Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

20% e portes grátis na Wook

mw-970x250-billboardHoje, 29 de Setembro de 2022, todos os livros estão com desconto de 20%, incluindo as novidades, estando também qualquer compra com portes grátis na Wook.

Esta é mesmo a oportunidade que não podes perder para encher o teu carrinho de compras online, fazer o pagamento e em menos de nada, uns dois ou três dias, terem os teus novos companheiros literários do teu lado. 

Já sabes, só hoje, Quinta-feira, 20% de desconto em todos os livros disponíveis na Wook e com portes grátis para encomendas pagas até às 00h00.

 

Vem aí... A Espia do Oriente

a espia do oriente.jpg

A série Freelancer de Nuno Nepomuceno foi lançada originalmente em 2012 através de uma trilogia bem sucedida mas que agora, após o sucesso que o autor obteve com a sua outra série, Afonso Catalão - A Célula AdormecidaPecados Santos, A Última Ceia, A Morte do PapaO Cardeal e A Noiva Judia -, esta primeira obra do autor volta a ser relançada numa edição especial de coleccionador.

No ano passado foi editado pela Cultura Editora o Livro 1 desta série Freelancer, O Espião Português, e agora chega, para gáudeo dos fãs da escrita de Nuno Nepomuceno, o Livro 2, A Espia do Oriente, que trás de volta a dupla maravilha à investigação perante um atentado iminente. Este relançamento já se encontra em pré-venda - AQUI - e podes desde já fazer a tua reserva para que no dia 13 de Outubro, data de lançamento, tenhas o teu exemplar a chegar em condições e sem saíres de casa.

A Profeta | Maria Francisca Gama

Suma de Letras

a profeta capa.jpg

Título: A Profeta

Autor: Maria Fransica Gama

Editora: Suma de Letras

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2022

Páginas: 152

ISBN: 978-989-7846-07-6

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Mariana é uma jovem mulher solitária. Tem um emprego do qual não gosta, passa os dias e as noites sozinha a ler um livro misterioso.

Sente um profundo desprezo pela Humanidade, mas não consegue evitar ajudar quem precisa, mesmo que a ajuda venha na forma de um frasquinho de veneno indetetável.

Através das pessoas com quem se vai cruzando, todas vítimas de alguém, Mariana vai eliminando o mal do mundo e, ao fazê-lo, junta uma legião que jura segui-la para sempre, como a uma profeta.

Neste livro, Maria Francisca Gama faz uma reflexão sobre a religião, o certo e o errado, e a aleatoriedade de acontecimentos que em segundos destroem uma vida. É a incapacidade de aceitação e a busca por uma justiça divina que, não chegando, é feita pelas próprias mãos.

 

Opinião: A história contada em A Profeta leva o leitor a acompanhar Mariana, uma jovem solitária, infeliz e sem pilares familiares que a sustentem por um preâmbulo de encontros com desconhecidos a quem espalha a palavra como uma missão que sente como salvamento do próximo. O poder da palavra como a verdade acima de qualquer controlo para dar voz a vidas que caminham com a dor e perante as quais procura discípulos para passar a mensagem que acredita ser a correta, a de que todos devem pagar pelos males cometidos. 

Nesta história cada capítulo é um cruzamento de Mariana com uma pessoa que lhe parece à primeira vista distante mas que com quem tem algo em comum, um passado de dor que resultou num pesado presente. Para ajudar os mais sensíveis, esta mulher tem do seu lado um ingrediente secreto que acaba com a causa do sofrimento dos que lhe contam as suas vivências por estarem mais suscetíveis ao poder da influência. Os conselhos de Mariana para que os outros se consigam libertar das suas lutas interiores levam a momentos de causa efeito perante o poder da vingança feita pelas próprias mãos, levando os aconselhados a seguirem os seus ideais como uma profeta dos nossos dias. 

 

Prisioneira do Tempo | Livro I - Recife | Patrícia Madeira

Cultura Editora

prisioneiro do tempo recife.jpg

Título: Prisioneira do Tempo | Livro I - Recife

Autor: Patrícia Madeira

Editora: Cultura Editora

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Junho de 2021

Páginas: 864

ISBN: 978-989-9039-55-1

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Um momento de dor extrema conduz Manuela, sem que o compreenda, a uma viagem no tempo. Chega ao Brasil de 1813, um território sob domínio português, onde na sombra cresce a Revolução Pernambucana, o primeiro movimento a ultrapassar a fase conspiratória, um passo inspirador para a independência do Brasil da coroa portuguesa, que anos antes fugira de Lisboa para o Rio de Janeiro.

Enquanto tenta adaptar-se a um mar de adversidades e preconceitos que resultam da diferença entre séculos, o inesperado acontece-lhe... apaixona-se por um militar e acaba rendida às emoções de uma vibrante história de amor. Manuela revive episódios históricos e cruza-se com personagens verídicas. Convive com a realeza e choca-se com o mais hediondo negócio de todos os tempos… a escravatura.

Uma mulher entre dois territórios, uma alma que se procura a ela própria. Pelos olhos desta viajante assistiremos às origens, tão apaixonadas quanto violentas, de uma nação. Tal como um centelha provoca um incêndio, há um primórdio para toda uma existência. Será possível alterar o passado? Valerá a pena lutar contra o destino ou será o próprio sofrimento o passaporte para o futuro?

 

Opinião: Em Portugal encontrei Manuela em pleno século XXI, a viver um casamento com Henrique quando sofre com a perda da mãe. Do nada, aparentemente sem explicação, Manuela acaba por ser arrastada no tempo e dá por si a viver no ano de 1813 na cidade de Pernambuco, no Brasil. A premissa está lançada e com ela surge um bombom adicional, é que nesta união entre ficção e factos históricos, a portuguesa vive numa época diferente da sua, com todas as condicionantes que tal mudança leva consigo, mas a memória e o conhecimento continuam consigo, ajudando a saber o que poderá acontecer como uma antecipação dos factos perante o seu novo dia-a-dia.

Uma mulher dos nossos tempos que do nada se vê perante comportamentos inaceitáveis de outra época e que percebe que ao estar, sem saber como, sujeita a permanecer num espaço e tempo onde não pertence, da resignação passa à aceitação e com esse modo de estar transforma-se na apelidada por Mulher do Povo, diferente das da época e incapaz de ficar de braços traçados enquanto as injustiças e desigualdades desfilam ao seu redor.

De novo apaixonada por um homem de outra época, o coronel Francisco, que percebeu a sua diferença e rapidamente ficou rendido ao seu modo de estar e olhar para a sociedade, Manuela é a grande opositora dos costumes e ainda hábitos vividos, transformando-se num forte rosto da oposição civil, enfrentando os tempos da escravatura, a fragilidade das mulheres que são mantidas longe das grandes decisões da família e por consequência da comunidade, servindo como um ser reprodutor e cuidador. Com Manuela a interferir e ao se tornar um símbolo de obstinação, o debate perante o preconceito e a mudança para uma sociedade feita de bastantes desigualdades acontece perante esta mulher que não se deixa abater e enfrenta quem se colocar pela frente, desbravando caminhos sem medos, indo de encontro ao que nos tempos de hoje é a normalidade e que no passado histórico aconteceu como um mal maior entre as várias faixas sociais que se usavam e rebaixam como forma de progressão.

Só Hoje, na Wook!

oportunidades-970x250-billboard24 de Agosto de 2022 é dia de grandes oportunidades na Wook com mais de sete milhões de livros, em português e inglês, em promoção com descontos de 30%.

Na véspera da abertura das edições deste ano das Feiras do Livro de Lisboa e Porto, eis que a livraria online lança um grande desconto nas publicações com mais de dezoito meses de publicação e consegue assim antecipar os grandes certames literários do ano no nosso país. 

30% em milhões de livros, vinte e quatro horas para fazer a encomenda e o seu pagamento sem precisares de sair do lugar. O que pode ser melhor que isto? Aproveita esta promoção - AQUI - e deixa do teu lado aqueles livros que podem não estar com os descontos apetecíveis pela Feira do Livro mais próxima da tua área de residência. 

A Wook tem, com a Wook poupas!

 

Silêncio em torno da Feira do Livro

feira do livro lisboa 2022.svg

A 92ª Feira do Livro de Lisboa está prestes a começar e o silêncio em torno do evento este ano parece ser o lema privilegiado pela organização e várias editoras que marcarão presença no certame.

Ao contrário dos anos anteriores, o silêncio parece estar a ser o ponto chave na divulgação da programação do evento. As redes sociais da Feira do Livro pouco têm revelado, só adiantando datas - 25 de Agosto a 11 de Setembro -, o número de pavilhões - 340 - e os participantes - 140 -, sem revelarem muito da programação que será seguida ao longo das semanas, sem saírem as verdadeiras listas de lançamentos, as sessões de autógrafos, debates e eventos associados ao mundo literário, já para não falar da impossibilidade das listas diárias com os livros que estarão com descontos e promoções especiais.

Vem ai a 92ª Feira do Livro de Lisboa

feira do livro lisboa 2022.svg

É já este mês que a Feira do Livro de Lisboa assinala a sua 92ª edição. Será entre os dias 25 de Agosto e 11 de Setembro no Parque Eduardo VII que a grande concentração literária de Portugal acontece e claramente que irei por lá passar. Preparada e organizada pela Associação Portuguesa de Editores e Livreiros, a Feira do Livro decorrerá nos últimos dias de Agosto e início de Setembro transformando o espaço verde da capital num autêntico roteiro literário a que todos os amantes de livros não gostam de faltar. 

Este ano a Feira do Livro contará com trezentos e quarenta pavilhões, cento e quarenta participantes, uma vasta programação cultural onde se juntam os espaços de lazer e convívio onde é possível petiscar ao longo da visita, existindo como é hábito as sessões de autógrafos, conversas com autores e editores, debates, lançamentos e também concertos, tal como outros eventos envolventes com o mundo literário. 

Em 2021, com limitações na lotação do espaço de cinco mil e quinhentos visitantes em simultâneo, com entradas controladas, o certame recebeu cerca de trezentos e cinco mil visitantes ao longo dos vários dias, este ano, sem limites e imposições, a APEL espera alcançar novos e mais altos valores no que toca ao número de visitantes. Que assim seja, para que possamos mostrar que a literatura tem ganho novos leitores e reforçando a sua presença junto das novas gerações. 

 

Ganha na Wook!

ganhe10-970x250-billboard

Só hoje e amanhã, que é como quem diz, dias 27 e 28 de Julho, a Wook tem até 10€ para oferecer aos leitores que façam encomendas na livraria online de valor acima de 30€, ficando excluídas as novidades nesta campanha.

Ou seja, todos os livros publicados há mais de dezoito meses entram nesta oportunidade promocional e com isto, se fizeres uma compra acima de 15€ recebes em cartão wookmais um vale de 5€ para utilizares numa próxima oportunidade, já se a despesa passar os 30€ ganhas 10€. Do que esperas para renovar a tua biblioteca em espera ai por casa?

Calhamaços? Sem medos!

livros.jpg

Meus caros leitores tenho aqui a anunciar que estou a ler o primeiro volume da saga Prisioneira do Tempo, da autoria da Patrícia Madeira, lançado pela Cultura Editora, e que tenho em mãos uma autêntica pérola da literatura moderna que me está a surpreender pela positiva, tanto pela história ficcional criada como com a parte histórica que vai sendo contada. Claro que irei falar desta leitura mais ao pormenor daqui a uns dias quando a terminar, sendo que pelas redes sociais sempre vou dando bitaites ao longo da leitura para vos manter a par da situação.

Só que agora quer comentar outro tema sobre livros grandes, ou seja, os chamados de calhamaços literários. Venho por aqui referir que esta obra nacional conta atualmente com dois volumes, ambos com mais de oitocentas páginas cada, o que não me assusta enquanto leitor, mas que deixa quem me vê com o calhamaço nas mãos de boca aberta de espanto, fazendo surgir frases como «como consegues», «isso comigo ia demorar um ano». Não, meus caros visitantes não leitores, este livro não demora assim tanto a ser lido se a literatura for um hábito constante nas vossas vidas. Para mais porque além de um leitor recorrente não sentir o peso do número de páginas, esta história está muito bem criada para conseguir ser levada de bom grado e de forma rápida, não estivesse eu empenhado na descoberta das aventuras de Manuela por um passado que lhe estava longínquo até ao momento em que se deparou a viver uma história que não era a sua mas que pode ter originado o seu momento presente.

A História de uma Serva | Margaret Atwood

Bertrand Editora

a história de uma serva.jpg

Título: A História de uma Serva

Título Original: The Handmaid's Tale

Autor: Margaret Atwood

Editora: Bertrand Editora

Edição: 2ª Edição

Lançamento: Junho de 2021

Páginas: 352

ISBN: 978-972-25-2577-0

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Uma visão marcante da nossa sociedade radicalmente transformada por uma revolução teocrática. A História de Uma Serva tornou-se um dos livros mais influentes e mais lidos do nosso tempo.

Extremistas religiosos de direita derrubaram o governo norte-americano e queimaram a Constituição. A América é agora Gileade, um estado policial e fundamentalista onde as mulheres férteis, conhecidas como Servas, são obrigadas a conceber filhos para a elite estéril.

Defred é uma Serva na República de Gileade e acaba de ser transferida para a casa do enigmático Comandante e da sua ciumenta mulher. Pode ir uma vez por dia aos mercados, cujas tabuletas agora são imagens, porque as mulheres estão proibidas de ler. Tem de rezar para que o Comandante a engravide, já que, numa época de grande decréscimo do número de nascimentos, o valor de Defred reside na sua fertilidade, e o fracasso significa o exílio nas Colónias, perigosamente poluídas. Defred lembra-se de um tempo em que vivia com o marido e a filha e tinha um emprego, antes de perder tudo, incluindo o nome. Essas memórias misturam-se agora com ideias perigosas de rebelião e amor.

 

Opinião: A História de uma Serva é a distopia que Margaret Atwood excelentemente criou para dar vida a várias personagens pela voz de Defred, uma serva que fica ao dispor de um Comandante e perante todas as regras que a sua nova casa lhe ditam. 

Nesta história encontramos uma jovem mulher, no ano de 1985, a contar a sua história de vida ao longo de três tempos diferentes, o antes de ser recolhida para o seu novo estado de vida, o durante o tempo em que esteve sujeita a condições desumanas e o depois, aquele sonho do que poderia estar por detrás das portas. Nesta história Margaret consegue levar o leitor pela vida de uma serva que fica ao serviço de um homem, o Comandante, cuja ciumenta mulher não lhe consegue dar filhos. Esta esposa não consegue engravidar e dar assim continuidade à família, como tal as servas são colocadas ao dispor das famílias com tais dificuldades para terem filhos no lugar das esposas inférteis. Nesta distopia a par das servas existem as Tias, mulheres mais velhas que controlam e ditam as regras perante as novatas que entregam de forma forçada o seu corpo e ainda as Martas, cujas funções passam pela cozinha e limpeza das casas. Todas estão presas dentro de vidas que não desejaram, todas têm no seu Comandante o tutor, e as regras são para serem levadas a sério, onde cada qual tem a sua função bem implementada sem que possam existir extravios e somente com uma finalidade, a procriação para dar continuidade ao nome de família do Comandante, procriação essa que é feita entre o próprio e uma das servas, na presença da sua esposa e com os conselhos das Tias sempre atentas. 

A História de uma Serva é uma história onde o medo e todos os condicionantes que por si só surgem existem. As mulheres vivem perante uma sociedade controlada pelo autoritarismo masculino e se não seguirem o caminho que lhes é destinado acabam por sofrer graves consequências. Neste mundo o controlo é um facto, a reprodução uma obrigação e a liberdade uma proibição.