Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Chegou a CNN Portugal

CNN-Portugal.jpg

As 21h00 do dia 22 de Novembro de 2021 assinalaram o arranque da CNN Portugal, o canal informativo que veio substituir na posição 7 a TVI24, e cujo objetivo é ajudar a formar um novo caminho na forma como se transmite a notícia no nosso país. Com marca reconhecida a nível internacional, a CNN aposta agora através do Grupo Media Capital no nosso país e o arranque, mesmo que não o tenha visto em direto por motivos profissionais, foi auspicioso e com direito a exclusivo com o homem mais procurado no momento, João Rendeiro, o ex Presidente do BCP. 

De rostos já conhecidos do público, cuja maioria transita diretamente da extinta TVI24 para a CNN Portugal, e com Judite Sousa e Júlio Magalhães de regresso aos ecrãs no principal noticiário do canal, este novo projeto promete o rigor conhecido internacionalmente, a qualidade e a forma de fazer diferente na forma como o projeto chega junto do telespectador que não se fica atualmente somente pelo pequeno ecrã. 

Primeiramente tudo arrancou com pompa e promessas, no entanto só o tempo pode demonstrar que esta CNN vem mesmo com a diferença com que foi anunciada sem ser somente a continuação do projeto que vinha a ser feito no mesmo espaço numa edição 2.0. Espero ver a partir de agora o debate dos temas do dia, não se ficando muitas vezes a situação do país e do mundo pela notícia, sendo necessário demonstrar mais sobre o bom e o mal de cada decisão, de cada circunstância e de muitos movimentos. É necessário mais que noticiar, sendo importante ouvir as vozes opinativas e especialistas e é um pouco por esse prisma que espero ver uma CNN mais interativa e a percorrer o caminho certo.

Teresa Guilherme na Revolução do Big Brother

teresa guilherme.jpg

 

No final do primeiro trimeste deste ano Cláudio Ramos deixava a SIC para tornar um sonho seu em realidade na TVI, o de apresentar o Big Brother. Com a edição comemorativa de regresso do reality show terminada no passado Domingo, 02 de Agosto, e com uma nova temporada agendada para estrear a 13 de Setembro, foi tornado público que o apresentador não estará nos comandos da edição apelidada de Revolução do Big Brother, ficando este lugar destinado à rainha dos reality shows em Portugal, Teresa Guilherme, que regressa assim ao ecrã num formato que tão bem conhece. 

A novidade caiu como uma bomba, já que tudo apontava que na próxima edição fosse Cláudio Ramos a servir de anfitrião como nos últimos meses. No entanto Nuno Santos, diretor geral da TVI, e Cristina Ferreira, diretora de entretenimento e ficção do canal, trocaram as voltas e sem qualquer suspense anunciaram o regresso de Teresa ao ecrã e nos comandos do Big Brother. Nuno Santos publicou mesmo nas suas páginas das redes sociais o texto que passo a citar. «Bem-vida Teresa! Teresa Guilherme é a apresentadora da próxima edição do Big Brother. "O Big Brother faz anos em Setembro. Que felicidade poder reviver e celebrar essa data que mudou a minha vida e a história da televisão em Portugal. Que bonito estar de volta!", salienta a apresentadora com emoção. A TVI mostra-se igualmente entusiasmada com este regresso, celebrando assim o formato de maior sucesso das últimas décadas em Portugal. O regresso da Teresa coloca "um novo foco sobre o programa que será inovador na forma, mantendo a matriz de intervenção social que está hoje na base de um conteúdo tão transversal". Cláudio Ramos, apresentador da edição anterior começa agora a trabalhar no seu próximo projeto que será comunicado em breve. A TVI agradece o seu empenho e os resultados alcançados nos últimos meses à frente do BB2020. Setembro é já amanhã!».

Com Cláudio Ramos a continuar com novos projetos no canal e que por muito que se tente mostrar feliz por esta substituição não me consegue convencer de tal, mostrando a direção do canal que não ficou totalmente feliz pelo seu desempenho na condução do programa âncora da estação durante praticamente quatro meses. Novos accionistas a entrarem na Media Capital, Cristina Ferreira nos comandos do entretenimento, Nuno Santos com vontade de ver a estação na liderança, eis que surge no lote de apresentadores do canal Teresa Guilherme para alterar e puxar ainda mais pela próxima edição do Big Brother. Numa temporada que se diz estar a ser preparada para revolucionar o conceito do formato até aqui, os castings já estão a decorrer e as equipas de produção a serem formadas para mais um arranque em grande, para mais agora em que o próprio canal começa a recuperar vários horários da liderança que foi sua e que deixou de o ser quando Cristina se mudou para a SIC, que ao que parece nunca foi a sua verdadeira casa profissional. 

Fiquei espantado com esta mudança de apresentador, quando nada o fazia prever e por achar que o Cláudio evoluiu bastante nas últimas semanas da edição do Big Brother 2020, mas na verdade Teresa Guilherme é a Teresa dos reality shows, a apresentadora implacável que todos gostamos de ver na frente deste género de programas. Só espero que este seu regresso não traga consigo os velhos trocadilhos irritantes e que o seu género para guiar cada gala seja com uma maior liberdade e sem textos tão rígidos escritos pelo seu amigo Miguel Dias para os quais o público perdeu a paciência nos últimos anos de Teresa nos ecrãs. Por um lado fico feliz por ver a Teresa de regresso no que tão bem sabe fazer, por outro esperava que tivéssemos entrado mesmo numa nova era no que toca a reality shows e com esta substituição inesperada parece um regresso ao passado, voltando uma Teresa com 65 anos de idade a ganhar destaque no principal programa do canal que convoca toda a grelha da estação ao longo da sua duração. Será que daqui a uns anos irão chamar de novo o Cláudio, que agora sai como derrotado de um programa que tornou líder em certos horários, para apresentar um reality quando a Teresa voltar a dizer que não quer mais fazer edição atrás de edição de novos e velhos formatos da vida real?

Cristina Ferreira regressa à TVI

cristina ferreira.jpg

 

Não fiquei admirado quando à noite, já a notícia tinha sido bastante debatida pela imprensa, redes sociais e fóruns especialistas em televisão, percebi que Cristina Ferreira está de regresso marcado à TVI, praticamente dois anos após ter anunciado a sua transferência para a SIC, onde depois se estreou em Janeiro de 2019 nas manhãs do canal do grupo Impresa. Agora a apresentadora líder de audiências está de regresso ao canal onde se formou, o que não me espantou, uma vez que há duas semanas haviam saído boatos de reuniões com Nuno Santos, agora diretor geral da TVI e logo antevi e até comentei que o regresso iria acontecer por perceber que a direção do canal da Media Capital estava disposta a abrir os cordões à bolsa para voltar a ter Cristina nos quadros por saber o peso que a apresentadora vale no ecrã e fora dele. Foi o tudo por tudo que deu frutos rápidos, já que Cristina entra na TVI já no próximo dia 01 de Setembro, após as férias já marcadas para o mês de Agosto. 

Nem um mês passou após essas ditas reuniões e ontem, Sexta-feira, 18 de Julho de 2020, O Programa da Cristina na SIC teve a sua última emissão sem que nada se tivesse percebido, somente um comentário que passou ao lado na altura para o assistente Ben, «Hás-de sentir saudades minhas». Será que o marido de Rita Ferro Rodrigues irá mesmo sentir saudades da apresentadora? É que Cristina é bem capaz de levar a sua equipa de eleição e que escolheu a dedo atrás de si para a TVI. 

Até ao momento tudo ainda é muito vago, só se ficando a saber que Cristina Ferreira já não regressa ao ecrã da SIC, tendo cessado contrato na tarde desta Sexta-feira, ao que a direção da SIC anunciou que a apresentadora «decidiu cessar unilateralmente a sua ligação à SIC, colocando termo ao contrato que a vinculava até 30 de novembro de 2022», agradecendo o canal o trabalho com bons frutos dos últimos meses, embora tenha sido uma «decisão abrupta e surpreendente» e perante a qual a imprensa avança que poderá avançar processo para tribunal por quebra de contrato. 

Para já é sabido também que Cristina Ferreira será a nova diretora de entretenimento da TVI, cargo que já outrora tinha sido seu embora com alguns moldes incompreendidos na altura, devendo também liderar a Plural, produtora de ficção do grupo, e ainda entrar na administração da Media Capital como accionista, ficando assim num lugar do qual mostrava interesse e que na SIC poderá ter gerado algumas guerras internas com a direção de Daniel Oliveira. 

 

Segue-se Nuno Santos como diretor

nuno santos.jpg

 

O destino de Felipa Garnel aos comandos da TVI estava marcado e há umas semanas bem afirmei que o barco seguia sem rumo. Agora e para começar Janeiro, a Media Capital, revelou que Nuno Santos será o novo diretor da TVI, substituindo assim Garnel na liderança do canal. 

Estreou-se como jornalista e pivot na SIC nos anos 90, tendo ajudado a fundar o canal, foi o primeiro diretor da SIC Notícias, saltou até à RTP onde foi diretor de programas e conteúdos e também de informação, saiu do país e andou por Angola de onde voltou para ser o fundador e primeiro diretor do Canal 11, o projeto da Federação Portuguesa de Futebol que arrancou com as suas emissões em Agosto de 2019. Agora foi convidado a integrar os quadros da TVI e assumir a direção do canal que perdeu a liderança no início de 2019 para a SIC quando o canal de Queluz ainda era direcionado por Bruno Santos que foi substituído por Felipa Garnel quando tudo já corria mal. 

Garnel assumiu a direção da TVI em Julho com esperanças e promessas e até agora o que mostrou foi bem pouco, tendo o canal caído ainda mais, vivendo cada vez mais de repetições e programações trocadas todos os meses, programas baratos para encher horários e sem qualquer ambição. O Nuno Santos pelo menos tem um passado como diretor que nem correu assim tão mal, mas também não foi um grande sucesso, acreditando porém que conseguirá fazer melhor se limpar bem a casa, apostar na imagem do canal, saiba fazer promover e não tenha medo de limar para melhorar. Se mantiver tudo entre amigos então permanecerá na cepa torta e a TVI seguirá na luta pelo segundo lugar, bem longe do primeiro. 

Judite Sousa deixa TVI num bom momento

judite sousa.jpg

 

Após algumas semanas longe dos ecrãs, a gozar um período de férias, Judite Sousa anunciou através das redes sociais a sua saída da TVI. 

Foi através de uma partilha pelo Instagram, que a diretora-adjunta da TVI e TVI24 comunicou que estava de saída do canal onde estava desde 2011, após uma longa carreira pela RTP. 

Depois de uma longa e serena ponderação, decidi terminar a minha relação profissional com a TVI. Foram oito anos que me permitiram, em total liberdade, vivenciar a paixão pelo jornalismo com sentido de dever e responsabilidade ao serviço de uma empresa privada. Este é o momento para expressar gratidão a todos os meus companheiros de trabalho das diferentes áreas da empresa. Os últimos anos foram particularmente difíceis, mas em palavras ou na reserva do silêncio, entendi sinais de conforto. Quero expressar o meu agradecimento ao José Alberto Carvalho que me desafiou para esta viagem, com amizade, em 2011. Quero igualmente agradecer ao Sérgio Figueiredo as oportunidades profissionais que me proporcionou nestes últimos quatro anos e que me ajudaram a ultrapassar momentos mais difíceis da minha existência. Finalmente, uma palavra aos espectadores da TVI cujo carinho e apoio nunca me faltaram.

Mostrando-se tranquila numa decisão que foi sua e perante a qual a empresa entrou em mútuo-acordo, Judite revelou entretanto à imprensa que esta «era uma decisão que vinha a ponderar desde o início do ano» e que agora foi tomada. Revelando que tem vários projetos a que se quer dedicar pelos próximos tempos, a jornalista pensa agora em descansar para depois agarrar o futuro que será bem mais calmo e longe dos grandes estúdios televisivos. 

Alguma imprensa revela que esta decisão de Judite esteja também a acompanhar a cada vez mais próxima entrada da Cofina na compra da Media Capital, indo de encontro às notícias de que vários rostos seriam afastados. Na verdade não vejo isso como uma possibilidade por parte da empresa, mas sim da jornalista que após vários anos a dar a cara pela informação, assumindo cargos de direção e entrando em cena como repórter em grandes acontecimentos nacionais e internacionais, se vê cansada e sem vontade de entrar num novo ciclo onde além de uma nova empresa será também tempo de recuperar a liderança perdida no início de 2019, tanto no entretenimento como na informação.

Blogs do Ano

Uma boa notícia surge agora para os blogs nacionais pela mão da Media Capital! Os prémios «Blogs do Ano» estão a chegar para premiar em dez categorias distintas os bloggers com os seus projetos. 

Dando a premissa de que todos podemos concorrer, a iniciativa «Blogs do Ano» irá premiar os blogs mais influentes e que mais próximos estão dos leitores em categorias que serão divulgadas ao longo deste mês. Com um painel de jurados distinto entre si, que será também revelado pelos próximos dias, os finalistas desta competição saudável entre bloggers serão escolhidos pelo lote de jurados mas será o público a eleger os vencedores de cada categoria. 

Esta iniciativa da Media Capital conta com o apoio da TVI, TVI24, IOL e Rádio Comercial e quer provar a aposta do grupo nos conteúdos multimédia, na interacção e no apoio ao talento que vai para além das plataformas tradicionais e que por vezes começam a ficar ultrapassadas. 

Eis a promoção do «Blogs do Ano» que já arrancou pelas várias plataformas do grupo... «Incontornáveis. Por vezes polémicos. Uma referência. Apaixonantes. Inspiradores. De opinião vincada. A ponte natural que muitos temos com as marcas e os seus produtos. Visita diária. Feitos por uma pessoa só, em dupla, em grupo, por anónimos ou famosos. Eles são hoje a companhia de milhões e quem dita tendências. Eles são os Blogs do Ano. E em julho arranca o evento anual que ajudará a revelar quem são para os portugueses.»

Rádio Comercial

Novos resultados das audiências de rádio foram tornados públicos e a Rádio Comercial volta-se a destacar perante as suas parceiras e rivais! Eu pertenço ao universo dos ouvintes que têm ajudado a este sucesso da rádio dirigida por Pedro Ribeiro! Parabéns!

Das Manhãs da Comercial ao Todos no Top, eu estou lá! Embora não seja um ouvinte fanático de música e por consequência de rádio, quando estou em viagem, seja rápida ou prolongada, o som é uma das minhas companhias! De manhã à noite, ao almoço ou ao jantar, a Comercial está sempre sintonizada no meu carro e é a principal opção quando me deixo envolver pela rádio.

De entre as opções mais conhecidas das rádios nacionais, a fase em que a CidadeFm ocupou boas horas da minha vida já passou há algum tempo e desde aí que me deixei adoptar pela sua parceira do grupo Media Capital e não larguei mais!

Pedro Ribeiro, Nuno MarklVasco PalmeirimVanda Miranda Ana Isabel Arroja são as minhas preferências da equipa, sendo também as vozes que estão mais tempo no ar nas horas em que me faço acompanhar pela Comercial.

Parabéns por mais uma vitória de um projeto que tem vindo a mudar para melhor em função das preferências dos seus ouvintes! Obrigado!

A polémica Rita Pereira

Rita Pereira dispensa apresentações e quer se queira quer não, ela é um dos rostos da representação jovem no nosso país que o público mais admira e que mais telespetadores consegue levar atrás de si. Nos últimos dias a estrela da TVI deixou escapar comentários menos bons nas suas contas pelas redes sociais sobre a má gestão de horários da empresa que lhe tem dado trabalho desde o seu aparecimento e com a qual mantém vínculo de exclusividade. A imprensa, claro está, não deixou escapar os comentários de Rita e tornou os mesmos numa polémica onde além de se contarem factos, inventam-se também histórias típicas de novela e onde só os principais protagonistas sabem da verdade! Será que se fosse a Maria da Curva que só fez uma participação especial numa novela a relatar tais factos as revistas também faziam tanto alarido? Claro que não! Ai Rita, Rita, sorte numas coisas e azar em outras, é o que dá estar no topo!

Depois de se noticiar as declarações da atriz por tudo o que é imprensa cor-de-rosa e de se procurarem esclarecimentos da mesma e dos diretores do canal e da Plural, o processo avançou para uma nova fase, a de que o contrato da estrela maior com a TVI termina no final do ano e que poderá não ser renovado devido aos seus comentários e desabafos tornados públicos e que deviam ter sido resolvidos internamente. É certo que existe razão para o aborrecimento porque os problemas das empresas devem ser resolvidos dentro das instalações e com quem pode tomar medidas e não publicamente, mas a questão é outra... Será que os cor-de-rosa acreditam mesmo que a direcção da estação de Queluz não vai renovar o contrato com a sua estrelinha? Terminaram muitos contratos nos últimos meses, mas a Rita é uma das atrizes intocáveis e sabe-se que se ficar livre, logo a SIC de Gabriela Sobral Júlia Pinheiro a agarra para protagonizar as suas novelas.

Ela errou, no entanto e com umas conversas de direcção, nota-se que não será por aí que deixará de ser um dos principais rostos da ficção do canal que não a dispensa de nada e que sabe o quanto Rita Pereira vale no ecrã e fora dele! A jóia da coroa é para manter, claro está, e só alguém com uma pala à frente não percebe isso! Polémicas de estrelas!

SIC erra com apostas pimba

A guerra pelas audiências televisivas não pára nem nunca parará, mas existem coisas que se têm que perceber pelas direcções que vão saltando pelos canais generalistas... O que resulta de um lado não tem obrigatoriamente que resultar no outro!

O caso que agora detecto é o da tentativa de Júlia Pinheiro e companhia quererem fazer da sua SIC uma TVI2. Não é que façam mal, uma vez que caminham atrás do adversário, que por sinal está em primeiro lugar há anos. O que está mal é a direcção da SIC, onde se encaixam Júlia e Gabriela Sobral, que saltaram de um canal para o outro há uns anos, não perceberem que o público alvo do seu atual canal não é o mesmo do da TVI. Se por Queluz as festas com música e palhaçadas resulta, já por Carnaxide isso não acontece e depois de várias tentativas, onde todas têm corrido mal, qual a razão de agora irem insistir mais uma vez com um programa semelhante ao Somos Portugal das tardes da concorrência para substituir as séries que são transmitidas ao Domingo à tarde no canal do grupo Impresa?!

A TVI é um canal que tem, desde que foi comandado por José Eduardo Moniz, um perfil mais popular, o que na SIC isso não acontece, sendo o público central desta estação o mais exigente. Existem apostas que podem ser praticamente iguais nos dois canais, mas os seus públicos por não serem os mesmos não aceitam comer também a mesma coisa. O que a SIC está a tentar fazer é ficar mais próxima do público da TVI, mas isso têm-lhe custado melhores números e o que é um facto é que se vão tirar as séries internacionais das tardes de fim-de-semana para as substituírem por um programa popular, então só vão piorar os resultados que têm feito. Não têm liderado, mas quando o novo programa começar a ir para o ar, os resultados vão ser ainda piores. Se os testes não correm bem, qual o pensamento de se apostar num formato próprio para um público que não gosta de ver cantores e palhaçada no seu canal de eleição?

Júlia tem um perfil popular e tinha óptimos resultados na TVI por este ser um canal mais popular também, mudou-se para a SIC, e os seus resultados caíram. Por ver o que lhe aconteceu com a mudança de canal já devia ter percebido que o que funciona de um lado, como ela própria, não tem obrigatoriamente que funcionar do outro.

Mais um tiro no pé que vai ser dado pelos lados de Carnaxide por se querer andar atrás de um canal do povo quando se tem um público mais de elite! A MediaCapital deve agradecer estas decisões estratégicas dos seus rivais!