Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

Os Filhos no Teatro Aberto

OS FILHOS.jpg

A peça Os Filhos estreou em Londres, em 2016, e encontra-se atualmente em cena na Sala Vermelha do Teatro Aberto, em Lisboa. Da autoria da britânica Lucy Kirkwood, com encenação de Álvaro Correia e interpretação de Custódia Gallego, João Lagarto e Maria José Pascoal, este texto coloca em debate a forma como cada um de nós, enquanto indivíduos únicos numa sociedade coletiva, pode melhorar a forma de estar para a proteção do planeta acontecer a bem do próprio bem-estar e das gerações seguintes.

Através de três engenheiros nucleares, Hazel, Robin e Rose, na reserva, com mais de sessenta anos, o debate para com as preocupações ecológicas com as alterações climáticas e a questão da energia nuclear estão como ponto central neste debate de palco onde a intervenção e invenções humanas nos distúrbios ambientais trazem consigo grandes consequências a médio e longo prazo, sendo necessário reverter a situação o quanto antes perante o que o próprio humano idealizou.

Numa partilha de palco onde as complicações sociais, os conflitos pessoais e próprios encontramos o casal Hazel e Robin a viverem numa pequena casa de campo para onde se mudaram após um relevante acidente na central nuclear onde sempre trabalharam. Nesse acidente a área próxima à central ficou contaminada com radioatividade, levando-os para outras paragens onde atualmente vivem com um grande controlo no racionamento da água, eletricidade e bens alimentares. Um dia recebem nos seus simples aposentos Rose, uma antiga colega, que após reviver momentos menos bons entre os três enquanto equipa, mostra vontade de regressar à central para recuperar o mal que foi feito e fazer com que as equipas mais novas não venham a sofrer como eles próprios, querendo dar assim o seu corpo já mais velho para poderem dispensar as equipas de jovens para que os mesmos não venham a sofrer. E aqui está a questão final do texto... Rachel vai voltar ao trabalho na central nuclear de livre vontade. Estarão Hazel e Robin, que se pouparam nos últimos anos com a proteção e cuidados necessários, preparados para enfrentarem os seus derradeiros anos de vida a sofrerem ainda mais com as mazelas de quem vive dentro de uma bomba pronta a rebentar?

Convites duplos | Os Filhos

04 de Maio | Teatro Aberto

OS FILHOS.jpg

O Teatro Aberto acabou de estrear na Sala Vermelha uma nova produção, Os Filhos, de Lucy Kirkwood, com encenação de Álvaro Correia. Refletindo sobre a preocupação de cada um consigo e para com os outros, este texto estreado em 2016 em Londres convida a que seja feita uma reflexão  sobre o que todos poderemos melhorar para com a situação do planeta refletindo perante o futuro da sociedade, do que de bom podemos fazer para que não se destruam cada vez mais os alicerces necessários para o bem-estar do próximo. 

A par com o Teatro Aberto, tenho cinco convites duplos destinados à sessão de dia 04 de Maio, Quarta-feira, pelas 19h00, para atribuir aos leitores e visitantes do blog. Como tal, para te habilitares a um dos convites tens de seguir O Informador no Instagram, e partilhares no teu InstaStories a imagem do cartaz do espetáculo que se encontra disponível nos Destaques - Teatro Aberto e mencionares O Informador e três amigos nessa mesma partilha. De seguida basta preencheres o formulário - AQUI - onde só é permitida uma participação por endereço de e-mail. Esta oportunidade irá estar disponível até às 19h00 do dia anterior a cada sessão, e nesse dia serão revelados os nomes dos vencedores nesta mesma publicação, sendo o sorteio feito através de sistema automático. Os premiados serão contactados via email com as recomendações para o levantamento dos bilhetes acontecer nas melhores condições.

Casado à Força

Casado à ForçaOs bons espetáculos são assim! Esgotam as salas por onde passam, têm sessões especiais e são prolongados quando tal pode acontecer! Os responsáveis pelo espetáculo Casado à Força só podem ter motivos para sorrir porque esta peça é um verdadeiro bombom da comédia de Molière!

Finalmente fui ver Casado à Força no Teatro Thalia, em Lisboa, e posso dizer que este trabalho encenado por Paulo Sousa Costa conta com um bom texto, boa cenografia e um elenco de luxo. Vítor Norte no seu melhor com um Esganarelo tão apaixonado como atrapalhado, um João Lagarto que destrona qualquer um com um filósofo de ideias fixas, uma Patrícia Tavares no papel de Dorimena, uma jovem com o coração aberto ao mundo e os também atores José Neto, Eduardo Molina e Tiago Costa a comporem o ramalhete.

Adorei assistir a Casado à Força, tendo um bom ritmo, vários acontecimentos onde a cena atropela a realidade e o facto de o som de fundo ser ao vivo faz toda a diferença, existindo o verdadeiro sentido dos atos, das palavras e reviravoltas na história.

Uma narrativa onde o amor de um homem mais velho por uma mulher que não sabe seguir um só coração é contado. De um momento para o outro o traído percebe a verdade dos acontecimentos só que aí já é tarde, sendo obrigado a casar à força. Entre vários momentos cómicos ao longo das conversas e discussões das personagens e também com as várias chamadas de atenção que vão sendo feitas junto do público, Casado à Força é um dos bons espetáculos desta temporada teatral a que pude assistir, tendo que ser bem recomendado para os amantes da comédia desconcertante.

A produtora Yellow Star Company tem vindo a provar que sabe bem entreter o público que se senta pelas salas teatrais do país e aqui tive uma nova prova sobre tal facto! Além disso e embora a plateia do Teatro Thalia não seja muito cómoda, a sala é excelente e transporta os convidados para outra época! Aprovado!

Vou ao teatro... Casado à Força

Duas semanas depois da estreia da peça Casado à Força no Teatro Thalia, no arredores do Jardim Zoológico de Lisboa, lá vou eu sentar-me na plateia da sala para assistir ao mais recente espetáculo da produtora Yellow Star Company!

Patrícia Tavares, João Lagarto, José Henrique Neto, Vítor Norte, Tiago Costa e Eduardo Molina formam o elenco desta comédia da autoria de Molière. Num trabalho que conta a história de um homem que quer casar com uma mulher mais nova e que ao perceber que é traído pela mesma vê-se também obrigado a casar, em Casado à Força o riso parece estar garantido do início ao fim.

A critica tem comentado de forma bastante positiva esta peça e hoje será a minha vez de a poder ver! O que acharei sobre a mesma é o que depois contarei por aqui pelos próximos dias, combinado?!

Casado à Força

Casado à Força estreia hoje!

Casado à ForçaO Teatro Thalia vai abrir as suas portas a partir de hoje com uma comédia da produtora Yellow Star Company, Casado à Força. Com o elenco composto por Patrícia Tavares, Vítor Norte, João Lagarto, José Henrique Neto, Eduardo Molina e Tiago Costa, este trabalho de Molière estará em cena de 14 de Agosto a 6 de Setembro, de quinta a domingo pelas 21h30.

A produtora que levou a palco a comédia Boeing Boeing no Teatro da Trindade, o musical Zorro no mesmo espaço lisboeta e Aladino no Gelo tem agora em mãos este novo trabalho onde um homem, Esganarelo, que não sabe a sua própria idade, quer casar com uma mulher mais nova, Dorimena, tendo pedido a sua mão ao senhor seu pai Alcantor. Através de conversas sobre a mentira e a verdade da relação conjugal onde até dois filósofos e duas ciganas são chamados a intervir ao longo do desenrolar da história tudo vai sendo descoberto perante o público. Isto acontece até ao momento em que Dorimena é apanhada em flagrante com o seu amante, Licasto. Com este desgosto, Esganarelo quer deixar a ideia do casamento de lado até que Alcidas, irmão da noiva, intervêm na situação para o obrigar a «casar à força».

Com o estilo característico de Molière e com um cenário de época e música barroca ao vivo, Casado à Força promete arrancar muitas gargalhadas ao público do Teatro Thalia de agora em diante.

Ciganas + Norte

AmantesNorte e Zé

A Noite

A noiteParticipei num passatempo do site Propagandista Social e fui um dos vencedores para ir até ao Teatro da Trindade, Lisboa, ver a peça A Noite. Claro que como apreciador de boa representação não podia deixar de ir e confesso que no início comecei por pensar que estava perante uma desilusão, no fim sai satisfeito com um bom trabalho de produção, atores e encenação.

Com Fábio Alves, Filipe Crawford, Joana Santos, João Lagarto, Paulo Pires, Pedro Lima, Samuel Alves, Sofia Sá da Bandeira e Vítor Norte em palco, José Saramago volta a ter destaque no teatro com o primeiro trabalho que escreveu para ser representado. Com uma redacção de jornal como fano de fundo na noite da revolução, todo o mote está dado para um desenrolar de emoções, intrigas e desentendimentos entre jornalistas de direita e esquerda, direcção e estagiários, colocando a guerra entre a verdade e a ofensa em riste. Na noite em que tudo mudou no país, os profissionais do mundo do jornalismo foram chamados ao trabalho porque no dia seguinte era necessário lançar as novas ao país e ao mundo e isso aconteceu, embora bem diferente do que muitos quiseram depois mostrar. Os defensores dos derrotados não quiseram acreditar e tal como em tribunal, tiveram que mostrar aos outros a razão que tanto contrariavam, a verdadeira notícia de que o poder tinha caído em busca da liberdade. 

Com o diretor excelentemente interpretado por João Lagarto e através do chefe de redacção, Vítor Norte, que se deixa guiar pelo poder político, a redacção entrou em polvorosa porque se uns estavam de um lado da barricada, os mais novos e os que acreditavam na mudança revoltaram-se e mesmo uma estagiária, Joana Santos, que podia ter um outro nível de interpretação, conseguiu destacar-se, mostrando os seus ideais do verdadeiro jornalismo, sem censura e medos. Fábio Alves, Filipe Crawford, Paulo Pires, Pedro Lima e Samuel Alves com excelentes representações, já no que toca a Sofia Sá da Bandeira, algo parece ter ficado por fazer.

Um trabalho bem encadeado que leva o espetador até ao seu intervalo com calma e sem grandes alaridos, deixando tudo preparado para o grande clímax da segunda parte que se desenrolou até ao final do espetáculo com o senhor diretor com o receio do que as mudanças no país lhe podiam fazer devido à luta do passado a favor de uma ditadura com muitas palavras curtadas.

Um espetáculo que vale a pena ver!

De 7 de novembro a 29 de dezempbro5ª a sábado às 21h30 | Domingo às 18h00 

Por ocasião do 15º aniversário da atribuição do Prémio Nobel da Literatura, 1998-2013Primeiro texto (1979) de Saramago para Teatro.

Todos faremos jornais um dia(autor desconhecido)

O ato passa-se na redação de um jornal, em Lisboa, na noite de 24 para 25 de Abril de 1974.Qualquer semelhança com personagens da vida real e seus ditos e feitos é pura coincidência. Evidentemente.(José Saramago) 

Na redação de um jornal, em Lisboa, na noite de 24 de Abril de 1974, a rotina vai ser interrompida pela discussão entre o Redator da Província, Manuel Torres, um jornalista de alma e coração que defende a verdade jornalística acima de qualquer outro interesse, com o seu Chefe da Redação, Abílio Valadares, homem submisso ao poder politico, que aceita a cen­sura aos textos do jornal sem questionar e que conta com o apoio incondi­cional de Máximo Redondo, o diretor do jornal.

Manuel Torres, que não tolera a ideia do jornal ser constantemente mani­pulado por terceiros, esta em constante luta ideológica com a chefia do jornal. Torres é um idealista que vai lutar para que a verdade volte as páginas do "seu" jornal e terá como aliados Claúdia, uma jovem estagiária, e Jerónimo, o linotipista, chefe do turno da noite.

O conflito ganha uma dimensão ainda mais dramática quando surge na redação o boato de que poderá estar a acontecer uma revolução na rua. O Chefe de Redação proíbe que se publique qualquer notícia sobre o tema.

A agitação e o nervosismo crescem no seio do jornal, com Torres e Jerónimo a exigirem que se confirme a veracidade dos factos e que os mes­mos sejam notícia de primeira página no dia seguinte.

Do outro lado da "barricada", o Diretor e o Chefe de Redação tudo fazem para desvalorizar a alegada convulsão social, na certeza de que não irão imprimir notícia alguma, nem que para isso tenham de alegar uma avaria nas máquinas dos linotipistas.

Está instalada uma micro­revolução dentro da redação do jornal. A incer­teza cresce até que se consiga provar o que poderá estar a acontecer na rua. Mas mesmo depois de provados os factos, qual será a verdade que irá vencer? Haverá alguma notícia na primeira página da edição do dia seguinte?

Ao longo de toda a ação, o contínuo do jornal, Faustino, que sabe mais do que aparenta e tenta manter uma atitude neutra, vai desconstruir alguns dos conflitos vividos na redação. Faustino é coxo de nascença e o seu andar atípico, que lhe dificulta a atarefada profissão de contínuo, visa ironizar sobre o estado do país e a velocidade com que o mesmo avança. Faustino simboliza o "Zé povinho". Gosta quando o Torres o chama de Fastino que, segundo diz, era a sua alcunha quando "jogava futebol", por ser muito rápido... 

Com: Fábio Alves, Filipe Crawford, Joana Santos, João Lagarto, Paulo Pires, Pedro Lima, Samuel Alves, Sofia Sá da Bandeira e Vítor Norte

Adaptação: Paulo Sousa CostaEncenação: José Carlos GarciaDireção musical: Paulo BrandãoProdução: Yellow Star CompanyClassificação: M/12

Patrocínio: MontepioParceiro institucional: Fundação José Saramago