Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

18
Set20

Ainda a Feira do Livro de Lisboa...

 

Em 2020 a edição da Feira do Livro de Lisboa aconteceu mais tarde devido à pandemia mas não foi isso que impediu que todos os amantes literários fossem até ao Parque Eduardo VII para trocar as suas listas de compras pelos exemplares tão desejados. Este ano fui à Feira somente uma vez mas consegui detetar que a escolha de várias editoras dos jovens que recrutaram para fazerem o atendimento no evento foi um pouco diferente do habitual, destacando a falta de formação de vários atendedores sobre os livros das editoras e mesmo sobre os autores que publicam no grupo ou que já foram à sua vida para outras paragens.

Percebi que existia alguma hesitação por parte dos jovens sobre a existência de determinados títulos na editora e mesmo se os autores faziam parte do lote da editora ou não, sendo feitas várias vezes questões entre os jovens contratados somente para o evento e os responsáveis de cada pavilhão. Será que não existiu tempo para uma pequena formação de dias para que todos estivessem esclarecidos, principalmente nas editoras pequenas que não têm ao seu cargo tantos autores, sendo mais fácil controlar um pequeno estudo sobre o que estava disponível ou não no pavilhão pelo qual estavam a dar a cara e o corpo em dia de trabalho. 

13
Set20

Citações | 37 | Página em branco

1_nVY0FAfVpBPfFxyGzjOksQ.jpeg.jpg

 

Não encare a página em branco de maneira leviana.

Stephen King, em Escrever, Memórias de um Ofício, editado pela Bertrand Editora

 

Na vida e na escrita as páginas em branco devem ser encaradas como espaços de partilha onde os sonhos e as questões podem ser colocados juntamente com o desejo de criar entretenimento ao mesmo tempo que se deixam desabafos, se criam vidas e reflexões através de revelações de sentimentos que surgem através das emoções tão complexas do coração e da mente.

A escrita deve ser encarada como um ato que surge de mãos dadas com o sossego porque é no silêncio que as palavras surgem, ponto por ponto, com descrições únicas e premissas bem pessoais que somente as páginas vazias podem aceitar como que tenham sido criadas para terem a honra de partilhar cada ideia que pode ficar eternamente escrita para que o presente se transforme no passado e nada fique esquecido por existir uma marca que pode ser transformada numa referência para quem vier de seguida. 

10
Set20

Citações | 36 | Arte na Vida

arte.jpg

 

A vida não é um suporte à arte. É exatamente o contrário. 

Stephen King, em Escrever, Memórias de um Ofício, editado pela Bertrand Editora

 

O mestre do horror literário lançou em 2000 o livro Escrever, Memórias de um Ofício onde faz uma retrospetiva sobre o seu trabalho e a sua própria vida pessoal onde a união dos dois mundos eleva o autor que se tornou conhecido após lançar com alguns desaires as suas primeiras narrativas. Stephen King nesta sua história muito própria avança com pensamentos, relatando situações caricatas e pesadas da sua vida enquanto escritor, marido, pai e um homem que vive em sociedade. O autor abre aqui cada página em branco e deixa que as palavras suscitem interesse junto do leitor pela sua vida enquanto escritor de histórias que se tornaram célebres com o tempo, mostrando que para que isso tenha acontecido muita coisa se passou na sua vida com os atos, frustrações e omissões cometidas ao longo dos anos. Stephen King nesta citação que decidi expor no blog mostra como aprendeu que a arte não serve como inspiração para a vida, sendo justamente cada ponto, cada ser, cada movimentação e convivência que torna a arte tão mais interessante, por ser totalmente inspirada na vida de todos e de cada um. Uma simples citação que diz tanto perante o que cada um pretende e quer das artes.

06
Set20

A Sinfonia dos Animais, bem mais que um livro

a sinfonia dos animais.png

 

Dan Brown surpreendeu editores e leitores com o seu primeiro livro infantojuvenil que chegou no passado dia 01 de Setembro às livrarias mundiais, num lançamento simultâneo em vinte e sete países. Entre nós o lançamento de A Sinfonia dos Animais aconteceu na Feira do Livro de Lisboa, com tudo a ser bem explicado, uma vez que este livro não é somente mais um livro infantojuvenil.

Com a música a fazer parte da vida de Dan Brown, desde bem cedo, este trabalho combina a literatura com a música clássica para apaixonar e aproximar os novos leitores das letras, através do que são agora chamadas de novas tecnologias. Qual não é a criança que adora o telemóvel, o tablet e tudo o que lhe sirva de estimulo dentro das últimas novidades de comunicação onde redes sociais, jogos, música e imagem estão integrados num só acessório? Com A Sinfonia dos Animais é possível ter um livro lindamente ilustrado onde a leitura pode ter o acompanhamento de músicas originais que o próprio Dan Brown criou e destinou a cada animal que vai contando a sua história neste magnifico livro recheado de inigmas e descobertas da primeira à última página.

A Sinfonia dos Animais já se encontra disponível nas livrarias de todo o país e também de forma online, sendo depois possível descarregar a aplicação gratuita como complemento literário para que se usufrua da experiência total entre leitura e música. A aplicação pode ser descarregada em www.wildsymphony.com e facilmente a conexão entre livro e ecrã é feita, para que aconteça como que magia ao longo da leitura com o acompanhamento musical em que cada página corresponde à história de um animal com características próprias e que transporta o leitor através de um tema musical destinado para uma autêntica experiência multissensorial onde Dan Brown colocou duas das suas áreas de destaque num mesmo sonho disponível para o público. 

05
Set20

O Caderno dos Sonhos | Julien Sandrel

Porto Editora

o caderno dos sonhos.jpg

 

Título: O Caderno dos Sonhos

Título original: La Chambre des Merveilles

Autor: Julien Sandrel

Editora: Porto Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2020

Páginas: 240

ISBN: 978-972-0-03260-7

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Thelma é mãe solteira de Louis, um adolescente de 12 anos. Como todas as mães, faria tudo pelo seu filho, mas as solicitações de uma vida profissional exigente sobrepõem-se mais vezes do que seria desejável aos pedidos de atenção do jovem.

Numa fatídica manhã, tudo muda: irritado com a falta de atenção da mãe, zangado e desiludido, Louis acelera no seu skate e, poucos metros adiante, é colhido por um camião. No hospital, o prognóstico é pouco animador. Louis está em coma e não há sinais de recuperação. Thelma enfrenta o seu pior pesadelo. Em casa, enquanto reúne algumas coisas do filho, Thelma encontra um caderno onde Louis tem vindo a registar os sonhos que gostaria de concretizar. A mãe decide, então, viver por ele cada um desses sonhos.

Talvez recupere. Talvez volte para ela. E, se não voltar, Louis terá pelo menos vivido pelas histórias da mãe a vida com que sempre sonhou.

 

Opinião: Não estava preparado para a história de O Caderno dos Sonhos. Uma capa toda florida e cheia de cor e umas primeiras páginas pesadas, bastante pesadas, para o que prometia ser uma boa história entre mãe e filho. E não é que no fim a capa feliz resume o conteúdo desta narrativa tão bem elaborada onde os sonhos, o amor, a família e acima de tudo a esperança são traduzidos por palavras simples através de uma história que nos faz seguir cada passo de uma mulher, Thelma, que luta pelo bem do filho, Louis, até ao final. 

Numa mistura de drama e recompensa, O Caderno dos Sonhos é a realização pessoal de uma pessoa perante o desafio que a vida lhe impôs. Uma mãe, que ao ver o seu filho ser violentamente atropelado e ao ficar em coma durante meses, começa a percorrer os caminhos idealizados pelo filho, os seus sonhos e objetivos que tinha apontado para realizar mais tarde. Filho numa cama de hospital, uma mãe a percorrer o Mundo para concretizar os sonhos do seu menino, e uma equipa médica a colaborar para que a mensagem de superação entre os dois fosse possível. Esta é uma bela história de amor familiar, entre uma mulher que vivia para o trabalho e que por motivos maiores percebeu forçosamente que existe vida para além da profissão que sempre valorizou para poder manter uma boa comunhão com o filho, e o tempo em família onde ficou? Não existia, até que foi necessário parar, perceber o que era necessário após o acidente e lutar pela recuperação.