Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Boeing Boeing aterrou no Teatro Politeama

Se tivesse de descrever o espetáculo Boeing Boeing em poucas palavras só o podia fazer com o cruzamento de comédia, diversão, talento e trabalho. Boeing Boeing é uma das produções que a Yellow Star Company adaptou para Portugal há uns anos e desde então que todos os anos tem sido encenada e enchido as salas de espetáculos de todo o país com sucessivas temporadas de sessões esgotadas. Os elencos podem rodar, o encenador alterar e o local da sessão ser em qualquer cidade ou vila do país e o certo é que esta divertida comédia está tão bem criada, do texto ao elenco, que o riso gera aplausos num hilariante trabalho que não deixa ninguém indiferente por onde tem passado.

Agora, após várias temporadas bem sucedidas, Boeing Boeing está de volta a Lisboa e aos palcos, onde pode ser visto no Teatro Politeama com um elenco de rostos que já passaram em anos anteriores por esta produção e com novos nomes a reforçarem o bom trabalho feito. Com um cenário de uma sala de uma qualquer casa, o espaço mais parece um porta-aviões recheado de amor para dar a três hospedeiras que se apaixonam, sem saberem, pelo mesmo homem, que as engana com promessas de amor eterno. O pior acontece quando as três desconhecidas percebem que não estão sozinhas na vida do seu noivo e o que parecia controlado com horários e escalas parece descarrilar para desespero de Bernardo aquando o momento em que o embate das três na mesma casa acontece.

Com António Camelier, António Machado, Carolina Puntel, Liliana Santos, Núria Madruga e Teresa Guilherme no elenco, sendo que a sessão a que assisti Teresa foi substituída de forma fantástica pela atriz Sónia Lisboa, Boeing Boeing tem tudo o que de essencial tem de existir numa comédia que é feita para que o público deixe por umas horas os seus problemas de lado para embarcar neste voo de enganos, embaraços, desaforos e contradições entre um homem com o coração bem grande para o partilhar com três bonitas mulheres, o seu amigo solteirão capaz e pronto, caso deixasse, para lhe dar uma ajuda com as noivas, e uma governanta em casa, com todos os segredos do patrão consigo, andando esta senhora numa correria entre os sabores do Brasil, de Itália e Alemanha, consoante os voos que chegam e partem para não se atrapalhar no agradar a cada menina e não falhar com o senhor que tanto ama e engana as suas hospedeiras de bordo que andam bem enredadas por amor.

Convites duplos | Boeing Boeing

27 de Março | Yellow Star Company

boeing boeing.jpg

Queres assistir a uma boa comédia numa das salas mais emblemáticas de Lisboa? Queres perceber como os atores António Camelier, António Machado, Carolina Puntel, Liliana Santos, Núria Madruga e Teresa Guilherme se apresentam em palco? Com encenação de Sofia de Portugal e produção da Yellow Star Company, Boeing Boeing está de volta para levantar voo pela nossa capital e colocar o público do Teatro Politeama bem disposto ao longo de duas horas.

E tu, que não viste ou queres voltar a ver este divertido espetáculo tens aqui uma oportunidade de assistir à sessão de Domingo, 27 de Março, pelas 21h00, apresentando-te na sala frente a um renovado elenco que faz assim surgir de novo esta comédia pelos palcos nacionais, após várias temporadas com centenas de sessões esgotadas de Norte a Sul do país. Para tentares a tua sorte convém seres seguidor d'O Informador no Instagram e partilhares no teu InstaStories uma das imagens do cartaz do concerto que se encontra disponível nos Destaques e mencionares O Informador e três amigos nessa mesma partilha. De seguida basta preencheres o formulário - AQUI - onde só é permitida uma participação por endereço de e-mail. Esta oportunidade irá estar disponível até às 23h59 do dia 26 de Março, e nesse dia serão revelados os nomes dos vencedores nesta mesma publicação, sendo o sorteio feito através de sistema automático. Os premiados serão contactados via email com as recomendações para o levantamento dos bilhetes acontecer nas melhores condições.

Boa sorte!

Ding Dong | Yellow Star Company

Comédia

ding dong.jpg

 

Leste a sinopse que está na imagem? Que tal? Parece ser o início de uma boa comédia ou nem por isso? Um marido enganado que sabe de tudo e cria um cenário para se vingar e dar a volta a toda a situação. Parece ser daquelas histórias de amor e traições que tanto já se viu pelo teatro, novelas e salas de cinema não é? Mas não, isto porque além de Ding Dong ser do mesmo autor do sucesso Boeing Boeing, Marc Camoletti, que em Portugal esteve em cena com várias temporadas durante anos, o elenco escolhido pela Yellow Star Company para esta nova aposta é tão perfeito que todos encaixam nas suas respetivas personagens como luvas feitas por medida. 

Andreia Dinis, Gonçalo Diniz, João Didelet, Melânia Gomes, Núria Madruga e Sofia Baessa formam o elenco escolhido onde marido enganado e sua respetiva esposa com amante e uma companheira deste por empréstimo e a verdadeira mulher se cruzam com uma louca empregada bastante interventiva. Uma comédia? Mais que isso, esta é a comédia que a Yellow Star Company preparou para encher a sala do Teatro Armando Cortez pelos próximos meses e pela primeira sessão a que assisti só posso dizer que o sucesso estará de certo do lado de Ding Dong.

O público ao logo de quase duas horas de sessão, com direito a intervalo, gargalhou, aplaudiu, comentou e esperou pelo que estava para acontecer. Tudo é feito de forma rápida, sem cansar, com um bom texto e bem trabalhado onde os atores conseguem ter a capacidade de improvisar consoante a receção que estão a ter da plateia. Tudo parece estar bem sincronizado, desde a prestação de elenco, e aqui tenho que destacar que Melânia Gomes ganha um destaque enorme por estar num aquário onde está totalmente perfeita, a comédia, embora todo o elenco esteja bem. Um cenário simples e colorido como este estilo de produção pede, tempos perfeitos, e sincronização exímia. 

Vencedores de A Mãe Biológica de Marilyn Monroe [20-10-2016]

 

a mae biologica de marilyn monroe.jpg

A Mãe Biológica de Marilyn Monroe encontra-se em cena no Teatro Armando Cortez até ao final de Outubro. O Informador que viu, gostou e partilhou o comentário sobre este espetáculo protagonizado por Maria Emília Correia, Núria Madruga e Sara Salgado e com o selo de qualidade da Yellow Star Company teve a oportunidade de oferecer cinco convites duplos aos leitores do blog.

Bilhetes para A Mãe Biológica de Marilyn Monroe [20-10-2016]

Maria Emília Correia, Núria Madruga e Sara Salgado compõem a tripla que dá vida à peça A Mãe Biológica de Marilyn Monroe, em cena no Teatro Armando Cortez. Com produção a cargo da Yellow Star Company, texto de Armando Nascimento Rosa e encenação de Paulo Sousa Costa, este espetáculo já foi visto por mim e agora tenho a oportunidade de oferecer cinco convites duplos aos leitores do blog para a sessão do próximo Sábado, dia 22, pelas 21h30. 

A Mãe Biológica de Marilyn Monroe

a mae biologica de marilyn monroe.jpg

 

Comédia e intriga invadiram o Teatro Armando Cortez pela mão da Yellow Star Company! Maria Emília Correia é a mãe, Núria Madruga a diva de Hollywood e Sara Salgado a empregada! Um trio de atrizes bem conhecidas do público que se junta em palco com a finalidade de criar falsas identidades que o público é convidado a identificar ao longo de cada sessão. 

Tudo começa com a chegada de Marilyn a casa de sua mãe e um pedido bem particular à jovem empregada «Deixe-me a sós com a minha mãe». A partir deste momento a conversa entre mãe e filha desenrola-se entre momentos de nostalgia, comédia e algum afeto, num carrossel de emoções que convoca a assistência a estar preparada para saltar do drama para o riso de forma fácil, como se um simples clique aconteça. Basta para isso dizer que a mãe, Gladys, da loira mais famosa do cinema é uma figura completamente desconcertante e com grandes saltos de humor ao longo de um serão que se queria familiar e de reencontro, em paz e comunhão. 

O abandono, as causas do sofrimento enquanto jovem, a perturbação de mãe e filha, os esquemas de uma empregada aparentemente inocente, a vida sexual misturada com a fama, o poder, a figura e acima de tudo o amor não correspondido. Tudo serve como base para conversas, desabafos e confrontos entre duas pessoas com um passado em comum e que no presente mal se conhecem pelas frustrações pela qual as duas foram passando ao longo do tempo.