Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

05
Jul18

Vícios online

| O Informador

viciados online.jpg

Constantemente somos levados a proferir determinados comentários sobre o modo como os jovens, desde bem cedo, olham para o mundo dos jogos online, dos vídeos e das redes sociais onde conseguem passar horas e horas sem desviarem o olhar e mesmo o pensamento sobre os ecrãs de televisão, tablet e telemóvel, deixando cada vez mais os computadores para trás nesse campo. E nós, os adultos que também passamos bastante tempo agarrados às novas tecnologias com os novos e mais variados atrativos que nos são fornecidos para entreter como forma de matar o tempo, ninguém nos chama a atenção?

Se formos a olhar por vezes para um grupo que esteja aparentemente a conversar, seja em casa ou num local público, percebemos que em vários casos o telemóvel está na mão, com o ecrã bem ligado e não são só as redes sociais são motivo de entretenimento, estando também um jogo ou outro a surgir no ecrã, ouvindo o tema que está a ser debatido na mesa mas prestando atenção a um determinado nível que estamos quase a ultrapassar e onde não queremos perder por nada. E os vídeos que são vistos ao longo desse tempo e por vezes até partilhados via online com quem está na mesa para que outros se distraiam e peguem no telemóvel? Chamamos os mais novos de viciados e pedimos para que nos deem alguma atenção quando estamos a conversar para que não estejam sempre ligados ao mundo online, no entanto acabamos por seguir determinados comportamentos que não são exemplo algum para o que queremos mostrar aos outros. 

Confesso que tento não mexer muito no telemóvel quando existe conversa a debater ou quando estou entre amigos e família porque nem tudo é possível através dos jogos e das redes sociais, mas por vezes tenho que me auto reprimir porque caio num erro cada vez mais comum a todos. O vício do social digital tem acabado ao longo dos anos por abafar conversas e até os jogos, aqueles que nos deixam nervosos porque passamos algum tempo a bloquear num determinado ponto sem conseguirmos seguir em frente, nos deixam de fora de determinados momentos em sociedade real que é tão importante e que andamos a dar cada vez menor valor.

24
Mar15

Curiosidade pessoal... Monopólio

| O Informador

Monopoly.jpeg

 

Com a notícia de que as avenidas e ruas de Lisboa vão entrar no grande mundo do Monopólio, surge-me há memória a estreia do jogo de tabuleiro aqui por casa!

Antes já jogava este tão famoso jogo com os amigos mas pedi aos meus pais para me comprorem o meu, aquele que seria mesmo meu. Lá tive a sorte de o receber em alguma época especial, não me lembrando exatamente quando, e fomos estrear o jogo em familia, comigo em modo criança todo contente. Eis que quando poucos minutos de ter distribuido o jogo acontece o que não queria mesmo ter visto...

Um adulto que bebia café, familiar de um familiar, consegue entornar a sua chávena cheia por cima das notas do jogo! Não chorei, embora tivesse uma vontade enorme de começar a gritar e fazer birra naquele exato momento. Todos tentaram de imediato enchugarem as notas, que ficaram manchadas para sempre e eu só queria sair daquele espaço com o meu jogo, aquele meu jogo que tanto pedia e em que logo conseguiram provocar várias manchas. 

24
Fev15

Tag: Uma Só Palavra

| O Informador

Andava a vaguear por aí e encontrei este desafio no blog Rabo de Cavalo, tendo-o roubado, recriando-o agora, depois de também o mesmo ter sido roubado ao blog Crystal Young, que por sua vez já o tinha retirado de O Desemprego deu nisto. Será que a continuação do desafio vai continuar agora daqui para outros blogs? Assim o espero!

Vamos lá então ver as perguntas que se seguem com uma resposta bem rápida...

Tag, uma só palavra.jpeg

1. Onde está o teu telemóvel?

Secretária.

 

2. O amor?

Casa.


3. O teu cabelo?

Despenteado.

 

 

12
Mai14

Jogos no Cinema

| O Informador

A indústria cinematográfica cria centenas de filmes de sucesso em cada ano, o que leva a um sem número de filmes a pesquisar. Desde o bom ao mau, e até mesmo aos filmes péssimos, os filmes de Hollywood certamente estão no centro das atenções quando se trata de entretenimento e apostas. Apostas? Sim, apostas!

Como quase qualquer forma de entretenimento, as pessoas gostam de apostar em filmes a toda a hora. Pensa nisso desta maneira - quando os filmes são lançados numa determinada época, eles estão a competir pelo mercado de entretenimento, e as pessoas, sobretudo os cinéfilos, gostam de apostar em qual o filme que vai ganhar mais nas bilheterias, o que terá o maior número de vendas por sala de espetáculo, e até mesmo em apostas para saber, em determinado período de tempo, qual de dois ou mais filmes, terá o melhor desempenho.

Estranho? Nem por isso. A expectativa é grande, sobretudo, por parte dos produtores, agentes comerciais e biliões de apreciadores de cinema. O cinema, que não vive apenas de imagens filmadas em salas de jogos ou de casinos, onde os personagens de cada história, fazem as suas apostas, vive também de quem aposta neles e da parte das receitas que essas apostas geram.

Pois é, hoje em dia, também os apreciadores de cinema podem fazer apostas sobre qual o filme com mais sucesso de bilheteira, qual o que ganhará mais troféus, etc. Por aqui se consegue perceber alguma das influências mútuas que o mundo do jogo e do cinema  estabelecem entre si.

Na realidade alguns filmes são mais propensos a ter mais hipóteses que outros de triunfar no mercado. Um filme pode ser extremamente popular e não ganhar em termos de prémios cinematográficos. O que não quer dizer que todos os filmes que ganham prémios da 7ª arte sejam êxitos de bilheteira.  Por vezes, sucede precisamente o contrário.

Relacionando os filmes com apostas ou com a emoção de jogar, a indústria cinematográfica mundial já se apercebeu que consegue reunir fórmulas para o sucesso de filmes pelo que, encontramos várias referencias no cinema sobre esta temática. O caso de 007, onde em todos os filmes há pelo menos uma cena num casino, a trilogia Ocean’s que baseou o seu sucesso à volta deste mundo glamoroso, mais recentemente In Time com Justin Timberlake, que aposta os minutos de vida que lhe restam em mesas de jogo, Runner Runner, que também fala do mundo dos jogos de casinos online e até 21, que se passa à volta do Blackjack na tentativa de bater os casinos.

Estas são apenas algumas referências, sendo que se recuarmos um pouco vamos encontrar outros grandes êxitos que se tornaram famosos devido a se passarem neste meio, retratando histórias verídicas, em alguns casos, possíveis, noutros, ou simplesmente glamorosas e atraentes na maioria. Seja póker, blackjack, roleta, slots ou ainda apostas sabe-se que este mundo atrai muita gente, muitos jogadores e curiosos com a possibilidade de ganhar dinheiro. Hoje em dia, esta possibilidade até aumentou com a entrada e propagação de casinos online e sites como http://www.casinoonline.pt/blackjack em que é possível jogar estes jogos e ganhar dinheiro em praticamente todo o lado através de smartphone.

Mas seja qual for o jogo, goste-se muito ou pouco de cinema a verdade é que esta temática resulta e podemos esperar ver mais filmes sobre ela, uma vez que, relaciona o imaginário glamoroso deste mundo para as pessoas com a possibilidade real de ganhar dinheiro e isso sempre fascinou e irá continuar a fascinar pessoas e por isso esta promete ser uma fórmula de sucesso em que a indústria irá continuar a apostar.

23
Nov13

Videojogos: Lixo ou Venda

| O Informador

Tenho, talvez, mais de cem videojogos de PC dentro de um dos móveis do meu quarto. Muitos saíram-me em oferta com as revistas da especialidade e poucos foram comprados a solo e por os querer mesmo. Não são atuais, nada disso, e não me são úteis, sendo que muitos nem saíram da caixa. Hoje também não os tenciono usar porque não sou lá grande adepto de jogos de computador. O que fazer então com aqueles empecilhos? Tenho talvez duas soluções para me livrar de todos de uma ou várias vezes!

Uma das soluções é abrir o móvel, pegar em vários sacos do lixo e deixá-los num ecoponto destinado ao plástico, terminando aí as suas vidas, a não ser que sejam aproveitados por alguém que faça a separação do conteúdo dos ecopontos. A segunda opção é colocá-los à venda num site da especialidade por um preço baixíssimo e só para poder ganhar uns euros com a sua partida!

O que fazer? Deitar fora ou tentar vender? É que já têm todos mais de cinco anos e não me servem rigorosamente para nada, só estando mesmo a ocupar espaço! Alguém interessado?

19
Jun13

Atualizações do telemóvel

| O Informador

É muito bonito ter um telemóvel de que se gosta, com várias funcionalidades e com acesso à internet, mas não é nada engraçado ter atualizações diárias para serem feitas e que nos ajudam a gastar o nosso tráfego mensal quando não estamos em zona wifi e deixamos o telemóvel atualizar o que quiser e sem pensar que depois até ao final do mês a quantidade de acesso à internet que foi paga para aqueles trinta dias vai diminuindo.

Mas que raiva que é os programas, jogos e tudo e mais alguma coisa andarem sempre com novas atualizações para serem instaladas. Se fosse de vez em quando ainda se compreendia, mas existem aplicações que todas as semanas têm coisas novas a palpitar e com a mensagem que querem ser colocadas no nosso telemóvel.

Com isto e porque as operadoras também gostam e bem que os seus fornecedores de serviços atraiam clientes e as façam consumir algo nos telemóveis que possuem fico a pensar que quando uma aplicação é feita tem logo mil e uma coisas mas que não são disponibilizadas na altura, sendo que depois todas as semanas lançam para o mercado uma nova versão para que se tenha que fazer a atualização gerando assim mais gastos de internet.

O comércio do mundo das tecnologias é um ciclo vicioso e todos já estamos tão infiltrados nesse mundo que já não conseguimos viver sem estas aplicações que exigem atualizações constantes e que se tornam chatas e gastadoras.

Mais sobre mim

foto do autor

Banner mrec Saldos 2019

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • O Informador

    Agora é tempo para viveres a tua vida, com trabalh...

  • Sofia

    Desde miúda que luto pela minha felicidade e não e...

  • O Informador

    Achei que a estreia esteve bem, agora há que não p...

  • O Informador

    Aquilo nem serviços mínimos atingiu, sinceramente....

  • Happy

    Eu vi e gostei muito!

Mensagens

Pesquisar