Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

21
Nov20

Sejam felizes em confinamento

Tecnicas-para-manter-viva-a-esperanca.jpg

 

Hoje e Amanhã todos fomos convidados pelas entidades governamentais a entrar em confinamento ao longo das tardes, mas não será isso que deixará de lado os meus votos de bom fim-de-semana a todos que por aqui passarem. Divirtam-se e sejam felizes ao longo das horas em que estejam obrigados a ficar fechados entre quatro paredes, pensando que logo conseguiremos respirar livremente se soubermos manter a calma, continuando a cumprir as regras sem perder a esperança de que tudo ficará resolvido o quanto antes. Como o outro afirmava, "sejam felizes", mesmo em confinamento. 

20
Set20

Não fazer nada...

niksen.jpg

 

Quando se afirma que a intenção é «Não fazer nada!» então é mesmo ter consciência que durante um certo período de tempo o lema «Não fazer nada!» tem de ser levado a sério! Foi assim que passei os meus dois últimos dias de folga!

Geralmente crio ideias do que fazer, onde quero ir, como ocupar tempo, mas desta vez optei por estar livre, sem pensamentos sobre como passar cada hora. Na verdade não tinha intenções para ocupar os dois dias, como tal deixei-me levar mas na verdade não fiz praticamente nada de nada, pelo menos não me vi a fazer algo de jeito, a não ser deixar passar o tempo em paz, aproveitando o tempo, esticado num banco de jardim ou na relva, sem me preocupar com determinados temas e deixando mesmo o telemóvel e até os livros de lado. Aproveitei para me deixar ficar deitado mais tempo, mesmo acordado, ficando em modo pausado mais horas que o habitual por ser uma pessoa que não gosta de estar parada. Não aproveitei também assim o tempo em bom? Acredito que sim!

Desta vez deixei-me ficar, sossegado no meu canto, deixando as manhãs passarem, ajudando nas lides domésticas, almoçando em paz e com tempo, saindo à rua para me sentar na esplanada, depois circular pelo jardim, com a mochila com os livros e o tablet mas sem praticamente lhes tocar, porque a intenção era fazer literalmente nada. As horas passaram, o primeiro dia passou, o segundo surgiu da mesma forma e quando dei por isso já eram horas de dormir porque no dia seguinte era dia de regressar ao trabalho para mais uns quatro dias ocupados, com um horário onde não consigo fazer grande coisa nas horas que restam por estar literalmente a entrar a meio da manhã e a sair já de noite.

25
Fev20

Escrita livre

escrita blog.jpg

 

Escrita livre perante um ecrã de computador é deixar que os dedos percorram o teclado sem que o pensamento esteja preparado para criar um novo texto com tema, conteúdos definidos e imagem pré-selecionada ou idealizada. Neste momento optei por deixar que o momento faça o artigo que estás a ler, sem destino e somente com o tema que a escrita livre, sem predicados e objetivos, tem. 

O que esperar quando nada se prepara e idealiza para entregar a quem está do outro lado enquanto leitor de um blog com publicações quase diárias? Enquanto autor - upa, que chique! - não posso aguardar pelas reações porque contínuo a escrever um texto sem sentido, onde o rumo é somente destinado à criação através da perceção de que não existe um pensamento elaborado para seguir com cada palavra. A intenção neste caso é escrever, entregar ao «publicar» algo para acrescentar às últimas atualizações do blog e seguir em frente. 

Se este texto te vai interessar enquanto visitante diário, semanal, mensal ou aos que foram apanhados na curva? Claro que não, mas quem é que consegue manter sempre ideias frescas para escrever, criar e dar de novo de forma constante sem que existam estes dias menos produtivos e onde a liberdade de expressão é somente deixar seguir cada palavra e nem pensar como o texto termina. 

04
Mai18

Liberdade particular

liberdade.jpg

Liberdade de escolha, onde o pensamento existe, sem que as cercas de hesitações apareçam como entraves e as insinuações com base em influências descaradas forcem a tomar determinados comportamentos que podem gerar finalidades que nem sempre são desejadas pelo sujeito que no seu mundo pode seguir o caminho que bem entende. 

Ser livre, pegar num pedaço de nada e transformar um simples gesto com a subtileza de conseguir criar algo melhor, como se um pequeno passo dê a partida para o que se pode vir a transformar em algo de bom, com futuro e bases sustentadas pela vontade de fazer mais e melhor consoante as ideias de cada um. Acreditar que um ser livre consegue atingir muito mais rapidamente a felicidade, primeiramente por se deixar levar pelo que quer e seguir um pouco ao sabor da maré, não existindo uma rigidez tão característica dos nossos dias onde a correria parece ser um sustento de cada um e uma necessidade da maioria para se seguir em frente. Onde está a liberdade quando um despertador toca como se quisesse transmitir uma obrigação, o trabalho é feito dentro de horários impostos, as horas de refeição estão praticamente estabelecidas e quem não deixa os vizinhos dormirem de noite por existirem coisas a fazer quando se está em casa, ainda consegue ser o mau da fita. Afinal quem está errado, o que faz o que quer quando sente necessidade para tal ou o que é obrigado a agir dentro das regras porque a sociedade o vai reprimir?

Gritar liberdade, alterar o modo de estar na vida, seguir os passos para o que se pretende alcançar sem pisar nada nem ninguém, não estragando a natureza e não ofuscando o que nos faz bem. Ser livre para pensar e comunicar, optando por criar laços com quem se quer e não com quem fica bem.

Encontrar o perfil perfeito que nunca está terminado porque um ser quando nasce é sempre uma obra inacabada até ao dia em que livre, sempre livre, parte para um lugar de libertação que se diz ser absoluta. Encontrar o caminho e seguir com o vento, sendo empurrado pela mãe natureza e deixar as mãos sociais para trás, porque mesmo sendo necessário, existe cada vez mais falta de se pensar e refletir por si, fazendo parar o mundo que segue lá fora para perceber que trilhos seguir, pensando nas barreiras que podem ser encontradas e ultrapassadas em busca não da perfeição mas da comunhão primeiramente pessoal.