Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Informador

A culpa da abstenção é do Google

perguntas google 2019.png

 

Todos já sabíamos, mas agora que foi revelada a lista das dez questões mais feitas no Google ao longo de 2019, a dúvida fica desfeita. A abstenção nas eleições está mesmo na falta de informação que o Sr. Google tem sobre os locais onde os portugueses podem votar. «Como saber onde votar?» foi a questão mais colocada em Portugal entre as pesquisas feitas no motor de busca. A abstenção aconteceu em grande escala - 45,5% - e está visto assim que não existiu uma resposta certa para tanta dúvida que pairou pelo nosso território há uns meses atrás sobre o momento e local de exercer o ato de eleger os governantes nacionais. 

Está mais que visto que os portugueses queriam muito votar mas que o Google não estava em condições de fornecer as coordenadas certas e no dia D desviou milhões de portugueses para centros comerciais, esplanadas e desertos, tudo para afastar as pessoas das mesas eleitorais. Está explicado assim a falta de filas para se votar.

Aconselho a que nas próximas eleições os nossos governantes e mesmo o Presidente Marcelo venham a reunir com o Sr. Google, outro sabichão, para que esteja bem informado sobre os locais onde cada um de nós tem de se dirigir para votar e eleger. Primeiro cumprir com o seu dever enquanto cidadão, depois olhar para o entretenimento dos tempos livres.

Cartões de Crédito, Débito e Pré-Pagos: O que são e as principais diferenças?

cartão multibanco.jpg

 

Quantas vezes usas o cartão para pagares as tuas compras, os serviços ou, apenas, fazer o levantamento de dinheiro da conta? Esta é uma prática comum e o uso de cartões de débito tem subido, existindo cada vez mais portugueses a fazer pagamentos através dos TPAs.

Os serviços descritos acima, regra geral, são feitos com os cartões de débito, mas existem mais dois tipos de cartões que podem fazer parte do nosso quotidiano: os cartões de crédito e os cartões pré-pagos.

Conhece a diferença entre os três cartões mais usados em Portugal e sabe mais informações sobre cada um destes.

 

Cartões de Débito

Os cartões de débito são os mais comuns e, regra geral, os primeiros feitos por qualquer português. Estes cartões permitem efetuar o levantamento, pagamento de serviços ou produtos, consultar o saldo de conta, entre outros, tudo relacionado à conta na qual se é titular.

As operações feitas com este cartão implicam uma subtração do saldo da conta de forma imediata, ou seja, se a conta não tiver saldo disponível, as operações não podem ser realizadas. Algumas das operações podem ter custos associados. Este cartão, recentemente, melhorou a sua tecnologia, adicionado a tecnologia Contactless que permite o pagamento de compras até 20€, usando apenas a proximidade do cartão ao TPA. Para que seja possível o seu uso, o TPA deve ter implementado este sistema tecnológico.

Nos cartões de débito existe, ainda, o cartão de débito diferido que é muito útil para pagamento de contas enquanto o saldo da conta não está disponível. Resumindo rapidamente, nestes cartões o pagamento pode ser realizado e o débito será feito posteriormente, numa data que será acordada entre o consumidor e o banco.

Existem, ainda, os cartões mistos que permitem, por exemplo, a opção de débito e de crédito com um mesmo cartão. Nestes cartões, aquando o pagamento, devemos escolher qual a opção que pretendemos – débito ou crédito.

 

Cartões de Crédito

Ao contrário dos cartões de débito, os cartões de crédito permitem fazer pagamentos através de um plafond previamente contratado, ou seja, um crédito. Sendo assim, não necessitas de ter dinheiro na conta bancária, o valor usado será pago posteriormente.

Dependendo do valor contratado, o reembolso à instituição pode ser feito numa determinada data na totalidade ou a prestações. Todas estas informações serão acordadas antes de usar o valor. Lembra-te que o não pagamento dentro do prazo acordado pode levar à implementação de juros.

Receber para voltar a Pagar

imposto único de circulação.jpg

Ainda no início da semana passada vos contava que tinha recebido o IRS, um valor um pouco acima do que tem sido habitual nos últimos anos e eis que ontem, bem cedo, percebi que na caixa de email e ao longo da noite, tinha recebido a informação de que o Imposto Único de Circulação já se encontra disponível para pagamento. 

Na verdade alguém nos dá alguma coisa com vontade de não voltar logo a tirar? Mal o dinheiro caiu na conta e logo irá sair para os bolsos do estado e quase na sua totalidade. Nem deram espaço para fazer um pequeno investimento com este pequeno lucro com mais de uma centena de euros, e eis que já o querem de novo de volta para que os cofres bem guardados do nosso Governo não fiquem vazios por muito tempo.

Recebi o IRS

dinheiro irs.jpg

Tenho um comunicado a fazer a toda a sociedade nacional. Sim, hoje tenho algo de bom para vos comunicar! Recebi o meu IRS e tenho que vos dizer que a transferência entre os cofres do Governo e a minha conta foi acima dos valores dos anos anteriores. Uma boa notícia de Abril, numa semana de chuva, em que a Páscoa espreita e o meu estômago, com a ajuda de gripes e alergias, não anda nada bom!

Ajudem com o IRS

unicef moçambique.webp

Neste momento é importante apoiar Moçambique e o que será mais fácil do que no ato de preencherem o IRS, mesmo que já esteja pré-preenchido de forma automática, colocar um X na caixa que indica que se pretende consignar 0.5% do IRS e/ou 15% do IVA suportado. Não custa nada e ao optarem pela primeira opção estão a fornecer a instituições ajuda com o dinheiro que o estado já nos cobrou. 

Já enviei a minha declaração e desta vez resolvi colocar o NIF da Unicef justamente pela causa tão importante que é ajudar Moçambique numa altura ainda mais difícil junto de uma comunidade que já passa necessidades e que hoje ainda mais sofre com a falta de tudo. Se pouco tinham, agora então menos ainda. O NIF da Unicef é o 500 883 823, ajudem.

Não custa nada, não deixam de receber, caso optem por consignar os 0,5% do IRS, do que têm a receber com os vossos impostos e conseguem ajudar neste momento quem precisa. Ao preenchermos a declaração conseguimos ajudar para recontar muitas histórias que neste momento precisam de força para darem a volta aos problemas que os afetam. 

Curtas e Diretas | 133 | IRS entregue

finanças.jpg

IRS feito deste lado, embora tenha aparecido uma mensagem como chamada de atenção em como tinha recebido uma herança ao longo de 2017. Confesso que não tenho conhecimento de qualquer herança, como tal segui com a aprovação da declaração pré-preenchida. Agora resta esperar para receber o valor destinado ou ser chamado, caso exista uma herança que não recebi em lado algum, para verificarem essa situação. 

Ajuda no IRS!

O prazo para a entrada da declaração de IRS deste ano está a caminhar para o final, no entanto e porque o português adora deixar tudo para a última, aqui está uma ajuda que poderá ser essencial para descomplicar as alterações que foram feitas face a anos anteriores nestes últimos dias para que a entrega seja feita dentro do prazo limite.

Preencher o IRS de forma simples e rápida, com acesso a várias dicas pode tornar-se assim mais fácil através dos doze passos apresentados no eBook gratuito que a equipa do ComparaJá.pt preparou para nos auxiliar. Quem ainda não preencheu a sua declaração de IRS aqui tem uma boa ajuda que pode ser descarregada por AQUI, de forma totalmente gratuita, através do Guia Essencial do IRS - Edição 2016. 

Lembro que os trabalhadores por conta de outrem só têm até 30 de Abril para entregar a sua declaração, caso contrário arriscam-se a pagar uma multa que poderá ir até aos 150€ e 3.750€!

IRS despachado

Aparentemente, depois da não compressão da facilidade inicial, eis que num instante consegui despachar o preenchimento do IRS pela internet. Verdade seja dita que antes da tentativa final andei a vasculhar, li alguns artigos pelos blogs e ainda tive de instalar a mais recente versão do Java. 

Pelos primeiros dias da abertura da possibilidade de envio da declaração, tentei ficar despachado deste tema e embora de forma provisória, que terei de confirmar daqui a uns dias, parece que tudo já está feito para não ter de pensar mais. 

Duas coisas positivas! Além de aprender sozinho uma coisa fácil de fazer, fiquei a saber que pelo terceiro ano consecutivo conseguirei ganhar mais do que no ano anterior e também mais do que o esperado na hora de receber os euros a que tenho direito de 2015.

Complicado IRS

Pela primeira vez vou fazer o IRS pela internet e vou tentar fazer tudo em casa, só que já fiz uma primeira tentativa e as coisas não estão totalmente preenchidas como dizem.

As áreas em que existem despesas inseridas ao longo do ano não aparecem automaticamente preenchidas, tendo de colocar códigos, não encontrando todos os que necessito. Encontro o da saúde, mas depois o das despesas gerais, hospedagem, restauração e afins nem sinal deles e a ajuda também parece não constar nessa área de forma explicativa. 

Prometo que pelos próximos dias tentarei de novo e terá de ficar feito, tendo é algum receio de errar e submeter os dados com alguma das áreas em falta.

Peçam contribuinte!

Perdi um pouco do serão de Sexta-feira a tratar das faturas pendentes no Portal das Finanças, isto depois de uma notícia televisiva me fazer lembrar que tinha tal responsabilidade por cumprir. Uns ligeiros minutos bastaram para colocar tudo no sítio e perceber que a conta a receber este ano poderá estar bem acima do que me chegou no ano passado. Um bocado do serão passado a colocar as faturas nos seus lugares para perceber que afinal pedir contribuinte no momento da compra sempre dá algum jeito.

Confesso que nestas primeiras semanas de 2016 tenho andado bem relaxado com o contribuinte nas faturas, o que já alterei a partir do momento em que percebi que tudo ajuda para ganhar um pouco mais na contabilidade final a fazer no próximo ano.