Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

04
Mai18

Liberdade particular

O Informador

liberdade.jpg

Liberdade de escolha, onde o pensamento existe, sem que as cercas de hesitações apareçam como entraves e as insinuações com base em influências descaradas forcem a tomar determinados comportamentos que podem gerar finalidades que nem sempre são desejadas pelo sujeito que no seu mundo pode seguir o caminho que bem entende. 

Ser livre, pegar num pedaço de nada e transformar um simples gesto com a subtileza de conseguir criar algo melhor, como se um pequeno passo dê a partida para o que se pode vir a transformar em algo de bom, com futuro e bases sustentadas pela vontade de fazer mais e melhor consoante as ideias de cada um. Acreditar que um ser livre consegue atingir muito mais rapidamente a felicidade, primeiramente por se deixar levar pelo que quer e seguir um pouco ao sabor da maré, não existindo uma rigidez tão característica dos nossos dias onde a correria parece ser um sustento de cada um e uma necessidade da maioria para se seguir em frente. Onde está a liberdade quando um despertador toca como se quisesse transmitir uma obrigação, o trabalho é feito dentro de horários impostos, as horas de refeição estão praticamente estabelecidas e quem não deixa os vizinhos dormirem de noite por existirem coisas a fazer quando se está em casa, ainda consegue ser o mau da fita. Afinal quem está errado, o que faz o que quer quando sente necessidade para tal ou o que é obrigado a agir dentro das regras porque a sociedade o vai reprimir?

Gritar liberdade, alterar o modo de estar na vida, seguir os passos para o que se pretende alcançar sem pisar nada nem ninguém, não estragando a natureza e não ofuscando o que nos faz bem. Ser livre para pensar e comunicar, optando por criar laços com quem se quer e não com quem fica bem.

Encontrar o perfil perfeito que nunca está terminado porque um ser quando nasce é sempre uma obra inacabada até ao dia em que livre, sempre livre, parte para um lugar de libertação que se diz ser absoluta. Encontrar o caminho e seguir com o vento, sendo empurrado pela mãe natureza e deixar as mãos sociais para trás, porque mesmo sendo necessário, existe cada vez mais falta de se pensar e refletir por si, fazendo parar o mundo que segue lá fora para perceber que trilhos seguir, pensando nas barreiras que podem ser encontradas e ultrapassadas em busca não da perfeição mas da comunhão primeiramente pessoal. 

 

25
Abr16

Liberdade de expressão

O Informador

liberdade de expressãio.jpg

Comemorando o Dia da Liberdade, a questão que se coloca é... Será que existe liberdade de expressão em pleno século XXI?

Se há uns anos acreditava que éramos livres para nos exprimirmos, nos dias que correm começo a perceber que quando se toca em determinados temas sensíveis da sociedade que o corte da palavra e a verdadeira critica tomam o seu lugar para manifestarem aquele desagrado, acabando por revelar várias tentativas de anular os grupos que se exprimem em viva voz contra a vontade do poder e dos opositores. 

Sem contar muitas vezes com quem nos é mais próximo, percebe-se constantemente que vários são os grupos sociais que se opõem a ouvir a verdade dos factos, tentando abafar o que todos pensam mas que poucos têm coragem de dizer. Empresas que não podem ouvir um funcionário a fornecer muitas vezes opiniões que poderão ajudar a seguir em frente. Uma imprensa fiscalizadora das palavras dos grandes nomes nacionais. Políticos que não deixam a oposição manifestar as suas vontades. Tantos podres que existem por aí e com a liberdade de expressão a ser cada vez mais bloqueada!

25
Abr15

25 de Abril

O Informador

25 de Abril de 1974, o dia em que a mudança no país aconteceu por um futuro melhor. Hoje, 25 de Abril de 2015, quatro décadas depois da revolução dos cravos, tudo poderia ser diferente em Portugal. A revolução de Abril alterou todas as ideologias que defendiam os interesses de uma nação na altura. Somos livres sim, sujeitos a regras e impostos muitas vezes infundados, mas o que se destaca neste dia tão nacional é que a liberdade de expressão existe.

Há quatro décadas tudo era omitido, as palavras sancionadas, conversas tidas entre portas para não serem ouvidas por um orelhudo mais atento. Hoje comportamentos e comentários são feitos à descarada, textos partilhados por tudo o quanto é sítio, situações caricatas a acontecerem ao virar de qualquer esquina. Poderíamos ter a liberdade dos nossos dias se continuássemos a viver oprimidos por um estado controlador?

27
Dez14

Habituava-me bem!

O Informador

Habituava-me tão bem a esta vida de férias, sem os horários para ir trabalhar, não sendo obrigado a dormir a uma hora razoável para conseguir aguentar o dia seguinte. Nestas férias tenho descansado em casa, adormeço para lá das 2 ou 3 da manhã, deixando-me ficar a ver as minhas séries até às tantas, por saber que na manhã que se avizinha não tenho que acordar pelas 8h para ir trabalhar, podendo ficar a dormir até mais tarde e ficar mesmo depois de acordado deitado na preguiça matinal.

Esta sim seria uma boa vida, sem ter de sair cedo para trabalhar, arranjando um emprego sem horários definidos e que pudesse praticar a partir de casa, sem ter que sair na maior parte dos dias. Sei que não consigo estar fechado um dia inteiro em casa, mas ter liberdade para organizar os meus horários, poder dedicar-me ao blogue, ler e escrever, ver televisão e sentar-me ao sol numa esplanada enquanto vou trabalhando seria ouro sobre azul.

Ui, como me habituava tão bem a esta vida de liberdade, não de férias prolongadas, mas com um emprego sem horários e locais estabelecidos. Sonhos!

02
Nov14

Até que a morte nos separe

O Informador

Até que a morte nos separeDiariamente as vítimas de violência doméstica aparecem através das mãos dos namorados ou maridos e se com o tempo tudo poderia mudar com a evolução da sociedade, o que tem sido alterado no número de casos que têm aparecido ao longo dos últimos anos? Nada, rigorosamente nada, ainda para mais quando surgem depoimentos de mulheres que afirmam que em poucas semanas de namoro já sofriam de tal violência e que mesmo assim deixaram seguir um romance complicado que chegou ao casamento, tendo anos de sofrimento sem denunciarem o que as poderia levar à morte!

O medo, a humilhação e a aniquilação são assim tão fracos sobre um amor de agressões onde muitas vezes amigos, familiares e vizinhos percebem e também não partilham tais crimes públicos por cumplicidade e covardia para com o agressor?!

Como as vítimas, em grande maioria as mulheres, conseguem enfrentar anos de passagem por um deserto vazio sobre a mão pesada de criminosos sem escrúpulos não fugindo e procurando ajuda junto de autoridades e instituições? O apoio às vítimas de agressão existe, mulheres e homens morrem constantemente por sucessivos maus tratos corporais por parte dos companheiros com quem partilham as suas vidas transformadas num inferno e a mudança social tarda em acontecer!

A APAV tem uma linha de apoio à vítima - 707 200 077 - sempre disponível para qualquer esclarecimento! Não há que ter medo, há sim que enfrentar a realidade e perceber que existe todo um mundo de liberdade onde poder viver sem a repressão e ameaça constante de quem não consegue estar bem consigo próprio é bem possível! A fuga não é nada nestes casos que só podem desejar o afastamento dos agressores!

A liberdade pessoal existe e as agressões são punidas, procurem ajuda enquanto é tempo porque a morte não é a única solução para o final de uma união de violência!

banner mrec exames nacionais e provas de aferição

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Comentários recentes

Pesquisar

Mais comentados

Atual Leitura
Top mais vendidos Wook