Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

saldos-billboard

Ler com as mantas

Publicado por O Informador, 09.01.20

ler.jpg

 

Ler descansado, já recostado na cama, embrulhado nos cobertores e com a manta pelas costas para que o corpo aqueça e se deixe embalar por belas histórias que me fazem viajar pelo mundo, conhecendo lugares, aprendendo sobre a história, passeando por terrenos com valor e que sei que dificilmente irei pisar um dia. É assim que gosto de passar os últimos momentos de cada dia, mesmo quando estou prestes a pensar no momento em que as luzes se apagam, os sons terminam e é tempo de deitar para descansar. 

Adoro ler à noite, quando a casa já está praticamente em silêncio, embrulhar-me nas mantas, ficar com o chá e algumas bolachas pela mesa-de-cabeceira para viajar, percorrer, conhecer e aprender. Um romance que me faça sonhar, um thriller que me leve a correr sem sair do lugar, uma biografia para conhecer quem está do outro lado... Como é bom ter o gosto pela leitura, apreciar cada palavra, conviver com personagens que são tão semelhantes com pessoas reais com quem me posso cruzar diariamente. 

Na Feira do Livro de Lisboa a falar de Danielle Steel

Publicado por O Informador, 14.06.19

danielle steel.jpg

 

Sábado, 15 de Junho, pelas 21h00, no espaço Autores que nos Unem, do grupo Porto Editora a obra de Danielle Steel irá estar em destaque num encontro de leitores que gostam de ter os romances da autora do seu lado. As emoções, o amor e as adversidades que dão vida aos romances da escritora e que inspiram milhões de leitores em todo o mundo irão ser falados e comentados numa hora de conversa sobre uma das minhas autoras de romance preferidas. Com isto e porque as coisas boas são para serem partilhadas, eis que vos convido a também me visitarem porque serei, a par com a Maria João Diogo, do blog A Biblioteca da João, um dos participantes como oradores desta sessão dedicada a Steel. 

Relembro que Danielle Steel é uma das autoras mais populares do mundo com vários dos seus romances a atingir os tops literários ao longo de várias semanas consecutivas. Sendo natural de Nova Iorque mas tendo vivendo em França durante alguns anos, daí algumas das suas obras se passarem entre terras americanas e francesas, Steel tem na sua escrita o dom da palavra, a liberdade e poder de conquistar de forma fácil o leitor que não se vê obrigado a seguir com a leitura de um dos seus livros em diante. Com mais de sessenta romances editados, quinhentas e sessenta milhões de cópias vendidas em mais de quarenta e sete países e em vinte e oito línguas, a autora dispensa mais apresentações. Eu, que adoro ter um romance de Steel por perto quando quero ler algo que me faça viajar e sem cansar, aconselho a todos a sua obra. 

Joana Vasconcelos criou Suspensão

Publicado por O Informador, 02.05.17

suspensão.jpg

Joana de Vasconcelos criou um terço gigante para expor no Santuário de Fátima e deu-lhe o nome de Suspensão. Serei só eu a não gostar da obra e do seu nome?

Foi mostrado hoje o terço de vinte e seis metros e que ficará iluminado a partir de 12 de Maio todas as noites a partir das 21h00, hora em que se inicia a oração do rosário na Capelinha das Aparições.

Joana Vasconcelos foi a criadora desta obra que está colocada junto à Igreja da Santíssima Trindade no Santuário de Fátima. A peça feita de contas brancas será oficialmente inaugurada na noite de 12 de Maio na presença do Papa Francisco e no momento de se rezar o terço no Centenário das Aparições de Fátima. 

Para Joana o nome escolhido para a peça «tem a ver com esta relação entre o céu e a terra e a luz» que ilumina o caminho, mostrando gosto em fazer parte das celebrações de um momento importante para a religião mundial e para os católicos portugueses. 

Escrever um livro

Publicado por O Informador, 01.04.16

De há uns dias para cá a ideia de escrever um livro têm-me deixado a pensar no assunto, estando mesmo com aquela vontade de começar a colocar mãos à obra, elaborar um enredo, as suas personagens e dar o primeiro passo na obra!

Já tinha tido este tipo de pensamentos por outros tempos, mas agora sinto-me com melhores bases e algo me tem andado a dizer conscientemente que tenho que colocar os pontos no sítio e seguir com a ideia em frente. Conseguirei elaborar uma boa história a ponto de vir a ser publicada por uma editora nacional? Não quero e nem tenho necessidade de fazer as coisas com pressa e a pensar no amanhã, mas quero fazer algo, quero criar a minha narrativa, elaborar uma boa história, com personagens bem estruturadas e com cabeça, tronco e membros.

Não quero escrever por escrever, quero fazer um bom trabalho, tendo consciência de que conseguir publicar algo do género não é nada fácil, fazendo com que tenha um grau de exigência comigo próprio superior ao que existiria se não houvesse tal pressão!

A minha auto questão é se consigo fazer o que quero sem perder o fio à meada e se passados uns dias não me aparece aquele sentimento de desespero e consequente abandono para com o projeto. A ideia seria começar a dedicar-em à escrita do livro, contando como as coisas estão a correr por aqui, falando também das personagens e começando a dar a conhecer as mesmas aos leitores do blog. Mas e se depois desisto da ideia e não a consigo terminar e lutar seguidamente pela sua publicação?

Chega-se de férias e... Surpresa!

Publicado por O Informador, 14.10.14

A Virgem1Mais de uma semana de férias e no regresso a casa um presentinho da Guerra e Paz! A editora lançou a mais recente obra de Tempestade Celestino há poucos dias e um dos exemplares veio direitinho para a minha morada! O autor natural de Lobito já publicou vários artigos, poemas, crónicas e contos pelo seu país de origem, sendo agora esta obra lançada em Portugal!

Agradeço à editora por me ter enviado este romance, que pela sua sinopse parece ser uma obra bem animada, aliando a beleza de uma cidade com a de uma jovem com muito por descobrir e com os seus pretendentes a darem-lhe música!

Pelos próximos dias irei começar a ler A Virgem, no entanto agora deixo a sinopse desta obra para quem sabe aliciar os leitores do blogue a fazerem o mesmo!

Título: A Virgem
Autor: Tempestade Celestino
Género: Ficção/Romance
Ano de Edição: 2014
Formato: 15x23
Nº de Páginas: 256
Peso: 415
ISBN: 978-989-702-121-3

Catarina é muito bonita, religiosa, educada, obediente, bondosa e não con­segue terminar uma frase sem sorrir. Não há em todaa cidade do Lobito nenhuma moça que cante como ela. E é virgem. Talvez demasiado virgem.

Catarina é a mulher que todo o homem quer ter. Pretendente à mão de Catarina, o maestro Martins da Silva Caquarta é o homem que nenhum ho­mem quer ser. Porquê?

Esta é a história que o povoconta: a bela corista Catarina, o grande maes­tro Caquarta. Será que tocam a mesma música?

Agora um aviso, muadié leitor. Para leres A Virgem prepara-te:

Vais viajar de azulinho, pagas 500 kz e tens sorte se ninguém senta no teu colo.

Tens de pagar assoria a Rei Panda e Bolo Fofo, malandros que controlam a mal-afamada discoteca Estraga Família.

Queres casamento? Paga alembamento na tia Bolinha: quatro pa­res de sapato cabedal de marca Luísa vaiumton e três garrafas de Minet Espumante Grão Couve.

Capricha a ouvir o coro Maná Celestial. Até os flamingos lhe aplaudem.

Não se meta com a tia Nonjamba. No tempo colonial, ela humi­lhou uma karateca, negra bonita, seios provocantes, ancas vo­lumosas, conhecida como Maria Bunda.

Se na casa do pastor Romano falta então a electricidade, grita só com os candengues: Uóóóóóó! Luz foi.

Poças, pá, lês e não vais contar no Fecibuki.

Boas leituras para todos e até já!

Rigo

Publicado por O Informador, 28.05.14

RigoRigo, o artista e ativista que defende os direitos humanos tem agora uma demonstração do seu trabalho no Museu Berardo e O Informador já esteve perto das peças que têm percorrido o mundo. Tendo começado o seu percurso nos anos 80 em Lisboa, com os seus trabalhos de banda desenhada, com os fanzines e os murais do pós-25 de Abril, rapidamente São Francisco aceitou este talento, tendo Rigo envolvendo-se nas pinturas de murais com ligações às comunidades minoritárias. 

Com o ativismo como manchete, o artista mostrou todo o seu talento de diversas formas, estando a calçada, o mosaico, o azulejo e a escultura entre as suas preferências. No entanto é com a grande obra Teko Mbarate que chegou até mim, neste trabalho único e de perfeição que não consegue passar despercebido a quem visita o Museu lisboeta.

Um submarino com animais, pessoas, cestos, terra e tudo o que é necessário para uma viajem são os elementos que se transformaram numa obra de arte! O que existe para contar através deste trabalho? O mundo, a vida e a ligação entre o ar, a terra e o mar! Muito há para observar nestas peças de Rigo que aconselho mesmo serem vistas porque aqui há talento físico para ser mostrado!

Rigo Rigo Rigo RigoRigo