Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

19
Abr19

Special | Netflix

O Informador

special netflix.jpg

Special, aquela série que mal estreou e foi vista praticamente pelo público que atraiu num só dia. Com uma pequena e rápida temporada de oito episódios de quinze minutos cada, esta produção da Netflix conta a história de um jovem homem gay que sobre de uma leve paralisia cerebral. Interpretado e escrito por Ryan O'Connel, e produzido por Jim Parsons, o famoso Sheldon de A Teoria do Big Bang, Special é daquelas comédias leves, simples, com sentido e rápidas para ser vista numa breve tarde de pausa. 

Ryan O’Connel aqui interpreta Ryan Hayes, numa versão que vai muito ao encontro da realidade do ator, que passou para a série muito do que é na realidade, uma vez que também sofre de paralisia cerebral e sempre lidou com a sua homossexualidade de forma livre. O ator resolveu criar em personagem uma versão melhorada de si e uniu assim numa só série os dois mundos que geralmente são retratados de forma individual, focando somente o lado gay, como acontece em várias séries, ou o lado da doença. Em Special é feito o chamado de dois em um e as coisas correram mesmo bem. 

Com um modo simples, direto e bem disposto de contar a história, Special é aquela comédia emocional que retrata a vida de um rapaz que integra a redação, como estagiário, de uma revista digital, mas esconde a sua paralisia com o facto de ter sofrido um acidente automóvel. Não escondendo em algum momento o facto de ser gay, é a doença que o altera, mas aos poucos e com o convívio e os sonhos pela frente, o seu mundo floresce e as limitações começam a ser ultrapassadas com a ajuda de quem entende Ryan. Mas será que a descoberta sobre o facto de sofrer paralisia cerebral não irá alterar o modo como alguns o olham? Entre ser gay e ser preso de movimentos, esta personagem mostra precisamente o que prevalece perante os olhares alheios de preconceito. 

12
Abr19

Brincadeiras idiotas em torno de Maddie McCann

O Informador

maddie mccann.jpg

O lançamento do documentário da Netflix, O Desaparecimento de Madeleine McCann, voltou a colocar o caso entre as luzes da ribalta. Anos após o desaparecimento da menor, um dos casos mais populares da investigação portuguesa e internacional volta a ser lembrado e as teorias lançadas nesta produção Netflix são mais que muitas. Se uns acreditam que os pais são totalmente inocentes, existem os que afirmam o contrário ao verem depoimentos, provas e contraprovas mostrados neste polémico documentário que acaba por não ter um fecho por toda a situação ainda não estar finalizada. Afinal, o que aconteceu a Maddie McCann? As dúvidas continuam e as suposições são mais que muitas!

Com o regresso do caso à comunicação social, eis que também surgiu espaço para diversos comentários menos próprios serem publicados pelas redes sociais, tal como imagens de mau gosto, roçando mesmo o bizarro. É o caso da imagem que começou a circular de uma montagem numa caixa de uma pop figure onde a imagem de Maddie parece servir como mais um boneco que se encontra disponibilizado para a venda, como se fosse uma personagem de uma grande história do cinema, televisão ou da cultura pop em geral. 

Claro que o casal McCann, Kate e Gerry, não gostou de ver esta imagem a circular, como seria de esperar, considerando que os seus criadores não passam de «idiotas» por considerarem esta partilha «incrivelmente ofensiva». Na verdade esta situação é deveras ofensiva, como referem os McCann. Primeiro, o caso não está fechado, não se sabendo realmente o que aconteceu, somente que uma criança desapareceu e o seu rasto não foi encontrado. Depois, brincar e gozar mesmo com a morte ou desaparecimento de alguém é pedir para ser julgado por toda uma sociedade que não deve aplaudir este tipo de paródia negra sem qualquer tipo de graça. Se o filho do autor desta imagem desaparecesse iriam gostar que fizessem imagens a brincar e parodiar toda a situação, sem se respeitar a dor, sejam estes pais culpados ou inocentes, existe sempre a dor a respeitar, tal como o outro lado familiar que de certo não tem culpa alguma de toda esta situação.

12
Mar19

Novos «Morangos» já cheiram a mofo

O Informador

april ivy.jpg

Existem coisas que não mudam e que em Portugal vão ficando atrás do que já é feito nos outros países. A TVI anunciou ainda em 2018 o regresso para uma décima temporada da série Morangos com Açúcar e agora, após casting e cursos de representação para encontrar os novos atores da série, eis que o canal revela quem será a protagonista desta nova fornada de episódios. 

April Ivy, de seu nome Mariana Gonçalves, com casting ou convite, foi, aparentemente, a selecionada para protagonizar os novos Morangos com Açúcar. Sendo cantora, sabendo dançar e não sendo, pelo que dizem, uma nódoa como estreante nas lides da representação, a jovem de 19 anos, terá sido assim a eleita para o papel principal por reunir todos os requisitos necessários e por também já ser conhecida de algum público jovem. 

Quanto ao rosto central masculino ainda não estará escolhido, segundo a mesma fonte da produtora, mas terá que ter alguma química com April para que as cenas funcionem logo de início como aconteceu com outros protagonistas, como é o caso de Cláudia Vieira e Pedro Teixeira, Sara Matos e Lourenço Ortigão, que com tanto à-vontade passaram os romances fictícios das suas personagens para a vida real. 

A estreia desta nova temporada está marcada para Setembro, num novo formato e mais moderno, segundo informação da produtora e da direção do canal. Se querem que acredite mesmo na inovação da série? É claro que não, ainda para mais com a escolha de uma protagonista que canta, mostrando que talvez venha aí mais do mesmo, com uma escola de artes como pano de fundo como aconteceu nas últimas temporadas. 

05
Fev19

Boneca Russa | Netflix

O Informador

boneca russa.jpg

Nadia descobre que, pior do que morrer no dia do seu 36.º aniversário, é reviver a noite da sua morte uma vez, e outra, e outra...

Boneca Russa é uma das primeiras novidades de 2019 da Netflix que tem tido algum destaque desde que ficou disponível na plataforma. Da autoria de Natasha Lyonne com Amy Poehler e Leslye Headland, é a própria Natasha a protagonista desta série que tem conquistado através das várias aventuras que Nadia vai vivendo enquanto, como os gatos, vai dando uso às sucessivas oportunidades de vida a que tem direito. 

Nadia é uma programadora informática de Nova Iorque que na sua festa do 36º aniversário começa a morrer e a voltar ao ponto de partida daquela noite. Primeiramente sem entender o que se estava a passar para morrer e voltar atrás no tempo para voltar ao local e tentar remediar a situação para não voltar a cair no mesmo erro, Nadia começa a tornar-se num verdadeiro ponto de interesse junto do espetador que ao entrar no ritmo da sua vida com todas as peripécias que a levam à morte, de quedas a momentos inusitados, a motivação para se continuar a ver surge para se tentar perceber como tudo se vai desenrolado, existindo a necessidade de avançar e sair daquela noite que parece mais que fatídica para esta mulher que tem direito a várias vidas. 

29
Jan19

As Gravações de Ted Bundy | Netflix

O Informador

as gravações de ted bundy.jpg

"Conversas com um Assassino: As Gravações de Ted Bundy" dá-nos pela primeira vez um vislumbre da mente distorcida do infame assassino em série Ted Bundy através de entrevistas exclusivas absolutamente aterradoras do "Jack, o Estripador" americano. Esta série documental única e cativante analisa o homem cuja personalidade, elegância e estatuto social desafiaram o estereótipo do assassino em série e lhe permitiram esconder-se à vista de todos durante o período em que cometeu o assassinato de cariz sexual de mais de 30 mulheres, antes de ser detido em 1978. Durante o julgamento, Bundy foi alvo de uma adoração extraordinária por parte das mulheres americanas, o que tornou estes crimes macabros ainda mais perturbadores, mesmo numa época confusa em que nada parecia chocar o público.

Conversas com um Assassino: As Gravações de Ted Bundy ficou disponível na plataforma Netflix no passado dia 24 de Janeiro e o trailer apareceu-me pela frente. Vi as imagens de apresentação sabendo que este tipo de documentários não fazem o género de produtos que gosto de ver, no entanto algo me fez ficar convencido que valia a pena dar a oportunidade para assistir a estes quatro episódios e assim o fiz. 

A série conta a história de Ted Bundy, um serial killer dos Estados Unidos que violou e assassinou pelo menos trinta mulheres a partir da década de 70, não existindo um número exato devido aos casos que não ficaram conhecidos. Aproximando-se das vítimas pelas mais diversas situações e com um ar bem posto, Ted Bundy conseguiu enganar, entrar em casa das vítimas e levar os seus crimes em diante durante anos, tendo sido apanhado em alguns estados e voltando a fugir para voltar a cometer os crimes que tardou em assumir. 

23
Dez18

Amor Ocasional | Série Netlix

O Informador

amor ocasional.jpg

A fama das comédias francesas no cinema é das melhores. E se colocarmos a mesma qualidade que é imprensa na grande tela numa série cuja primeira temporada tem oito episódios que são vistos num ápice e com agrado? Cheguei assim até à série Amor Ocasional, uma produção da plataforma Netflix.

Amor Ocasional é assim uma comédia romântica passada em Paris e onde a vida de três amigas é contada com todas as peripécias das suas relações amorosas. Protagonizada por Zita Hanrot, no papel de Elsa, uma jovem mulher que perde a ideia do amor perfeito e desiste de procurar a verdadeira paixão na sua vida. Só que as suas duas amigas, Charlotte, Sabrina Ouazani, e Emilie, Joséphine Drai, não desistem de ver o terceiro elemento do grupo sozinha e com isso e com as melhores intenções do mundo do seu lado, acabam por contratar um acompanhante para se fazer passar por uma forte paixão para Elsa. Só que, tal como é esperando neste estilo de produções, os planos inicialmente previstos não correm como planeado e a contratação acaba por ganhar outros sentimentos por esta jovem que deambula sozinha pela sociedade. 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Comentários recentes

Pesquisar

Atual Leitura
Top mais vendidos Wook