Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

24
Abr19

Huge in France | T1 | Netflix

O Informador

huge in france.jpg

Uma celebridade em França que procura reconciliar-se com o filho parte para Los Angeles pela conquista do passado perdido. Mas a fama que sente no seu país não lhe é reconhecida em todo o lado e os dissabores do anonimato a par da recusa do jovem em aceitar o seu próprio pai acabam por transformar a vida de Gad Elmaleh numa corrida contra o tempo pela reconquista do que deixou para trás ao longo do tempo.

A tentar demonstrar o seu sucesso além fronteiras e através de um texto inspirado em situações reais, Gad é daquelas personagens que demonstram o poder da fama na sociedade por onde circula e somente nesse ponto. O poder das selfies, o sexo anónimo com mulheres, o facto de ser reconhecido e ser de imediato atendido em qualquer lugar onde vá, passando à frente de filas, as refeições sem despesa e tudo o mais que envolve a vida de Gad em França. Em Los Angeles isso não acontece e o anonimato surge, para desespero deste homem que já não sabe viver sem o reconhecimento.

Ao mesmo tempo que isso acontece e que a pausa na fama surge, o apelo para a reconquista do filho vai revelando os seus dissabores, correndo numa maratona contra as vontades do adolescente, da mãe e do namorado desta que é visto primeiramente como o pai presente do jovem. Com o tempo tudo se vai alterando e o final começa a ser mais que previsível, com um regresso de Gad ao seu paraíso francês, onde o reconhecimento volta a surgir a favor de uma boa vida. Com o comediante, a família perdida também faz a sua viagem até França para que o jovem consiga alcançar o sonho de ser modelo que tardava em aparecer em Los Angeles. 

Huge in France podia ter o nome de Em Busca da Família Perdida porque na verdade acaba por demonstrar quase a destruição de uma carreira pela reconquista familiar de anos perdidos. Pensei que teria nesta série Netflix uma melhor comédia que acaba por se transformar numa verdadeira farsa entre todos os envolvidos na trama que se vão usando mutuamente para atingirem os seus próprios sonhos. Até onde existem sentimentos reais perante os objetivos e frustrações particulares de cada um de quem se vê distante ao longo de anos?

25
Ago18

A Casa das Flores, uma comédia negra

O Informador

la casa de las flores.png

As estreias Netflix não param e em pleno Agosto, no dia 10, estreou a comédia negra La Casa de las Flores, que é como quem diz, A Casa das Flores. Centrada numa família aparentemente bem a nível económico e perante a sociedade, esta nova série com treze episódios pela primeira temporada com duração aproximada de trinta minutos cada, consegue captar a atenção do espetador logo através das cenas iniciais. 

Uma produção mexicana que se baseia no centro de toda uma família, uma matriarca que gere o negócio, A Casa das Flores, que acaba por esconder tanto que chega a um ponto que todos somos levados a pensar que tudo acontece a três irmãos que se gostam mas que têm os seus interesses bem particulares por trás. O que pode dar senão numa comédia negra um trabalho que começa com uma festa e onde se descobre que uma amante cometeu o suicídio quando todos estão a celebrar? A infidelidade debatida através de diversos prismas, dos mais velhos aos mais novos, das relações hetero às homossexuais. A par disto descobre-se que o ex-genro passou a ser ex-nora, num caso de transexualidade bem conseguido, exemplificativo que se pode cair no ridículo da demonstração quando um ator dá vida a uma personagem diferente do que geralmente é aceite e onde não existe a mínima intenção de disfarçar um homem numa mulher quase perfeita. E se o racismo também entrasse nesta produção? Há temas para todos os gostos em A Casa das Flores, até para o negócio ilegal de droga, crianças criadas com a mulher do pai, e mexericos que também existem entre as famílias mais abastadas. Um trabalho que toca em temas ainda e infelizmente sensíveis da nossa sociedade e que os trabalha, brincando e abusando mesmo com determinadas situações, mas mexendo sem medos. 

Vidas de fachada sobre uma família perfeita com tantos segredos que acabam por até ser demais, mas o que é certo é que esta série realizada por Manolo Caro e protagonizada por Veronica Castro que conta como companheiros de elenco com os atores Aislinn Derbez, Cecilia Suárez,  Darío Yazbek Bernal, Sheryl Rubio, Paco León e Sawandi Wilson não tem um orçamento como parte dos grandes sucessos mundiais, mas através de um texto corrido, esta produção consegue fazer o papel a que se destina. Agarrar o espetador, mesmo que não aprofunda cada situação que acontece no seio de uma família tão normal como tantas outras que andam por ai a ser transmitidas também pela plataforma Netflix e canais de televisão.

27
Jul18

Anne With An "E" | Ana com A

O Informador

anne.jpg

Hoje apetece-me falar de uma série sobre a qual acabei de ver a sua segunda temporada há dias. Falo de Anne With An "E", em português, Ana com A. Estreada na plataforma Netflix em 2017, esta série que conta com sete episódios na primeira temporada e dez na segunda, remete o seu espetador para um passado, para o universo de criança onde as aventuras, descobertas e maravilhas de uma fase de criança surgem na maioria das vidas de criança. 

Rapidamente os três episódios iniciais agarraram a minha escolha onde uma miúda de cabelos ruivos, sardas e meio desengonçada consegue conquistar com as suas loucas ideias sobre o modo de estar com os outros, recheada de sonhos e concretizações. Encontrei a Ana com A por recomendação e o que é certo é que esta série está tão bem montada, fazendo lembrar o sucesso de décadas passadas com Ana dos Cabelos Ruivos. Se uma primeira temporada agarra, grande parte da segunda temporada consegue ainda fazer melhor figura. 

Trabalhando temas como o afeto, a amizade, aprendizagem, amor, entendimento, comoção, empenho, homossexualidade, vontade, preconceito, persuasão, responsabilidade e muitos mais temas, esta série envolve o espetador que fica agarrado a esta jovem endiabrada e nada fácil mas que acaba por seguir os seus objetivos e crenças a favor da verdade, contribuindo assim para uma mudança junto de quem está mais próximo de sim.

03
Jul18

Finalmente tenho Netflix

O Informador

netflix.jpg

Demorou mas foi... O Netfix chegou por aqui e agora aguardo que todos me deixem sugestões, dentro dos vários estilos de séries, que me recomendem ver e que estejam na plataforma. Óbvio que algumas séries não exclusivas e que passam por alguns canais de cabo já vi, faltando em pontuais casos ver a última temporada. Na verdade dentro das produções Netflix o que aconselham começar a ver o quanto antes?

30-a-50-nobel-literatura-mrec

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Comentários recentes

Pesquisar

Atual Leitura
Top mais vendidos Wook