Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

28
Jul18

Literatura de companhia

O Informador

livro.jpg

Primeiramente sou conquistado por um título numa capa atraente que chama, apela a que lhe pegue e que perceba o que está na sua contracapa, a sinopse que muitas vezes se faz acompanhar por citações de críticos que acabam por ajudar a escolher levar ou não uma certa obra comigo para que me possa sentir bem acompanhado ao longo de várias horas. A primeira fase é concluída muitas vezes com várias semanas de antecedência até que a nova etapa surja.

É assim o meu apego literário, primeiro escolher, depois nem sempre ler nos primeiros dias, deixando o livro esperar, ganhar o seu espaço na mesa-de-cabeceira, até que ganhe o seu tempo, entendendo cada vez mais como a disposição pessoal é importante para poder entrar numa determinada leitura.

Esta é a verdade, ler um romance num momento em que andas muito bem com a vida é para mim, por vezes, um desastre, por não levar tão a sério certos momentos relatados em vidas que podem existir por aí. Num bom momento adoro entrar em narrativas onde o suspense, os crimes e violência, a maldade e os conhecimentos surgem, dando um pouco mais de trabalhado e criando no leitor um maior estímulo onde a necessidade de concentração é essencial. Estando de bem com a vida, numa boa fase, consegues encontrar-te bem melhor com uma leitura que exige mais de ti, o que, por exemplo, os romances comigo não necessitam. Vejo uma bela história de amor a ser contada através de palavras escritas como um bom companheiro para relaxar, deixar a mente sonhar, mesmo que o momento pessoal não seja o melhor, pelo menos durante aqueles momentos deixas os teus problemas, acabando por entrar numa vida que talvez desejasses ter ou viver, deixando de lado o que por vezes te apoquenta.

Um bom livro convida o seu leitor a viajar, a entrar numa história que não é sua, mas que pode ser quando é possível ficar lado a lado com cada personagem e ter um momento experimental de tudo o que vai acontecendo. Dos meandros obscuros das histórias pesadas às criações românticas, o que nos dará maior alento num momento mais chato? A leveza do sonho, ao contrário dos pesadelos que só nos poderiam colocar mais para baixo, o que não é exatamente o que necessitamos em certas fases pelas quais vamos passando.

07
Mai14

Vamos dormir no Metro

O Informador

Dormir no MetroTodos nos queixamos que o tempo que se perde no trânsito e nos transportes públicos para se fazer a viagem entre casa e local de emprego empata sempre tempo precioso que poderia ser ocupado para serem feitas outras coisas. Este senhor, algures por este mundo fora, resolveu aproveitar de outra forma a sua viagem e conseguiu adormecer pelo chão, mais ou menos macio, do metro. Assim sim, a viagem compensa!

O que seria se agora todos começássemos a fazer o mesmo pelos transportes públicos que nos ajudam a deslocar de um lugar para outro com dezenas de pessoas por perto? Chegar ao metro ou autocarro, deitar no chão e dormir uma soneca, aproveitando assim os minutos de deslocação em que, na maioria das vezes, não se faz nada e olha-se para todo o lado e para as pessoas que nos rodeiam sem qualquer interesse, seria de valor!

Este senhor deu o primeiro passo na horizontal para o que será o futuro das viagens públicas, agora é fazer com que o exemplo pegue e fazer com que o chão ondulante e patinhado de tais locais comece a servir de cama, daquelas onde as massagens estão presentes e a flexibilidade das molas aparece!

Como é bom partilhar momentos caricatos!

19
Dez13

O conhecido dos desconhecidos

O Informador

Isto já acontecia quando eu era pequeno e via o meu pai a falar com certas pessoas com o ar de quem não se lembrava do nome de quem se encontrava à sua frente e se tinha lembrado de si, do nome e de onde o conhecia. Agora e porque já sou crescido, a mesma história acontece comigo! Uma situação embaraçosa!

É muito estranho ver um rosto que conheço, não sei de onde nem por que razão e essa mesma pessoa dirigir-se até mim, perguntar-me se está tudo bem e pronunciar o meu nome e eu sem saber o seu. É mesmo algo embaraçoso e da última vez que aconteceu ainda tive o descaramento de pedir desculpa, mas que não me lembrava do seu nome nem de onde podia conhecer aquele rosto.

Por razões desconhecidas não me foi revelado o nome nem por que razão nos conhecíamos, mas o que é certo é que ela sabia o meu nome e eu sei que aquela cara não me é totalmente estranha. Mas de onde e como é que alguém se lembra de mim e eu estou nem aí para os desconhecidos que sabem que eu sou um conhecido?

Que irritação que me deu por sentir-me ignorante naquele momento!

30-a-50-nobel-literatura-mrec

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Comentários recentes

Pesquisar

Mais comentados

Atual Leitura
Top mais vendidos Wook