Trama

Título Original: The Plot

Autor: Jean Hanff Korelitz

Editora: Editorial Presença

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2022

Páginas: 344

ISBN: 978-972-23-6934-3

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Jacob Finch Bonner era um promissor romancista com um primeiro livro acima da média. Hoje, é professor de Escrita Criativa e tenta manter a sua já pequena autoestima viva. Não publica nem escreve há anos.

Quando Evan Parker, o seu aluno mais arrogante, anuncia aos quatro ventos que não precisa da ajuda do professor para nada, porque a trama do livro que está a escrever é extraordinária, Jake olha para ele como mais um aluno narcisista, presunçoso e com ego enorme, mas depois… ouve Evan contar a história do livro.

Jake fica ainda mais deprimido e antecipa a estreia meteórica de Evan, no entanto, a publicação do livro não acontece. Jake acaba por descobrir que Evan morreu e, supõe-se, não terminou de o escrever. Que fazer? O que qualquer autor faria com uma história assim tão boa: tem de a contar.

Passam alguns anos, e Jake é agora o autor do livro. Tem a fama, tem o proveito e a sua carreira está no pico. Até ao dia em que recebe um e-mail: «És um ladrão.» Enquanto Jake tenta perceber quem está por detrás da primeira de muitas mensagens ameaçadoras e procura esconder a verdade dos leitores e da imprensa, o antigo professor descobre mais sobre Evan - e isso espanta-o e assusta-o brutalmente. Quem é - ou quem foi - Evan? Quem escreveu realmente aquele livro?

 

Opinião: Jacob Finch Bonner é atualmente professor de escrita criativa, após ter lançado um grande sucesso literário há uns anos que não conseguiu suplantar, estando com incapacidade para criar um novo enredo envolvente para voltar a surpreender os seus leitores. Ao mesmo tempo que as ideias de Jacob se mostram congeladas, na sua turma enquanto professor encontra Evan Parker, um aluno com forte acreditação num romance que criou, tendo o jovem todas as certezas de que a sua ideia irá ser um autêntico sucesso de vendas. Cético numa primeira fase perante esta certeza do jovem, Jacob ignora as ideias de Evan, desacreditando o seu enredo. A partir daqui, o que irá acontecer quando o escritor e professor sem ideias para um novo romance descobre que o promissor aluno está desaparecido? A surpresa é uma constante em A Trama, o livro dentro do livro que me conquistou. 

Criando um enredo dentro de um outro enredo é um dos pontos fortes desta narrativa de Jean Hanff Korelitz, onde ambas as histórias unidas conseguem cativar o leitor que é convidado a recolher informações para perceber até onde ambas as histórias se conseguem cruzar. Aqui é possível encontrar um livro dentro do livro, seguindo os contratempos que os seus criadores têm, acabando ao mesmo tempo esta narrativa completa por ter um toque de paródia critica para com o mundo dos escritores e toda a industria editorial, onde autores, tradutores, editores e até leitores acabam por ter o seu destaque nesta forma de contar a história picando o estado atual da literatura. 

Nadar no Escuro | Tomasz Jedrowski

Clube do Autor

8E1D0CF7-4BF3-45FD-A94B-E23A8CFF9398.jpeg

Título: Nadar no Escuro

Título Original: Swimming in the dark

Autor: Tomasz Jedrowski

Editora: Clube do Autor

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2022

Páginas: 240

ISBN: 978-989-724-632-6

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Do outro lado da Cortina de Ferro, nos anos 80, Ludwik é um universitário desiludido e um leitor voraz que segue com a sua turma para um campo de trabalho agrícola. Aqui conhece um jovem atraente e despreocupado por quem se começa a sentir fascinado. Juntos, passam um verão idílico, nadando em lagos isolados, lendo livros proibidos e apaixonando-se irremediavelmente.

Com o final do Verão, ambos regressam à dura realidade de um país católico e comunista. Exilados do seu paraíso, têm de escolher como sobreviverão sob o escrutínio público e quais os desejos mais profundos que podem viver.

Nadar no Escuro é um romance inesquecível sobre juventude, amor e perda e os sacrifícios que fazemos em prol de uma vida com significado.

 

Opinião: Nadar no Escuro remota a tempos turbulentos vividos na Polónia. Nesta altura o leitor é convidado a conhecer Lidzio, um jovem que após os estudos inicia a temporada de Verão nos campos agrícolas impostos pelo regime comunista, como se fossem uma oportunidade, para todos os jovens. Semanas de trabalho forçado com vários jovens a serem divididos entre grupos que se dedicam à terra com horas exatas de descanso para dormirem e comerem e é perante este período que Lidzio conhece Janusz, também ele jovem.

Entre olhares, atrações e uma leitura proibida partilhada de um romance, os dois jovens até então desconhecidos aproximam-se, descobrem novos mundos e entre si começam a partilhar o Amor que achavam não poder ser possível. Após as semanas de trabalho, os dois iniciam uma viagem em conjunto onde acabam por acampar e experiênciar novas linhas de liberdade e descoberta até então desconhecidas. No entanto, estarão os dois preparados a assumirem os seus sentimentos com o regresso perante a sociedade discriminatória com o passar do tempo ou estará o sonho de uma temporada de Verão condenado a se ficar por ai mesmo, por um sonho real que é vivido mas sem final feliz idealizado?! Estará Janusz capacitado para viver o amor em detrimento da ascendência social que um casamento por amizade e interesse lhe poderá dar no futuro? E Lidzio conseguirá voltar a viver a paixão quando o seu coração acaba por ser magoado por quem julgava que lhe iria ajudar a ter um final feliz? As questões, as dúvidas e o amor entre dois jovens que encontram na paixão e sedução a verdade que não foi possível concretizar.

Nadar no Escuro tem na sua escrita poética, real e sensual a presença de um amor proibido vivido com silêncios e omissões, refletindo crescimento e conhecimento pessoal de cada elemento envolvido numa sociedade condenatória. Esta é uma de muitas histórias de amor que nos tempos que correm podem ser lidas e vividas sem que para muitos seja motivo recriminatório, o que não acontecia quando Lidzio e Janusz se apaixonaram e deixaram as suas magoadas e ao mesmo tempo sonhadoras memórias. 

Um romance comovente e envolvente recomendado de um amor outrora erradamente proibido!

 

Se ficaste curioso, encomenda já o teu exemplar de Nadar no Escuro, de Tomasz Jedrowski

500x.jpeg.jpg