Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Banner billboard Saldos 2019
17
Out18

Arguidos do Sporting

| O Informador

academia sporting.jpg

A nossa justiça por vezes toma decisões que nem sempre compreendo e um dos casos que alguma confusão me tem feito nos últimos meses são as prisões preventivas de dezenas de pessoas arguidas no caso da invasão da Academia de Alcochete do Sporting, isto quando pessoas que espancam menores e matam pessoas andam à solta enquanto não são julgadas. 

Todos erraram, a investigação continua para se encontrarem os principais cérebros do ataque aos jogadores leoninos, no entanto todos aqueles homens estão presos para não existir comunicação e evitar novos incidentes, segundo o que é partilhado publicamente. Mas coloco a questão de outro ponto de vista. Se aquelas mesmas pessoas tivessem invadido um balneário de um pequeno clube de futebol e tivessem cometido exatamente os mesmos atos mas com vítimas não conhecidas como nomes fortes do futebol o que lhes teria acontecido? Acredito que estariam em liberdade, até serem chamados a julgamento, continuavam as suas vidas e nada se passava. Neste caso são presos preventivos só mesmo porque atacaram jogadores do Sporting, como estariam se tivessem feito o mesmo com rostos do Benfica ou do FC Porto. 

A justiça mostra em vários pontos que uns são filhos e outros são enteados. Há umas semanas todos conhecemos o caso de um padrasto que espancou uma criança de ano e meio. Foi ouvido pelo Ministério Público e foi libertado para esperar julgamento. Existem casos de quem tenha morto, ainda sem terem sido julgados, mas no mesmo dia foram soltos. Então? Seria necessário ser um filho de um político ou de um famoso da nossa praça ser morto para o culpado ficar preso? E quem mata um cidadão estrangeiro não tem de ter os mesmos castigos de quem poderá matar um dirigente futebolístico por acidente?

08
Out18

#MeToo, sem Ronaldo

| O Informador

cristiano ronaldo.jpg

O alegado caso de violação que Cristiano Ronaldo enfrenta tem dado bastante que falar e ainda agora começou. Certo é que com isto percebemos que em Portugal existem fenómenos que só acontecem quando calha bem, porque depois quando a moeda vira, os discursos também são alterados. Falemos então um pouco do movimento #MeToo, que no caso de CR7 parece não fazer sentido. Então pessoal? Só atacam quem está ao longe e depois quando toca na porta do herói nacional a questão muda de sentido? Não vos estou a entender!

Neste momento ainda tudo surge em torno de muita especulação, mas existem dados já conhecidos que levam a crer que existe culpa do lado de Ronaldo, não existissem documentos assinados de pagamentos feitos em troca do silêncio de Kathryn Mayorga há oito anos atrás. Mas a questão que me tem feito alguma impressão é mesmo a opinião pública portuguesa de rostos que geralmente vão de encontro a comportamentos de assédio sexual e violação. Afinal de contas em que ficamos neste caso? É que estão a defender Cristiano quando aparentemente este é o acusado por ter feito mal. Se defendem as vítimas, agora estão a defender um agressor? Atenção que neste momento não existe culpados nesta situação e só o tribunal irá definir a sentença final num caso que promete dar muito que falar e que se prolongará pelos próximos meses. 

A acusação de Kathryn é séria e em 2009 foi paga para se calar. Existiu logo no dia seguinte da noite em que tudo poderá ter acontecido uma chamada para a polícia de Las Vegas, por parte da suposta agredida, a relatar o que aconteceu sem divulgar o nome do agressor. Existe o dito documento assinado por Cristiano e a troca de correspondência entre advogados. A par disto o craque já admitiu que a jovem na altura lhe disse várias vezes que «não» mas que ao mesmo tempo se mostrou disponível perante o avanço. 

Os dados foram revelados e o caso já avançou para outras instâncias, mas em Portugal as palavras do jogador da Juventus parecem reinar. Perante a partilha que foi feita nas redes sociais de CR7, «Não vou alimentar o espetáculo mediático montado por quem se quer promover à minha custa», meio Portugal com alguma influência nos meios de comunicação social parece aplaudir.

Uns comentam que Kathryn se colocou a jeito para o que aconteceu por ser uma chantagista e desavergonhada. Outros afirmam que tudo não passa de mais uma tentativa de conquista da fama à custa de Ronaldo. Podemos também comentar o facto de quem já tenha revelado na imprensa escrita que se ela subiu ao quarto tinha que se sujeitar ao que acontecesse. O melhor foi mesmo a conclusão de uma pseudo apresentadora que comentou em jeito de remate sobre o assunto que «quem vai para a guerra, vai para a guerra». A sério mesmo que isto foi dito em direto e para vergonha alheia de todos nós? Entre estes comentadores defensores de Cristiano Ronaldo existem os que combatem a violência e assédio sexual regularmente mas que neste caso defendem o jogador porque é português e é acima de tudo o melhor jogador de futebol do Mundo. 

27
Jun18

Santana Lopes prepara novo partido

| O Informador

pedro santana lopes.jpg

Pedro Santana Lopes deixou a direção da Santa Casa da Misericórdia para se candidatar à liderança do PSD de onde saiu derrotado por Rui Rio que convidou o adversário para continuar num dos principais cargos do partido. Agora, uns meses após o regresso ao Partido Social Democrata, eis que Santana Lopes sai e já prepara um novo partido. 

O próprio político afirmou à revista Visão que «a minha intervenção política no PSD acabou», existindo vontade e já algumas movimentações sobre o seu futuro que continuará a estar do lado da direita mas numa nova força militante que está a ser criada para ser apresentada em breve. 

O que se volta a concluir com esta notícia é somente o que já sabe... Santana Lopes é um autêntico salta pocinhas em termos políticos e profissionais. Saltando e criando para voltar a sair e apostar num outro sentido de onde sairá para voltar atrás. É esta a história resumida de Pedro, o que já foi Primeiro Ministro para o deixar de ser em pouco tempo para logo depois desaparecer da política e regressar uns anos depois numa tentativa de conquistar o lugar que lhe podia dar de novo a posição que já foi sua. Confusões? O carrossel da vida política de Santana é este!

21
Jun18

Presidente Marcelo canta no Rock In Rio

| O Informador

marcelo rebelo de sousa.jpg

Notícia não é, uma vez que o Presidente Marcelo já havia revelado que iria subir a palco ao lado dos Xutos & Pontapés este ano para homenagear Zé Pedro. O que agora se sabe é que será em pleno Rock In Rio que Marcelo Rebelo de Sousa irá cantar o tema A Minha Casinha e que não estará sozinho ao lado da banda. 

Segundo a revista Blitz, o Presidente da República irá subir ao Palco Mundo com o Presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, a líder e o ex-líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins e Francisco Louçã, e familiares e amigos de Zé Pedro para uma homenagem ao guitarrista da banda falecido o ano passado. 

O Rock In Rio receberá assim o Presidente Marcelo em palco para que o tema A Minha Casinha seja entoado como símbolo de homenagem, numa iniciativa que interpreto como um ato que já ultrapassa várias barreiras do pedido ao símbolo máximo da nação.

13
Mai18

Finalmente existe ação na Antiga Feira Popular

| O Informador

feira popular lisboa.jpg

Umas décadas após o término da Feira Popular no centro de Lisboa e com os terrenos ao abandono desde então, a Câmara da capital age finalmente perante um problema urbano que já gerou muita polémica ao longo do tempo. Segundo a imprensa, o novo projeto entrará em discussão esta semana mas já existem bases para tudo arrancar.

Os antigos terrenos da Feira Popular e outros espaços abandonados na zona de Entrecampos, mais concretamente na Avenida Álvaro Pais e Avenida das Forças Armadas, irão contar com quase mil novas casas, vários espaços comerciais, um megacentro de escritórios, áreas sociais e culturais, contando com espaços verdes. Ao que tudo indica, esta «Operação Integrada de Entrecampos» irá ocupar cerca de 25 hectares desocupados na zona de Entrecampos.

Os novos imóveis e alguns já existentes, que serão recuperados, serão colocados depois em venda livre (279) pelo promotor que adquirir o projeto, sendo que o município ficará encarregue da construção direta de mais de metade destes imóveis (700), que ficarão disponíveis com rendas acessíveis junto da população. 63 fogos serão construídos pela Santa Casa da Misericórdia em lotes já pertencentes à identidade social.

Com isto Lisboa requalifica assim uma área da cidade que tem estado praticamente ao abandono ao longo de mais de duas décadas, terminando com o vazio e o mau aspeto que determinadas zonas de Entrecampos têm mantido ao longo deste tempo.

02
Abr18

Greves e más condições prisionais

| O Informador

estabelimento prisional de lisboa.png

O Estabelecimento Prisional de Lisboa continua envolto em polémica com as greves policiais e com as supostas más condições de funcionamento.

Os familiares dos detidos vão mais longe e revelam que o local está empestado de ratos e baratas, tanto nas celas como nas zonas comuns, incluindo as salas de visitas. Quem fala perante a imprensa revela também o desagrado sobre a comida fornecida e a forma de tratamento e tempos entre as refeições.

Más condições, mau ambiente, números de visitas semanais reduzido e com atrasos, dificuldades de controlo perante o número de detidos acima do possível no EPL e o descontentamento de quem controla o local a mostrarem que tudo está mal num sítio onde a calma sempre se torna difícil mas com o descontrolo total o risco acaba por se tornar maior ainda. 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Sofia

    Oh, Ricardo! Bem. sempre fica mais barato que o Vi...

  • Sofia

    Ou seja, o normal! O pico da gripe vai chegar nas ...

  • O Informador

    Costumo ficar com gripe uma ou duas vezes por ano.

  • Sofia

    Costumas adoecer facilmente?

  • O Informador

    Tenho a confessar que nem sei como me tenho aguent...

Mensagens

Pesquisar