Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Falhanço com a Feira do Livro em 2021

FeiraLX.2021-01.jpg

Em 2021 estou prestes a falhar redondamente para com as minhas visitas à Feira do Livro de Lisboa. Todos os anos passo pelo menos duas vezes pelo certame literário que é montado durante semanas no Parque Eduardo VII. Agora, em pleno 2021, e já com a feira a caminho do final, começo a perceber que não vou conseguir marcar a minha presença.

Horários de trabalho que não permitem, pausas que acabam por ser tornarem de forma imprevista em dias de trabalho e cansaço nas poucas oportunidades de descanso fizeram com que primeiro adiasse a ida porque tinha tempo, depois em dia de pausa senti que o corpo precisava de ficar mais por casa e não estava em condições para desfrutar de horas literárias a subir e a descer o Parque para perceber as promoções do dia, procurar as melhores ofertas e as melhores opções para comprar na famosa Hora H.

Era só o que faltava... Graciano no Chega

Nuno Graciano

 

Nuno Graciano passou, como apresentador, pela SIC, TVI e mais recentemente pela CMTV, onde parece ter suspendido a carreira televisiva. Agora, depois de se tornar num empresário na venda de queijos regionais e afastado dos holofotes, o antigo apresentador será, imagine-se, o cabeça de cartaz, perdão, de lista, do Chega em Lisboa. Nuno Graciano será assim o candidato do partido liderado por André Ventura à Câmara Municipal de Lisboa nas próximas eleições autárquicas que se realizarão em Setembro ou Outubro desde ano.

Segundo o comunicado do partido, Graciano, ao ser um rosto conhecido dos portugueses por ser "um lutador e um homem de convicções, sem qualquer vestígio de politicamente correto, representando, desta forma, aquele que é o espírito do partido", tem tudo para conquistar os leitores nesta batalha política pela capital. 

Defensor da prisão perpétua e da castração química, o antigo apresentador mostra assim a sua nova vertente profissional, enveredando pela política com um partido onde outros rostos conhecidos têm causado algum alarido ao lado de André Aventura, como é o caso de Maria Vieira. 

Ainda a Feira do Livro de Lisboa...

 

Em 2020 a edição da Feira do Livro de Lisboa aconteceu mais tarde devido à pandemia mas não foi isso que impediu que todos os amantes literários fossem até ao Parque Eduardo VII para trocar as suas listas de compras pelos exemplares tão desejados. Este ano fui à Feira somente uma vez mas consegui detetar que a escolha de várias editoras dos jovens que recrutaram para fazerem o atendimento no evento foi um pouco diferente do habitual, destacando a falta de formação de vários atendedores sobre os livros das editoras e mesmo sobre os autores que publicam no grupo ou que já foram à sua vida para outras paragens.

Percebi que existia alguma hesitação por parte dos jovens sobre a existência de determinados títulos na editora e mesmo se os autores faziam parte do lote da editora ou não, sendo feitas várias vezes questões entre os jovens contratados somente para o evento e os responsáveis de cada pavilhão. Será que não existiu tempo para uma pequena formação de dias para que todos estivessem esclarecidos, principalmente nas editoras pequenas que não têm ao seu cargo tantos autores, sendo mais fácil controlar um pequeno estudo sobre o que estava disponível ou não no pavilhão pelo qual estavam a dar a cara e o corpo em dia de trabalho. 

Glória, a primeira série portuguesa na Netflix

glória-netflix-pt.jpg

 

As gravações ainda estão a decorrer na região do Ribatejo e em Lisboa, mas a Netflix já fez saber, através das redes sociais, que daqui a uns meses chegará à plataforma a primeira série original portuguesa. Glória, de seu nome, será assim a primeira produção nacional a chegar à Netflix. Vem tarde mas finalmente chegamos lá!

Esta produção da SPi e com coprodução da RTP consiste num thriller que decorre nos anos 60, durante a Guerra Fria, cuja história se desenrola maioritariamente na aldeia de Glória do Ribatejo, onde fica situado um centro de transmissões norte-americano destinado a emitir propaganda do país para a Europa de Leste. Com um engeneiro português a ser recrutado pela KGB, a polícia secreta de Moscovo, para assumir os comandos da espionagem em Portugal, a aldeia ribatejana transforma-se num palco para a passagem de informação entre os vários pontos estratégicos da Europa em plena Guerra Fria. 

Com realização de Tiago Guedes e argumento de Pedro Lopes, Glória conta com os atores Miguel Nunes, Victoria Guerra, Afonso Pimentel, Gonçalo Waddington, Carolina Amaral e Adriano Luz nos papéis centrais, a quem se juntam Carloto Cotta, Inês Castel-Branco, Leonor Silveira, Maria João Pinho, Sandra Faleiro, Marcelo Urgeghe, Joana Ribeiro e Rafael Morais.

 

Uma espécie de estranheza numérica

 

Nos últimos anos a organização da Feira do Livro de Lisboa sempre tem revelado um crescimento no número de expositores presentes, elevando assim o número de pavilhões no certame e a quantidade a aumentar de participantes e visitantes. O que me causa alguma estraneza é o facto de marcar presença no espaço todos os anos e não notar grande diferença de ano para ano. 

O espaço é o mesmo, este ano até pareceu existir um maior espaçamento entre pavilhões e mesmo assim terminavam um pouco antes do habitual perante quem sobe as avenidas de calçada do Parque Eduardo VII. Não andei a contar, mas no geral, embora as razões de maior espaçamento existam, pareceu-me que a Feira não conta com um maior número de expositores, só se nestes valores apresentados em 2020 com trezentos e dez pavilhões, cento e dezassete participantes e representação de seiscentas e trinta e oito marcas editoriais estiverem incluídos os espaços de lazer, comida e para workshops e lançamentos. Já o ano passado refleti pessoalmente sobre este tema onde é dito que a Feira do Livro de Lisboa teve a sua maior edição de sempre, agora, a deste ano, foi a segunda maior de sempre e tudo parece igual, até por vezes com diminuição de espaço fisico do meu ponto de vista. 

Visita à Feira do Livro

2A848EBF-CF56-4054-9C52-7A17940AC967-080D8683-B3FA

 

01 de Setembro de 2020, dia em que visitei a Feira do Livro de Lisboa, edição de 2020. Tarde amena, convite para estar presente ao final da tarde num evento Bertrand para o lançamento do livro infantil A Sinfonia dos Animais, de Dan Brown.

Como tinha o dia livre resolvemos ir mais cedo para o Parque Eduardo VII e desfrutar do espaço literário que o certame oferece este ano aos visitantes. Com um recinto controlado com as entradas contadas, colocação de álcool gel e utilização obrigatória de máscara, tudo pareceu orientado perante as regras necessárias. Alguns dos expositores com maior volume de vendas tiveram de retirar os habituais adereços e espaços de autógrafos e entretenimento do meio das suas praças para que a movimentação fosse facilitada. Em determinados espaços editoriais o percurso estava marcado e a entrada nas cabines literárias tinha limite imposto de entrada para não facilitar a aproximação entre visitantes. Se existem diferenças? Sim existem espaços que parecem bem mais vazios e um pouco desertos, mas para bem de todos estes procedimentos tinham de ser tomados e este ano para existir Feira tudo tinha de ser remodelado para que até os lançamentos e sessões de autógrafos fossem reduzidos. 

Fomos durante a tarde num dia de semana e achei tudo normal e dentro dos possíveis este ano, no entanto o pensamento foi para a confusão que aquele mesmo espaço deve ter nos momentos da Hora H, durante a semana das 21h00 às 22h00, onde várias editores ficam com livros com mais de dezoito meses de edição com 50% de desconto ou então aos fins-de-semana em que um maior número de pessoas quer visitar a Feira do Livro. 

Em Lisboa não me sinto seguro

37778411_GI1562020REINALDORODRIGUES230_WEB-1060x59

 

A meio de Julho regressei ao trabalho, após meses em lay-off a que se colaram a férias que já estavam marcadas, tendo sido o último da equipa a voltar e a verdade é que não senti qualquer receio no regresso ao contacto com os clientes por trabalhar num centro comercial das redondezas da capital e em espaço aberto, o Campera Outlet Shopping, no Carregado. Num dos primeiros dias de Agosto fui ao maior centro comercial de Lisboa, o Colombo, e ai sim, perdi por completo a ideia de que tudo está a melhorar. 

Fui porque o que queria só mesmo lá podia encontrar e o pensamento que me acompanhou a partir do momento em que subi as escadas rolantes e até sair foi somente um, "tenho de me despachar rapidamente". Muitas pessoas, a confusão instalada em certas lojas, filas para entrar em várias lojas com previsões de várias dezenas de minutos para se entrar, mesas para se comer cheias, marcas de passagem por todo o lado, fitas a marcarem os corredores para facilitarem as filas, seguranças a avisarem constantemente as pessoas, o circular pela direita com muitos a quebrarem as regras e a chocarem de frente. Da calma a que estou habituado para a confusão com que também convivia e que neste sistema de pandemia não consigo sentir-me em segurança. Senti receio, confesso, de frequentar estes grandes centros comerciais com milhares de pessoas dentro, com todos e mais alguns sem paciência para clientes, estes sem se quererem empatar pelos outros e tudo se torna numa corrente de olhares de medo, do chega para lá, do cuidado para com quem parece vir direito a nós.

Quem vive nas grandes cidades já deve estar vacinado para com esta nova realidade, mas por aqui, que vivo numa aldeia sem cidade como sede de concelho e a trabalhar num centro comercial de menores dimensões, não estou mesmo virado para regressar tão cedo a um Colombo para me sentir numa corrida contra o tempo porque a ideia é somente uma, entrar, comprar o que é necessário e sair o mais rapidamente possível, sem conseguir dar uma volta, entrar em determinadas lojas para ver se algo me agrada. 

Futebol e Populismo

img_920x518$2019_06_09_23_01_11_1559680.jpg

 

Viram, e consequentemente ouviram, o discurso do nosso Presidente Marcelo Rebelo de Sousa sobre Portugal ter sido o país escolhido para a fase final da Liga dos Campeões este ano?

Que populismo e alegria num país onde os casos de Covid19 tardam em descer com tanto sobe e desce, mas isso pareceu nada contar para esta decisão internacional que ainda teve a força do poder nacional porque, palavras minhas, 《sim, estamos todos em condições para receber jogadores e todas as equipas técnicas para sete jogos de futebol que serão vistos por milhões em todo o Mundo》. Ao mesmo tempo que falarem depois dos grandes jogos que não se esqueçam de anunciar os novos casos de contágio por esses dias que a julgar pela amostra atual não parecem ser nada positivos.

Marcelo revelou que esta conquista foi de todos nós, portugueses, e da Direção Geral da Saúde, mas não vejo como aplaudir neste momento este troféu que aparentemente Portugal ganhou por ter a final da grande competição no nosso território, quando estamos numa batalha contra uma doença mundial que tarda em abrandar em várias zonas do país, principalmente na região de Lisboa, onde os jogos irão decorrer. 

 

 

Calma com o desconfinamento

20455e17f7743d6d253c649735c77223.jpeg.jpg

 

Refugiei-me no Alentejo por estes dias e quem sabe se até quase ao final do mês se não ficarei por aqui. Continuo em sistema de lay-off, previsto terminar no início de Julho, tendo fugido do centro atual da pandemia em Portugal. Vivo em Alenquer, bem próximo da nossa capital, e os números de novos infetados com Covid19 têm vindo de dia para dia a subir de há umas semanas para cá. Andávamos numa fase de decréscimo, entre os duzentos e trezentos novos casos, com dias até abaixo das duas centenas e com a abertura a uma nova fase de desconfinamento a situação na região de Lisboa tem vindo a mostrar números que colocam algum receio a toda a população envolvente.

O desconfinar é importante, todos necessitamos de retomar as nossas vidas e criar hábitos com um novo dia-a-dia mas o que se está a verificar na região da capital é que parte da população está a desconfinar demais. Criação de eventos secretos para festas, idas para a praia em grupos, aglomerados pelos jardins de jovens e vários comportamentos em grupo que colocam em risco a boa prestação de Portugal para com o Covid19. Tivemos um problema a Norte nos primeiros meses e que numa fase complicada conseguiu ser controlado para existirem poucos novos casos diariamente. Agora que tudo tendia a voltar aos poucos ao normal conseguimos fazer em comunidade com que a zona de Lisboa piorasse e tenha vindo a registar bastantes novos casos diariamente, fazendo com que o desconfinamento aceite e pretendido pelo governo e DGS não esteja a ser feito de forma igualitária por todo o país. 

Tenham atenção nos concelhos que circundam a capital, não se falando somente em Lisboa, Sintra, Amadora, Loures, Almada e Vila Franca de Xira, sendo este um problema geral que tem vindo a crescer também por outros concelhos. Vamos todos olhar para o resto do país para se perceber como conseguiram superar e acalmar este maldito vírus para fazermos igual. As coisas têm vindo a piorar e assim fica difícil voltarmos a ser livres qb de forma mais rápida de Norte a Sul. 

Em 2020 vamos ter Feira do Livro de Lisboa

feira do livro lisboa 2020.png

 

A tradição dita que a Feira do Livro de Lisboa aconteça nas últimas semanas de Maio e início de Junho. Este ano com o Coronavírus a atacar o país muitos eventos foram adiados e outros cancelados. No caso do maior evento literário da capital o adiamento aconteceu e agora já se sabe que o mesmo se irá realizar em simultâneo com a Feira do Livro do Porto. 

Em Lisboa a feira literária irá ter o seu início a 27 de Agosto e no Porto a 28, ambas ficando até ao dia 13 de Setembro, exigindo uma organização mais complexa por parte de expositores, autores e até mesmo de leitores que por vezes visitam os dois eventos, mesmo com a distância territorial. 

Como habitualmente, a nossa Feira do Livro de Lisboa irá receber todos os visitantes no Parque Eduardo VII para a sua 90ª edição, desta vez com todas as medidas necessárias de distanciamento e precauções para com as novas regras para com a pandemia. Neste momento as inscrições para as participações já estão a decorrer, mas não me parece que se consiga suplantar os números dos últimos anos para se obter de novo a maior Feira do Livro de sempre. A conjuntura atual deverá fazer com que editoras mais pequenas acabem por perder espaço e não tenham capacidade para se afirmarem, infelizmente. O mercado está complicado, todos nós estamos a sofrer alterações nas vidas privadas e profissionais e muito não será como antes.