Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

13
Fev20

Leituras que prendem

livro.jpg

 

Simples perceber quando um leitor está totalmente agarrado à história que tem entre mãos!

Existem aquelas leituras que demoram, que se não lermos hoje passamos para amanhã e até ficamos por vezes alguns dias sem pegar no calhamaço para seguir em frente com o enredo, arrastando até mais não. E depois existem os bons livros que ao começarmos entendemos que vamos ter um amigo diário de levar connosco para qualquer local e ao longo dos dias. 

Ler enquanto se toma o pequeno-almoço, na pausa do trabalho, após as refeições, ao deitar, naqueles períodos em que se espera por alguém, nos transportes, em viagem como pendura... Estas são as leituras que nos prendem, agarram e não nos deixam tirar os olhos do livro, desfolhando página a página, marcando nomes e passagens, querendo conhecer cada personagem, pesquisando locais, acreditando na veracidade ou questionando situações. 

A grandeza de uma boa leitura é entendida quando o livro faz, durante horas ou dias, parte da nossa vida e não fica a grande distância das nossas mãos, para que sempre que possível possa ser aberto, ler uns parágrafos, regressar à vida além da literatura a pensar que assim que surja a oportunidade lá estamos com todas aquelas páginas na mão para sabermos mais um pouco sobre o que está e estará para acontecer. 

24
Jun17

Pecados da Igreja [Secundino Cunha]

pecados da igreja.jpg

Autor: Secundino Cunha

Editora: Saída de Emergência

Edição: 1ª Edição

Lançamento: Abril de 2017

Páginas: 256

ISBN: 978-989-773-020-7

Classificação: 2 em 5

 

Sinopse: O pecado é tão antigo quanto a Igreja pois esta é feita de homens com as mesmas tentações e fraquezas de todos os outros. E a Igreja Portuguesa não é exceção.

Com um estilo ligeiro mas sustentado numa investigação meticulosa, Secundino Cunha revela-nos os acontecimentos que marcaram negativamente a Igreja portuguesa nos últimos 20 anos, abalando populações e incendiando o país.

Casos de padres que cederam à tentação do amor, narrativas de desventuras e vinganças, histórias de revoltas populares e fugas atribuladas por paixão que deram origem a calvários sem fim. E, claro, não poderiam faltar os famosos contos do vigário.

Venha descobrir e deleitar-se com uma Igreja Católica Portuguesa que nunca imaginou, e os desafios diários que ela enfrenta na luta eterna entre a virtude e o pecado.

 

Opinião: «O santo filósofo explica que os sete pecados capitais (soberba, avareza, luxúria, ira, gula, inveja, preguiça) não foram escolhidos pelo seu valor intrínseco, mas pelo facto de serem eficazes detonadores da prática das mais torpes maldades». É assim que se dá a forma introdutória do livro Pecados da Igreja, da autoria de Secundino Cunha, onde os pecados protagonizados por homens e mulheres que defendem e são os responsáveis pela comunhão entre a sociedade e a crença estão em destaque. 

Recorrendo a histórias reais, verdadeiras e nacionais, este livro faz uma análise sobre as notícias que ao longo das últimas décadas foram surgindo sobre os pecadores no seio da igreja. Pessoas que se formam para defender e transmitirem aos outros ideias e que se deixam levar por maus hábitos ou por tentações pelas quais deveriam estar afastados e preparados para não cederem.

Se um padre viu a sua vida ser alterada quando se apaixonou por uma jovem que o acompanhou até ao mundo da droga, outros há que conseguiram aguentar uma família em segredo durante anos até que decidiram deixar o seu lugar na igreja para viverem livremente com os seus sentimentos, tendo até que recorrer por vezes em alguns casos a fugas amorosas para alterar todo o rumo de uma história que poderia não ter acabado da melhor maneira. Se uns vivem de amores nem sempre positivos, outros há que se deixam levar pelo luxo, pedindo a católicos ajudas para a comunidade religiosa para fazerem uso desses lucros em compras de veículos topo de gama, férias em verdadeiros paraísos, noites de arromba e uma vida de ostentação, o que sempre levanta suspeitas. E como a falsidade também existe, não é que já existiu quem se tenha feito passar por padre ao longo de anos, em várias paróquias, sendo acarinhado por milhares de cristãos até ser descoberto nas próprias malhas do seu crime? E o que dizer do suposto colecionador de armas que era mais traficante que outra coisa, mas como os padres têm sempre uma boa imagem junto da população, todos acharam que as investigações não estariam corretas. Existem pois padres que recorrem aos serviços da prostituição para se sentirem de certo modo homens, só que as coisas nem sempre correm bem e mais cedo ou mais tarde são apanhados ou chantageados. O que considero o maior pecado de todas estas histórias contadas por este livro é a pedofilia na igreja e olhem que esta obra reconta vários casos de outrora, casos esses que foram por vezes ocultados pela igreja para que não se criasse grande alarido em torno do assunto, para mais com o que aconteceu há uns anos mesmo no centro do Vaticano. Prostituição, pedofilia, abusos e como não podia escapar encontramos as festas e saunas gay onde muitos padres para não darem nas vistas em Portugal recorrem a terras vizinhas para se satisfazerem. Se uns há que se protegem pelos seus pecados, outros há que se vingam dos colegas do lado, nem que para isso tenham de criar e inventar situações para terminarem com a carreira de quem menos gostam.

02
Fev17

Larga quem não te agarra

 

larga quem não te agarra.jpg

Autor: Raul Minha'Alma

Lançamento: Outubro de 2016

Editora: Manuscrito

Páginas: 264

Classificação: 4 em 5

 

Sinopse: Este é um livro sobre o leitor. Sobre todas as pessoas que não conseguem expressar por palavras o que vai dentro delas.A missão de Raul Minh’alma é dar voz aos corações que sofrem e às mentes que sonham e não querem deixar de acreditar no amor e na vida. É fazer o leitor sentir-se ouvido, compreendido e confortado, na dor ou na alegria. Larga Quem Não Te Agarra é composto por 500 textos com os relacionamentos como tema central. Pretende expor as angústias pelas quais todos passamos mas também, e acima de tudo, invocar o amor pelo próximo e por si mesmo. Este livro tem o poder de mudar a forma como nos relacionamos com os outros e como encaramos a vida. Quem absorver cada uma das suas palavras será uma pessoa mais forte e confiante quando chegar à última página.

 

Opinião: Se falsas expetativas existissem acerca da leitura de Larga quem não te agarra, todas acabaram por cair quando após os primeiros textos percebi que Raul Minh'Alma coloca em palavras os seus sentimentos na verdade da escrita onde as relações e comportamentos que tem são desfiados de forma pessoal e reveladora de bom senso. 

Um livro onde os afetos, o amor, paixão, amizade, fraternidade e carinho tomam lugar ao longo de centenas de textos onde os relacionamentos com os outros têm lugar. Ao longo da leitura é inevitável cada leitor não se identificar com vários textos onde do riso à tristeza conseguimos seguir numa montanha russa de sentimentos, tal como acontece na complicada vida recheada de doces e pedras pelo caminho. Como não entrar na escrita de Raul quando cada palavra se identifica com casos vulgares e de sentimentos partilhados através da simplicidade de uma criação real e sem filtros?!

08
Fev16

Mensagem

Acabei de receber uma mensagem bem sugestiva de uma leitora, que se diz assídua, do blog. É bom ter acesso a estes miminhos que nos deixam felizes ao lermos palavras que vão de encontro ao que tentamos fazer dia após dia neste canto de escrita e posterior leitura junto de todos.

Publicamente agradeço as palavras, deixando o convite a todos para que na área que se encontra na coluna lateral das mensagens deixem também a sua com opiniões, sugestões ou o que quiserem. Gostei de ser surpreendido com este pequeno mimo, ficando a promessa que a sugestão para um futuro texto será também tida em conta. 

23
Jun15

Atual leitura... Porto Seguro

Com oito livros já conhecidos de Danielle Steel pelas estantes dos que já foram lidos, eis que mais um estará daqui a uns dias, poucos aliás, pronto para se juntar à lista. Desta vez e porque em tempo de férias a leitura é sempre a despachar, vou pegar no quarto livro em pouco mais de uma semana para o devorar literalmente. Porto Seguro foi o escolhido da autora que tão bem conheço e da qual gosto de desfrutar quando não apetece pegar em obras pesadas e com histórias mais maçudas.