Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

wook-natal-billboard

Bertrand elege o Livro do Ano

31
Jan17

finalistas bertrand.jpg

Após um mês em votação a primeira fase do Prémio Livro do Ano Bertrand, onde 55 títulos disputavam um lugar no top 10, chegou ao fim. Aproximadamente 10.000 livreiros e leitores Bertrand votaram e elegeram os candidatos a Livro do Ano na primeira fase de seleção. Com Vaticanum de José Rodrigues dos Santos, Uma terra chamada liberdade de Ken Follet, História da menina perdida de Elena Ferrante, Homens Imprudentemente Poéticos de Valter Hugo Mae, O Evangelho segundo Lázaro de Richard Zimler, Prometo Perder de Pedro Chagas Freitas, A Espada e a Aziaga de Mia Couto, Doutor Sono de Stephen King, Nem todas as baleias voam de Afonso Cruz e Como vento Selvagem de Sveva Casati Modignani a serem as escolhas da primeira fase, eis que se inicia agora a última e derradeira escolha do melhor entre os melhores. 

Até 13 de Fevereiro as votações voltam a estar aberta para que livreiros e leitores Bertrand possam eleger o seu preferido entre esta seleção de grandes obras, distinguindo assim o livro que mais marcou o ano de 2016. Tu, que amas livros e tens aqui uma das tuas preferências literárias do ano passado do que esperas para votar? Faz-te leitor Bertrand e vota!

O Pavilhão Púrpura

27
Jun16

o pavilhão púrpura.jpg

Autor: José Rodrigues dos Santos

Data: Maio de 2016

Editora: Gradiva

Número de páginas: 704 páginas

Classificação: 4 em 5

 

Opinião: A trilogia lançada através do primeiro volume intitulado por As Flores de Lótus ganhou novo alento através de O Pavilhão Púrpura, a continuação da história que cruza continentes para relatar a vida de quatro pessoas, o português Artur, a chinesa Lian-Hua, o japonês Fukui e a russa Nadezhda! Se tinha gostado da primeira parte, da segunda então nem se fala!

Com um trabalho de casa bem feito, José Rodrigues dos Santos reconta factos históricos ao mesmo tempo que as suas personagens de ficção vão passando pelos problemas da primeira metade do século XX. Em As Flores de Lótus o lançamento destes quatro heróis da vida comum é feito e agarra o leitor ao mesmo tempo que nos vamos deixando levar pelo espírito de aprendizagem rigorosa do que foi acontecendo na época. Mas neste segundo volume desta fantástica trilogia a qualidade aumenta, ficando o leitor ainda com maiores perspectivas sobre o que está para surgir pelas páginas seguintes.

O que terá Artur em comum com Salazar para os seus destinos se voltarem a cruzar com grande ênfase? Será que o jovem militar é uma das chaves do responsável das Finanças do país para seguir em frente e conseguir atingir alguns dos patamares que foi alcançando ao longo do tempo em que esteve no poder? Neste segundo volume os feitos do português começam devagar mas ao longo do desenrolar do romance, Artur vai ganhando destaque devido a todas as mudanças que vão acontecendo no país. 

E Liah-Hua após o rapto conseguirá voltar a estar com a sua família e seguir em frente numa vida familiar pacata pela China ou tudo mudou ou irá mudar na vida desta jovem ocidental?

Fukui era em As Flores de Lótus a personagem que mais se destacou na minha leitura, no entanto o japonês foi perdendo força neste segundo romance e passou um pouco despercebido, embora tenha os seus pontos chave que irão ser desenvolvidos no final, assim o espero!

A grande surpresa deste romance são as grandes reviravoltas que a vida de Nadezhda vai dando em tão pouco espaço de tempo! A fugir de um país recheado de obrigações partidárias e ditadura, a família da jovem russa acaba por deixar tudo o que tinha e que vai sendo retirado para abraçar uma nova vida onde o passado pesa até que começam a encontrar estabilidade. Isto quando o inimigo de Nadezhda parece estar mais perto do que se julgava, fazendo um final surpreendente mas que de certo modo poderá ser previsto pelo leitor ao longo de uns capítulos anteriores ao final! Uma tragédia contada de forma crua pelo autor acaba por dar o mote para o que está para surgir na continuação desta trilogia, deixando o leitor em suspenso e bastante curioso com as voltas que tudo poderá dar daqui para a frente na vida de Nadezhda!

Atual leitura... O Pavilhão Púrpura

11
Jun16

Ano após ano José Rodrigues dos Santos lança os seus romances que alcançam imediatamente o sucesso junto de leitores fiéis que logo pelas primeiras semanas adquirem a última novidade do autor. Com lançamentos a acontecerem geralmente em Outubro, desta vez e porque uma trilogia começou a ser lançada para brilhar no Natal passado pelas livrarias, há uns dias chegou a continuação de As Flores de Lótus e de imediato fiz com que O Pavilhão Púrpura me chegasse, isto sem ter lido na altura a primeira parte desta narrativa que me fascinou desde a primeira página. Comprar o segundo volume sem conhecer o primeiro... Mas o que é certo é que ao ter lido o livro que dá o arranque a esta história, fiquei rendido e de imediato decidi que queria logo seguir para o que já estava publicado também!

As Flores de Lótus

09
Jun16

as flores de lótus.jpg

Autor: José Rodrigues dos Santos

Data: Outubro de 2015

Editora: Gradiva

Número de páginas: 688 páginas

Classificação: 4 em 5

 

Opinião: As Flores de Lótus reconta a História numa história onde o Mundo em rebuliço no início do século XX entra em confronto e ninguém consegue ficar ausente das guerras internacionais e dos conflitos internos entre o poder e o povo ou até na luta de classes e ambições pessoais.

Neste romance, que dá o mote para uma triologia onde quatro personagens centrais são o trunfo, José Rodrigues dos Santos surpreende e coloca o leitor entre o passado político do país que pode ser comparado de certa forma ao que outros povos tiveram de enfrentar mais ou menos pela mesma altura. Europa e Ásia foram Continentes que viveram com o controlo, o medo e a perseguição sempre presente em determinada altura da História e isso é recontado através da união entre ficção e realidade com recurso a personagens históricas ao longo desta narrativa que não passa no final de contas de um retrato da sociedade de outrora com grandes perspetivas perante o presente, sendo por diversas vezes um romance histórico mas com crítica na atualidade que todos enfrentamos. 

Artur, Fukui, Lian-Hua e Nadezhda são os quatro jovens que nascem no início do século para iniciarem uma vida que poderia estar encaminhada, não tivessem eles que fazer opções, ver o futuro comprometido e ficarem sem a família que teoricamente os iria amparar nos primeiros anos de vida. Quatro vidas bem distintas, em locais distantes e a viverem problemas semelhantes entre si. O planeta roda e a sociedade age em conformidade e de forma semelhante ao que vai acontecendo na terra do lado. Existirão condições para um povo sair por cima quando todos querem o mesmo e triunfar entre os mais fracos que não se assumem também como tal, enfrentando e lutando pelas suas coisas e condições?! Uma verdadeira luta de estatutos onde a política tem sempre algo a dizer e a impor junto de trabalhadores que só querem o que é seu e para o qual dão tudo para conseguirem triunfar.

Num romance explicativo e com uma linguagem simples, José Rodrigues dos Santos volta ao lugar onde sempre deveria estar, na História. É recontando factos através da ficção que o autor mais conquista, sem ter de colocar personagens em busca de um mistério científico para se aproximar do leitor. É com obras como Anjo Branco, A Filha do Capitão e As Flores de Lótus que me deixo deliciar por uma boa narrativa onde vidas são contadas de forma leve e o passado da sociedade vai aparecendo de forma subtil, servindo ao mesmo tempo para lembrar vários momentos da nossa História. 

Atual leitura... As Flores de Lótus

01
Jun16

Primeiramente deixem-me-vos dizer que estou de férias e que foi por isso que ainda não fiz o comentário final sobre Pai Nosso, de Clara Ferreira Alves. 

Agora sim falo da minha atual leitura... As Flores de Lótus, de José Rodrigues dos Santos, o livro que foi lançado em Outubro, que me foi oferecido pelo Natal e que só agora viu a luz do dia por estas paragens para que a sua leitura seja feita em poucos dias e não arrastar ao longo de dias ou mesmo semanas, é a escolha do momento. Encontro-me neste momento a meio da obra e até agora, talvez por Tomás Noronha ter ficado de fora desta vez, a narrativa parece-me no ponto. A política é uma questão central desta obra, a critica social mostra-se capaz de superar as diferentes décadas e a escrita não é maçadora. Espero seguir em frente com esta leitura com o entusiasmo que tenho tido até aqui para não desiludir, percorrendo ao mesmo tempo os vários continentes do nosso planeta através de guerras, conquistas, amores e sonhos.

O que acabou de chegar!

20
Mai16

o pavilhão púrpura.jpg

Sabem o que acabou de chegar? O segundo volume de uma triologia de um dos meus autores portugueses favoritos! 

José Rodrigues dos Santos dispensa apresentações e quando escreve sem colocar no romance as aventuras do seu tão querido Tomás Noronha só tem a ganhar! No Natal ofereceram-se As Flores de Lótus e agora, como também tinha um Cartão Oferta para descontar, encomendei o novo calhamaço, O Pavilhão de Púrpura, que acabou de ser lançado. Os mais atentos à minha vida literária sabem que ainda não li o primeiro volume, mas o segundo já cá mora e como as primeiras férias do ano estão a aproximar-se parece-me que teremos leitura contínua por uns dias!

A Chave de Salomão

26
Jan16

AChaveDeSalomao.jpg

Autor: José Rodrigues dos Santos

Data: Outubro de 2014

Editora: Gradiva

Número de páginas: 624 páginas

Classificação: 2 em 5

 

Opinião:

Aprecio a escrita de José Rodrigues dos Santos, porém em A Chave de Salomão tudo vai decorrendo de forma empolgante mas com vários pontos bem negativos a decorrerem ao longo de todo o enredo criado pelo autor. Primeiro, já não existe paciência para as correrias de Tomás Noronha que parece viver em vinte e quatro horas o que só é possível em uma semana. Segundo, a junção entre ficção e história amorosa do protagonista com os dados científicos não conjuga em nada desta vez. Quando os dados físicos foram sendo explicados ao longo de vários capítulos, a maioria aliás, senti-me com vontade de seguir em frente e deixar as lições para trás das costas porque não me interessaram em nada. Certo que aprendi um pouco, mas esta não é de todo a minha praia no campo do interesse pelo desconhecido aos olhos de todos. 

Avanços e recuos em busca de uma descoberta que no final acaba por ser revelada de forma rápida, dando uma desculpa para tudo terminar com o casal amoroso junto como seria mais que previsível. Alguma novidade? Nada de nada! Este livro é teoricamente mais do mesmo dentro do estilo adoptado por José Rodrigues dos Santos para as histórias criadas para o seu protagonista preferido, aquele que não descola da cepa torta e que é chamado para todos os mistérios que existem para resolver dentro e fora de Portugal. 

Espero sinceramente que tão cedo o autor não volte a pensar numa trama deste estilo e se o fizer que remodele a vida de um homem sempre pronto para os outros e que parece não existir fora do meio da investigação. Não existem compromissos, não existes reuniões que não podem ser desmarcadas, não existem afazerem, tudo porque um telefone toca a apelar para que o Tomás comece a correr que nem um louco por corredores sem fim e salas sem aquecimento em busca de um mistério bem escondido nos confins do mundo. 

O pior livro de José Rodrigues dos Santos!