Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Pensamentos que podem ser de qualquer um!

Maria Gabriela Llansol billboard

Ms. Monopólio é algo contraditório

13
Set19

monopoly-USA-Today-1060x594.jpg

 

A Hasbro lançou agora uma nova edição do Monopólio onde as mulheres ganham mais do que os homens. Feministas nacionais e internacionais preparem-se, é que chegou o Senhora Monopólio ao mercado, numa versão do jogo que supostamente defende a igualdade de género, mas que do meu ponto de vista só faz exatamente o contrário. Afinal de contas isto é igualdade ou superioridade feminina?

Ao que parece, nesta versão, as mulheres quando passam pela casa de partida ganham mais que os homens, criando a tal desigualdade que vai rigorosamente contra a ideia que a Hasbro lança perante este lançamento. Querem reforçar a afirmação das mulheres mas se o lema é defender a igualdade, não o vejo neste Monopólio, que é somente um dos jogos de tabuleiro mais famoso e com maior prestígio do mundo. 

Além de ganharem mais nas rondas que vão fazendo pelo tabuleiro, as mulheres têm neste jogo a função de criarem invenções onde depois todos os jogadores poderão investir para ganharem mais dinheiro. Novamente a diferença e não a igualdade! O que continua é mesmo a prisão, os impostos, o regresso à casa de partida, os cartão da sorte e afins, onde todos podem cair com o mesmo tratamento, ou será que também ai existem diferenças entre os sexos?

Curiosamente esta nova edição do Monopólio, que do meu ponto de vista não faz rigorosamente algum sentido, é lançada após o também polémico Monopólio Socialismo e o Monopólio para Millennials. Será que a empresa pretende continuar a dar que falar para destacar as suas novidades e estragando o conceito básico do jogo que seria tão mais interesse com outros temas que podiam passar despercebidos junto de críticos e comentadores mas que talvez registassem um maior consenso?

Curiosidade | Os casinos do Brasil

05
Set18

casino.jpg

Tapar o sol com a peneira e fazer de conta que a realidade não existe são dois traços culturais muito típicos dos portugueses. Quando uma situação ou circunstância é desagradável, fazemos de conta que não se passa nada e seguimos para a frente. Quanto mais ação isso exigir da nossa parte, pior.  

E parece que os nossos irmãos brasileiros “herdaram” esta nossa mania. A relação dos brasileiros com os casinos e os jogos de azar não podia ser mais cómica. 

 

Uma proibição… 

Portugal foi governado, durante meio século, por um regime político “encostado” aos ideais da Igreja Católica. Goste-se ou deteste-se, ninguém põe em causa que os valores conservadores orientaram totalmente a prática política. No entanto, Salazar nunca se lembrou de proibir a atividade dos casinos; felizmente para o mundo, pois talvez James Bond não existisse se o Casino do Estoril tivesse sido fechado na década de 40. 

Ora, no Brasil, que também tinha uma indústria de casinos florescente, um presidente da República lembrou-se de proibir todos os jogos de azar e fechar os casinos, em 1946. Diz-se que por influência da sua esposa, extremamente religiosa. E assim ficou até hoje – criou-se um “tabu” no Brasil à volta do tema, sendo os jogos considerados uma fonte de pecado e de vício moral e social. Está visto que Salazar era um libertino, ao permitir tal coisa entre nós… 

Enigma [ByFurcação]

22
Nov17

enigma byfurcação.jpg

A ByFurcação Teatro tem, ao longo dos últimos anos, apostado em espetáculos de teatro imersivo, mas desta vez surge Enigma, onde o público é convidado também a entrar num jogo ao mesmo tempo que vai assistindo ao espetáculo mostrado na Quinta Nova da Assunção, em Belas. 

Fazendo a reserva para uma das sessões que se realizam de 17 de Novembro de 2017 a 24 de Fevereiro de 2018, todas as Sextas-feiras e Sábados, pelas 21h30, o público é convidado a responder a um questionário que ajudará a equipa de produção a decidir os caminhos com que irá guiar essa pessoa a partir do momento em que entra neste desafio onde existirá sempre um vencedor por sessão que passará diretamente para a grande final onde vários prémios estarão à espera do mais perspicaz. Feita a reserva e o pagamento, eis que a entrada em Enigma aproxima-se. Todos são convidados a colocar uma capa de distinção para ser possível entrar em cena e a partir dai começa o jogo. Silêncio é necessário a partir de então porque nada pode escapar a cada grupo de cinco elementos que serão distribuídos aleatoriamente. Cada grupo terá percalços logo à partida consigo já que cada um dos elementos terá uma dificuldade acrescida ao longo do percurso. Com incapacidades alheadas aos sentidos, que não vos quero contar para não cortar o momento de quando entrarem neste Enigma, só vos posso dizer que a entre-ajuda entre equipa é fundamental para se chegar longe neste espetáculo de teatro imersivo que se complementa com um jogo. De sala em sala, assistindo a vários momentos representativos, o espetador é convidado a contemplar cada personagem tal e qual como lhe aparece pela frente, tendo de existir concentração, de uns mais que de outros, para se tentar tirar algo do que é referido para que mais à frente cada palavra, cada momento, possa ajudar a decifrar um código para que se consiga triunfar numa batalha que começa com união e acaba de forma individual de sessão para sessão. 

Estive no primeiro dia de Enigma, numa sessão experimental, para que depois o público possa encontrar esta produção já bem definida e digo-vos que tive uma experiência que não esperava. Andei uma hora a ver navios a passar, fazendo uso do olfato, da memória e da audição para conseguir caminhar ao lado de quatro pessoas que não conhecia e sobre as quais fiquei sem saber quem eram, mesmo andando cerca de hora e meia lado a lado com estes elementos que fizeram toda a sessão comigo. Este é um espetáculo onde todos são convidados a ficarem defraudados de um elemento a que estão habituados no seu dia-a-dia e é esse facto que faz de Enigma um espetáculo diferente, embora não aceite por todos. Pode tornar-se complicado quem assistir como eu a este espetáculo sem conseguir ter acesso ao que os outros têm. Pois, para os mais distraídos, andei vendado durante todo o percurso da peça, não fiz qualquer tipo de batota e consegui levar o jogo em diante. Se um está vendado, os outros ficarão também sem um dos elementos sensitivos a que estão habituados. Preparem-se, porque neste Enigma nem tudo é fácil, acreditem! Vale pela experiência de que gostei, mas percebo que é complicado pagar um bilhete para andar de olhos vendados e ter de usar todos os outros sentidos para chegar a algum lado, não conseguindo ajudar a equipa em todos os momentos e na decifração de algumas provas. É um facto que percebi um pouco as dificuldades de uma pessoa invisual, mas não vejo que a maioria das pessoas entenda esta experiência como eu, embora saiba que a produção após esta experiência com público convidado irá rever a situação para que ninguém se sinta deixado para trás e sem as mesmas capacidades em termos de jogo que os restantes.  

Vale a pena entrar e enfrentar este Enigma, para mais para quem pensar que estão prémios também em jogo após uma experiência de teatro imersivo diferente. Todos os participantes terão direito a prémios de parceiros da ByFurcação, variando esses prémios entre experiências de SPA, jantares em alguns restaurantes e estadias em pousadas e hotéis, tal como vários descontos. Apesar disso poderão existir outras surpresas em cada sessão, sendo que os apurados para a final, onde existirá um jantar para se encontrar o verdadeiro segredo deste Enigma, habilitam-se a ganhar um prémio que poderá atingir valores entre os 666€ e os 3333€. Um pouco aliciante, não é?

Até Napoleão gostava de ganhar nos dados

27
Abr17

napoleão.jpg

Se querem que vos diga existiu uma altura em que tinha uma paixão pelo casino e suas apostas. Uma atracão que existe e aparece em muitas pessoas, não sendo somente representada em livros e filmes mas também chegando a todos na cultura popular. Os entusiastas vão até há alguns anos antes de Cristo e, ao longo da história, eram quase todos eles imperadores, escritores ou políticos, portanto este meu antigo e ultrapassado calcanhar de aquiles só pode vir do facto de eu ter uma pequena costela de cada um deles.

Deixo-vos aqui um resumo, para terem uma ideia. Tudo começou com os imperadores da Roma Antiga: Júlio (100-44 a.C.) já participava em jogos de sorte públicos e contasse que, enquanto atravessava o Rio Rubicão, disse a famosa frase 'alea iacta est' (“os dados estão lançados”). Depois Calígula (12-41 d.C.), que já apostava em corridas de carroças e jogos de dados e que chegou a transformar o palácio imperial numa casa de jogos para conseguir dinheiro para o tesouro. Por fim Nero (37-68 d.C.), que adorava todo o tipo de desportos e jogos, mas ainda mais apostar neles.

Depois, o famoso italiano Lourenço de Médici, um político renascentista, patrono de vários artistas, que era não só um excelente jogador de cartas como até acabou por ser ele a criar alguns dos jogos. Também o famoso escritor e historiador francês, Voltaire (1694-1778) era aquilo a que se pode chamar um jogador ávido. Por isso, quando o governo francês criou a lotaria e só permitia que participassem aqueles que comprassem uma determinada quantia de obrigações, Voltaire arranjou uma forma de contornar as regras: criou uma estratégia em que obtinha obrigações que permitiam o número máximo de entradas. Acabou por ganhar a maior parte do dinheiro destinado à lotaria, na época. Voltaire era especialmente fã de um jogo de cartas chamado Faro e de Biribi, um jogo similar à roleta, onde os números eram retirados de um saco.

As saudades da BGamer

15
Fev17

bgamer.jpg

Quem como eu passou uns anos a comprar a revista BGamer logo no dia em que a edição mensal saia para as bancas? Quem como eu vibrava com as últimas novidades do mundo dos videojogos e que sonhava poder ter todos os novos lançamentos? Quem como eu lia de ponta a ponta esta publicação que marcou gerações de jogadores? Comprei ao longo de anos, durante a adolescência, a BGamer que acabou por sair do mercado devido às transformações que a imprensa escrita e em papel foi sofrendo. Agora e com direito a edição especial, eis que um novo número 0 foi lançado junto dos fãs que conviveram com uma revista marcante.

Com um olhar sobre o futuro dos videojogos, onde a realidade virtual tem destaque e com os novos títulos a espreitarem, a BGamer voltou às bancas nacionais com reportagens, vários especiais e análises aos mais recentes jogos, fazendo uma antevisão do que está para chegar no mundo das consolas com a Microsoft, Nintendo e Sony como anfitriãs. 

Além de todo o conteúdo da revista existe também a oferta do jogo Tropico 5, onde o jogador é convidado a governar uma ilha. E sabem que mais, este estilo de jogos é o meu forte, quer seja no telemóvel, no computador ou em consola.

Falhas na atualização de Landlord

06
Jan17

Há alguns meses que jogo via telemóvel Landlord, o Monopólio virtual, só que nos últimos dias do ano fizeram-lhe uma atualização que até ao dia de hoje (já passou mais de uma semana) os erros continuam a persistir sem existirem ideias de quando volta ao normal. Foi dada a informação que estavam em fase de resolução mas até ao momento poucas foram as falhas a ficarem resolvidas. Confesso que já estou a ficar um pouco farto de jogar a meio gás, logo eu que sou de me fartar rapidamente do que me começa a chatear!

Subscrições pagas sem autorização

13
Nov16

Existem por ai várias falcatruas a ocorrer em determinadas aplicações dos telemóveis em que janelas são abertas sem qualquer tipo de autorização e o consumidor é levado a dar um simples clique que o leva a subscrever, sem se conseguir dar conta, um certo serviço.

No meu caso, e olhem que não fui o único no espaço de dois dias, subscrevi enquanto estava a jogar no telemóvel os serviços da Tap Gamez da Say Media com um custo de €3,99 por semana sem ter feito praticamente nada, dando um simples clique enquanto jogava numa janela que apareceu de um momento para o outro.

O valor da subscrição foi de imediato cobrado e enviaram um sms a agradecer pela subscrição indesejada. Como já sabia que não valia de nada ligar para a Vodafone porque iriam fornecer somente o número (não gratuito) para conseguir anular este custo semanal absurdo, optei por ligar de imediato para o 707 450 201 e foi de forma fácil que terminei este acordo, tão fácil como aderi sem ter noção do mesmo.

Já foi enviado email para a Tap Gamez para saber se irão devolver os €3,99 cobrados de forma praticamente ilegal mas até ao momento só existe silêncio.