Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Literatura em pausa

book read.jpg

 

Eu, Ricardo Trindade, conhecido na blogosfera como O Informador, venho publicamente assumir que sensivelmente entre o início da segunda quinzena de Maio e o final da quinzena inicial de Junho me portei um pouco mal como leitor assíduo. 

Reconheço aqui que férias além fronteiras - Paris -, trabalho, séries, afazeres diários e a preparação para o Clube de Leitura na Feira do Livro de Lisboa no espaço do grupo Porto Editora sobre a obra de Danielle Steel, deixei um pouco de lado os meus novos amigos literários de lado. Agora que tudo parece estar mais calmo prometo retomar o fio condutor como um bem comportado leitor que muito respeita os momentos dedicados às histórias de ficção e não ficção que são escritas por todo o mundo.

Eu, O Informador, reconhecido somente por quem aqui passa, prometo que a partir de hoje a história irá continuar a ser contada como estava a acontecer até meio de Maio. O objetivo está lançado, como tal vou começar desde já a cumprir com a palavra dada. 

Ainda bem que não fui de férias

Nos últimos anos as minhas férias de Verão têm sido marcadas para acontecerem pelo mês de Junho, na primeira ou segunda quinzena. Desta vez e porque tinha alguns compromissos que me obrigavam a estar ao longo destes dias pela zona, marquei as férias para as últimas semanas de Julho e parece que foi a melhor opção.

O tempo que se tem feito sentir este mês tem estado longe do que tenho apanhado pelos outros anos, onde o sol acorda com o dia e só adormece com o anoitecer, ajudando aos dias quentes e bons para a praia ou piscina. Agora tem sido a chuva a mostrar que anda por aí pronta para atacar em qualquer altura e para estragar as férias de muitos que estão pela zona litoral, mais pelo Algarve, a querer desfrutar de uns bons dias de calor e descanso pelos areais do país. 

Se em Julho o Verão aparecer fico feliz por ter sido quase obrigado a adiar as férias para tal mês, deixando o Junho para trás! Haja sol e boa disposição na altura!

Onde ir de férias?

Costumo tirar férias em Junho, este ano, como tenho compromissos importantes - uma despedida de solteiros e um casamento - nas datas em questão, os dias de descanso tiveram que ser adiados para o final de Julho. Agora ando em busca do local e dos preços perfeitos e a coisa não está assim tão fácil!

O que se consegue fazer pelo mês de Junho por um preço, trinta dias depois mais que triplica, isto falando de locais em Portugal ou Espanha com a praia como destino. Os preços sobem em flecha pelos dois meses quentes do ano e não estou habituado a tal inflação! Gosto de ir de férias mas também gosto de desfrutar de um sítio agradável, onde possa estar descansado, divertir-me, apanhar uns bons dias de sol na praia ou na piscina e sem ter de desembolsar muito dinheiro, agora como este ano a escolha recaiu numa altura fora do normal já acho tudo mais caro, isto porque também ainda não pensei que vou para o meio da confusão, o que não costuma acontecer!

Vou apanhar mais pessoas pelas praias, nos supermercados, nas esplanadas, pela noite e os hotéis estão com preços mirabolantes no mau sentido da palavra! As férias de Verão este ano estão a ser marcadas mais em cima do dia da partida do que é normal, o que já é mau por sinal e com o susto que levo de cada vez que tento ver os preços dos hotéis até os quentes arrepios se fazem sentir!

Onde ir de férias para um local agradável, com praia e com bons preços? Preciso de ajuda!

Obrigado a todos!

O Informador nasceu em Novembro do ano passado e desde aí tenho visto um crescimento sustentado no trabalho que tenho feito e de mês para mês tudo me tem dado forças para continuar com este projeto da forma a que me tenho dedicado desde o início. Mas em Junho, o mês que está mesmo a terminar, os meus valores passaram de bons a muito bons! Obrigado!

Quero agradecer a todos os que têm visitado este meu espaço aberto ao mundo e que têm contribuído para o seu crescimento. Desde o primeiro dia que me tenho dedicado com o tempo que tenho livre a este blogue e é assim que quero continuar. Aqui encontrei e estou a criar uma casa virtual onde falo do que me apetece e faço também o que entendo fazer e dizer. Ao longo destes meses tenho percebido que quem aparece e lê os meus textos nem sempre fica, mas existem os que voltam, o que mostra que nunca agradamos a gregos e troianos, não é verdade?!

Os valores que o meu "público" me tem dado têm superado as minhas expetativas e agora com esta nova fornada de Junho só posso estar contente com O Informador e com quem me visita! Talvez não consiga ter um mês assim tão bom nos próximos tempos, mas adorava que o que tive fosse para manter, no entanto, mesmo que volte ao crescimento mais demorado, como tem acontecido até aqui, fico grato por estarem desse lado e que continuem a dar o vosso feedback sobre o meu trabalho! Aqui sinto-me bem porque estou em casa e com as pessoas que me querem visitar sem pressões nem complicações!

Já agora e porque também estou nas redes sociais...

Facebook

Twitter

A chatice da marcação das férias

Todos os anos acontece a mesma coisa na minha empresa quando chega o momento de se marcarem as férias para o próximo ano! Mais uma vez, os problemas acontecem, desta vez só porque o patrão gosta de ser do contra e ter tudo à sua maneira.

Depois de em alguns anos os problemas terem acontecido devido a marcações de férias nos mesmos períodos por várias pessoas, tendo sempre que alguém ficar com o descanso em alturas que não queria, este ano, e tal como o ano passado, o problema parte mesmo de cima, e não do consenso geral entre colegas.

Depois de definirmos as datas em que cada um queria tirar os seus dias de descanso, mais que merecido, eis que chegou a altura de enviar a lista ao patrão, que disse logo que não gostava do nosso calendário de marcações porque não nos queria a ter férias de Julho a Dezembro. Isto é normal? Não é pois não? Então não é que o homem quer que marquemos as férias de Janeiro a Junho?

Claro que não concordamos e dissemos-lhe que aceitamos, tal como o ano passado, em ter uma quinzena cada um nos primeiros três meses do ano, mas mais que isso que não aceitamos e queremos ser nós a definir os restantes dias em que iremos descansar.

Todos os anos têm que existir problemas na altura da marcação das férias, seja entre colegas ou porque o patrão quando vê que estamos todos de acordo, tem que arranjar algum problema.

Agora espera-se que quem pode se deite sobre o assunto e que nos próximos dias acorde com outras ideias para que a mudança da sua mente aconteça porque nós não vamos aceitar a sua ideia absurda de nos querer marcar todo o mês de férias sem podermos escolher!